Atos dos Apóstolos > Leitura #453

O coração grato e generoso

O coração grato e generoso tem uma característica fundamental: desapego. E uma virtude invejável: liberdade! Qual é o segredo de quem vive assim?

“A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava suas as coisas que possuía, mas tudo entre eles eles era posto em comum.”

Era a comunidade dos sonhos! Com o coração grato e generoso, desapegada dos bens materiais justamente porque vislumbravam um bem maior: a Vida Eterna! O céu! A salvação!

Eles sabiam que a realidade deste mundo passa por isso não viviam apegados.

Eles tinham bens, mas eles eram postos em comum, a serviço dos outros. Eles se ajudavam mutuamente. Quem possuía terras ou casas vendia e dava o dinheiro aos apóstolos para pôr tudo em comum.

Era uma realidade linda a qual ainda somos chamados a viver. Hoje a maioria dos cristãos vive esta realidade da partilha dos bens através do Dizimo, das pastorais que tem ação social direta como os Vicentinos e tantas outras. Isso é muito bom, pois a Igreja com o passar dos séculos se organizou para permanecer nesta inspiração inicial de partilha entre os irmãos da fé.

Contudo, cada um de nós é chamado a realizar a caridade e a partilha com aquele que nos é mais próximo e, sobretudo, possuir como se não possuísse. Cuidar do que Deus nos deu, mas não agir como proprietário, mas como aquele que administra bem os bens que lhe foram confiados, buscando sempre o melhor, mas não por vaidade, antes, por zelo e gratidão! Alegrando-se sim com o que tem, mas sem esquecer que, apesar do esforço pessoal para conquistá-los, os bens são antes de tudo, graça de Deus.

Leia o trecho em At 4, 32-37

Na Bíblia cnbb página 1347

Título: A comunhão de bens. Barnabé

Não há o que anotar

Qual a mensagem de Deus para mim hoje?

Contudo, cada um de nós é chamado a realizar a caridade e a partilha com aquele que nos é mais próximo e, sobretudo, possuir como se não possuísse.

Como posso pôr isso em prática na minha vida?

Hoje vou escolher dentre as coisas que possuo, o que me serve mas não uso e passar para frente, para quem está precisando.