Obedecer ao Espirito Santo é para os fortes!

Sabem, para sermos realmente seguidores de Jesus ou “cristãos”, precisamos. Renascer, que está a dizer, nascer outra vez, e desta vez não mais da carne mas no Espirito Santo.

E quem renasce no Espirito vive segundo o Espirito. Precisamos viver segundo Deus para permanecermos unidos, em comunhão com ele por meio do seu Espirito que Jesus enviou no dia de Pentecostes. Somos chamados a viver plenamente esta vida divina que recebemos no Batismo.

O nosso Batismo, na água e no Espirito nos capacita a vivermos nesta dimensão divina desde esta terra. Aqui inicia o Reino de Deus para os que creem e obedientemente, sem reservas, sem divisão, sem egoismo, sem seitarismos, mas em comunhão estão unidos no nome do Senhor.

“Quem não renasce da água e do Espirito Santo não pode entrar no Reino de Deus (Jo 3,5).

O Espirito Santo no Evangelho de João, age em nos dando-nos uma nova existência em Cristo como um novo nascimento, um nascimento do alto (Jo 3,3).

Vivamos em obediência ao Espirito Santo e seremos autênticos cristãos. Para isso deixemos que ele poude segundo a sua vontade, no que ele quer, o que ele queira poudar em nos, principalmente em nossas certezas. Muitas vezes o que pensamos que para nós è o que Deus quer, na realidade, não passa de uma impressão. Não esqueça meu filho, minha filha, porque é verdade! Creia!

Precisamos estar muito atentos ao que realmente è de Deus em nossas vidas.

Tomemos posse desta palavra do Senhor, renascendo de verdade para uma missão de cristaos na Igreja, comunidade de Jesus, autentica e segundo o seu coraçao. Vivamos como renascidos pela água e pelo Espirito para testemunharmos ao mundo a Santidade de Deus e seu sumo bem para cada um de nós.

O Senhor te abencoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Cantem ao Senhor um cântico novo

Somos chamados a cantar ao Senhor um  cântico novo, se for porém un “cântico novo”.

O homem novo  sabe cantar um cântico novo. O cantar è expressão de alegria, e, se pensamos assim com menos distração, este è pura expressão de amor. Por isso, quem sabe amar, escolhe viver uma vida nova no Espirito Santo, a causa do cântico novo. De fato tudo pertence a um único reino, o homem novo, o cântico novo, o testamento novo. Portanto sendo de Cristo poderemos cantar o cântico novo que faz parte do testamento novo.

Oh irmãos, filhos, o raiz católica, a semente santa e suprema, oh, regenerados e nascidos sobrenaturalmente em Cristo, escutem-me, ou melhor através de mim: Cantem ao Senhor um cântico novo.

Voce diz: eu canto. E lhe respondo que certamente cantas, escuto, mas a tua vida não deve testemunhar o contrario do que cantas com palavras.

Canta com a voz, canta com a boca, canta com o coração, canta com um comportamento digno! Canta ao Senhor um cântico novo.

Voce me pergunta: O que cantar para alguém que se ama? Sem dúvida voce quer cantar para quem ama. Está sempre a procura de seus louvores para cantar? O seu louvor ressoa somente em assembleas santas!

O cantor, ele mesmo, se faz o louvor que canta. Quer cantar louvores a Deus? Seja louvor, se fores louvor, cantas em modo digno, se não o fores, nunca cantarás um cântico novo e reto mas o seu contrário.

(Dos discursos de Santo Agostinho, bispo (serm. 34, CLL 41).

 

Necessitamos do Reino de Jesus

Quando éramos pequenos nossos pais nos ensinavam que entre irmãos precisava estar sempre unidos e o que era de um, era também de todos, e assim crescemos com esta mentalidade boa vivida em familia.

A generosidade e a partilha são ensinamentos que tem sua origem na Palavra de Deus.

Jesus ensinava a viver com generosidade e gratuidade, pois estas são os sinais sensives onde o amor se manifesta em nossa vida. E aqui que chamamos de “testemunho cristão. De fato, diz Jesus,

“Dai e vos será dado” (Lc 6,38).

O Espirito Santo de Deus nos orienta interiormente, que não podemos, eu por primeiro, como cristãos, viver uma vida baseada no egoismo e no fechamento.

Hoje em dia somos muito sensiveis quando vemos alguém que está sofrendo com doença grave, por um pai ou uma Mãe que não tem o que dar aos filhos para comer, e corremos, e apelamos aos vizinhos para fazer algo junto por aquela familia, quando vemos um cego sem direção, quando vemos alguém caida na rua e assim por diante.

Precisamos aprender um outro lado da generosidade e da partillha que geralmente o nosso ego faz esquecer:

Quero dizer do amor vivido também lá, onde as situações não são gritantes. E o amor ao próximo nos pequenas coisas, nos pequenos atos de generosidade, nas pequenas partilhas.

O amor vem de Deus e o amor é Deus, diz a Palavra de Deus.

“Deus nos amou primeiro. Se alguém disser: Amo a Deus, mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê.
Temos de Deus este mandamento: o que amar a Deus, ame também a seu irmão.Todo o que crê que Jesus é o Cristo, nasceu de Deus; e todo o que ama aquele que o gerou, ama também aquele que dele foi gerado. Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: se amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos. Eis o amor de Deus: que guardemos seus mandamentos. E seus mandamentos não são penosos, porque todo o que nasceu de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1 Jo 4,19- 5,4).

Amar, é uma necessidade da nossa alma para a nossa própria salvação. Amar é servir, é escutar, é visitar alguém que esta sozinho ou que vive sozinho, é encontar um amigo, é por-se a disposição para aconselhar, para orientar, para ” dar”  o que o próximo necessita materialmente, estando em nossas condições.

Sem mesquinhes nem mentiras, pois não poucas vezes escutamos alguem que nos pede algo ou sem pedir mesmo, sabemos de sua necessidade e o bate aquele pensamento egoistico e racional… Como é dificil por a mão no bolso não é meus amigos, ate mesmo para amar! não é mesmo? Em suma, amar é servir sem julgar.

E aqui, precisamos realmente tomar muito, mas muito cuidado mesmo! Pois o inimigo está sempre querendo nos sugerir mais o “julgamento” do que o “ dar ”, para não obedecermos aos ensinamentos do Senhor Jesus. E ele, sabemos, é o pai da codardia.

O grande obstáculo ao amor ao próximo é o julgamento. Tomemos cuidado. “Dai e vos será dado” (Lc 6,38).

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

 

Em que consiste praticamente a obediência a Deus?

Esta consiste em escutar sua Palavra, não cometer ações graves na vida como matar e roubar ou coisas do tipo, somente? Onde está o “logos” da obediência biblica na prática?
Acredito eu que para obedecer a Deus, antes de tudo precisa é claro, reconhecer a sua autoridade: Deus é Deus! Somos seus filhos! Você é filho!

A primeira autoridade a se obedecer é a autoridade divina. E para obedecer precisa de quem obedeça também.

Pedro e os apóstolos replicaram: Importa obedecer antes a Deus do que aos homens. Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, que vós matastes, suspendendo-o num madeiro. Deus elevou-o pela mão direita como Príncipe e Salvador, a fim de dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados” (Atos dos Apostolos 5,29-31).

A obediência está no sair de nós mesmos para fazer outra coisa, no caso a vontade de Deus, para o nosso bem. Um bem que em sua maioria de vezes, não vemos. A fé aqui é importantissima. Mas o que é importante para que aconteça a obediência é o “sair de nós mesmos”…  Isto vale antes de tudo para com Deus, e depois, sem deixar de ser importante também, diantes de pessoas sábias, para obedecer a quem Ele nos coloca como sinal de obediência aqui na terra: A sua palavra, na Igreja, por meio da autoridade do Papa, etc. O caminho percorrido assim nos faz viver uma vida de abençoados. Aqui está a paz interior que tanto buscamos, pregamos, sonhamos e ensinamos.

Segundo os ensinamentos de quem sabe mais um pouco do que nós, os santos, é que a vinda do pecado ao mundo, abriu uma ferida que se chama revolta. O ato de revolta, é inimigo da obediência divina. Pensemos em Adão, em Eva!
A tendência que temos ao pecado, nos leva à revolta e para quem quel caminhar, nos caminhos do Senhor, esta, é a pior inimiga pois, dela nasce a desconfiança, que por minima que seja causa desobediência.
A mente humana vive em meio a confusao mental, à falta de paz interior, à falta de paz ao redor, à incerteza, ao apego aos sentimentos etc..

Mas porque preferimos a nossa vontade, a incerteza, a confusão… e preferimos empurrar a vida assim? A resposta não é que a desobediencia aos planos de Deus para nossa vida.
E diz Santo Agostinho: “…Ainda assim, quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação! Tu próprio o incitas para que sinta prazer em louvar-te. Fizeste-nos para ti e inquieto está nosso coração, enquanto não repousa em ti”. (S. Agostinho, As confissoes 1,1,5).
Mas não nos iludamos, a mentalidade de Deus vai contra a mentalidade do mundo, porque precisa de renuncia. Esta não é facil, a nossa natureza é carregada de orgulho pessoal que causa o mal da nossa alma. Que o teu e o meu coração acolham a graça mesmo vivendo em meio ao veneno da revolta que o pecado traz.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

Jesus o eterno sacerdote, que é presente na Sagrada Eucaristia, se faz presente cada vez que vem consagrado pelas mãos do sacerdote o pão e o vinho. Isto, de um modo único e que envolve todo o mistério da vontade divina. Jesus Eucaristia realiza aqui na terra, o paraiso, portanto, lá onde se encontra um sacrário, ali esta Jesus e portanto todo o céu, o Pai o Filho, e o Espirito Santo estão ali, escondidos em um pedaço de pão, que não é mais pão, mas o corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O sacrificio de Cristo se realiza a cada Santa Missa celebrada, se realiza em modo incruento, para a salvação da humanidade. Fomos salvos por seu sacrificio, agraciados por este magnifico ato de amor.

Portanto, todo louvor, todo poder, toda glória ao nosso grande Rei Jesus! Prostremo-nos sempre aos seus pés em santa adoração e busquemos sempre estar em sua graça, para adora-lo realmente com todo o nosso ser.

Somente assim seremos sinal para o mundo, da sua presença. Quase que “transformados” em pequenos Jesus para o mundo, levemos conosco Ele, que toca, que cura e que nos faz reviver a sua glória.

Esta é nossa missão, de nós, que um dia fomos batizados: conscientes desta consagração e missão a partir do nosso batismo, andemos pelo mundo levando-o a todos os que ainda não o encontraram, e não tiveram ainda um encontro pessoal com Ele.

Somos missionários, na medida em que, em graça, e desinteressadamente o levamos ao mundo por meio de nossa vida, do nosso testemunho cristão. Testemunho que se manifesta em nosso modo de agir, de falar, de sermos sensiveis para com os que passam ao nosso lado ou com quem sabemos que precisa de nossa presença, do nosso vestir, do nosso olhar, enfin, cada gesto e jeito nosso, precisaria ser segundo o jeito, os gestos e as palavras de Jesus. Impossivel? nao. Ele mesmo nos assegurou: “Fareis coisas maiores”! (Gv 14,12).

Portanto coragem! sejamos verdadeiros seguidores de Cristo e não meros crentes, todos nós, padres, consagrados, bispos, leigos, todos. Sejamos pequenos Jesus sobre a terra.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Maria revoluciona a humanidade e se diz: é a mais bela entre todas as mulheres!

Dela, nunca se disse o bastante. A infinita grandeza do seu ser faz dela a mais bela mãe, a maior e agraciada entre todas as mulheres. Como seria a humanidade sem a presença desta pessoa imaculada e dada totalmente a Deus, disponível para que Ele fizesse em sua vida a sua santa vontade! e o mundo não a esquece e nunca a esqueceu.

Todos os homens de todos os tempos, dos mais santos e misticos disseram e dirão sempre pouco desta pequena-grande criatura divina: nada mais nada menos que a Mae! a Imaculada Virgem Maria de Deus!

Mas nem menos os mais perfeitos artistas plásticos e escultores da história, cansaram-se di tentar desenhar e esculpir a simplicidade de seu rosto. Mas Certamente, pois a graça de Deus na vida de uma pessoa não  é qualquer coisa de humanamente decifrável.

Ah! se podéssemos e se nos esforssássemos a cada instante, em uma tensão constante no  dizer ou fazer cada coisa com um olhar de contemplacao, oferecessemos a Deus cada ação:  tudo o que dizemos e fazemos, pensamos e desejamos! Então sim que saberiamos o valor e o que é de verdade a oração e a contemplação.

Ela, Maria, é por tanto chamada, “A imaculada”, por ter sido escolhida por Deus, e se tornou então, a Mãe das mãss da terra.

Também nós podemos nos esforçar assim! para sermos como pequenas marias de nosso dia-a-dia, levando desse jeito Jesus, a quem ainda não experimentou da sublimidade de sua presença em sua própria vida.

Paz e Bem,

Padre Antonio Lima.

 

A razão e o cálculo atrapalham a graça de Deus no louvor

Cantavam um cântico novo, dizendo: Tu és digno de receber o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste imolado e resgataste para Deus, ao preço de teu sangue, homens de toda tribo, língua, povo e raça; e deles fizeste para nosso Deus um reino de sacerdotes, que reinam sobre a terra. (Ap 5,9)

Saber louvar é um dom de Deus, para quem vai em busca dele lá onde ele se encontra e lá, deixa o Espirito Santo agir, Ele age quando não nos prendemos, nem com a razão, com o raciocinicio, nem com moldes. Quando rezamos ou cantamos louvando a Deus, nos alinhamos, nos conectamos: o tempo da terra com o tempo dos céus, e assim manifestamos em forma de cânticos a alegria da presença do Senhor.

E assim cantamos ao Senhor um Cântico novo, visualizamos o céu e “percebemos” que o Senhor quer fazer algo novo em nossa vida.

Vi muita gente voltar-se a Deus de uma vida desregrada e indiferente para as coisas do alto, descobrindo por meio da liberdade interior na oração no louvor e na adoração, o sentido e a riqueza de ser amigos de Deus além de filhos.

O hábito, os moldes e o louvar mecȃnico e calculado não deixam que o Senhor trabalhe e faça a sua obra em nós e voltamos para casa como saimos, com os mesmos sentimentos pensamentos, preocupações e sem esperanças, Achando que servimos a Deus. Precisamos saber quando deixamos realmente que o Senhor faça algo novo em nossa vida, o nosso jeito de viver se transforma, como aqueles tantos servos e profetas que nos deixaram seus testemunhos por terem cantado por toda a vida, o cȃntico novo de Javé. Quando nos preocuparmos com o velho cântico, não estaremos prontos para ouvir o novo!

“Cantavam um cântico novo, dizendo: Tu és digno de receber o livro”…

Não podemos desprezar o velho, mas neste tempo precisamos tomar cuidado para não nos prendermos ao velho, que já não tem mais uma utilidade para o tempo presente.

Precisamos aprender a cantar um verdadeiro Cantico ao Senhor, não para nos mesmos, deve ser cantado para ele e neo tão pouco para nos sentirmos bem, e nos sentimos bem também porque cantamos e louvamos a Ele! certamente!

“Cantavam ao Senhor!”

E quando buscamos cantar para nós mesmos, e para estarmos bem, desviamos e desvirtuamos o que precisamos fazer para o Senhor, o que nos deixa estéris, sufocados, pois não o servimos bem e assim cobrimos a graça dele em nossa vida.

Acredito que a oração de louvor nos projeta em Deus por ser libertadora, nos livra dos condicionamentos terrenos para nos projetar em Deus. Ela nos livra do nosso eu para levantar os olhos ao céu, de modo desinteressado e gratuito, nisto, os salmos são o exemplo maior: “Te louvo Senhor, porque és meu Deus”.
Esta é chamada de oração carismática, que por ser tal é comunitaria, põe ao centro a pessoa de Jesus e a ação do Espírito Santo.
O louvor não somente nos projeta em Deus libertando do dobramento sobre nos mesmos mas quando verdadeiro o louvor “obrigatoriamente” leva a amar os irmãos.
“Disse-vos essas coisas para que a minha alegria esteja em vos, e a vossa alegria seja completa. Este é o meu mandamento: Amai-vos uns aos o outros como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que dar a vida pelo irmão (Jo 15, 11-14).
Não podemos louvar o Senhor se não tem a harmonia da sua graça dentro de mim e com a comunidade. Muito eficaz neste sentido é o louvor em línguas, ele expressa o que ja existe na comunidade: isto é, a presença do Espírito Santo de Deus e a união plena em Cristo. Para isto a importância do sacramento da confissão, que nos leva a voltar a graça pelo perdão sacramental.
Assim criamos amor fraterno enquanto louvamos e é esta dimensão, a do amor segundo o mandamento de Jesus, que cria aquele ambiente onde o Espirito pode fazer florescer os seus dons e carismas.
Procuremos, amigos e irmãos estar dentro desta harmonia da graça para que nossa oração e nosso louvor sejam bem aceitos diante de Deus por Jesus no Espírito Santo. Busquemos esta dimensão comunitaria fraterna para que seja verdadeiro o nosso louvor. Evitemos na comunidade, no grupo de oração e no testemunho pessoal que nossa manifestação de louvor seja inútil como diz a Palavra: “Este povo me honra com os lábios”…
Coragem, corramos ao trono da graça sempre que nos sentimos fora dela por qualquer motivo de pecado que a consciência nos adverte.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

 

Precisiamos, sim, temos a necessidade real meus irmãos, de dobrar os joelhos diante do Senhor.

Nossos joelhos dobrados, estao ao lugar de nossos pés, quando estamos em pé. dobrando os joelhos podemos reconhecer que somos filhos de Deus e que ele é o Pai e nos seus filhos,  que ele é o Onipotente diante da sua própria criação.

Exaltando a beleza do amor, nos colocamos de joelhos diante do Amor em pessoa, Jesus, e de joelhos dobrados nossa alma se renova nos braços de quem a criou.

Não escutando mais quase quem fale de adoração ao Senhor senão, ocasionalmente… esquecemos que dependemos de Deus e dele tudo provém, ate mesmo o sucesso da vida.

 “Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Filipenses 2,10-11).

A mentalidade moderna de hoje quer nos fazer “deuses”  e portanto não nos ensina a reconhecer o nosso ser “filhos”, não nos ensina a baixar a cabeça e reconhecer os erros que cometemos, ela nos ensina a levantar a cabeça orgulhosamente e bater no peito.

Sejamos adoraradores de verdade. não nos acontentemos de sermos “meros” adoradores, que nosso pensar, refletir, sonhar, caucular, sejam todos diante do Senhor. Não esqueçamos que ou nossos progetos de vida … são feitos diante do Senhor sem quase nenhuma intervenção de nossos interesses… ou passarão como folha carregada pelo vento e se perdem pelo caminho.

Nao nos iludamos com o que temos hoje. Tudo o que somos, temos e fazemos, até mesmo para o Reino, veio das maos de Deus. E Ele o Senhor, a razao por que existimos.

Vem iluminar-nos, Espirito Santo de Deus!

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Não deixe que se apague a luz da sua presença.

“Depois de mim vem outro mais poderoso do que eu, ante o qual não sou digno de me prostrar para desatar-lhe a correia do calçado. Eu vos batizei com água; ele, porém, vos batizará no Espírito Santo.” (Mc 1,7).

O Batismo no Espírito Santo, quando cultivaldo, faz de nos novas criaturas, conscientes e transformados na fé. Precisamos cultivar a graça que um dia recebemos, a graça do Batismo no Espírito Santo, é ele que nos move, é pela familiaridade com ele que vemos os irmãos e o que nos rodeiam, com olhos novos. Se não temos essa familiaridade, olhamos e julgamos humanamente todas as coisas, pessoas e situações. Pois é o Espírito Santo que renova nossas mentes quando o permitimos de agir em nós. Isto se chama, “fervor espiritual”

E mais, a vivência do Batismo no Espírito Santo, isto è, do nosso Batismo, faz de nós pessoas, cristãos levados a santificar o ambiente que nos circunda, nos leva a uma grande compreensão em todas as suas formas.

São muitos os frutos da ação do Espírito Santo em quem se deixa conduzir objetivamente por seu amor, entre eles o dom da perseverança e da mansidão.

Jesus nos ensinou o melhor critério de discernimento da ação do Espírito Santo:

Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos.Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo.  Pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não pregamos nós em vosso nome, e não foi em vosso nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres? E, no entanto, eu lhes direi: Nunca vos aconheci. Retirai-vos de mim, operários maus! (Mt 7,17-23).

Acreditemos na misericórdia do Senhor que quer nos libertar do poder do mal e usemos as armas do Espírito, voltando ou perseverando em uma vida nova. “Lava-me, Espírito Santo”.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.