A Renovação Carismática Católica vai completar 40 anos em 2007. Ela começou nos Estados Unidos e se espalhou rapidamente por todo o mundo católico como um novo Pentecostes trazendo uma bela renovação para a Igreja. Tudo começou quando em 18 de fevereiro de 1967, trinta estudantes e professores da universidade de Duquesne (Pensilvânia, Estados Unidos), fizeram um retiro espiritual para aprofundar na força do Espírito dentro da Igreja primitiva, lendo e meditando os Atos dos Apóstolos.

Já em 1973 o Papa Paulo VI recebia no Vaticano, com o falecido cardeal Leo Joseph Suenens, os lideres da RCC no mundo. Paulo VI os acolheu com alegria.

Podemos dizer que o Papa João XXIII foi precursor da RCC. Ao abrir o Concilio Vaticano II, em 1963 ele rezou: “Repita-se no povo cristão o espetáculo dos Apóstolos reunidos em Jerusalém, depois da ascensão de Jesus ao céu, quando a Igreja nascente se encontrou reunida em comunhão de pensamento e de oração com Pedro e em torno de Pedro, pastor dos cordeiros e das ovelhas. Digne-se o Divino Espírito escutar da forma mais consoladora a oração que sobe a Ele de todas as partes da terra. Que Ele renove em nosso tempo os prodígios como de um novo Pentecostes, e conceda que a Santa Igreja, permanecendo unânime na oração, com Maria, a Mãe de Jesus, e sob a direção de Pedro, dilate o Reino do Divino Salvador, Reino de Verdade e Justiça, Reino de amor e de paz”.

No pontificado de João Paulo II a RCC foi reconhecida pelo “Conselho Pontifício para os Leigos”, e hoje envolve mais de 120 milhões de católicos em todo o mundo. Ela tem um organismo internacional; existe o escritório dos «Serviços Internacionais da Renovação Carismática Católica» (ICRSS, por suas siglas em inglês), com sede no Vaticano.

O Papa João Paulo II sempre acolheu amorosamente a RCC; e muitas vezes recebeu os seus líderes em audiência. É importante recordar as suas palavras por causa de suas preciosas orientações.

Em 1992 João Paulo II disse aos líderes da RCC:

“Na alegria e na paz do Espírito Santo, dou as boas vindas ao Conselho Internacional da Renovação Carismática Católica. No momento em que comemorais o 25° aniversário de fundação da Renovação Carismática Católica, uno-me de bom grado a vós, na ação de graças a Deus pelos inúmeros frutos que ela deu à vida da Igreja. A Renovação surgiu nos anos que se seguiram ao Concílio Vaticano II, e foi um dom particular do Espírito Santo à Igreja. Foi sinal do desejo que muitos católicos tinham de viver, de maneira mais plena, a sua própria dignidade e vocação batismal, como filhos e filhas adotivas do Pai, de conhecer a força redentora de Cristo, nosso Salvador, numa experiência mais intensa de oração pessoal e coletiva, e de seguir o ensinamento das Escrituras mediante a sua leitura, à luz do mesmo Espírito que inspirou o seu autor. Certamente um dos resultados mais importantes desse despertar espiritual foi a aumentada sede de santidade, visível nas vidas das pessoas individualmente e na Igreja inteira… Neste momento da história da Igreja, a Renovação Carismática pode desempenhar um papel significativo na promoção da defesa, extremamente necessária, da vida cristã, nas sociedades em que o secularismo e o materialismo enfraqueceram a capacidade que as pessoas têm de responder ao Espírito e de discernir o chamamento amoroso de Deus. O vosso contributo para a re-evangelização da sociedade será efetuado, em primeiro lugar, mediante o testemunho pessoal do Espírito que habita em nós e  mediante a demonstração da Sua  presença, com obras de santidade e de solidariedade… Independentemente da forma que a Renovação Carismática assumir – nas orações de grupo, nas comunidades conventuais de vida e de serviço – o sinal da sua fecundidade espiritual será sempre o fortalecimento da comunhão com a Igreja universal e com as Igrejas locais… Ao mesmo tempo o aprofundamento da vossa identidade católica, haurindo da riqueza espiritual da Tradição católica, é uma parte insubstituível do vosso contributo ao diálogo ecumênico autêntico que, alimentado pela graça do Espírito Santo, deve levar à perfeição da “comunhão na unidade, na confissão de uma só  fé, na comum celebração do culto divino e na fraterna concórdia da família de Deus”(Unitatis redintegratio, 2).(L’Osservatore Romano, n. 15, 12/4/1992, 4 (184))Aos participantes do IX Congresso Internacional da Renovação Carismática em outubro 1998, o Papa disse:“Vocês pertencem a um movimento eclesial. A palavra eclesial implica numa tarefa precisa de formação cristã, envolvendo uma profunda convergência de fé e vida. A fé entusiástica que dá vida às suas comunidades deve ser acompanhada por uma formação cristã que seja abrangente e fiel ao ensinamento da Igreja.”(L’Osservatore Romano, nov 1998.)

Quando da Conferência Internacional da Renovação na Itália em outubro de 1998, ele lhes disse:

“A Renovação Carismática Católica tem ajudado muitos cristãos a redescobrirem a presença e o poder do Espírito Santo em suas vidas, na vida da Igreja e do mundo; e esta redescoberta tem levantado neles uma fé em Cristo cheia de alegria, um grande amor pela Igreja e uma generosa dedicação a sua missão evangelizadora. No ano de 1998 em que dedicamos ao Espírito Santo, eu me uni a vocês no louvor à Deus pelos preciosos frutos que Ele quis trazer à maturidade em suas comunidades e através delas, às Igrejas particulares. Como líderes da Renovação Carismática Católica, uma de suas primeiras tarefas é a de preservar a identidade das comunidades carismáticas espalhadas pelo mundo inteiro, incentivando-as sempre a manter uma ligação estreita e hierárquica com os bispos e com o Papa.”

