Amar quem nos é agradável é fácil. Mas aqueles que são pessoas chatas e até mesmo que nos tratam com indiferenças é complicado. Assumo que para mim é uma luta. Não somos pessoas bobas e percebemos aqueles que gostam e que não gostam da gente.

Humanamente o primeiro desejo do meu coração, é desistir destas pessoas, “matar” estes em meu coração. Tratar com a mesma indiferença com a qual me tratam. “Olho por olho, dente por dente”. Porém, quando peço orientação para o Senhor em minhas orações a ordem sempre é amar.

Nisto pergunto a Deus. Como amar estes que me desprezam? Não vou fazer papel de bobo para estes fiquem “pisando” em mim! Então a voz de Deus grita em minha alma para começar a amar estas pessoas pela oração. Deus me pede no primeiro momento uma atitude espiritual, assim é Deus que age e abre as portas naturalmente para que o amor aconteça de maneira concreta.

Tenho feito esta experiência, o resultado não é do dia para noite, pode levar dias ou meses, e assim tenho aprendido a amar as pessoas que são difíceis para mim. A ordem de Deus é amar sempre, inclusive meus “rivais”.

Nos momentos de sofrimentos não é fácil se entregar ao amor. As feridas dos sofrimentos nos angustiam e nos deixa pra baixo, até mesmo sem forças humanas para amar. Aqui o esforço para amar não está em atitudes externas, mas em atitudes interiores.

Oferecer os nossos sofrimentos é atitude de amor. É uma atitude profunda de oração e intercessão que chega límpida ao coração de Deus. Não desperdicemos os nossos sofrimentos, mas unamos ao mistério da Cruz de Cristo. Isto salva muitas almas.

Assim, devemos sofrer sem nunca deixar de amar.