“Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os outros vejam que eles estão jejuando. Eu digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. Ao jejuar, arrume o cabelo e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê em secreto. E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.” (Mateus 6:16-18)

 

Na vida de um cristão e no seu relacionamento com Deus, o jejum e a oração são duas práticas essenciais, essas práticas revela duas características que favorece o processo de santificação que é a intimidade com Deus e o auto-controle. 

Orar nada mais é do que conversar com Deus, entrar em intimidade com Deus. É impossível ter intimidade com uma pessoa se não passamos tempo falando com ela, se não a buscamos conhecer. Essa busca de intimidade com Deus, não interfere em nada naquilo que Deus é, Ele é e isso basta, Deus é imutável, a busca de intimidade com Deus, só favorece a própria pessoa, pois a medida que buscamos nos relacionarmos com Deus, nós crescemos na intimidade com Ele, mas se não separamos tempo todos os dias para falar com Deus, o nosso relacionamento com Ele vai esfriando. 

É igual ao fato em que  duas pessoas eram muito amigas, mas ao decorrer as pessoas não foram conversando, foram fazendo outras amizades e com o passar do tempo elas não se relacionavam mais e até mesmo não se conheciam mais e perderam a intimidade, quem sabe até o amor e a admiração que tinham um pelo outro. É assim também em nosso relacionamento com Deus, a diferença é que Deus nos ama e está sempre disposto a nos perdoar, restaurar e recomeçar, mas o nosso coração frágil e pecador, tem a tendência de não amar o amor e por isso muitas vezes, o amor que é o próprio Deus, não é amado.

O Ato de jejuar significa muito mais do que deixar de comer e ou beber durante um determinado período de tempo enquanto se busca a presença de Deus. O jejum na bíblia,  está associado a uma unção especial do poder de Deus na vida de quem jejua, diante de um propósito salvífico. É claro que o  jejum não muda Deus (porque Deus é imutável, sempre bom, fiel, justo e amoroso), mas muda quem jejua, trabalhando a fé o temor a Deus, a esperança e o autocontrole na vida de quem realiza essa prática de fé. No Livro de Ester na Bíblia Sagrada, encontramos o jejum de Ester, que foi um jejum de três dias que Ester e todos os judeus da cidade de Susã realizaram. Ela fez esse jejum para se preparar para entrar na presença do Rei e pedir a intervenção na vida dos judeus. 

Ester tinha ciência que ao entrar na presença do rei, sem ser convidada a faria correr risco de vida mas, se não fizesse nada, todo seu povo iria morrer e como Mardoqueu a faz relembrar que talvez Deus a tenha permitido viver essa experiência, justamente para esse propósito. Toda posição e situação que acontece em nossa vida, pode ser utilizada como ferramenta para um bem maior. O jejum de Ester foi um jejum muito radical, que só deve ser feito, no máximo, por três dias. Pois ficar mais tempo sem comer e nem beber é muito perigoso para a saúde. 

A situação de Ester era muito grave, e pedia medidas drásticas. Sendo judia, Ester  jejuava. Ela  acreditava que a partir do jejum Deus a ia instruir de como agir com sabedoria para a salvação do seu povo. O interessante é que quando Ester decidiu jejuar, ela convocou todos os judeus de sua cidade para se unirem a ela nesse propósito. Diante desse contexto, Ester, suas criadas, Mardoqueu e todos os judeus de Susã passaram três dias sem comer nem beber nada (Ester 4:15-17). 

A  situação em Ester se encontrava, era uma situação desesperadora! Mesmo que ela salvasse sua vida e o rei aceitasse seu pedido, os decretos com o selo real continuariam irrevogáveis; o próprio rei não poderia anulá-los. Quão pequena era a possibilidade de sucesso do seu sacrifício. No entanto, ela não tinha muita escolha. A Bíblia relata que Ester decidiu não abandonar seu povo nesse momento de aflição e que ia se sacrificar se preciso para tentar salvar o seu povo. Em Susã, Mardoqueu reuniu as crianças judias. Todos se vestiram com sacos e cinzas por sobre a cabeça e gritavam, rezavam dia e noite para que Deus tivesse compaixão de suas vidas. 

O jejum de Ester foi uma forma dela mostrar sua dependência total de Deus, como o reconhecimento de Deus era o único que de fato poderia salvar a sua vida e a vida do seu povo. Na Bíblia o jejum não aparece como um mandamento, mas é assumido como uma prática cristã, e este por sua vez, deve ser voltado para Deus, não para o reconhecimento próprio ou dos outros. Assim como fez Davi ao lutar com o Golias, Ester se apresentou iria se apresentar ao rei, interessante é que na história de Davi, que encontramos na Bíblia Sagrada no livro de Samuel, Golias era o guerreiro ideal, com todo o equipamento mais avançado da época. Já Davi, era um pastor de ovelhas. 

Segundo os escritos Davi era ruivo, de belos olhos, saudável e admirável aparência, porém sem porte de um guerreiro. Diante desse contexto, podemos afirmar que humanamente seria impossível para Davi vencer o Golias. E tinha mais, a Sagrada Escritura afirma, que Golias tinha quase três metros de altura, considerado um gigante em comparação aos outros. A sua armadura era muito pesada cobria quase todos os pontos fracos e ele estava armado com uma lança, um dardo e uma espada. Seu equipamento era feito de bronze, um metal muito bom para criar armas e que pouca gente sabia usar nessa altura, já Davi decidiu levar apenas seu cajado, cinco pedras lisas e sua atiradeira. Sem proteção nenhuma, Davi foi enfrentar o gigante. Na verdade a confiança de Davi não estava nas armaduras, em si ou nas pessoas, sua confiança estava em Deus e vamos ser bem sinceros… Agindo Deus, quem impedirá? 

Ester não tinha a garantia do bom êxito em relação a intervenção que pretendia fazer, mas ela tinha fé em Deus e amor pelo seu povo e isso foi o suficiente para ela se ofertar em favor do seu povo e o Senhor que não se deixa vencer em generosidade, acolheu a sua oferta, o seu sacrifício e a sua oração. O jejum de Ester foi uma forma de mostrar dependência total em Deus, o único que poderia salvar sua vida. E o seu jejum, o que tem sido? 

 

Oração de Ester

 

Meu Senhor, nosso único Rei, vinde socorrer-me, porque estou só e não tenho outro auxílio senão Vós 
e corre perigo a minha vida. Desde criança, ouvi dizer na minha tribo paterna que Vós, Senhor, escolhestes Israel entre todos os povos e os nossos pais entre os seus antepassados, para serem a vossa herança perpétua, e cumpristes tudo o que lhes tínheis prometido.
 Lembrai-Vos de nós, Senhor, e manifestai-Vos no dia da nossa tribulação. Fortalecei-me, Rei dos deuses e Senhor dos poderosos. 
Ponde em meus lábios palavras harmoniosas, quando estiver na presença do leão, e mudai o seu coração, para que deteste o nosso inimigo e o arruíne com todos os seus cúmplices. 
Livrai-nos com a vossa mão; vinde socorrer-me no meu abandono, porque não tenho ninguém senão Vós, Senhor. ‪(Livro de Ester ‪14,1.3-5.12-14)

 

Muitas vezes recorremos a Deus com palavras de súplica, porque assumimos que estamos impotentes perante os problemas da nossa vida e que só Deus pode intervir no que nos é impossível. Quantos leões nos cercam, prontos a derrubar-nos! A rainha Ester tinha todas as riquezas que o mundo pode dar, mas era infeliz porque não tinha “nada”, por isso recorreu a Deus e Ele ouviu o seu grito.

Agora quero te convidar a adentrar nos átrios da tua existência e se permitir escrever a tua oração ao Senhor, aquela que brota no mais profundo de tua alma. Já pegou a folha e a caneta?!

Huanna Cruz – CN