“A religião não constitui um problema para a sociedade, não é um fator de perturbação ou de conflito. Quero repetir que a Igreja não procura privilégios, nem deseja intervir em âmbitos alheios à sua missão, mas simplesmente exercer a mesma com liberdade”, explicou o Papa aos integrantes do Corpo Diplomático creditado junto à Santa Sé, recebidos em audiência na manhã desta segunda-feira, 10, na Sala Régia do Palácio Apostólico Vaticano.

Bento XVI reuniu-se com os embaixadores para desejar bons votos de início de ano. Ele também aproveitou a ocasião para fazer uma espécie de “viagem panorâmica” sobre diversos países do mundo, ressaltando a situação do direito à liberdade religiosa e da vivência da fé nesses lugares.

Acesse
.: Discurso do Papa ao Corpo Diplomático
.: Saiba mais sobre as relações diplomáticas da Santa Sé

Leia reportagens sobre liberdade religiosa
.: Liberdade religiosa: conheça o ensinamento da Igreja sobre tema
.: Cristãos são os mais perseguidos no mundo
.: Liberdade religiosa continua sendo violada no mundo

“A verdade, o bem, a felicidade, a vida em plenitude que cada homem busca, consciente ou inconscientemente, são-lhe concedidos por Deus. […] A dimensão religiosa é uma característica inegável e irrefreável do ser e do agir do homem, a medida da realização do seu destino e da construção da comunidade a que pertence”, ressaltou.

Ao fazer alusão ao tema da Mensagem para o Dia Mundial da Paz Liberdade religiosa, caminho para a paz -, o Bispo de Roma salientou que a paz é construída e conservada apenas se o homem pode livremente procurar e servir a Deus.

Ele também explicou que o “peso particular de uma determinada religião numa nação não deveria jamais implicar que os cidadãos pertencentes a outra confissão fossem discriminados na vida social”, e tampouco a violência contra eles pode ser tolerada. “É importante que o diálogo inter-religioso favoreça um compromisso comum por reconhecer e promover a liberdade religiosa de cada pessoa e de cada comunidade”, acrescentou.

“De modo particular, peço que seja por todo o lado garantida às comunidades católicas a plena autonomia de organização e a liberdade de cumprir a sua missão, de acordo com as normas e padrões internacionais neste campo”, pediu.

Liberdade religiosa

A liberdade religiosa significa também “garantir que as comunidades religiosas possam agir livremente na sociedade, com iniciativas nos setores social, caritativo ou educativo. Pode-se constatar por todo o lado, no mundo, a fecundidade das obras da Igreja Católica nestes âmbitos”, indicou o Pontífice.

Bento XVI falou que não se pode criar uma escala na gravidade de intolerância com as religiões – onde atos discriminatórios contra cristãos sempre são aqueles que se consideram menos graves – para que se possa assegurar o pleno respeito da liberdade religiosa para todos.

Ele também sublinhou o perigo de se querer colocar em contraste o direito à liberdade religiosa e outros direitos humanos, bem como contrapor esse direito com pretensos novoso direitos, “que, na realidade, são apenas a expressão de desejos egoístas e não encontram o seu fundamento na natureza humana autêntica”.

“Enfim, é preciso afirmar que não basta uma proclamação abstrata da liberdade religiosa: esta norma fundamental da vida social deve encontrar aplicação e respeito a todos os níveis e em todos os campos; caso contrário, não obstante justas afirmações de princípio, corre-se o risco de cometer profundas injustiças contra os cidadãos que desejam professar e praticar livremente a sua fé”.

Montagem sobre fotos / AP
Ataque em Bagdá – em sentido horário: funerais das vítimas; soldado na Catedral; prelados iraquianos na igreja alvo dos ataques e fachada da Catedral

Cenário mundial

Bento XVI alertou para o risco de que, em certos países da América Latina – cujo segundo centenário de independência de vários deles celebra-se atualmente -, sejam implementados sistemas de educação que comprometam as raízes históricas da presença eclesial na região.

“Ocasião propícia para se recordar a contribuição da Igreja Católica para a formação da identidade nacional, exorto todos os governos a promoverem sistemas educativos que respeitem o direito primordial das famílias de decidir sobre a educação dos filhos e que se inspirem no princípio de subsidiariedade, fundamental para organizar uma sociedade justa”.

O Papa também citou os episódios de perseguição religiosa acontecidos no Oriente Médio, em especial no Iraque – onde os cristãos, muitas vezes, se veem obrigados a deixar a própria terra – e no Egito – recentemente, fiéis foram atacados durante oração numa Igreja em Alexandria.

O Pontífice abordou a Lei contra a blasfêmia, em vigor no Paquistão, como exemplo de norma que lesa o direito à liberdade religiosa: “É evidente que a mesma serve de pretexto para provocar injustiças e violências contra as minorias religiosas”.

A violência na África – citando a Nigéria, durante a celebração do Natal – também foi sublinhada.

De acordo com o Santo Padre, tudo isso é “sinal da urgente necessidade que há de os governos da região adotarem
medidas eficazes para a proteção das minorias religiosas”.

Na categoria de países em que a liberdade religiosa é garantida na Constituição, mas a vida das comunidades religiosas é difícil, Bento XVI mencionou a China – onde a Igreja vive momentos de “dificuldade e provação” – e Cuba – pedindo que o diálogo que se instaurou com a Igreja se “reforce e amplie ainda mais”.

Ocidente

“Voltando o nosso olhar para o Ocidente, deparamos com outros tipos de ameaça contra o pleno exercício da liberdade religiosa. Penso, em primeiro lugar, em países onde se reconhece uma grande importância ao pluralismo e à tolerância, enquanto a religião sofre uma crescente marginalização”.

Segundo o Papa, pretende-se que os cristãos ajam, em sua profissão, sem referência às convicções religiosas ou com leis que limitam o direito à objeção de consciência, como no caso do aborto.

“Outra manifestação da marginalização da religião, e particularmente do cristianismo, consiste em banir da vida pública festas e símbolos religiosos, em nome do respeito por quantos pertencem a outras religiões ou por aqueles que não acreditam”.

Ao limitar-se o direito de os crentes expressarem publicamente a fé, “cortam-se raízes culturais que alimentam identidade profunda e coesão social de numerosas nações”, explicou.

http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=279878

1 comentário

  1. Gostei muito de ler este texto, tem informações muito boas…

    Belas palavras do PAPA…

    Silfarley
    http://www.arnsg.org.br