Escatologia é o estudo sobre os “últimos acontecimentos”. A palavra vem do grego eschatón (= último). Se refere ao término da história da salvação. Sem isto não compreendemos a vida da Igreja. Os romanos diziam: “em tudo que faças, considera o fim, pois é o fim que dita o itinerário a percorrer”.

A realização da Igreja se dará plenamente só na eternidade. More »

O Terço era a terça parte do Rosário; agora é a quarta parte porque o Papa João Paulo II acrescentou mais um “Terço” ao Rosário, contemplando os mistérios “Luminosos” da Vida Pública de Jesus.

Em cada Terço contemplamos uma etapa da vida de Jesus e o mistério da nossa Salvação; logo, o Terço é uma oração mais centrada em Cristo do que em Maria. No centro da Ave-Maria está a palavra Jesus. Nossa Senhora reza conosco o Terço, contemplando também ela os mistérios da nossa salvação, intercedendo por nós. Por isso, é muito importante contemplar, meditar, cada mistério do Terço. More »

O grande valor do Rosário e dos Terços que o compõem é a contemplação dos mistérios da vida de Jesus: gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos; assim, o Terço é Cristocêntrico e não Mariocêntrico.

Se deixamos de contemplar os mistérios ele perde essa sua beleza embora a reza das Ave-Maria e Pai-Nosso tenham também o seu valor. Assim, a Igreja recomenda que se reze o Terço contemplando os mistérios; que pode se ver abaixo: More »

Sim, eles são santos e mártires do Império Romano no século IV, por isso a Igreja celebra a memória deles. Infelizmente, o culto desses santos benfeitores foi misturado ao sincretismo religioso dos cultos afros e outros, causando confusão no povo católico.

São Cosme e Damião foram martirizados em Ciro (na Síria) durante a perseguição de Diocleciano. More »

Se cada sacramento dá (ou aumenta) a graça santificante à alma, por que Jesus instituiu sete? Não teria bastado instituir um só, que receberíamos conforme necessitássemos?

Assim seria se a graça santificante fosse a única espécie de graça de Deus tivesse querido dar-nos, e se a vida espiritual que a graça santificante institui fosse a única ajuda que Deus tivesse querido dar-nos. Mas Deus, de quem procede toda a paternidade, não determinou prover-nos de vida espiritual e depois deixar-nos entregues à nossa sorte. Os pais não dizem ao filho recém-nascido: “Nós demos a vida a você, mas não haverá alimento quando você tiver fome, nem remédios quando adoecer, nem o apoio de um braço quando se sentir fraco. Portanto, arranje-se e viva como puder”. More »