Será que que o tempo está passando mais rápido? Alguns estudiosos dizem que o nosso dia equivale somente a 16 horas. Será que isto é verdade?

Eu, de maneira particular, não acredito nisso. Um tempo atrás, tive uma experiência interessante no qual reflete sobre esta questão do tempo. “Chegando em casa, por um problema no poste não tínhamos energia elétrica. Portanto, ficamos longas horas sem Tv, Internet, rádio…O que fizemos? Fomos para frente de casa, e ali ficamos um longo tempo, vendo o conserto da rede elétrica, e aproveitando para conviver, partilhar vida entre os irmãos.” Posso testemunhar que a noite foi mais longa que o normal, pois saímos do ritmo dos muitos serviços, das muitas informações da Internet e da TV, simplesmente gastamos o tempo com os irmãos.

Refletindo sobre este fato, penso que aquilo que faz aparentar que o tempo passe mais rápido são as muitas tarefas e coisas que fazemos no dia a dia. Claro, que isto faz parte da sociedade que vivemos. Mas é certo que as muitas coisas que fazemos acelera o tempo dentro de nós.

No passado, a sociedade era mais rural, não tinha a frenesia da sociedade urbana. Por isso, que na roça o tempo parecia demorar mais para passar, porque se fazia somente o necessário…Hoje fazemos mais que o necessário, sendo que o necessário já é muito, e ainda, queremos fazer tudo ao mesmo tempo.

Já que não podemos mudar a “frenesia do tempo” na sociedade. O negócio é saber organizar melhor todas as nossas tarefas, saber separar o que é essencial do supérfluo, ter horários organizados. Como também, sempre saber tirar um tempo para sair da loucura do cotidiano. Se você podê, vá para praia, para uma fazenda, vá para um parque, passe um dia em um mosteiro, vai pescar…Por fim, pegue pelo menos um dia por mês, saía de frente da TV ou do computador, tire o relógio, desligue o celular, e dê um descanso para si mesmo, fazendo o tempo passar mais devagar dentro de si.

Forte abraço,

Ademir Costa

“…todos dizemos que “nos falta o tempo”, porque o ritmo da vida quotidiana tornou-se frenético para todos. Também a este propósito a Igreja tem uma “boa notícia” para dar:  Deus doa-nos o seu tempo. Nós temos sempre pouco tempo; sobretudo para o Senhor não sabemos ou, por vezes, não o queremos encontrar. Pois bem, Deus tem tempo para nós!”(Bento XVI – Angelus – 30/11/2008)

Estas palavras é um verdadeiro “puxão de orelhas” para mim. Porque muitas vezes, dou o meu pior tempo do dia para Deus. É verdade que minha vida seja corrida, mas isto não é desculpa.

Diante desta exortação devo me rever e procurar dar o meu melhor tempo para o Senhor. Preciso parar de ficar arranjando desculpas. Pois muitas vezes, faço minhas práticas espirituais para cumprir preceitos. Assim, participo mal da Missa, vou para capela adorar na pior hora, rezo o terço com a cabeça na lua, faço o meu estudo da Palavra de qualquer jeito…

O essencial de minha vida é Deus, o resto é acrescimo. Assim sendo, devo me reorganizar para dar o melhor tempo para a Missa, para adoração, para fazer meu estudo da Palavra, para rezar meu terço, por fim para estar com Deus…

Se Deus tem tempo para mim, devo dar o meu melhor tempo para Deus.

Forte abraço…

Até a próxima!

Vivemos em um mundo imediatista e transferimos este imediatismo para o nossa espiritualidade.

O nosso tempo é Cronos, o tempo de Deus é Kayrós. O salmo 89 fala: “… mil anos, diante de vós, são como o dia de ontem que já passou, como uma só vigília da noite”.

É por isso que sofremos algumas vezes nesta vida com a espera. Muitas vezes rezamos por coisas nas quais parecem que Deus não nos ouve. Mas isto é um grande engano, Deus sempre ouvirá e dará resposta a oração do justo. Porém, no seu tempo. Que para nós aqui na terra poderá ser breve ou longo, mas Deus sempre nos responderá no seu tempo.

É preciso paciência, perseverança e esperança. É preciso saber esperar, não podemos andar no ritmo imediatista do mundo, porque Deus jamais deixará de responder as necessidades de seus filhos.

Senhor dá-me paciência e ensina-me a viver a esperança… Amém.