A fé nos faz obter a Pentecostes em nossa vida pela presença do Senhor entre nós.

Jesus disse que onde dois ou mais estão reunidos em seu nome ele está ali no meio!

Mas porque alguns reconhecem a sua presença e outros não? Nossas assembleias liturgicas são o ambiente natural onde o Senhor está presente.

Muitos receberam o santo Batismo e a relação com o Senhor Jesus ficou por ali, não alimentaram esta vida divina, assim, fica realmente dificil reconhecer a sua presença, até mesmo na Santa Liturgia. Sem uma grande fé na morte e ressurreição de Jesus, se acaba por sufocar a vida no Espirito Santo. A fé nos faz obter a Pentecostes, a efusão do Espirito Santo em nossa vida.

Invoque sempre o Espirito Santo em sua vida, por sua missão dizendo sempre “Vem Espirito Santo”. Assim, na missão antes de tudo de batizado, voce vai encontrar e reconhecer o Senhor quando ele se apresenta na oração e na adoração.

Paz e bem!

Padre Antonio Lima.

O poder de Jesus é contra o raciocinio mundano

Jesus quer entrar em nossa vida, ele quer fazer parte do nosso quotidiano, quer acompanhar-nos em nossa missão aqui na terra, entrar em nossas casas para nos dar a certeza de que não estamos sozinhos e que ele pode fazer tudo por nós. Como curou tantos doentes e libertou muitos dos que estavam tomados pela força do mal, assim, quer também libertar-nos da escravidão do pecado, para restituir a todos a paz interior (Mc 1,29-39).

Não esqueçamos que ainda hoje e sempre, quer estar perto dos que sofrem, porque o desejo maior do seu coração é de nos dar vida nova. O encontro com os pobres, como Ele nos ensinou, não pode ser posto em segundo plano, para o Senhor Jesus sempre noi prioritario servir antes aqueles que mais necessitavam dele.

Ele passa por nós ainda hoje, e em todo momento, também neste exato momento, esta passando e estende a sua mão para curar nossas feridas, para nos reensinar a levantar a cabeça e redescobrir o gusto perfume de sua presença e do bem que nos quer.

O Encontro com o Pai, a oração constante, a oração do coração, é o unico caminho para chegar a viver a caridade para com nossos semelhantes, neste mundo frenetico onde o tempo corre assim tão veloz.
A sua missão é nossa missão. A missão de quem escolheu a Deus, como ideal e Senhor da propria vida.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

Precisamos fazer esperiência revitalizadora e renovadora do primeiro amor

Voltar à esperiência do primeiro amor significa redescobrir definitivamente Jesus Cristo e sua importãncia para a nossa vida. Como? Deixar-se envolver mais uma vez de sua pessoa. Não existe nada de mais simples do que isso e ao mesmo tempo exigente.

Recomeçar em Cristo é re-encontrar aquile primeiro amor que um dia nos fez apaixonar por ele, pela igreja, pelo poder da oração, por nossa Comunidade de oração e por ai vai. Lembra?

Em outras palavras, lembre aquela “faisca” inspiradora, de onde iniciou o seu seguimento de Jesus.

Pois, é de Deus a primazia do amor. Seguir os passos do Filho é semente um corresponder com amor ao amor infinito do Pai. Se voce o ama e se um dia se apaixonou por Jesus é por que ele antes lhe amou infinitamente por primeiro (1Jo 4,10,19).

O ponto de partita será sempre a propria pessoa de Jesus, e para que seja madura e cosciente e nunca mais inocente… o recomeço não deve dar espaço a subterfúgios nel concessões.

Não se tratta de imitar semente a Cristo, ben sim, de uma “identificação profunda com ele, partindo do amor (caridade), da perseverança e da humildade viscerais, que preenchem todos os espaços do nosso viver de todos os dias, desde quando acordamos à alba do primeiro brillo do sol.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

Em que consiste praticamente a obediência a Deus?

Esta consiste em escutar sua Palavra, não cometer ações graves na vida como matar e roubar ou coisas do tipo, somente? Onde está o “logos” da obediência biblica na prática?
Acredito eu que para obedecer a Deus, antes de tudo precisa é claro, reconhecer a sua autoridade: Deus é Deus! Somos seus filhos! Você é filho!

A primeira autoridade a se obedecer é a autoridade divina. E para obedecer precisa de quem obedeça também.

Pedro e os apóstolos replicaram: Importa obedecer antes a Deus do que aos homens. Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, que vós matastes, suspendendo-o num madeiro. Deus elevou-o pela mão direita como Príncipe e Salvador, a fim de dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados” (Atos dos Apostolos 5,29-31).

A obediência está no sair de nós mesmos para fazer outra coisa, no caso a vontade de Deus, para o nosso bem. Um bem que em sua maioria de vezes, não vemos. A fé aqui é importantissima. Mas o que é importante para que aconteça a obediência é o “sair de nós mesmos”…  Isto vale antes de tudo para com Deus, e depois, sem deixar de ser importante também, diantes de pessoas sábias, para obedecer a quem Ele nos coloca como sinal de obediência aqui na terra: A sua palavra, na Igreja, por meio da autoridade do Papa, etc. O caminho percorrido assim nos faz viver uma vida de abençoados. Aqui está a paz interior que tanto buscamos, pregamos, sonhamos e ensinamos.

Segundo os ensinamentos de quem sabe mais um pouco do que nós, os santos, é que a vinda do pecado ao mundo, abriu uma ferida que se chama revolta. O ato de revolta, é inimigo da obediência divina. Pensemos em Adão, em Eva!
A tendência que temos ao pecado, nos leva à revolta e para quem quel caminhar, nos caminhos do Senhor, esta, é a pior inimiga pois, dela nasce a desconfiança, que por minima que seja causa desobediência.
A mente humana vive em meio a confusao mental, à falta de paz interior, à falta de paz ao redor, à incerteza, ao apego aos sentimentos etc..

Mas porque preferimos a nossa vontade, a incerteza, a confusão… e preferimos empurrar a vida assim? A resposta não é que a desobediencia aos planos de Deus para nossa vida.
E diz Santo Agostinho: “…Ainda assim, quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação! Tu próprio o incitas para que sinta prazer em louvar-te. Fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração, enquanto não repousa em ti”. (S. Agostinho, As confissoes 1,1,5).
Mas não nos iludamos, a mentalidade de Deus vai contra a mentalidade do mundo, porque precisa de renuncia. Esta não é facil, a nossa natureza é carregada de orgulho pessoal que causa o mal da nossa alma. Que o teu e o meu coração acolham a graça mesmo vivendo em meio ao veneno da revolta que o pecado traz.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

Jesus o eterno sacerdote, que é presente na Sagrada Eucaristia, se faz presente cada vez que vem consagrado pelas mãos do sacerdote o pão e o vinho. Isto, de um modo único e que envolve todo o mistério da vontade divina. Jesus Eucaristia realiza aqui na terra, o paraiso, portanto, lá onde se encontra um sacrário, ali esta Jesus e portanto todo o céu, o Pai o Filho, e o Espirito Santo estão ali, escondidos em um pedaço de pão, que não é mais pão, mas o corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O sacrificio de Cristo se realiza a cada Santa Missa celebrada, se realiza em modo incruento, para a salvação da humanidade. Fomos salvos por seu sacrificio, agraciados por este magnifico ato de amor.

Portanto, todo louvor, todo poder, toda glória ao nosso grande Rei Jesus! Prostremo-nos sempre aos seus pés em santa adoração e busquemos sempre estar em sua graça, para adora-lo realmente com todo o nosso ser.

Somente assim seremos sinal para o mundo, da sua presença. Quase que “transformados” em pequenos Jesus para o mundo, levemos conosco Ele, que toca, que cura e que nos faz reviver a sua glória.

Esta é nossa missão, de nós, que um dia fomos batizados: conscientes desta consagração e missão a partir do nosso batismo, andemos pelo mundo levando-o a todos os que ainda não o encontraram, e não tiveram ainda um encontro pessoal com Ele.

Somos missionários, na medida em que, em graça, e desinteressadamente o levamos ao mundo por meio de nossa vida, do nosso testemunho cristão. Testemunho que se manifesta em nosso modo de agir, de falar, de sermos sensiveis para com os que passam ao nosso lado ou com quem sabemos que precisa de nossa presença, do nosso vestir, do nosso olhar, enfin, cada gesto e jeito nosso, precisaria ser segundo o jeito, os gestos e as palavras de Jesus. Impossivel? nao. Ele mesmo nos assegurou: “Fareis coisas maiores”! (Gv 14,12).

Portanto coragem! sejamos verdadeiros seguidores de Cristo e não meros crentes, todos nós, padres, consagrados, bispos, leigos, todos. Sejamos pequenos Jesus sobre a terra.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Que Jesus nasça e renasça em nós, em nossas vidas!

UM SANTO NATAL!

Agradeço a Deus que, por mais um ano nos dá a oportunidade de desejarmos esta saudação uns aos outros: Um Santo Natal!

Para nôs isto quer dizer: que Jesus nasça e renasça sempre dentro de nós, em nossos corações, nas nossas casas, entre nós, nas nossas comunidades. È maravilhoso pensar nisto e mais ainda saper que é de verdade assim: Jesus vem, mesmo se não temos qualidades para recebe-lo, piores do que a o abrigo dos animais onde ele nasceu, mesmo se frios piores que o mais duro inverno.

Mas é justamente por isso que jesus vem, atraido por nossas misérias e sofrimentos. E Ele traz consigo o céu, o paraiso, a sua paz! Seguindo-o, entro em sua casa, para te abraçar, para te dar certeza que vivo aquilo que voces vivem e compartilho cada uma das situações e sentimentos.

Obrigado por aquilo que voces representam para mim e para a minha vida. Somente no céu poderei plenamente na graça de Deus agradecer a todos adequadamente. Voces estão presentes em minhas simples orações todos os dias no ato de oferecimento.

Mais uma vez, um Santo Natal e que Jesus esteja sempre no meio de nós!

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

 

O testemunho cristão é hoje uma necessidade

Nestes nossos tempos que correm, em todo lugar que frequentamos e as pessoas que encontramos, todos e todos nós, precisamos dar testemunho da verdade. A verdade porém é uma e se chama Jesus.

Se nos consideramos seus, precisamos estar mergulhados em seus ensinamentos e não tão só sabe-los a memória ou te- los estudado na Biblia. Ė pouco demais.

Este nosso mundo de hoje precisa encontrar mais que declaradores da fé católica. Nosso mundo precisa de testemunhas, pois as santas e belas palavras em favor do Senhor Jesus, contam nada se não tem por traz uma vida transformada. Não nos damos conta ainda que “sabemos” falar muito do Senhor com pouca “conversao a partir do coração”? A chave porém é a humildade interior, acredito.

Meu Deus! Quanta gente: quantas crianças, quantos jovens, quantos adultos, que conhecemos e vemos pela rua, até mesmo em nossa familia, que estão longe o Senhor! que não o louvam, não o adoram, não o amam!

Não é talvez por conta da nossa conversão interior que não se manifesta em nosso modo de viver? Imagino.

Se pormos em um copo de água algumas gotas de óleo, os dois se separarão e o óleo permanecerà acima do volume da água do copo, aquele copo de água não mata sede e não tem gosto de água pura e tomando, nossa boca fica óleos. O óleo estraga o puro sabor da água se os misturamos.

No que se diferenciam portanto hoje, aqueles que se consideram de Cristo? no falar, no vestir, no tratar bem  as pessoas e respeita-las, na honestiade, na bondade de coração, na humildade, nos belos discursos? na honra da palavra dada? etc..

Não precisamos mudar ou nos re-encontrar?  retomar o que deixamos para  traz, na ilusão do ter, do mostrar e do haver?

Não o digo por orgulho de ser o primeiro fiel mesmo sendo padre, o digo porque todos precisamos juntos de conversao diária,  voltemos ao Senhor e o mundo por nós, volte também aos seus braços!

O mundo precisa de fatos, de testemunhas de Cristo, mas Cristo não precisa que o defendamos, não é para isto que o testemunhamos. Ele é o Filho de Deus.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

 

Precisiamos, sim, temos a necessidade real meus irmãos, de dobrar os joelhos diante do Senhor.

Nossos joelhos dobrados, estao ao lugar de nossos pés, quando estamos em pé. dobrando os joelhos podemos reconhecer que somos filhos de Deus e que ele é o Pai e nos seus filhos,  que ele é o Onipotente diante da sua própria criação.

Exaltando a beleza do amor, nos colocamos de joelhos diante do Amor em pessoa, Jesus, e de joelhos dobrados nossa alma se renova nos braços de quem a criou.

Não escutando mais quase quem fale de adoração ao Senhor senão, ocasionalmente… esquecemos que dependemos de Deus e dele tudo provém, ate mesmo o sucesso da vida.

 “Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Filipenses 2,10-11).

A mentalidade moderna de hoje quer nos fazer “deuses”  e portanto não nos ensina a reconhecer o nosso ser “filhos”, não nos ensina a baixar a cabeça e reconhecer os erros que cometemos, ela nos ensina a levantar a cabeça orgulhosamente e bater no peito.

Sejamos adoraradores de verdade. não nos acontentemos de sermos “meros” adoradores, que nosso pensar, refletir, sonhar, caucular, sejam todos diante do Senhor. Não esqueçamos que ou nossos progetos de vida … são feitos diante do Senhor sem quase nenhuma intervenção de nossos interesses… ou passarão como folha carregada pelo vento e se perdem pelo caminho.

Nao nos iludamos com o que temos hoje. Tudo o que somos, temos e fazemos, até mesmo para o Reino, veio das maos de Deus. E Ele o Senhor, a razao por que existimos.

Vem iluminar-nos, Espirito Santo de Deus!

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

De ouvido para ouvido, na oração, o Senhor quer nos orientar.

amor de Deus nos leva a uma relação de pai para filhos, uma relação que quando a queremos enriquecer, nos leva a paz interior, aquela paz que tanto buscamos em todos os momentos de nosso dia a dia.
E ainda mais, naqueles momentos em que estamos em tempos de provação, é então que buscamos a Deus, mas não basta meus amigos.
O cântico dos cânticos nos oferece um retrato, uma imagem, de como deveria ser a nossa amizade com o Pai (Cant 1, 7-8). A dedicação de amor necessária entre os esposos onde um não vive sem o outro, é este retrato, esta imagem da nossa relação, não esqueçamos que precisa passa por meio da oração e de nossos momentos de adoração, se nos entregamos na oração e fazemos propósitos de corresponder com seu amor, é então que alimentamos nossa esta relação.
Isto está dentro de uma atitude que é de “deixar-se levar por Deus”.
Assim se cresce na vida em Deus, se descobre também sempre mais o caminho que o Senhor quer que tracemos, e descobrimos assim a nossa vocação.
Nos perguntamos sempre, mas Deus o que quer de mim? Inicie um caminho de oração seguindo passos precisos, como estes que lhes sugiro por exemplo.

É o segredo de como iniciar a caminhar nos caminhos do Senhor.

Paz e bem!
Padre Antonio Lima

Os primeiros discípulos se jogavam pela fé, nas mãos do Senhor.

Estamos em um periodo em que a Igreja nos chama a mergulhar profundamente na graça da ressurreição, este é o tempo favorável de nos comprometer com o caminho de conversão que queremos, com todas as forças que possuimos, fÍsicas e espirituais.

O nosso corpo, braços, pernas, mãos, nossas estruturas ósseas, nervos, músculos, movimentos etc,  e também a mente e suas intenções, os pensamentos, os desejos, as nossas vontades, até chegar à alma e envolver assim todo o nosso ser, em uma continua conversão quotidiana.  Somente quando fizermos com que corpo, alma e intenções, participem deste processo de mudaça, poderemos afirmar a nós mesmos: Sim, estou e quero, com todas as minhas forças, viver em uma continua conversão!

Não foi diferente para os que seguiam Jesus.

Eles se jogaram desta maneira nas mãos do Senhor, chegando ao ponto de esquecer suas próprias vidas e projetos, para antes abraçar o que o Pai queria deles por meio de Jesus. Tudo o que Jesus pedia, os discípulos e os que o seguiam, o faziam completamente e no momento que ele o pedia. Eles colaboravam para terem a graça de ter o espirito de obediência ao Senhor Jesus.

Por isso receberam tantas graças até mesmo após a morte do Senhor. Madalena viu o Senhor ressuscitado “no dia seguinte” apos a ressurreiçao, os discipulos de Emaus, caminharam com ele, e puderam saborear daquela presença inexplicável, ao ponto de arder seus corações, os Apóstolos o viam, ele aparecia, conversava com eles, e comiam juntos.  e tantas outras, como a de viver, conviver, com o Senhor, escutar seus ensinamentos de perto como os doze que dormiam, amanheciam, comiam, viajavam etc.. com o proprio Senhor.  Sem esquecermos,  receberam até mesmo a graça do proprio martirio!

Estas graças vinham do abandono, da conversão continua, completa e autêntica:  com todas as forças que possuiam fisicas e espirituais: corpo, bracos, pernas, mãos, estruturas ósseas, nervos, músculos, movimentos etc,  e também a mente e suas intenções, os pensamentos, os desejos, as vontades, até chegar à alma envolvendo assim toda a existencia.

Esta proposta de vida de Jesus é também para mim, e para voce.

Não aceitemos que nos falem do Senhor como se sua vida fosse somente uma linda e platônica poesia, ou uma historia do passado a ser contada e narrada, sem um envolvimento de conversão. A obediência “concreta” a seus ensinamentos e sua imitação de vida, é a mais linda poesia que um cristão deve saber narrar. A vida e o testemunho falam sem precisar de lindas e expressivas palavras.  Este o segredo para discernir se a palavra fala, como diz o Senhor, do que o coração esta cheio.

A melodia musical mais linda que possa existir esta na voz da alma que, convertida, canta os louvores do Senhor que nascem de uma vida vivida à sua presença 24 horas por dia. Dividir-se entre “eu…” e a “vontade do Senhor,,,” , um pouco para cada um, é o que não colabora para a graça que os discÍpulos tiveram de ver o Senhor.

Madalena disse aos discipulos, “Eu vi o Senhor” e quando vamos poder dizer que “vimos” o Senhor?

Seu irmão,

Padre Antonio Lima.