Posts Tagged ‘vocacao’

Precisamos ser cristãos de qualidade

Cuidai, cada vez mais, de assegurar a vossa vocação e eleição

Vivemos em um mundo que exige de nós uma resposta, mas nós precisamos dar mais do que isso, precisamos dar testemunho. Muitas vezes, como cristãos ainda damos contra-testemunhos de viver neste mundo com amor e paz.

Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (1 Timóteo 4,1).

Deus precisa ser o centro de nossas vidas, de tudo aquilo que vivemos e de nossas decisões para que possamos testemunhar concretamente. (mais…)


Agosto, mês vocacional

No  Brasil o mês de agosto é sempre  uma oportunidade para que possamos refletir sobre o chamado que Deus nos faz para vivermos de um modo mais concreto a nossa vocação à santidade, que recebemos no dia em que fomos batizados.
Na primeira semana, lembramos a vocação sacerdotal, refletimos sobre a sua importância para a Igreja e rezamos ao Senhor da messe para que envie operários, de modo que não faltem padres para cuidar das mais diversas comunidades espalhadas pelo Brasil.
Em seguida, recordamos a vocação religiosa. Nossa mente se volta para os homens e mulheres que se consagraram a Deus através dos conselhos evangélicos da pobreza, castidade e obediência para viverem em comunidade segundo o carisma de seus fundadores e servirem à Igreja e ao povo de Deus nos mais diferentes serviços, sejam de natureza religiosa ou social. Lembramo-nos também dos missionários e missionárias que deixaram  suas terras e foram para os locais mais distantes no serviço do Reino de Deus, anunciando Jesus Cristo aos que ainda  não O conhecem.
Há também outra vocação que não pode ser esquecida:  a dos fiéis leigos e leigas que, através do exercício de ministérios não ordenados, se fazem presentes nas comunidades eclesiais e no mundo e se dedicam à evangelização na família, no trabalho profissional e no seu ambiente social, para santificar o mundo e fazer com que ele deixe de ser a cidade dos homens para tornar-se a cidade de Deus. Dentre os diferentes ministérios leigos, o último domingo de agosto destaca a catequese, comemorando o dia dos catequistas. (mais…)

O inimigo nos ilude

Fazendo-nos acreditar que somos o máximo, que somos capazes de conseguir tudo sozinhos… até mesmo nos sentimos superiores a Deus.

Infelizmente, assim como os índios foram enganados pelos colonizadores, somos enganados pelo inimigo, com bijuterias que nada são em comparação com a nossa herança:

‘’ Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram,

Nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus

tem preparado para aqueles que o amam’’ (cf. 1Cor 2,9).

Trecho retirado do Livro Vocação:um desafio de Amor (Monsenhor Jonas Abib).

Monsenhor Jonas Abib
Comunidade Canção Nova


Missionários da Canção Nova - SJC, participam da Santa Missa para Renovação do Compromisso de Consagração a Deus e a Igreja.

No dia 2 de fevereiro os missionários da Frente de Missão Canção Nova – SJC, tanto da Comunidade de Vida como de Aliança, renovarão o seu compromisso com Deus e com a Igreja.

A cerimônia acontecerá dentro da Celebração Eucarística, na Catedral São Dimas, às 19h30 horas, presidida pelo Rvmo Bispo Diocesano Dom Moacir Silva.

Nesta data, deu-se início a Comunidade Canção Nova (02 de fevereiro de 1978) e foi escolhida porque é o dia em que se comemora a Festa da Apresentação do Senhor Jesus no Templo e o Dia Mundial da Vida Consagrada.

Todo ano acontece esta renovação, sendo que a cada compromisso, os consagrados avançam para uma formação específica da comunidade.

As etapas de aprendizado da Canção Nova incluem as fases de Pré-discipulado, Discipulado, Juniorato, Vida Consagrada e Para Sempre. A cada etapa é oferecida uma formação que abrange aspectos doutrinais, espirituais, sociais, comunitários e documentais sobre a Igreja e a Obra em si.

Mais informações sobre a Canção Nova em São José dos Campos:

Rua: Sebastião Humel,324 – Centro

Fone: 12 – 3923 7000

http://blog.cancaonova.com/saojosedoscampos/

Deixe seu comentário.


Especial Vida Missionária 3ª e 4ª Parte

Especial feito pela produtora da TV Canção Nova em São Paulo. Dirigido pelo Cadú e produzido pela Rosângela Lustosa.


Especial Vida Missionária 1ª e 2ª Parte

Especial feito pela produtora da TV Canção Nova em São Paulo. Dirigido pelo Cadú e produzido pela Rosângela Lustosa. 

 


Carta aos Jovens

Prezados jovens,

O evangelista S. João, logo no início de seu Evangelho, descreve a seguinte cena: o famoso João Batista estava com dois de seus discípulos, quando Jesus passou perto deles. Batista o apontou e lhes disse: “Eis o Cordeiro de Deus!” Esses dois discípulos, então, seguiram Jesus, que se voltou para eles e lhes perguntou: “Que procurais?” Eles lhe responderam com uma pergunta: “Mestre, onde moras?” Jesus lhes disse: “Vinde e vede!” Os dois, então, foram, viram onde Ele morava e permaneceram com Ele aquele dia (cf. Jo 1,35-39).

Mestre, onde moras? É possível que também você, desejando entrar na intimidade de Cristo, tenha lhe feito idêntica pergunta. Saiba que a inquietação de seu coração é uma graça – quer dizer, é o Senhor que o deixa inquieto. Faz isso porque o ama, porque tem um plano sobre você, como tinha um plano a respeito dos primeiros apóstolos: “Jesus subiu a montanha e chamou os que ele quis; e foram a ele. Ele constituiu então doze, para que ficassem com ele e para que os enviasse a anunciar a Boa Nova” (Mc 3,14).

Quando Jesus chama uma pessoa, deseja, antes de tudo, que ela “fique com ele”; que faça uma profunda experiência de seu amor; que o conheça; que o ame e o sirva. Somente depois dessa experiência de intimidade é que alguém está em condições de ser enviado para anunciar o Evangelho.

Ele chama quem Ele quer. Você já se colocou diante da pergunta: Por acaso, Ele não me estará chamando? Você conhece a história de Paulo, que era perseguidor dos cristãos. Um dia, quando estava entrando em Damasco, teve um “encontro” com Cristo. Tendo ouvido a pergunta: “Saulo, Saulo, por que me persegues?”, o futuro apóstolo lhe perguntou: “Quem és tu, Senhor?” Jesus se apresentou: “Eu sou Jesus…” Paulo lhe fez, então, uma outra pergunta: “Que devo fazer, Senhor?” A partir daí, sua vida mudou radicalmente (cf. At 22,7-10).

Jesus continua precisando de apóstolos para a sua Igreja. Por isso, continua passando pelos caminhos dos jovens e das jovens – pelos seus caminhos. Ele espera que você lhe pergunte: Mestre, onde moras? Quem és, Senhor? O que queres que eu faça ?

Quaisquer que sejam suas respostas, depois disso sua vida nunca mais será a mesma. Você poderá ser um novo Paulo, ardoroso e incansável apóstolo de Jesus Cristo, como poderá ser um novo “jovem rico” que, diante da proposta que Jesus lhe fez (“Vem e segue-me!” – Lc 18,22), ficou triste e foi embora, pois era muito rico.

Estamos no Ano Sacerdotal (19 de junho de 2009 – 11 de junho de 2010), instituído pelo Papa Bento XVI, tendo em vista os 150 anos da morte de S. João Maria Vianney – o Cura d´Ars. Neste Ano, Jesus se coloca diante de você, com uma proposta: Vem e segue-me! João Vianney seguiu o Senhor, porque tinha certeza de que valia a pena deixar tudo para ser sacerdote. E você, o que pensa?…

Peço ao Espírito Santo que o ilumine, para que sua resposta ao Senhor seja generosa. E que a Mãe de Jesus interceda por você, já que tem especial carinho por aqueles que seu Filho convida para segui-lo mais de perto.

Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger
Arcebispo de Florianópolis

“Quero usar os meios de comunicação para ampliar minha fraca voz e reafirmar, de mil maneiras diferentes, que Deus é amor!”


Eis a nossa vocação:um caminho de comunhão e de solidariedade!

Num mundo marcado pelo individualismo, somos chamados à comunhão de vida. Comunhão esta que é plano de Deus para a humanidade. Aliás, comunhão presente em Deus, um só em três Pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Toda missão deve objetivar a comunhão. Afinal, fomos criados à imagem e semelhança deste Deus Uno e Trino.

A vida só tem sentido quando partilhada. “Quem quiser ganhar a sua vida vai perdê-la, quem perder a sua vida por causa de mim, irá ganhá-la” (cf. João 12,25).

Quando vemos uma sociedade marcada pelo pensamento do buscar sempre a própria felicidade, encontramos barreiras para que o plano do Todo-poderoso se propague.

Formamos um só corpo, que deve estar bem unido e em que todas as divisões devem ser superadas.

Cada membro do corpo tem sua função em prol do todo (cf. 1 Coríntios 12, 12-30).

Na Igreja, vivemos e proclamamos esse caminho de comunhão. Cada um na sua função específica buscando o bem de todos.

Como sacerdote, tenho de ser um animador de comunidade.

É preciso levar vida ao que fazemos. Ser animador é justamente fazer isso, ou seja, vivificar pela força do Espírito nossas atividades, entrar no dinamismo do Espírito de Deus.

Como casal e pais, sacerdotes do lar, a missão é ensinar o mundo a crer no amor. Sempre digo que cada casal torna-se “uma parábola viva do Amor de Deus!” Quando unimos essas duas missões, fazemos acontecer o sonho do Criador: Vida Plena e marcada pelo Amor!

Em nossas comunidades, junto às crianças, aos adolescentes e aos jovens, temos que fazer acontecer este testemunho de comunhão. Ninguém vive para si: “Se vivemos, é para o Senhor que vivemos…” (Romanos 14,8).

E o Senhor se identifica com o Seu Corpo Místico, que é a Igreja, aí o Senhor se encontra.

“Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles” (cf. Mateus 18,20).

Criemos, ou mesmo, reativemos nossos espaços de solidariedade, de animação da vida e de vivência concreta do amor em nossos grupos. É pelo amor entre nós e para com os outros que somos reconhecidos como discípulos-missionários de Jesus. O Documento de Aparecida pede à Igreja uma “conversão pastoral”.

Penso que essa conversão passe por aí, ou seja, fazer com criatividade a Vida e o Amor acontecerem.

Sua vida tem sido sinal de comunhão? Vamos assumir os planos de Deus? Não ao egoísmo, ao egocentrismo, ao individualismo!

Sim à vida, sim à comunhão. Existimos para fazer outros felizes, para marcarmos a história passando pelo mundo a fazer o bem.

“A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma…” (cf. Atos dos Apóstolos 4,32).

Que nos vendo em nossas comunidades ou em nossas casas os de fora possam dizer: “Vejam como eles se amam!”

Quem se prepara para alguma missão, tenha sempre em vista o bem dos outros, o amor aos seus semelhantes!

Eis o caminho de todo ser humano, eis o sentido de toda vocação!

Pe. Rinaldo Roberto de Rezende
Cura da Catedral de São Dimas – SJC

Deixe seu comentário.

Ouça outras Reflexões:


Vocação, Vocações

A vocação, quando tratada bíblica, teológica e pastoralmente, encerra a ideia de um chamado que tem sempre uma iniciativa divina. Assim sendo, a vocação não compreende a iniciativa humana como elemento determinante, não entrando, portanto, a questão do “merecimento humano.” Por isso, diferentemente de uma profissão, que tem tudo a ver a com iniciativa da pessoa e com a doutrina do mérito, diante do investimento que fez para obtê-la e exercê-la, a vocação tem um “caráter teocêntrico” e somente pode ser entendida e assumida sob esse ângulo. Evidentemente, a gratuidade da vocação, que é “um livre e insondável decreto divino”, não dispensa a pessoa do necessário e apropriado empenho para responder e corresponder a esse chamamento, de maneira consciente e responsável.

Biblicamente, a vocação é um chamado de Deus, como se encontra no Antigo Testamento; é um chamado a um povo, como fez Deus em relação ao povo de Israel, mediante uma aliança, a fim de que, na condição de eleito, fosse “como mediador a serviço dos povos.” (Gn 12, 2-3) É um chamado a uma pessoa, em vista de uma incumbência, de um serviço, de uma “Missão em prol dos outros.” Assim aconteceu em relação à vocação de Moisés que teve a missão de retirar o povo hebreu da escravidão do Egito e conduzi-lo à terra prometida. O chamado divino revelou-se surpreendente para alguns profetas, como Jeremias: “Veio a mim a palavra do Senhor: ‘Antes de formar-te no seio de tua mãe, eu já te conhecia, antes de saíres do ventre, eu te consagrei e te fiz profeta para as nações’. Eu respondi: ‘Ah! Senhor Deus, não sei falar, sou uma criança’.” (Jr 1, 4-6) Amós também se questionou: “Não sou profeta nem discípulo de profeta! Sou vaqueiro e cultivo sicômoros. Foi o Senhor Deus que me tirou de detrás do rebanho e me ordenou: ‘Vai profetizar contra Israel, o meu povo!’ ” (Am 7,14-15) No Novo Testamento, a vocação é um chamado de Jesus Cristo a homens e mulheres para segui-lo e anunciar o Reino de Deus. Uns disseram sim e foram perseverantes até o fim, como os apóstolos (cf. Mc 3,13-19), à exceção de Judas que disse sim ao chamado e não à fidelidade (cf. Mt 26,14-16); outros colocaram condições para segui-lo (cf. Lc 9,57-62) ou não revelaram as necessárias disposições de desprendimento. (cf. Mt 19,16-30) Embora o perseguisse, na pessoa de seus seguidores, Jesus não descarta o chamado a Paulo, por conhecer a autenticidade de sua personalidade, a generosidade de sua alma e a sinceridade de sua prática judaica, traços que estão muito bem evidenciados em sua trajetória missionária.

Teologicamente, a vocação tem sua consistência na relação de intimidade com sua origem, a Trindade, em quem se espelha, onde encontra sua iluminação e a quem consagra o seu ser e o seu viver. “Cada vocação está ligada ao desígnio do Pai, à missão do Filho, à obra do Espírito Santo. Cada vocação é iluminada e fortalecida à luz do mistério de Deus”. (…) É um convite para ficar com Ele, para participar da sua vida (cf. 1 Ts 4,17; Jo 17,24; 1 Pd 5,1).”

Pastoralmente, o chamado de Deus tem uma “Dimensão específica: toda vocação, mesmo sendo vivida na comunidade e a serviço da comunidade, é personalizada. Ou seja: cada cristão ou cristã responde ao chamado do Pai de acordo com os dons e carismas recebidos do Senhor. Assim sendo, a ‘vocação específica’ (leiga, de vida consagrada ou ministerial) é a forma concreta que permite a cada batizado ou batizada de dar a sua contribuição própria para a construção do Reino de Deus.” Por isso, na linguagem pastoral, fala-se de vocações, como o faz a Igreja no Brasil, ao celebrá-las, a cada ano, em agosto, mês Vocacional: “1º Domingo: “vocação para os ministérios ordenados (bispo, presbítero e diácono); 2º Domingo: vocação para a vida em família; 3º Domingo: vocação para a vida consagrada (vida religiosa contemplativa e missionária, institutos seculares, sociedades de vida apostólica e tantas novas formas de vida religiosa); 4º Domingo: vocação para os ministérios e serviços na comunidade e na sociedade”.

Na história da Igreja, de ontem aos dias de hoje, encontram-se exemplos edificantes de pessoas com total fidelidade à iniciativa do chamado divino, mediante a consagração de sua vida à causa do Reino, nessas várias faces da vocação.

 

Dom Genival Saraiva de França
Bispo de Palmares


Terço pelas Vocações!

 

Terço da Santíssima Trindade pelas Vocações

Do livro: “Vocação: uma vida encantada com Deus!” de Juracy Villares.

Pelo sinal da santa cruz, livra-nos Deus, Nosso Senhor dos nossos inimigos. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Creio em Deus Pai…

Pai Nosso e Ave Maria pela vida e pelas intenções do Santo Padre, o Papa.

1o)- Pai Eterno, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Efusão do Espírito Santo na Vida e na Vocação dos Bispos e sacerdotes.

10x – Pelas Vossas Santas Chagas tende Misericórdia dos Bispos e Sacerdotes.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 2o)- Pai Eterno, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Efusão do Espírito Santo nas Vocações dos casais e suas famílias.

10x – Pelas Vossas Santas Chagas tende Misericórdia dos Casais.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 3o)- Pai Eterno, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Efusão do Espírito Santo na Vida e na Vocação dos consagrados e religiosos.

10x – Pelas Vossas Santas Chagas tende Misericórdia dos consagrados e religiosos.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 4o)- Pai Eterno, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Efusão do Espírito Santo nas Vocações em crise.

10x – Pelas Vossas Santas Chagas tende Misericórdia das Vocações em crise.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 5o)- Pai Eterno, eu Vos ofereço o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Efusão do Espírito Santo nos jovens decidindo Vocação.

10x – Pelas Vossas Santas Chagas tende Misericórdia dos jovens decidindo vocação.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre. Amém.

 Salve Rainha…

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

 

Deixe aqui seu comentário , suas intenções e acompanhe este terço, aqui pela Rádio Canção Nova do Grande Vale – 1250 AM, durante  o “Programa Clube do Ouvinte” ( às 09:30 h, toda sexta feira).

 


Oração Vocacional

Senhor da Messe e Pastor do rebanho,
faze ressoar em nossos ouvidos teu forte
e suave convite: “Vem e Segue-me”!
Derrama sobre nós o teu Espírito, que Ele
nos dê sabedoria para ver o caminho e
generosidade para seguir tua voz.

Senhor, que a Messe não se perca por falta
de operários. Desperta nossas comunidades
para a Missão. Ensina nossa vida a ser
serviço. Fortalece os que desejam dedicar-se
ao Reino na diversidade dos
ministérios e carismas.

Senhor, que o Rebanho não pereça por falta de
Pastores. Sustenta a fidelidade de nossos bispos,
padres, diáconos, religiosos, religiosas e
ministros leigos e leigas. Dá perseverança a
todos os vocacionados. Desperta o coração
de nossos jovens para o ministério pastoral em tua Igreja.

Senhor da Messe e Pastor do Rebanho,
chama-nos para o serviço de teu povo.
Maria, Mãe da Igreja, modelo dos servidores
do Evangelho, ajuda-nos a responder SIM.

Amém

 Fonte: CNBB


Mês Vocacional 2009

Com alegria iniciamos este novo ano na certeza de que o Senhor fará surgir entre nós uma nova primavera vocacional. Por certo, cada um dos regionais, dioceses, paróquias e comunidades eclesiais já estão reiniciando suas atividades. Assim, unidos na oração pelas vocações queremos pedir ao Senhor da Messe que suscite vocações sacerdotais, religiosas em nossas comunidades, bem como jovens que se preparem dignamente para a vocação matrimonial, fazendo crescer em nossas comunidades a presença frutuosa das famílias cristãs e dos agentes pastorais.Como indicado e confirmado pelos bispos da Comissão Episcopal para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, celebraremos o mês vocacional com o tema:

Há esperança no caminho! E com o lema: Ardia nosso coração quando ele nos falava pelo caminho (Cf. Lc 24,32).

Fonte: CNBB