Foto: Wallace Andrade

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela. E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” Mt. 7, 13-14.  Por todos os lugares que somos conduzidos, ou nos decidimos a seguir, sempre teremos duas escolhas. Aquelas que nos trazem mais prazer e facilidade, são também aquelas que podem nos revelar o quanto caminhamos para o comodismo, que pode nos conduzir ao desânimo e fatalmente a preguiça. E se você anda desavisado, preguiça é uma das ferramentas mais afiadas do inimigo do Senhor. Me lembro uma tarde de sexta-feira, na estação do metrô de São Paulo, com mochila nas costas e mala grande, daquelas com rodinhas. O destino era o terminal rodoviário interestadual, onde pegaria um ônibus com destino à minha amada cidade natal. Eu e minha esposa perdemos pelo menos uns quatro embarques porque nos faltava a coragem de encarar aquele caminho estreito e superlotado de pessoas com propósitos variados. Lá pela quinta vez, decidi ser “violento” para vencer aquela situação. E foi me apertando e levando todo o tipo de empurrão e cotoveladas, abraçado a minha esposa e atrelado a uma imensa mala, que venci aquela situação embaraçosa. Em situações assim posso comprovar que atravessar os caminhos impostos pela vida, será sempre um grande e complicado desafio, onde a decisão acertada nem sempre é a da comodidade, conforto e tranquilidade. Tem situações e dias em que só apelando para a violência de sentimentos e decisões, serei capaz de prosseguir o meu propósito de ganhar a salvação eterna. É muito mais fácil decidir pelo caminho apertado e estreito, quando só tenho ele como opção. Quando me encho daquela certeza de que não tenho como voltar e a única alternativa é atravessar o aperto, na certeza de que depois dele terá algo melhor e repleto de calmaria e descanso. Difícil é ter sempre uma vida farta e caminho largo! Vamos avançando na certeza de que tudo, sempre, vai ser assim. Mas na prática não é bem assim e quando vem a crise, a carestia, o descontrole, muitos se sentem sem chão. Outros perdem o equilíbrio e a paz, baseados nas coisas que passam. As tribulações, apertos financeiros, doenças graves, cansaço e desânimo, sempre estarão na pauta da vida. São os caminhos estreitos que todos precisamos atravessar. O que não está na pauta é a forma como devo atravessar essas situações, porque é decisão pessoal, onde cada um escolhe a forma e o jeito, se aceita ou não aceita o caminho estreito. E acima de tudo, se acredita ou não que nenhuma tribulação, nenhum aperto financeiro, nenhuma doença grave, nenhum cansaço ou desânimo, pode ser maior que Deus.

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com

 

 


Jornalista, missionário da Comunidade Canção Nova, escritor, casado com Valeria Martins Andrade e pai de Davi Andrade, natural de Campos dos Goytacazes-RJ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *