Dom Estevão Bettencourt, conhecido teólogo e biblista, que participou da tradução de algumas Bíblias, que domina o grego, hebraico, latim, inglês, françês, espanhol, etc, não recomenda a “Bíblia na Linguagem de Hoje”.  Diz ele que a “Bíblia na Linguagem de Hoje” é uma tentativa de traduzir em linguagem popular o texto sagrado para torná-lo acessível ao grande público. A intenção dos tradutores é louvável, mas a obra é infeliz, pois, mais do que uma tradução, fizeram uma interpretação, por vezes nitidamente protestante. Além do quê, a adaptação do texto sagrado ao vocabulário popular faz que o novo texto deixe de apresentar termos bíblicos ricos de conotações e temas teológicos como “Tradição, depósito, mistério…”; assim se empalidece a mensagem bíblica em vez de ser levada ao povo simples.

A solução para o problema da difusão da Bíblia está, antes, em conservar o vocabulário típico e rico do texto sagrado, munindo-o, porém de notas explicativas em rodapé, a fim de que o leitor não iniciado cresça em cultura bíblica, em vez de ser deixado na sua exígua cultura, com empobrecimento da mensagem sagrada. ”A Sociedade Bíblica do Brasil, de orientação protestante, editou em 1988 os livros protocanônicos da Bíblia (Tobias, Judite, Sabedoria, Baruque, Eclesiástico, 1/2 Macabeus, Ester 10, 4-16, 24; Daniel 3, 24-90, 13-14), “na linguagem de hoje” que o catálogo católico considera Palavra de Deus ou partes integrantes da S. Escritura.” “As Edições Paulinas obtiveram a autorização para publicar num só volume os textos canônicos e deuterocanônicos da Bíblia, que atualmente está sendo apresentado ao público como “Nova Tradução na Linguagem de Hoje” (BLH); acompanhada de uma carta assinada pelo Sr. Bispo D. Eugenio Rixen, Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética, carta que não quer dizer que tal é a melhor tradução da Bíblia, mas apenas significa que é aceitável”.

Esta versão da Bíblia deixa de usar termos típicos como “justificação, carne e sangue…”. Muitos termos bíblicos com: Tradição, têm sua história, suas conotações, suas assonâncias na cultura antiga (hebraica, aramaica ou grega); conseqüentemente, se se trocam tais termos por outros, pode-se perder a noção da riqueza e das implicações semânticas de tais vocábulos.

A BLH troca a palavra “Tradição” e “ensinamento de viva voz” por apenas “mensagem” (2Ts 2,1 e 1 Cor 11, 2). A intenção de evitar a palavra “tradição, tradições” quando o Apóstolo a recomenda, deve-se ao fato de que os protestantes rejeitam a tradição divino-apostólica ou as doutrinas que nos foram transmitidas por via meramente oral.

A palavra “Depósito” (parathéke no grego) é trocada por “boas coisas” (2Tm 1, 14; 1Tm 6,20; 2Tm 1, 12) O mesmo acontece com muitas outras palavras que não poderiam se substituídas para não enfraquecer a hermenêutica católica, tais como: justificação em Rm 3, 20-22; Rm 1, 17b; Gl 3, 11b; Hb 10, 38; primeiro filho em Lc 2, 7; mistério, ligar e desligar, e muitos outros.

D. Estevão conclui dizendo que: “Concluímos que a BLH não é simplesmente uma tradução, mas vem a ser, em mais de um caso, uma interpretação o tradutor, de caso pensado, procura evitar vocábulos consagrados pelo uso, como se dá na BLH. E diga-se de passagem: a interpretação dada ao texto da BLH, cá e lá, é evidentemente protestante. Daí não se poder recomendar o uso da BLH nem para católicos, nem para protestantes, pois uns e outros necessitam, antes do mais, de ler o texto bíblico na sua identidade tão objetiva quanto possível.

Cadastre-se grátis e receba os meus artigos no seu e-mail

Julgamos, pois, que não se devem evitar as palavras técnicas do vocabulário bíblico como Evangelho, justificação, mistério… e outras muitas, pois têm suas conotações que outras, tidas como equivalentes, não possuem; o que elas possam apresentar de  insólito, seja explicado ao pé da página do texto bíblico ou em glossário próprio, de modo que percam sua estranheza para o leitor não iniciado.”