Os cardeais da Cúria Romana sempre participaram dos eventos da RCC. No XXVII Congresso Nacional italiano, em Rímini, em 30 de abril de 2004 (ZENIT.org) estiveram presentes o cardeal Giovanni Battista Re, então Prefeito da Congregação para os Bispos, o cardeal Francis Arinze, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos e o padre Raniero Cantalamessa, pregador da Casa Pontifícia. Isto mostra o real apoio da Santa Sé a RCC. Ninguém pode negar isto.

A Renovação Carismática não é um movimento uniforme; mas, como dizia o cardeal Suenens e diz o padre Raniero Cantalamessa, “é uma corrente de graça para toda a Igreja católica.” Ela não é um simples movimento a mais da Igreja; é a própria Igreja em movimento pelo poder do Espírito Santo. Todos os cristãos de todos os movimentos precisam ser renovados no Espírito Santo; e esta é a missão da RCC.

Vale a pena ler o testemunho pessoal do Pe. Raniero Cantalamessa, que desde 1978 é o Pregador da Casa Pontifícia, em entrevista concedida à agencia Zenit
em Castel Gandolfo, em 25set 2003:

   “O batismo no Espírito não é uma invenção humana, é uma invenção divina. É uma renovação do batismo e de toda a vida cristã, de todos os sacramentos. Para mim – ele disse – foi também uma renovação de minha profissão religiosa, de minha confirmação, de minha ordenação sacerdotal. Todo o organismo espiritual se reaviva como quando o vento sopra sobre uma chama. Por que o Senhor decidiu atuar neste tempo desta maneira tão forte? Não sabemos. É a graça de um novo Pentecostes… É uma vinda do Espírito Santo que se traduz em arrependimento dos pecados, que faz ver a vida de uma maneira nova, que revela Jesus como o Senhor vivo – não como um personagem do passado – e a Bíblia se converte em uma palavra viva. A verdade é que não se pode explicar. Para mim tudo o que passou desde 1977 é um fruto de meu batismo no Espírito. Era professor na Universidade. Dedicava-me à pesquisa científica na história das origens cristãs. E quando aceitei não sem resistência esta experiência, depois tive o chamado de deixar tudo e colocar-me à disposição da pregação, e também a nomeação como pregador da Casa Pontifícia chegou depois de que tinha experimentado esta «ressurreição». Vejo isso como uma grande graça. Depois de minha vocação religiosa, a Renovação Carismática foi a graça mais assinalada de minha vida… Quero dizer aos fiéis, aos bispos, aos sacerdotes, que não tenham medo. Desconheço por que há medo. Talvez em alguma medida porque esta experiência começou entre outras confissões cristãs, como pentecostais e protestantes. Contudo, o Papa não tem medo. Falou dos movimentos eclesiais, inclusive da Renovação Carismática, como de sinais de uma nova primavera da Igreja, e muito com freqüência faz referência na importância disso. E Paulo VI afirmou que era uma oportunidade para a Igreja. Não há que ter medo.”

Todas essas palavras do Papa João Paulo II e do Pregador do Papa, mostram a grande importância da RCC para a Igreja. O Papa Bento XVI também ama a RCC; ainda como cardeal e Prefeito da Congregação da Fé, em entrevista ao jornalista italiano Vitório Messori disse: “Certamente [a Renovação no Espírito]  trata-se de uma esperança, de um positivo sinal dos tempos, de um dom de Deus para a nossa época. È a redescoberta da alegria e da riqueza da oração contra a teoria e práxis sempre mais enrijecidas e ressecadas no tradicionalismo secularizado. Eu mesmo constatei pessoalmente a sua eficácia: em Munique, algumas boas vocações ao sacerdócio vieram-me do movimento. Como em todas as realidades entregues ao homem, dizia eu, também esta é exposta a equívocos, a mal-entendidos e a exageros. O perigo, porém, seria ver apenas os  riscos, e não o dom que nos é oferecido pelo Espírito. A necessária cautela não muda, portanto, o juízo positivo do conjunto.”

O atual Presidente do Pontifício Conselho dos Leigos, o Arcebispo e cardeal Stanilaw Rylko, que foi secretário de João Paulo II aprecia profundamente a RCC como já disse várias vezes.

Há 32 anos eu estou na RCC; participei de dezenas de Experiências no Espírito Santo; viajei e viajo pelo Brasil todo e por alguns paises pregando retiros às pessoas e grupos ligados à RCC; e sou testemunha ocular do bem que faz a Igreja. Os ginásios de esporte, os auditórios e os campos de futebol se enchem de milhares de pessoas que rezam com fervor, cantam alegremente e louvam a Deus do fundo da alma. Surgem por todo o mundo Comunidades de leigos, consagrados ao serviço de Deus e da Igreja; elas são a nova força da Igreja; satisfazem o que pediu o Papa João Paulo II, “uma nova evangelização”, com novo ardor, novos métodos e nova expressão; é tudo o que acontece hoje na RCC.  Seus frutos são enormes: conversões em massa, famílias restauradas em Deus, jovens que abandonam o crime, a droga, a bebida e todas as formas de vícios, e tantos que se consagram a Deus.

Pode haver sim erros e até alguns abusos na RCC por parte de pessoas despreparadas e que não têm uma boa formação religiosa; mas cabe aos sacerdotes corrigir os erros e formar o povo, sem destruir o que é bom.  

 

 

Prof. Felipe Aquino

28 Comentários

  1. Marcio Antonio

    QUE INVEJA EM RICARDO …?

    OU ESTA COMO JOVEM RICO APEGADO A COISAS SUAS E NÃO SEGUE JESUS… ?

    VEM VOCÊ TAMBÉM… !!!

    VEM RICARDO, LARGA ESTE RANCOR ESQUERDISTA E VEM!

  2. Marcio Antonio

    DESCULPE RICARDO VOCÊ É AQUELE DE EXTREMA DIREITA NÃO É? …

    CUIDADO…

    AQUELE QUE MUITO SE DEU MUITO SERÁ COBRADO…!

  3. Marcio Antonio

    CARO RICARDO…

    ENTÃO, TODOS ESTAMOS ERRADOS: OS PAPAS ESTÃO ERRADOS, OS BISPOS DA CNBB ESTÃO ERRADOS, O CONCÍLIO ESTA ERRADO, O PROF. FELIPE ESTA ERRADO EU TAMBÉM, OS MAIS DE 100 MILHÕES DA RCCI ESTÃO TODOS ERRADOS … SÓ VOCÊ ESTA CERTO!?

    VOCÊ QUE ESTA CHAMANDO O QUE VÊ DE PROTESTANTISMO CARO RICARDO, SÓ VOCÊ!

    CONSULTA SITE DE EXTREMA DIREITA E NÃO SABE?

    NÃO SABE A DIFERENÇA DE DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO COM SINCRETISMO!

    QUE TEM DE ERRADO EM EXPRESSARMOS SENTIMENTOS E EMOÇÕES. JESUS NUNCA SE ALEGROU OU CHOROU? NÃO TEVE MOMENTOS DE ANGUSTIA E DOR?

    SE TODOS ESTAMOS ERRADOS PORQUE ESTA AQUI? NESTE BLOG?

    AS AFIRMAÇÕES QUE COLOCOU SOBRE A ORIGEM DA RCC É UMA INVENÇÃO!

    FIQUE EM PAZ E DEPOIS ME RESPONDA.

  4. Vs está afirmando que só eu vejo o protestantismo da RCC?Foi isso mesmo??E o que vc sabe de extrema direita?Por acaso vc tem uma bola de cristal em casa para saber se consulto tais sites??E vc diz que não sei a diferença de dialogo inter-religioso e sincretismo??O que tem a ver uam coisa com a outra??O dialogo inter-religioso, ou melhor,a interação religiosa é feita com o dialogo para se convencer alguém aceitar aquilo que é verdade de fé(exemplo: a fé católica).Pelo menos isso é que eu entendo,com minhas palavras.Já o sincretismo,consultei o dicionário e vi:”Sincretismo O que resulta da fusão ou amálgama de elementos de diferentes origens”.Realmente eu tinha uma idéia mas achei mehor consultar o dicionário para mostra a vc que não sei tudo.Tenho muito a aprender.O que esta em questão meu caro Marcio,é ensinamento errado que se dá através desse site.o ensinamento segundo o concilio vaticano II.Não pense que eu sou um sabe -tudo ou intelectual.Sei das minhas misérias.Mas é preciso discernir o que é bom pela fé.E a fé por bons argumentos e não funciona sem a razão,uma complementa a outra.O que eu falei sobre a RCC é pura verdade.Não é invenção.Invenção é o tal “repouso do espirito” que nem mencionado na biblia é.Do que adianta eu falar a línguas dos anjos se eu não tiver caridade??ou como edificarei alguém,sem que me compreendam??Faço das Palavras de São Paulo minhas.
    “Assim pois, irmãos, se eu for ter convosco falando em diversas línguas, de que vos aproveitarei eu, se não vos falar ou com revelação, ou com ciência, ou com profecia, ou com doutrina ? ” (I Cor. XIV,6).
    Se estiver interessado em entrar contado comigo deixarei meu email.mas primeiro vou esperar sua resposta.E mudando meu tom para vc me despeço com Paz de Cristo

  5. Marcio Antonio

    Muito bem Ricardo valos dialogar melhor assim!

    O termo heresia esta no Dicionário Aurélio como:
    1.Doutrina contrária ao que foi definido pela Igreja em matéria de fé.
    2.Ato ou palavra ofensiva à religião.
    3.Idéia ou teoria contrária a qualquer doutrina estabelecida.
    4.Fig. Contra-senso, tolice.

    Você chamando a RCC de heréticos, eu entendi de estava afirmando nestes termos do dicionário. Pareceu um tom agrecivo (muito forte) é não aberto ao dialogo. Me senti na obrigação de exortá-lo… visto que este Blog muitas pessoas podem ler e ficar acreditando no que escreveu, se ninguém rebater certas afirmações.

    É fato que o Prof. Felipe não entra nos debates que fazemos, não sei porque. O e-mail dele esta no site.

    Tem muita pessoas que só sabem provocar, me desculpe se te confundi com alguém assim.
    Em outro Blog você usou um texto da Monfort que é de extrema direita…

    O termo heresia é usado na Igreja como motivo de excomunhão… Exemplo de herético é o Betto já malhado como um “judas” no outro Blog. Ele nega tudo e ofende tudo que é Santo, se coloca como um iluminado etc.

    Pelo que escreve você não aceita o Concilio Vaticano II então deixemos o Concilio Vaticano II de lado e dialoguemos só pelos moldes dos concílios anteriores a Bíblia, os sacramentos e dogmas até então certo? Pelos documentos oficiais até então etc.

    Sou leigo e posso falhar em algum argumento… do que estou aberto a correção e dúvidas, na caridade.

    Na Bíblia Jesus ensinou aos seus discípulos, não lhes ensinei tudo mas vou ao Pai e Lhes enviarei o Espírito Santo que estará convosco até o fim dos tempos e lhes ensinará tudo. Como apóstolos e discípulos esta mensagem é para nós também.

    Só em Pentecostes com uma Efusão (derramamento) do Espírito Santo é que os apóstolos e demais presentes entenderam tudo que Jesus lhes ensinava com palavras e ações etc até ali. Pedro perde o medo e é o primeiro a pregar etc.

    Na Bíblia temos vários momentos de efusões (ou batismos) que Jesus dava aos apóstolos, antes de enviá-los em missões etc.

    Os primeiros apóstolos eram Judeus e seguiam os costumes de Judeus, mas Jesus com a eucaristia já tinha inserido algo novo. Ensinou o Pai nosso, a perdoar sempre, a rezar pelos inimigos etc.

    Depois do Pentecostes muita coisa foi mudando nestes hábitos de Judeus para Cristãos… Mudou o sábado para Domingo como dia reservado para culto religioso, a circuncisão foi abolida, todo rito da missa se criou, os sacramentos foram estabelecidos, o novo testamento foi escrito, muitos foram os Concílios, os dogmas de Maria, as orações do terço etc… Temos assim que a Igreja tem uma evolução… dentro da história da humanidade, sempre guiada pelo Espírito Santo

    Muitos foram os movimentos que surgiram e com novidades, contumes e disciplinas. Foram os monges com suas disciplinas que estabeleceram que deveríamos ter horário para levantar rezar trabalhar, as refeições, o descanso por exemplo. As escolas começaram assim, dentro de mosteiros.

    Jesus ensinou e ordenou …”analisai tudo e ficai com o que é bom”…

    As separações da Igreja não foi vontade de Deus, mas a dureza de corações e mentes que a fizeram por interesses diversos.

    Existe sim muita coisa boa em várias desta Igrejas separadas que elas levaram da nossa. Logo não podemos afirmar que são heréticas ou seja totalmente contra a nossa Fé. Até as pentecostais, somos pentencostais. As que só ficam no louvor, o louvor faz parte de nossas missas. São muitas… que seguem apenas partes do ensinamento Bíblico e tradições, e colaram coisas erradas no meio ou de forma distorcidas, o que não devemos adotar. Pelo que sei os ortodoxos tem todos os sacramentos com os nossos, é a Igreja mais próxima em tudo que tem de comum. Cabe a eles aceitarem a se unirem na obediência ao Vaticano. Não o fizeram por pressão dos Russos num pensamento político de que colocariam sua nação indiretamente as ordens do Vaticano. E sabemos que não é esta a intenção do Vaticano ou do então Papa João Paulo II.

    A completa, a pura no seu ensinamento e cultos é a nossa Igreja católica. Não estamos copiando e buscando em outras o que já é nosso.

    Porque seria que temos hoje na Igreja pela RCC 0 “repouso no Espírito Santo”? Não perguntei isto a ninguém mas analisamos: – a humanidade moderna desta últimas décadas tem levado muitos ao estresse e a depressão, são consideradas doenças que mais afastam trabalhadores de suas funções. Muitos não conseguem retornar a uma vida produtiva etc. Logo eu penso que é uma resposta de Deus para curar estas pessoas deprimidas e estressadas na alma. O repouso no espírito, pode ser descrito como se colocar no colo do Pai. Como um bebe confiante que dorme no colo do pai.
    Este colo e atenções que muitos de nosso pais (pai e mãe) não deram, quando bebes, pois estavam muito ocupados com seus trabalhos, leituras, reportagens de TV… filhos que tem o dia inteiro em ocupações de estudos e trabalhos, só conversam com amigos e não com seus pais. Na Igreja são muitos os padres que não sabem ouvir os seus filhos espirituais, não tem tempo reservado para o confessionário e para a orientação espiritual pessoal.

    É pelos frutos que reconhecemos se uma árvore é boa ou não. As pessoas que experimentaram o repouso e/ou a efusão do Espírito Santo relatam o que? O que mudou em suas vidas depois desta experiência? Foram curadas, passaram a ter mais paz e confiança em Deus, largaram de vícios como bebida e fumo, não precisaram mais de drogas para dormir etc. Como podemos dizer que isto não é bom? Quantos são os que foram se confessar de pecados que antes nem lembrava ou pensava ser pecado etc. Voltaram a freqüentar a Missas por anos abandonadas, são mais alegres e confiantes etc, Tudo Fruto Bom.

    Na Oração do Credo (o resumo de nossa Fé) temos


    Creio no Espírito santo;

    Amor e Paz

    marcio_antonio@globo.com

  6. Eduardo Zombini

    muito bem, márcio. Esse povo anda lendo muito as idéias de gente como Orlando Fedeli, TFP e cia limitada…

    Seria bom escutarem o Concílio e os Papas…

  7. Marcio Antonio

    Mande um e-mail na minha caixa postal Eduardo Zombini

    marcio_antonio@globo.com

  8. Infalibilidade

    A infalibilidade da Igreja

    Guardar o depósito da fé é a missão que o Senhor confiou à sua Igreja
    Para levar os homens à salvação, pelo “conhecimento da verdade” (1Tm 3,15), o Senhor garantiu à Igreja – por meio do Sagrado Magistério – a infalibilidade naquilo que se refere à salvação dos fiéis; isto é, nos ensinamentos doutrinários (fé e moral). Assim, a mensagem do Evangelho não ficaria à mercê da manipulação dos homens, como sempre se tentou na história da Igreja.

    Sem a garantia da infalibilidade para o Magistério da Igreja, podemos dizer que teria sido inútil a Revelação Divina, pois ela seria deteriorada ao chegar até nós, e não teria a força da salvação.

    O Papa João Paulo II – ao apresentar o novo Catecismo – disse: “Guardar o depósito da fé é a missão que o Senhor confiou à Sua Igreja e que ela cumpre em todos os tempos” (FD, introdução).

    Esta é portanto “a missão” sagrada que a Igreja recebeu do Senhor: “guardar o depósito da fé”, intacto; e isto a Igreja sempre fez e faz. É com esta finalidade que a Santa Sé possui a “Sagrada Congregação Para a Doutrina da Fé”, encarregada de zelar pela pureza da doutrina em todo o mundo católico.

    A Igreja tem a missão de fazer “resplandecer a verdade do Evangelho”, afirma o saudoso Papa João Paulo II.

    A grande preocupação da Igreja sempre foi ser fiel ao Senhor dela, guardando intacto aquilo que d’Ele recebeu, o “depositum fidei” (depósito da fé), ou, como dizia São Paulo a Timóteo e a Tito: a “sã doutrina” (cf. 1Tim 4:6; 2Tim 1:14; 4:3; Tt 1:9; 2:7).

    Ao longo da sua história, a Igreja realizou 21 Concílios Ecumênicos (universais) para manter intacta essa “sã doutrina”. Foram muitas vezes momentos difíceis para ela, porque, por não aceitarem a verdade, muitos irmãos se separaram da unidade católica; mas também foram momentos de luzes para a caminhada dela.

    É sobretudo nos Concílios que a Igreja exerce a sua infalibilidade em matéria de fé e de moral. Não se conhece na história dela [Igreja] uma verdade da fé que um dos Concílios, legítimos, tenha ensinado e que outro a tenha revogado. Essa ocorrência doutrinária é uma prova da infalibilidade, já que o Espírito Santo, o grande Mestre da Igreja, não se contradiz. Ele não pode revelar à Igreja uma verdade hoje, que seja diferente, na essência, daquilo que Ele revelou ontem.

    “A Igreja do Deus vivo é a coluna e o sustentáculo da verdade” (1 Tm 3,15). O bom católico, o católico fiel e convicto, não pode duvidar de nada que a Santa Igreja Católica ensina. São maus filhos dela aqueles que discordam dos seus ensinamentos oficiais. Discordar da Igreja nesses pontos é o mesmo que discordar de Jesus e desconfiar da assistência infalível que o Espírito Santo presta a ela, por promessa de Jesus (cf. Jo 14, 16-17).

    Quando a Igreja nos ensina qualquer verdade de fé ou de moral, é porque ela estudou muito a fundo a questão, orou muito sobre o assunto, perscrutou o que o Espírito Santo lhe tinha a dizer, antes de nos ensinar. As verdades reveladas, muitas vezes, incompreensíveis para quem não estudou Teologia, não devem ser para nós motivo de discordância ou de desconfiança, por se tratarem de dogmas. Pelo contrário, todo e qualquer ensinamento do Magistério da Igreja deve ser recebido com gratidão e alegria, e imediatamente, colocado em prática, como algo vindo a nós do próprio Jesus. É lamentável que muitos católicos se deixem abalar quando pessoas de outras religiões neguem as verdades de nossa fé, solidamente consolidadas. Eis aí uma questão que nos deve fazer estudar e aprofundar a nossa fé. São Pedro já dizia aos cristãos do seu tempo:

    “Estais preparados para apresentar aos outros a razão da vossa esperança” (1 Pe3:15).

    Artigo extraído do livro “Escola da Fé – O Sagrado Magistério” do professor Felipe Aquino.

  9. “A fé e a razão (Fides et ratio) constituem como que duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade. Foi Deus que colocou no coração do homem o desejo de conhecer a verdade e, em última análise, de O conhece a Ele, para que conhecendo-o e amandao-o possa chgar também à verdade plena sobre si próprio…”
    JOÃO PAULO II – Carta Encíclica – FIDES ET RATIO

    Neste lindo ensinamento do então Papa João Paulo II fica-nos a certeza que a fé e a razão caminham juntas, de mãos dadas. Uma pessoa que se diz cristã não pode caminhar, ou melhor, voar, sem essas duas asas. Pois são elas (a fé e a razão) que nos elevam ao céu e nos faz buscar a verdadeira verdade que está e é o Senhor Jesus Cristo.

    PRIMEIRA ASA – A FÉ (FIDES)

    Nos diz o CIC – Catecismo da Igreja Católica no parágrafo 166: ” A fé é um ato pessoal: a resposta livre do homem à iniciativade de Deus que se revela.”

    SEGUNDA ASA – A RAZÃO (RATIO)

    Nos diz o CIC no parágrafo 50: Mediante a razão natural, o homem pode conhecer a Deus com certeza a partir de suas obras. Mas existe outra ordem de conhecimento que o homem de modo algum pode atingir por suas próprias forças, a da Revelação Divina. Por uma decisão totalmente livre, Deus se revela e se doa ao homem.

    A fé e a razão, nestas duas asas Deus se revela.
    O que acreditam aqueles que participam da RCC? Deus tem se revelado neste “movimento”? À razão em tudo o que acontece dentro da RCC?
    Vejamos:

    “O vento sopra onde quer e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai.” Evangelho de São João 3,8
    Nestes últimos tempos o “vento” tem soprado em muitos lugares e em muitas pessoas. É o próprio Deus se revelando em nossos tempos.
    Até aqui “falei” do que nos diz a Igreja e sua cabeça, o próprio Jesus Cristo, porém agora venho falar do meu testemunho como membro do corpo místico de Cristo.
    HÁ quase nove anos conheci a RCC me unindo à alguns jovens do Crisma iniciando um grupo de oração. Eu participava da igreja como a maioria dos “católicos de sétimo dia”, ou seja, aqueles que só vão à igreja aos domingos mas não conhecia Jesus Cristo. Minha vida era midíocre, minha fé? nem sei se aquilo podia ser chamado de fé! Ao longo destes anos Deus tem feito maravilhas em minha vida e na vida de muitas pessoas que conheço. Vi e continuo vendo milagres e prodígios realizados por Deus, pelo sopro Divino na Igreja através dos servos do senhor que partIcipam ativamente da RCC. Como a minha fé e confiança em Deus cresceram. Claro, ainda é pequena minha fé, mas mesmo na minha pequena fé tenho visto e alcançao grandes graças. Contra fatos não há argumentos.

    Lendo os comentários do Sr. Ricardo me pergunto como existem pessoas que ainda buscam o Senhor apenas pela razão, e não pela fé e razão. Não a razão humana, mas a razão Divina, revela pelo sopro de Deus. Como o homem procura a sebedoria humana e não à Divina. Negar a ação de Deus na RCC é negar o próprio Cristo. Como disse Jesus tantas vezes aos fariseus: “Creiam ao menos pelas obras!” Irmãos amados, inclusive o Sr. Ricardo, não desejo que creiam em mim ou em minhas pobres palavras mas criam ao menos pelas obras que o Senhor tem realizado no meio do seu povo através da RCC. Ábra-se a graça de Deus, do Deus que se revela. Se eu não tive-se visto Deus agir de tal forma através da RCC talvez não acredita-se também. O importante não é a RCC. A RCC é apenas um canal. Mas não posso negar que ela é uma grande graça para a Igreja nos dias de hoje, como nos disse o nosso querido João Paluo II. Vejo através da fé o quanto Deus tem tocado, curado e libertado o seu povo. E em Suas obras vejo que à razão em tudo o que Deus tem feito. Não somos mais santos nem menos santos que os outros cristãos, mais sinceramente, somos mais alegres. Porque a alegria do Senhor é a nossa força. Na RCC vi que Jesus realmente ressuscitou, pois o vejo com os olhos da fé curando nos dias de hoje como curava a dois mil anos atrás. Amando, ensinando, tocando, abrançando e fazendo morada em nós.
    A RCC não é a verdade, mas é portadora da verdade, pois Cristo está nela, como ela está em Cristo Jesus, que é caminho, VERDADE e vida.

    E não esqueça…

    Você é muito importante para Deus…

    E Ele tem um lindo projeto de vida e salvação para você!!

  10. “A RCC não é a verdade, mas é portadora da verdade, pois Cristo está nela, como ela está em Cristo Jesus, que é caminho, VERDADE e vida.”

    belo comentário Sandro.

    Ricardo,não disponho de tantas informações quanto vc que consegui de não sei qual fonte,mas só tenho algo a acrecentar-lhe:

    Eu amo a Jesus e amo a minha Igreja, e amo também a RCC,pois me fez amar cada dia mais a minha Igreja eo meu Senhor de todo coração, não tenho nenhma fonte de informação,mas do meu coração eu desejo que vc compreenda os mistérios do amor de Deus,que entenda que todo aquele que ama Jesus e ama a Igreja, ama também os seus irmãos e não duvida da sua fé…

    que Jesus nos ilumine,em nossa pequenês…

  11. “Quem em nossos dias, espera que aqueles a quem são impostas as mãos para que recebam o Espírito Santo, devem portanto falar em línguas , saiba que esses sinais foram necessários para aquele tempo. Pois eles foram dados com o significado de que o Espírito seria derramado sobre os homens de todas as línguas, para demonstrar que o Evangelho de Deus seria proclamado em todas as línguas existentes sobre a Terra. Portanto o que aconteceu, aconteceu com esse significado e passou”

    Santo Agostinho (Séc IV)

  12. Marcio Antonio

    Me diga a fonte Robson de onde tirou estas (ditas por tu) palavras de Santo Agostinho.

    Podemos nos limitar ou adivinhar as ações do Espírito Santo na Igreja?

    Se serviu para aquela época não pode servir mais…

    E a oração do Papa João XXIII, Deus não lhe atendeu?

    Este pediu um novo Pentecostes para a Igreja, não sabes tu?

    ETC…

  13. Olá Márcio Antonio.

    Texto original:

    Who in our day expects that those on whom hands are laid so that they may receive the Holy Spirit should forthwith speak with tongues….These signs were adapted to the times. For there behooved to be that betokening of the Spirit in all tongues to show that the Gospel of God was to run through all the tongues over the earth. But that thing was done for the betokening, and it has passed away. 5

    Fonte: “Minority Religions in America”
    Autor: William Whalen
    Staten Island: Alba House, 1971 … página 179

    Não gosto de discutir, mas vamos às respostas:

    “Podemos nos limitar ou adivinhar as ações do Espírito Santo na Igreja?”

    Não pense como “adivinhar”, mas como um olhar racional para a voz dos santos e dos papas. Enfim, sobre o que a tradição nos diz.

    “Se serviu para aquela época não pode servir mais…”

    Sugiro a Suma Teológica II, se não me falha a memória. Lá, Santo Tomás de Aquino explica a necessidade destes dons para aquele tempo.

    “E a oração do Papa João XXIII, Deus não lhe atendeu?
    Este pediu um novo Pentecostes para a Igreja, não sabes tu?”

    Bem, isso é algo muito subjetivo. Quantos Papas fizeram várias orações pedindo paz, união à verdadeira fé… E nem por isso deixamos de ter guerras e várias religiões.

    ps: É inegável que há no coração dos membros da RCC um amor incondicional à Igreja, à eucaristia… Benefícios que não se encontra com facilidade em outros movimentos (TL e CIA). Contudo, isso não justifica toda a ‘catolicidade’ do movimento.
    Há erros doutrinários sim, mas antes carismático (com seus erros muitas vezes sem culpa) do que protestante, ateu…

    Para contato, email: robson_combs@yahoo.com.br

  14. bom dia,
    Gostaria muito que todos voces refletisse sobre esses capitulos.
    ROMANOS 1:18-25.
    DEUTERONOMIO 4:12-17.
    SALMOS 115:1-8.
    ISAIAS 44:6-19.
    ISAIAS 45:15-21.

    Reflita depois esses:
    Mt 21:10-11
    Mc 6:4
    Lc 4:22-24.; 13:33,34.
    Apocalipse 19:10

    Reflita:
    Tg 2:1
    Gl 3:13
    Fp 2:5,6.

  15. P. Robson

    O que essas passagens tem a ver com o assunto meu caro Cleudimar.

    Se minha impressão for correta, e espero que esteja, vc é protestante e nem sequer se deu o trabalho de ler os textos acima.

    Por favor, o assunto aqui é mais sério.
    Essa história de “imagens” já virou assunto infantil.
    Temos coisas mais importantes a tratar.

    ps: Espero estar enganado, mas caso esteja certo… Continue acessando sites católicos que mais cedo ou mais tarde vc estará na verdadeira Igreja de Cristo, se sua busca pela verdade for sincera, claro.

  16. P. Robson

    Errata –

    Onde se lê:
    Se minha impressão for correta, e espero que esteja, vc é protestante e nem sequer se deu o trabalho de ler os textos acima.

    Leia:
    Se minha impressão for correta, e espero que NÃO esteja, vc é protestante e nem sequer se deu o trabalho de ler os textos acima.

  17. MARCIO ANTONIO

    Retornando o debate com P. ROBSON…

    Suas interpetações dos fatos vão de contra o ensinamento da Igreja e da Bilblia.

    Se Agostinho afirmou, como escreveste, que o que serviu no inicio da Igreja, não serveria mais… Uso desta colocação para dizer que: O que Agostinho escreveu serviu para a época dele aqui na terra e não serve mais.

    As orações dos Papas foram, são e seram ouvidas por Deus. Se, aparentemente, algo não ocorreu ainda é pelo fato de o tempo de Deus não ser igual ao nosso.

    É promessa de Jesus aos apóstolos a ação Dele pelo Espírito Santo, as revelações, ensinamentos, curas, milagres etc… até a consumação dos tempos.

    Quanto as orações em linguas, leia o que Dom Alberto Taveira escreveu para a CNBB. Está publicado neste site, em …

    http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=NOVIDADE1&id=ni10183

    … com Deus

  18. Meu Deus! Havia entrado por acaso nessa pagina; tinha resolvido felicitar ao Prof. Felipe Aquino pela ocasiao do aniversario do Movimento. Antes de faze-lo, perdi-me lendo os comentarios. Diria que os fundamentalismos – de todos os tipos – grassam por aqui!
    Enfim, felicito ao Prof. Felipe Aquino, bem como a todo o Movimento da Renovaçao Carismatica Catolica, pelos seus 40 anos de fundaçao. Que o Espirito do Senhor Morto e Ressuscitado nos conduza a todos pelos inumeros e diversos caminhos pelos quais podemos chegar a Ele! E que as nossas palavras nao sejam causa de divisao, de apartamento e de exclusao!

  19. TEM GENTE AQUI QUE É UM TIPO DE ATEU E NAO SABE;
    NA VERDADE TÁ MAIS PRÁ UNS ATOA.
    QUE A PAZ REINE NESSE BLOG,
    SHALOM…

  20. OS QUE CONFIAM NO SENHOR SERÃO COMO O MONTE DE SIÃO ,
    QUE NÃO SE ABALA,
    PERMANECEM PARA SEMPRE PARA .
    (SALMO 125:1)

  21. Que alegria, a RCC faz 40 anos,me sinto muito feliz por fazer parte deste movimento que tem levado tanta gente a conhecer Jesus. Vejo tantas vidas resgatadas, familias reustaradas e um povo que adora Jesus de coração. Por isso agradeço a todos que lutam pela evangelização, e que como eu se doam em beneficio do irmão. E não se esqueçam do que nos ensina São Francisco…”Mas se diante da humilhação, mesmo no sofrimento e dor, se for Deus quem tal o faz, que nos deixa na noite e na cruz e se enterdermos que tudo isso imita Jesus aí está a perfeita alegria!”
    Então irmãos…que venham as pedras….

    Fabiana

  22. Antonio Marcos

    Prezado Prof. felipe

    Eu tenho visto no site Associação Cultural Montfort muitas críticas sobre a RCC e em especial ao Monsenhor Jonas. O Sr. tem conhecimento deste site?
    Por que eles criticam tanto a RCC e a Canção Nova. Por ser membro da RCC e admirador da CN sinto me ofendido. O Sr. tem algum comentário sobre eles?
    Em uma pseudo defesa da Igreja o Sr. Orlando Fedeli FALA PALAVRAS HORRÍVEIS A RESPEITO DA RCC E DA CN. Sinto me, como membro da RCC, dentro de um trinubal de inquisição sendo chamado de herege por participar da RCC e ver a CN.

    ABRAÇOS FRATERNOS

    Att.

    Antônio marcos – Lages/SC

  23. oi pessoas, tudo bem?
    que a paz de Cristo e o amor de Maria estejam com vcs…
    é muito chato ver catolicos discutindo sobre o RCC, como se não fosse catolico tambem, as pessoas dentro da propria igreja fazem diferença entre catolico carismaticos e catolicos. não veem que todos somo catolicos apostolicos romano..somos de uma unica igreja que JESUS fundou. a renovação carismatica veio renovar os carismas, veio despertar os dons já existentes, nós é que haviamos adormecido…eu simplismente amo ser Catolica, é pela graça de Deus que sou…não sei muito mais só o fato de saber que é a unica igreja fundada por Jesus Cristo e maravilhoso!!! acordem catolicos para viver os dons que Jesus nos deu!! parem de ficarem criticando a nós mesmo!! ao invés de tantas polemicas vamos viver o evangelho! falemos menos e amemos mais!!
    um beijo a todos!! AMO SER CATOLICA!!
    LICA

  24. Antônio Marcos e todos meus outros irmãos católicos!

    sermos criticados por protestantes e outros grupos dissidentes é uma bênção! Acaso Nosso senhor afirmou que seria fácil. E sermos perseguidos por sermos carismáticos ou não também, é só nos lembrarmos das Bem-aventuranças e juntos nesta igreja que é um belo jardim de expressões, movimentos e espiritualidades, buscarmos a nossa meta: a salvação das almas. Escutemos a voz do Senhor, para q não sejamos confundidos!!!

  25. O avanço dos protestantes aqui no Brasil só não é maior devido ao belo trabalho evangelizador da Renovação Carismática Católica.

  26. RESPOSTA AO CLEUDIMAR E À TODOS QUE TENHAM DÚVIDAS SOBRE AS SANTAS IMAGENS.

    Pois bem,nosso colega protestante pediu para ler as passagens que ele citou,vamos comentá-las?

    *ROMANOS 1,18-25:São Paulo escreve sobre o Paganismo bem comum em Roma e na Grécia antiga e não sobre dulia(veneração aos santos) e hiperdulia(veneração à Nossa Senhora),ou seja,o Cleudimar ´´recortou“ a Bíblia,desconsiderando a sociedade da época de São Paulo.
    *DEUTERONÔMIO 4,12-17:Não havia imagens de Deus no Antigo Testamento,pois Deus não havia se revelado ao homem,mas agora,podemos fazer imagens,pois Cristo é a imagem visível do Deus invisivel(Colossenses 1,15).
    *ISAIAS 44,6-19 e 45,15-21:Outro erro tipico dos protestantes(eles desconsideram a história),Isaias se referia ao paganismo que havia naquela época,pois não havia Cristianismo e nem Dulia e hiperdulia,e sim,havia o paganismo.
    *SALMO 115:Se refere também ao paganismo.
    *APOCALIPSE 19,10:São João escreve que iria adorar o ancião se ajoelhando diante dele,ou seja,isso a Igreja condena,pois aos Santos e Nossa Senhora,assim como as imagens deles,lhes é devida VENERAÇÃO e não ADORAÇÃO,cuja só a Majestade Divina é devida(Concílio de Nicéia,325).
    *TIAGO 2,1:São Tiago não fala de dulia e hiperdulia,e sim,ele escreve e condena a preferência pelos ricos ao invés dos pobres,que ocorria em algumas das primeiras comunidades cristãs(o Cleudimar recortou a Biblia outra vez).
    Portanto,analizem a Bíblia por completo,desde o que está escrito nela até a história para não cometer o mesmo erro do Cleudimar

  27. Como posso conseguir a relação de igrejas que participam da Renovação carismática?????
    Grata!!!

  28. NEILTON JOSÉ DA sILVA

    Estou na caminhada a quatro anos e meio.
    Antes eu via os carismáticos com demagogos. Achava que alguem comentava sobre a vida dss pessoas e nos dias de encontro do grupo eles comentavão sobre aquilo.
    A minha esposa começo a frequentar os grupos de orações e eu fica em casa bebendo e tocndo violão e dizendo que ela estava ficando fanática. Ela então dizia que um dia iria me ver tocando no grupo de oração da comunidade.
    Hoje sou servo no ministério de música e sempre mais buscando formações. GLORIA A DEUS.
    Jesus tem mudado muito a minha vida. Como gostaria de ter conhecido a RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA bem antes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *