cerco de jericó       Tudo começou na Polônia, quando para obter uma vitória, alguns piedosos poloneses organizaram em seu país sete dias e seis noites de oração do rosário. O Cerco de Jericó tem sua origem num incessante “assalto” de rosários, durante 7 dias e 6 noites, rezados diante do Santíssimo Sacramento exposto.

 O Cerco de Jericó tem sua inspiração no Antigo Testamento. Depois da morte de Moisés, Deus escolheu Josué para conduzir o povo hebreu. Deus disse a Josué que atravessasse o Jordão com todo o povo e tomasse posse da Terra Prometida. A cidade de Jericó era uma fortaleza  inconquistável. Ao chegar junto às muralhas de Jericó, Josué ergueu os olhos e viu um Anjo, com uma espada na mão, que lhe deu ordens concretas e detalhadas. Josué e todo Israel executaram fielmente as ordens recebidas: durante seis dias, os valentes guerreiros de Israel deram uma volta em torno da cidade. No sétimo dia, deram sete voltas. Durante a sétima volta, ao som da trombeta, todo o povo levantou um grande clamor e, pelo poder de Deus, as muralhas de Jericó caíram… (cf. Js 6).

Essa devoção recebeu várias adaptações, de acordo com a realidade do povo e da Comunidade que assume essa batalha de oração. Há pessoas que rezam sozinhas, em suas casas, em grupos, ou ainda missas que são celebradas com esta motivação de derrubar as muralhas que nos impedem de chegar ao coração de Deus.

Aqui em São Paulo, estamos celebrando sete missas, clamando a Deus que derrube as muralhas de nossa vida!

Saiba mais no livro Livro Cerco de Jericó – Orações de Fé para Vencer o Combate.

Cerco-de-Jericó---Oração

Faça o download da Oração e participe do Cerco de Jericó!

Cerco-de-Jericó_A3

A Comunidade Canção Nova realiza na Catedral Maronita Nossa Senhora do Líbano, às segundas-feiras, o grande Cerco de Jericó com o tema: “Agindo Deus, Quem Impedirá?” (Is 43,13). Serão sete Missas celebradas pelo Pe. Adriano Zandoná, às 19h30, transmitidas ao vivo pela TV Canção Nova, com início dia 23 de fevereiro e encerramento dia 06 de abril de 2015 (segunda-feira após o domingo da Ressurreição do Senhor). Na programação, haverá participação de diversos cantores católicos que animarão as Celebrações Eucarísticas. Após às 20h30, cada encontro será encerrado com Adoração ao Santíssimo Sacramento e oração de “quebra das muralhas de Jericó”, momento em que cada participante poderá interceder pela quebra das “muralhas” de sua vida pessoal e de seus relacionamentos familiares, e por diversas outras intenções.

O Cerco de Jericó será conduzido pelos seguintes temas:

23/02: Derrubar muralhas pela força da oração

02/03: Libertar os relacionamentos do desamor

09/03: Derrubando as muralhas e opressões em nossa mente

16/03: Purificar e amadurecer a própria fé

23/03: Derrubando as muralhas do ciúme e da inveja

30/03: Derrubar as muralhas na vida familiar

06/04: Libertos de todo o mal pelo poder do Espírito Santo

Saiba mais sobre o Cerco de Jericó:

A prática do Cerco de Jericó nasceu na Polônia. Consiste na oração incessante e suplicante durante sete dias e seis noites, diante do Santíssimo Sacramento exposto. No Antigo Testamento, depois da morte de Moisés, Deus escolheu Josué para conduzir o povo hebreu. Deus disse a Josué que atravessasse o Jordão com todo o povo e tomasse posse da Terra Prometida. A cidade de Jericó era uma fortaleza inexpugnável. Ao chegar junto às muralhas de Jericó, Josué ergueu os olhos e viu um Anjo, com uma espada na mão, que lhe deu ordens concretas e detalhadas.Josué e todo Israel executaram fielmente as ordens recebidas: durante seis dias, os valentes guerreiros de Israel deram uma volta em torno da cidade. No sétimo dia, deram sete voltas. Durante a sétima volta, ao som da trombeta, todo o povo levantou um grande clamor e, pelo poder de Deus, as muralhas de Jericó caíram… (cf. Js 6).

(Fonte: Professor Felipe Aquino)

Tome Nota! More »

Campanha_da_fraternidade_2015A quaresma é lembrada apenas por ser um tempo de penitência e privações, mas ela vai muito, além disso. É tempo de revisão de vida, arrumar a casa física e interior. Pôr em ordem os sentimentos e jogar fora aquilo que não nos constrói.

A Igreja nos apresenta o jejum, a penitência e a confissão como vias seguras para esta organização interior. O jejum e a penitência são formas de oração do corpo. A confissão é sacramento que nos permite assumir os nossos pecados e erros contra Deus e contra os irmãos e recebermos do Senhor a absolvição.

Enquanto Igreja do Brasil, vivemos a Campanha da Fraternidade, que já está em sua 52ª edição. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) abriu oficialmente a Campanha da Fraternidade (CF) deste ano em cerimônia solene, na manhã desta quarta-feira, 18, na sede da instituição em Brasília. O tema da campanha deste ano é “Fraternidade: Igreja e sociedade” e o lema, “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45). Segundo o Papa Francisco, quando Jesus nos diz «Eu vim para servir» (cf. Mc 10, 45), nos ensina aquilo que resume a identidade do cristão: amar servindo.

Na Canção Nova durante a Quaresma, vivemos o Retiro Popular. Um meio de não perdermos a espiritualidade própria deste tempo, mesmo na correria do dia a dia. Dom Alberto nos apresenta um roteiro de vivência quaresmal, com propostas diárias de leitura orante da Palavra de Deus, textos dos santos, leituras espirituais, roteiros de práticas de piedade, como a Via-Sacra e o Rosário, indicações para a participação litúrgica na vida da Igreja, tudo encaminhado para a Vigília Pascal, quando estaremos unidos, renovando nossos compromissos de batizados.

“Aproxima-se a Quaresma, tempo de preparação para a Páscoa: tempo de penitência, oração e caridade, tempo de renovar nossas vidas, identificando-nos com Jesus através da sua entrega generosa aos irmãos, sobretudo aos mais necessitados”.

Veja mensagem na íntegra, escrita pelo Papa Francisco.http://goo.gl/WoBdKe

   MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO
PARA O XXIII DIA MUNDIAL DO DOENTE 2015
papa_01

Tema: «Sapientia cordis. “Eu era os olhos do cego e servia de pés para o coxo”

(Jó 29, 15)»

Queridos irmãos e irmãs,

por ocasião do XXIII Dia Mundial do Doente, instituído por São João Paulo II, dirijo-me a todos vós que carregais o peso da doença, encontrando-vos de várias maneiras unidos à carne de Cristo sofredor, bem como a vós, profissionais e voluntários no campo da saúde.

O tema deste ano convida-nos a meditar uma frase do livro de Job: «Eu era os olhos do cego e servia de pés para o coxo» (29, 15). Gostaria de o fazer na perspectiva da «sapientia cordis», da sabedoria do coração.

1. Esta sabedoria não é um conhecimento teórico, abstracto, fruto de raciocínios; antes, como a descreve São Tiago na sua Carta, é «pura (…), pacífica, indulgente, dócil, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem hipocrisia» (3, 17). Trata-se, por conseguinte, de uma disposição infundida pelo Espírito Santo na mente e no coração de quem sabe abrir-se ao sofrimento dos irmãos e neles reconhece a imagem de Deus. Por isso, façamos nossa esta invocação do Salmo: «Ensina-nos a contar assim os nossos dias, / para podermos chegar à sabedoria do coração» (Sal 90/89, 12). Nesta sapientia cordis, que é dom de Deus, podemos resumir os frutos do Dia Mundial do Doente.

2. Sabedoria do coração é servir o irmão. No discurso de Job que contém as palavras «eu era os olhos do cego e servia de pés para o coxo», evidencia-se a dimensão de serviço aos necessitados por parte deste homem justo, que goza duma certa autoridade e ocupa um lugar de destaque entre os anciãos da cidade. A sua estatura moral manifesta-se no serviço ao pobre que pede ajuda, bem como no cuidado do órfão e da viúva (cf. 29, 12-13).

Também hoje quantos cristãos dão testemunho – não com as palavras mas com a sua vida radicada numa fé genuína – de ser «os olhos do cego» e «os pés para o coxo»! Pessoas que permanecem junto dos doentes que precisam de assistência contínua, de ajuda para se lavar, vestir e alimentar. Este serviço, especialmente quando se prolonga no tempo, pode tornar-se cansativo e pesado; é relativamente fácil servir alguns dias, mas torna-se difícil cuidar de uma pessoa durante meses ou até anos, inclusive quando ela já não é capaz de agradecer. E, no entanto, que grande caminho de santificação é este! Em tais momentos, pode-se contar de modo particular com a proximidade do Senhor, sendo também de especial apoio à missão da Igreja.

3. Sabedoria do coração é estar com o irmão. O tempo gasto junto do doente é um tempo santo. É louvor a Deus, que nos configura à imagem do seu Filho, que «não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para resgatar a multidão» (Mt20, 28). Foi o próprio Jesus que o disse: «Eu estou no meio de vós como aquele que serve» (Lc 22, 27).

Com fé viva, peçamos ao Espírito Santo que nos conceda a graça de compreender o valor do acompanhamento, muitas vezes silencioso, que nos leva a dedicar tempo a estas irmãs e a estes irmãos que, graças à nossa proximidade e ao nosso afecto, se sentem mais amados e confortados. E, ao invés, que grande mentira se esconde por trás de certas expressões que insistem muito sobre a «qualidade da vida» para fazer crer que as vidas gravemente afectadas pela doença não mereceriam ser vividas!

4. Sabedoria do coração é sair de si ao encontro do irmão. Às vezes, o nosso mundo esquece o valor especial que tem o tempo gasto à cabeceira do doente, porque, obcecados pela rapidez, pelo frenesim do fazer e do produzir, esquece-se a dimensão da gratuidade, do prestar cuidados, do encarregar-se do outro. No fundo, por detrás desta atitude, há muitas vezes uma fé morna, que esqueceu a palavra do Senhor que diz: «a Mim mesmo o fizestes» (Mt 25, 40).

Por isso, gostaria de recordar uma vez mais a «absoluta prioridade da “saída de si próprio para o irmão”, como um dos dois mandamentos principais que fundamentam toda a norma moral e como o sinal mais claro para discernir sobre o caminho de crescimento espiritual em resposta à doação absolutamente gratuita de Deus» (Exort. ap. Evangelii gaudium, 179). É da própria natureza missionária da Igreja que brotam «a caridade efectiva para com o próximo, a compaixão que compreende, assiste e promove» (Ibid., 179).

5. Sabedoria do coração é ser solidário com o irmão, sem o julgar. A caridade precisa de tempo. Tempo para cuidar dos doentes e tempo para os visitar. Tempo para estar junto deles, como fizeram os amigos de Job: «Ficaram sentados no chão, ao lado dele, sete dias e sete noites, sem lhe dizer palavra, pois viram que a sua dor era demasiado grande» (Job 2, 13). Mas, dentro de si mesmos, os amigos de Job escondiam um juízo negativo acerca dele: pensavam que a sua infelicidade fosse o castigo de Deus por alguma culpa dele. Pelo contrário, a verdadeira caridade é partilha que não julga, que não tem a pretensão de converter o outro; está livre daquela falsa humildade que, fundamentalmente, busca aprovação e se compraz com o bem realizado.

A experiência de Job só encontra a sua resposta autêntica na Cruz de Jesus, acto supremo de solidariedade de Deus para connosco, totalmente gratuito, totalmente misericordioso. E esta resposta de amor ao drama do sofrimento humano, especialmente do sofrimento inocente, permanece para sempre gravada no corpo de Cristo ressuscitado, naquelas suas chagas gloriosas que são escândalo para a fé, mas também verificação da fé (cf. Homilia na canonização de João XXIII e João Paulo II, 27 de Abril de 2014).

Mesmo quando a doença, a solidão e a incapacidade levam a melhor sobre a nossa vida de doação, a experiência do sofrimento pode tornar-se lugar privilegiado da transmissão da graça e fonte para adquirir e fortalecer a sapientia cordis. Por isso se compreende como Job, no fim da sua experiência, pôde afirmar dirigindo-se a Deus: «Os meus ouvidos tinham ouvido falar de Ti, mas agora vêem-Te os meus próprios olhos»(42, 5). Também as pessoas imersas no mistério do sofrimento e da dor, se acolhido na fé, podem tornar-se testemunhas vivas duma fé que permite abraçar o próprio sofrimento, ainda que o homem não seja capaz, pela própria inteligência, de o compreender até ao fundo.

6. Confio este Dia Mundial do Doente à protecção materna de Maria, que acolheu no ventre e gerou a Sabedoria encarnada, Jesus Cristo, nosso Senhor.

Ó Maria, Sede da Sabedoria, intercedei como nossa Mãe por todos os doentes e quantos cuidam deles. Fazei que possamos, no serviço ao próximo sofredor e através da própria experiência do sofrimento, acolher e fazer crescer em nós a verdadeira sabedoria do coração.

Acompanho esta súplica por todos vós com a minha Bênção Apostólica.

Vaticano, 3 de Dezembro – Memória de São Francisco Xavier – do ano 2014.

 

Franciscus

papa_01


COMUNIDADE CANÇÃO NOVA REALIZA VIGÍLIA EM FEVEREIRO

A Comunidade Canção Nova de São Paulo (SP) promove a segunda Vigília do ano de 2015, dando sequência às nove madrugadas de oração na capital paulista. Com o tema: “Agindo Deus, vencemos as fraquezas”, os organizadores desta tradicional vigília aguardam cerca de mil pessoas para uma noite inteira de oração e adoração na presença do Santíssimo Sacramento.

A Vigília inicia no dia 21 de fevereiro, às 22h00, na Basílica Nossa Senhora da Penha, com transmissão ao vivo pela TV Canção Nova e Rádio América (1410 AM). Missas, pregação e adoração ao Santíssimo Sacramento fazem parte da programação. A condução será realizada pelos missionários da Comunidade Canção Nova: Pe. Adriano Zandoná, Paulo César, Maria Angélica e Orlando, pela cantora católica Jacke Trevisan e Ministério de Música Canção Nova.

Tome Nota!

Vigília Canção Nova – “Agindo Deus, vencemos as fraquezas”
(2º Vigília da Novena 2015)

Data:

21 de fevereiro de 2015, às 22h00

Presenças:

Pe. Adriano Zandoná (Comunidade Canção Nova)
Paulo César (Comunidade Canção Nova)
Maria Angélica (Comunidade Canção Nova e apresentadora da Rádio América)
Orlando (Comunidade Canção Nova)
Jacke Trevisan (cantora católica)
Ministério de Música Canção Nova

Local:

Basílica Nossa Senhora da Penha
R. Santo Afonso, 199, Penha, São Paulo (SP)
(metrô Penha)

Levar: 1Kg de alimento não perecível

Informações:

(11) 3382-9800 ou eventossp@cancaonova.com


São Francisco de Sales: Doutor da Caridade
“Prosseguir com toda a paciência e a ciência que Deus nos der”

Francisco de Sales nasceu no Castelo de Sales, numa região que hoje pertence à França, no dia 21 de agosto de 1567. Era filho de Francisco e Francisca de Sionnaz. De família nobre, estudou nos melhores Colégios da época: em Paris, com os jesuítas, fez Retórica e Filosofia e na Universidade de Pádua, doutorou-se em Direito Civil e Canônico. Nos tempos livres dedicava-se a estudar teologia, pois tinha em mente seguir a carreira eclesiástica sendo padre. Seu pai alimentava sonhos de grandezas humanas para ele, mas por ser o primogênito tinha responsabilidades familiares, tais como levar a herança e o nome da família para frente. Mesmo assim, Francisco renunciou a tudo para ser padre e no dia 18 de dezembro de 1593 foi ordenado.

 Com zelo exerceu seu ministério sacerdotal e logo foi convidado pelo bispo para ir como missionário na região do Chablais. Esta região tinha sido invadida pelos protestantes calvinistas de Genebra. Esta foi uma missão muito exigente, pois existiam pouquíssimos católicos. Mas são Francisco não se deu por vencido. Empenhou-se firmemente na realização de sua missão e embora o povo não quisesse ouvi-lo, passa a escreve pequenas páginas com a doutrina católica e as coloca debaixo das portas das casas.  Depois de quatro anos tinha convertido toda a região. Esta conversão foi fruto do trabalho paciente e persistente, realizado sem desanimar, mesmo enfrentando os perigos e as situações adversas. Francisco é para nós uma prova de que nossa ação evangelizadora não será fracassada se for um projeto de Deus, uma ação do Espírito Santo. Como aconteceu com os primeiros cristãos, no texto citado em Atos 5,38s, quando o projeto vem de Deus, não há quem possa destruir.

Sobre esta missão, São Francisco diz “estamos absolutamente resolvidos a trabalhar sem descanso nesta obra, a não deixar pedra sem mover, a suplicar, a prosseguir com toda a paciência e a ciência que Deus nos der”.

 Francisco de Sales é lembrado por sua amabilidade, doçura, compreensão, paciência, simplicidade. Por sua  entrega e sacrifício, perdão e confiança. E ainda, por propagar o amor como a essência da vida cristã e da vida espiritual. Por tantas virtudes, Dom Bosco escolhe São Francisco como modelo e intercessor no seu apostolado entre os jovens.

Fundou juntamente com Santa Joana Chantal a ordem da Visitação. Foi canonizado em 1665, pelo Papa Alexandre VII e Pio IX, em 1877 o declarou “Doutor da Igreja”. Em 1923 foi declarado por Pio XI Padroeiro da Boa Imprensa e dos jornalistas católicos.

Pelos seus frutos os conhecereis.  Mateus 7,16

Dom Bosco

A Canção Nova celebra com alegria, o sexto ano de pertença à família salesiana. Um reconhecimento oficial, embora as marcas de Dom Bosco sempre estivessem presentes em todos os passos da Comunidade e principalmente na vida do seu Fundador, Monsenhor Jonas Abib.
No momento difícil do parto, Dona Josefa, mãe do Padre Jonas, já o consagrou a Dom Bosco, pois ficou impactada com a história deste Santo da Juventude. Anos depois, Monsenhor Jonas ainda menino recebe formação nos moldes de Dom Bosco quando vai estudar no Colégio Liceu Coração de Jesus, em SP, descobre sua vocação ao sacerdócio e se torna padre salesiano.

Monsenhor Jonas em seus primeiros anos de sacerdócio segue com firmeza os passos de Dom Bosco dando especial atenção aos jovens e sua formação. Atualiza com maestria uma das verdades salesianas, “Não basta amar os jovens é preciso que eles saibam que são amados”.
A Divina Providência em seus caminhos, conduziu o Monsenhor Jonas a reunir Jovens para trabalhar na evangelização de outros jovens. A Canção Nova assumiu o Sistema Preventivo de Dom Bosco e o aplica não só na educação dos nossos alunos no Instituto Canção Nova,no Progen mas no tratamento de todo o povo que Deus nos confia.        

A Comunidade Canção Nova foi admitida oficialmente na Família Salesiana no dia 21 de janeiro 2009, durante a reunião do Conselho Geral dos Salesianos, em Roma. A notícia foi dada ao nosso pai fundador, monsenhor Jonas Abib, pelo então Reitor-Mor dos Salesianos, padre Pascual Chávez Villanueva.
A notícia trouxe grande alegria para toda a Comunidade, pois trazemos esse ardor de salvar almas e atualizar o que diz dom Bosco, Daí-me almas e ficai com o resto.

Queremos gastar a nossa vida, a exemplo de Dom Bosco, e do nosso Pai Fundador, por causa da evangelização. E como pediu o atual Reitor-Mor Dom Pe. Ángel Fernández Artime ”precisamos ir ao encontro dos que mais precisam, especialmente, os mais pobres”. Queremos assim alegrar o coração de Deus e viver a Santidade Salesiana como, Mamãe Margarida, Domingo Sávio, Laura Vicuña e tantos outros jovens que na sua simplicidade deixaram para nós um legado de santidade.

Por, Jocelma Cruz e Simone Souza 

Assista o filme de Dom Bosco

Palavras do Fundador 

E-FLYER-CN-Abraça-2015_mudança-logotipo-2

I CANÇÃO NOVA ABRAÇA SÃO PAULO 2015 SERÁ NO GINÁSIO DO IBIRAPUERA
Evento reúne milhares de pessoas para um dia inteiro de oração na capital paulista

A Comunidade Canção Nova promove o I Kairós Canção Nova Abraça São Paulo 2015, e convida você para este imenso abraço. O primeiro evento do ano acontecerá no dia 22 de março, no Ginásio do Ibirapuera, São Paulo (SP). O tema deste evento norteia todas as iniciativas evangelizadoras da Canção Nova na capital paulista neste ano de 2015: “Agindo Deus, quem impedirá?” (Is 43,13). O encontro será realizado das 07h30 às 18h00. Os portões estarão abertos para receber os participantes a partir das 07h00. A programação estará cheia de momentos de oração. Haverá também adoração, pregações e Missa de encerramento.

O I Canção Nova Abraça São Paulo traz as presenças de Pe. Adriano Zandoná, Pe. Paulinho, Pe. Chrystian Shankar, Márcio Mendes, Celina Borges, Dunga, Felipe, Paula Guimarães e Ministério de Música Canção Nova. As vagas são limitadas. Para participar, basta adquirir o ingresso levando 1 kg de alimento não perecível a um dos seguintes pontos de distribuição: Casa de Evangelização Canção Nova São Paulo e Loja Canção Nova de São Paulo.

A Canção Nova quer continuar levando este abraço de Deus à milhares de pessoas, de diversos lugares, ficando muito mais próxima dos Sócios Evangelizadores e daqueles que fazem esta obra acontecer aqui em São Paulo e em todo o mundo. Portanto, o convite é para todos aqueles que desejam fazer esta experiência de fé. Abrace você também! Porque quanto mais gente abraça, mais a gente evangeliza.

Tome Nota!

I Canção Nova Abraça São Paulo 2015

Tema:

“Agindo Deus, quem impedirá?” (Is 43,13)

Data:

22 de março de 2015, das 07h30 às 18h00 (abertura dos portões às 07h00)

Presenças Confirmadas:

Pe. Adriano Zandoná (Missionário da Comunidade Canção Nova)
Pe. Paulinho (Missionário da Comunidade Canção Nova
Pe. Chrystian Shankar (sacerdote em Divinópolis – MG, apresentador da TV Canção Nova)
Márcio Mendes – (pregador ministeriado em cura e libertação, autor de livros e apresentador da TV Canção Nova)
Celina Borges (cantora católica)
Dunga (Missionário da Comunidade Canção Nova)
Felipe e Paula Guimarães (Comunidade Canção Nova)
Ministério de Música Canção Nova São Paulo

Local:

Ginásio do Ibirapuera
R. Manoel da Nóbrega, 1361, Paraíso, São Paulo (SP)

Entrada:

Ingressos antecipados. Levar 1 Kg de alimento, o qual deverá ser entregue no ato da retirada do ingresso.

Postos de distribuição dos ingressos:

Casa de Evangelização Canção Nova
R. Tamandaré, 355, Liberdade, São Paulo (SP)
(Metrô São Joaquim ou Linha 4114-10 Vila Gumercindo)
Informações: (11) 3382-9800(11) 3382-9800 ou eventossp@cancaonova.com

Loja Canção Nova
R. São Bento, 43, Centro, São Paulo (SP)
(Metrô Sé)
Informações: (11) 3587-3141(11) 3587-3141

Informações gerais sobre o evento:
(11) 3382-9800(11) 3382-9800 ou eventossp@cancaonova.com
Acesse: saopaulo.cancaonova.com

Vigília-janeiro_2015

“AGINDO DEUS, QUEM IMPEDIRÁ?”

Canção Nova realiza Vigília no início do ano

A Comunidade Canção Nova realiza, no dia 17 de janeiro de 2015, a primeira das nove Vigílias Canção Nova que serão realizadas em 2015, na Basílica Nossa Senhora da Penha, em São Paulo (SP), com transmissão ao vivo pela TV Canção Nova e Rádio América. A primeira Vigília do ano reunirá o povo de Deus em oração inspirada no tema: “Agindo Deus, quem impedirá?” (Is 43,13). Em sua programação, o evento conta com Missas, pregação da Palavra, Adoração ao Santíssimo Sacramento, confissões, cânticos de louvor e animação. Estarão presentes: Pe. Adriano Zandoná, Alexandra Gonçalves, Maria Angélica e Ministério de Música Canção Nova.

A Vigília Canção Nova quer levar à todos uma experiência do poder de Deus que restaura, cura e liberta de todas as prisões. É preciso fazer a experiência da oração, uma experiência de fé, para verdadeiramente afirmarmos: agindo Deus, nada O impede de transformar nossos lares, nossas famílias, nossas vidas. A Vigília é este momento em que todos vivenciarão o grande milagre da transformação. O Senhor deseja nos restaurar!

Data:
17 de janeiro de 2015, às 22h00

Presenças confirmadas:

Pe. Adriano Zandoná (Missionário da Comunidade Canção Nova)
Alexandra Gonçalves (Missionária da Comunidade Canção Nova)
Maria Angélica (Missionária da Comunidade Canção Nova e apresentadora da Rádio América)
Ministério de Música Canção Nova São Paulo

Local:

Basílica Nossa Senhora da Penha
R. Santo Afonso, 199 – Penha – São Paulo/SP

Como chegar:

A Basílica é próxima a estação Penha do metrô
Levar 1 Kg de alimento não perecível

Informações:

(11) 3382-9800 ou
eventossp@cancaonova.com

Vigília-20-12Vigília Canção Nova de final de ano arrecadará alimento para famílias carentes na semana do Natal

A Comunidade Canção Nova de São Paulo realizou durante o ano de 2014, a Novena Canção Nova de Vigílias que reuniu aproximadamente 10 mil pessoas da capital paulista e região metropolitana, para viver madrugadas inteiras de oração e intercessão na presença do Senhor. No dia 20 de dezembro de 2014, será o encerramento da Novena com a última Vigília do ano. O tema a ser meditado será: “Eis Que Faço Novas Todas as Coisas” (Ap 21,5). O evento iniciará às 22h00, com a presença de Pe. Paulinho, Pe. Marlon Múcio, Pe. Gustavo Sampaio e Ministério de Música Canção Nova.

Nesta edição, a Comunidade Canção Nova mais uma vez estará unida a diversas comunidades católicas que trabalham no amparo e no acolhimento às famílias carentes e dependentes químicos de nossa cidade. Por isso pedimos que você leve 1Kg de alimento não perecível. O objetivo é proporcionar à estas famílias um Natal mais humano e mais feliz.

Programação:

21:30 – Santo Terço

22:00 – Grupo de Oração

23:00 – Missa – Pe. Marlon Múcio e Pe. Gustavo Sampaio

01:10 – Intervalo

02:00 – Cânticos e Oração

02:10 – Oração de clamor – Pe. Marlon Múcio

02:20 – Adoração – Pe. Márlon Múcio e Padre Gustavo

03:30 – Intervalo

04:00 – Missa – Pe. Paulinho

05:30 – Término

Tome Nota!

 

Vigília Canção Nova – Encerramento da Novena 2014

Data:

20 de dezembro de 2014, a partir das 22h00

Tema:

“Eis Que Faço Novas Todas as Coisas” (Ap 21,5)

Presenças:

Pe. Paulinho (Comunidade Canção Nova)
Pe. Marlon Múcio (Comunidade Missão Sede Santos – Taubaté/SP)
Pe. Gustavo Sampaio (Comunidade Missão Sede Santos – Taubaté/SP)
Ministério de Música Canção Nova

Local:

Basílica Nossa Senhora da Penha
R. Santo Afonso, 199, Penha, São Paulo (SP)
(Metrô Penha)

Como chegar:

A Basílica Nossa Senhora da Penha é próxima a estação Penha do metrô

Informações:

(011) 3382-9800
eventossp@cancaonova.com

Acesse : Facebook/cancaonovasp Twitter: @cancaonovasp

Tríduo-de-Natal

CANÇÃO NOVA REALIZA TRÍDUO DE NATAL

A Comunidade Canção Nova realiza nos dias 03, 10 e 17 de dezembro de 2014 (quartas-feiras), às 20h00, o Tríduo de Natal, com Celebrações Eucarísticas presididas pelo Pe. Adriano Zandoná e Pe. Paulinho, da Comunidade Canção Nova. O Tríduo é uma forma de preparação para a grande festa do nascimento de Jesus celebrada no dia 25 de dezembro, e contará com uma programação rica em cânticos natalinos, orações litúrgicas e meditações cheias de significados partilhados no tempo que antecede a Festa Litúrgica do Natal, o Advento.

Participe e viva conosco este tempo de expectativa do Senhor que nasce no coração de todos aqueles que creem!

Tome Nota!

Tríduo de Natal

Data:

03, 10 e 17 de dezembro (quartas-feiras), às 20h00

Local:

Catedral Maronita Nossa Senhora do Líbano
R. Tamandaré, 355, Liberdade, São Paulo/SP
(metrô São Joaquim ou Linha 4114-10 Vila Gumercindo)

Informações:

(11) 3382-9800 ou eventossp@cancaonova.com

 

Domingo, 2 de novembro, o Missionário Redentorista e Reitor do Santuário Basílica de Trindade/GO, Pe. Robson de Oliveira, foi convidado a participar do III Canção Nova Abraça São Paulo. Padre Robson, no Dia de Finados, fez questão de lembrar a saudade pelas pessoas que já partiram para a Casa do Pai.

Confira a Homilia do Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, no III Canção Nova Abraça São Paulo.

Confira a pregação do Pe. Adriano Zandoná, no III Canção Nova Abraça São Paulo!