Dom Estevão Bettencourt

Não publicamos o artigo inteiro de D. Estevão (Revista “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”, Nº 523 – Ano 2006 – Pág. 7) por ser longo; quem desejar vê-lo na íntegra poderá vê-lo em nosso site www.cleofas.com.br

9 Comentários

  1. Valdemir Janez

    Professor Felipe dou glória à DEUS pelo senhor tirar as nossas dúvidas e nos ensinar tão bem .DEUS te abençoe Vadi Janez.

  2. Graça e paz,
    Qual então,seria a Biblia indicada de mais facil entendimento na lingua na linguagem de hoje,que não ferem os principios da tradicional???
    obrigado.

  3. A “Ave-Maria” ou a “Jerusalém” são uma boa pedida…

    A Bíblia de Jerusalém inclusive contém textos que foram traduzidos por D. Estêvao Bettencourt (que é o autor do texto indicado pelo prof. Felipe).

  4. creio que uma boa pedia seja a “Ave-Maria” ou a “Jerusalém”.

    Inclusive a Bíblia de Jerusalém contém textos traduzidos por Estêvao Bettencourt.

  5. Expedito Rodrigues

    Prof.Felipe, eu gosto de apreciar comentários de homens sérios e, o prof. me transmite seriedade quando se preocupacom a perca de teor nas traduções, eu não busco muito isso, mas tenho visto algumas traduções que no ponto de vista didatico facilita a compreensão dos testos mais dificeis, visto que os chamados pastores, não demonstram muito interesse que o pequeno rebanho tenha entendimento, nao ensinam nem como pesquisar a palavra de Deus onde ela está, isto é na Biblia, eu encontro mais dificuldades em conversar com “mestres” do que com leigos – vou deixar um pequeno exemplo se o prof.achar digno gostaria de receber um comentário, visto que eu nunca encontrei nenhum religioso que estimasse o que vos faço conscio: em I Cor.cap.14:34 nos fala que a mulher esteja em silencio nas igrejas e isso se confirma na busca das ref. em Gen. 3:16 e I Pedro cap.3:1 dá o xeque-mate, outro ponto facil esta em I Pedro cap.5:2 relativo aos pregadores não o fazerem por torpe ganançia (dinheiro) e, nesses simples pontos não conheço um pastor que o recomende ao seu rebanho.
    Prof. onde Deus me permite por livre desejo anunciar o evangelho o faço de bom grado e percebo que nao ha quem se agrade desses items acima, uns porque são inteiramente dominados por suas esposas, outros porque já me disseram o seguinte; se um professor após pagar pela faculdade, trabalha por dinheiro, porque não eu que faço estudo biblico e nisso há dispendio de dinheiro.
    Grato

  6. Jorge Paixão

    É verdade mesmo , eu tenho esta bíblia publicada pela Paulinas , já reparei esta diferença nos termos . Parabéns pelo artigo ,valeu.

  7. Rev.Evanilson Santos

    Apesar de Católico mas não Romano já tinha percebido isto já a algum tempo
    Pois mudanças de palavras as vezes para deixar mais claras o entendimento a alguns muda a figura e a colocação real da qual Deus quer passar para os filhos dele. Tenho uma certa refeição com a bíblia ave Maria pois ela também tem estes pontos fracos e que muitos irmãos ao terem lido tiveram uma estranha concepção do assunto abordado,dai acho que o senhor colocou uma visão protestante,mas não só isso. Uso já faz um bom tempo a bíblia de jerusalém acho ela ao meu ver uma das melhores em sua tradução aqui no Brasil. A graças e a paz e que Deus continue abençoado sua. Caminhada.

  8. Antonio do Nascimento Filho

    concordo com o seu texto sobre a ( BLH )
    Prof: Felipi obrigado por o senhor deixar “JESUS” mover sua vida
    para nos ensinar através da inspiração do ESPIRITO SANTO

  9. Fiquei com muitas duvidas mas já reparei esta diferença nos termos. Mas vou fazer algumas comparações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *