A verdade em que acreditamos…

Quem nos ajudará nesta questão é Padre José Fortea, Exorcista espanhol, e responsável por acompanhar um dos casos mais graves de possessão diabólica da Espanha.

Então vamos a resposta:

Um Católico pode participar de um culto protestante?

Padre José Fortea

Que um católico se separe da Igreja Católica, é um pecado muito grave. A maior parte dos irmão separados estão de boa fé em suas seitas, ou por haverem nascidos já nelas, ou então por sua pouca formação foram de alguma forma seduzidos.
Por isso o nosso amor a Santa Igreja Católica, não nos leva a não amar os irmãos separados. Pelo contrário, não há nenhum inconveniente em reconhecer as coisas boas que eles fazem. Mas porque amamos nossos irmão separados, isso não nos impede que reconheçamos que Jesus fundou uma só Igreja, a única e verdadeira Igreja que veio desde o tempo dos Apóstolos, e que é a Santa Igreja Católica.
Portanto um católico não deve ir a grupos de oração ou a cultos protestantes, e muito menos a outros tipos de cultos, ou reuniões de oração que não sejam cristãos.

Estes grupos fazem um grande bem aos nossos irmãos que não estão em comunhão com a Igreja Católica, mas podem colocar em risco de se perder a fé verdadeira para aqueles católicos que queiram participar.

Acredito que tenha ficado bem claro a resposta do Padre Fortea! Não podemos misturar as coisas, não podemos correr o risco de nos deixar levar por ensinamentos que não fazem parte daquilo que acreditamos.
Aceitamos as pessoas, as queremos bem, as amamos, mas não misturamos a nossa fé.

Deus abençoe você!

– Acompanhe também nossa Pagina no Facebook
– Me acompanhe diariamente pelo Twitter

Leia também:

1. Quais de todos os Demônios é o mais maligno? 

2. Quem o demônio mais odeia dentro da Igreja?

3. A “Brincadeira do Compasso” e o envolvimento com o Oculto!

Danilo Gesualdo, é membro da Comunidade Canção Nova e atua junto ao Ministério de Cura e Libertação, residindo em nossa sede em Cachoeira Paulista.
Para contato me envie um e-mail:
livresdetodomal@cancaonova.comSaiba mais sobre: Danilo Gesualdo ou siga – o no Twitter (danilogesualdo)

15 Comentários

  1. A religião cria muros e barreiras, sobra intolerância nas crendices mitológicas.

  2. Sou estudante de religiões comparadas e vinculado ao Budismo. Interiormente sou católico. Meu início católico foi danificado por ter me deparado logo no segundo ano como praticante por situações de conduta pessoal/moral oriunda de indivíduos vinculados aos votos de celibato e castidade mas que, simplesmente, não se preocupavam sequer em esconder sua conduta desviada dos parâmetros recomendados pela Igreja e pelos Evangelhos (isto se deu há 22 anos atrás, justo na Igreja em que pretendia atuar como auxiliar leigo – os seminaristas que visitavam o Lgo. São Francisco naquela oportunidade da trezena de Santo Antonio se comportavam abertamente, sem preocupação, como “amigos”); por azar, me deparei, na época, com problemas também no Mosteiro de São Bento. Eu era apenas um jovem mas tinha algum fervor espiritual, entretanto, os dois “murros” reduziram minha fé. Também, na minha Igreja (Lgo São Francisco, São Paulo-SP), quando eu voltava do trabalho, parava, invariavelmente, ou para assistir as missas – as quais tinham uma audiência de cerca de 40/50 pessoas – ou apenas para rezar um pouco, Não sei porquê os responsáveis pelo Mosteiro cancelaram aquelas missas vespertino-noturnas, mesmo havendo audiência diária razoável, sendo que, a partir de então, quando conseguia passar antes das seis da tarde, via a Igreja vazia e escura – o que se dá ainda hoje. Visitando a igreja do Lgo São Francisco , sinto aquele mesmo efeito de uma certa secularização (alguns freis meio psicólogos modernos, meio socialistas-ambientalistas) bem como o desvio das melhores posições da Igreja. Por fim o padre Joaquim faleceu e sem ele formou-se um vácuo na segunda Igreja na qual eu participava das missas – Nossa Senhora do Carmo/Sé -; em continuação o Frei Clemente Muller também se foi com meros 52 anos de idade (não digo que ele fosse o melhor franciscano, porém um dos melhores que pude ter contato pessoal, honrando a Ordem Franciscana e a Igreja – espero que haja outros franciscanos como ele). Eu era apenas um jovem – as situações que me desanimaram e me fizeram afastar há 22 anos atrás não me demoveriam da Igreja hoje, mas não dei sorte – minha família não era católica praticante, então não tinha, também, um suporte no meio familiar que me amparasse e as coisas tomaram esse rumo.

    Desde criança sempre tive amigos budistas e acabei, na época, me deslocando para a religião do Buddha.
    Em continuação fui estudar, também, religiões comparadas e nesses estudos, procurei melhorar meus estudos católicos.

    Nesses estudos eu e um amigo fomos verificar, pessoalmente, posições como o Espiritualismo e o Protestantismo, interagindo com os membros desses desenvolvimentos.

    O Espiritualismo – juntamente com o Movimento Ocultista – é uma vertente modernista do Esoterismo ocidental e, de certa forma, um desvio de suas matrizes tradicionais. Entretanto o Esoterismo ocidental é tanto tradicional quanto não-tradicional e os tradicionalistas parecem se esconder dos demais.

    Nunca me interessei pelo Protestantismo enquanto religião, mas algum interesse nisso surgiu pelo convívio pessoal, na vida cotidiana – trabalho, escola, serviços, colegas/amigos. Então, as primeiras informações para mim vinham diretamente da boca dos fieis e de alguns pastores. Só tinha ciência – eu e milhões de pessoas (dentre elas muitos fieis protestantes) – da mensagem oficial protestante, até porque há algumas omissões nos livros de história escolar brasileiros – as quais, assim me parece, são deliberadas – e que acabam por estorvar que as pessoas possam formar uma compreensão inicial objetiva que as conduza para os estudos aprofundados (afinal o que está em jogo é o que há de mais valioso: o produto interior benigno das pessoas).

    O Protestantismo é meramente biblicista e descarta os ensinos dos santos padres com a finalidade deliberada de formar cristãos numa possibilidade inicial e minimal.

    Eruditos protestantes sabem hebraico, aramaico e grego e estudam os documentos primitivos (leem, também, Karl Barth, Karl Ranner, René Girard, Mircea Eliade e Meister Eckhart); mas seus estudos bíblico-históricos e sobre a autenticidade dos documentos bíblicos não se traduzem em qualquer melhoria para a vida espiritual dos protestantes, sendo apenas uma acumulação intelectual exterior, sem qualquer ressonância significativa a nível interior.

    Nas classes teológicas protestantes, muitos adentraram pelos cursos de teologia com uma fé fervorosa, mas, ao término desses cursos, sofreram uma metanoia que os deixou como intelectuais com uma fé minimal.

    O Biblicismo tem alcance limitado para ser absoluto. A Igreja Primitiva – que poderia ter sido biblicista – não se baseou no simples Biblicismo para chegar ao seu resultado cristão, acerca do qual, verificando os registros e testemunhos documentados, os resultados protestantes são um mero reflexo com algum valor sentimental e motivacional, mas sem aprofundamento verdadeiro –; o Catolicismo com as preservações da Sabedoria desenvolvida pelos santos padres e a preservação dos ritos está mais próximo do Cristianismo Primitivo (embora haja modificações modernistas no Catolicismo atual, o depósito espiritual da Igreja permanece aberto e disponível aos vocacionados).

    Para se entender o Protestantismo é preciso fazer o que o Povo Simples não está fazendo: verificar suas origens históricas e verificar a sua Prática Espiritual. Mas para se verificar a prática espiritual protestante é necessário ter compreensão do Cristianismo Tradicional – e assim verificar as limitações, amputações e ‘bugs’ que perpassam a vida espiritual protestante –; tal acumulação de estudos/informações essenciais é algo que a maioria esmagadora das pessoas não possui, não tendo, assim, nem como começar.

    Onde é mais fácil identificar a mentira entre protestantes?
    – Onde se pede dinheiro, se aplica a Teologia da Prosperidade e se fazem campanhas arrecadatórias?
    – Ou onde se fala de “Jesus como Único, Suficiente e Pessoal Salvador”, “Corpo de Cristo”, “Espírito Santo”, “Defesa do Evangelho”, “Salvação da alma”?
    Sem dúvida na primeira alternativa . Mas a segunda é apenas uma verossimilhança e o que temos por detrás dessa verossimilhança é uma mentira com um grau de eficiência em enganar, conduzir e segurar todos aqueles que não possuem relatórios nem informações verazes.
    E os fenômenos psíquicos ocorrendo entre protestantes (como profetizações e linguagens diferenciadas? Esses fenômenos são apenas iniciais. Sem as práticas religiosas de purgação interior-espiritual – que os protestantes são ensinados a desprezar e descartar – eles não conseguem manter um padrão além do inicial com essas posições, as quais acabam se diluindo, arrefecendo e as vezes, mesmo indo além da volta à estaca zero e se invertendo. Muitas profecias não cumprem ou são falsas. Muitas linguagens são mero barulho e repetição mecânica ou mesmo algum tipo de possessão (dentre todos os pentecostais que conheci .e que entrevistei, chegamos a um consenso que esses fenômenos 1) existem; 2) são belos no seu início, mas arrefecem e diminuem com o tempo – pois eles não têm práticas de ascese interior-espiritual havendo igrejas evangélicas que, embora exortem o moralismo puritano, curiosamente desencorajam e mesmo proíbem o engajamento em praticas ascéticas como a orações contínuas e jejuns – o que é um mistério; 3) finalmente esses fenômenos quando se esgotam por falta da purgação interior para preservá-los, os fieis sinceros ficam decepcionados e alguns trocam os pés pelas mãos para tenar repô-los sem compreender seu processo; 4) dessarte, sem as “práticas religiosas” que os protestantes descartam ,esses processos se tornam movediços e como tais, verdadeiras armadilhas – invariavelmente é o que ocorre com os pentecostais – e não garantem compromisso interior verdadeiro com Cristo)

    Com a demissão da Igreja na Inglaterra e na Escócia (na Inglaterra não apenas foi proscrita a Igreja e imposto o Anglicanismo, mas de seu solo surgiram batistas, metodistas, quakers; na Escócia o Presbiterianismo foi fundado pelas mesmas pessoas da nobreza/elite que demitiram o Catolicismo – os nobres escoceses, os quais não eram ateus mas esoteristas; contudo esoteristas, também, eram as cúpulas de batistas, quakers e metodistas),
    Os modelos do Protestantismo britânico são aqueles que emigraram para a América.

    E, nos EUA, surgiram com o correr dos anos, novas denominações derivadas daquelas primeiras de origem britânica (como Assembleia de Deus, Congregação Cristã, Evangelho Quadrangular, bem conhecidas no Brasil, dentre as muitas denominações do Movimento Pentecostal) além das seitas que têm considerável adesão no Brasil (Adventismo, Testemunhas de Jeová e Mormonismo) e, ainda, em reação a algum puritanismo que perpassava, vigorava e persistia no Movimento Pentecostal, surgiu o modernizado Reavivamento/Movimento Gospel e os ministérios por células.

    Agora, nas denominações iniciais – presbiterianos, batistas, metodistas – houve uma conversão substancial para o Esoterismo, de modo que muitos pastores e ministros que um dia chegaram a ser protestantes espirituais e fervorosos, após o avanço nas transmissões esotéricas se tornaram frios e formais, numa espécie de metanoia de superação e rejeição da “”etapa religiosa – ou exotérica – cristã”. O fato é que, entre batistas iniciais (há batistas pentecostais e no reavivamento), metodistas e presbiterianos, até onde pude perceber, mesmo as suas crianças sabem que “Jesus é apenas uma ‘etapa’; o conhecimento profundo é de outra nível [esotérico]”.

    E o que afeta profundamente a situação brasileira é que – não tendo nós as pistas indicadas na nota de dólar – todas as novas denominações (Pentecostalismo, Reavivamento/Movimento Gospel além das ‘igrejas’ em células) e seitas são Regimes formados por Cúpulas Esoteristas/Topo, coordenando, gerenciando e conduzindo uma Arraia Miúda/Base [Povo Simples-Povão e a Classe Média que daí deriva] que não sabem nem têm ciência da posição esoterista dessas cúpulas tampouco dos ritos que são feitos e que acabam por se tornar colaboradores as cúpulas e mesmo seu “estrado”. é de notar que, nessa configuração, a liberdade concedida aos fieis é´minimal (aliás,, o resultado propriamente cristão desejado pelas cúpulas é justamente um resultado minimal que possa ser conduzido, controlado e gerenciado).

    Acontece que, após a metanoia iniciática, esses esoteristas são 100% esoteristas: não têm compromisso interior com Cristo nem o veem como Divindade nem como autoridade do que quer que seja, nem como “rei” do que quer que seja (“apenas um homem bom, um taumaturgo que os cristãos deificaram”) tendo entre eles nas cúpulas, explicações esotéricas (e não-biblicistas) para os fenômenos que ocorrem entre os fieis. Tenho colegas e conhecidos batistas, metodistas, presbiterianos e luteranos – são todos iniciados e a posição cristã remanescente é apenas uma cobertura para a identidade iniciática.

    E aqui está a questão: o problema no Brasil não surge dessas denominações protestantes iniciais esoterisadas.

    No Brasil, a finalidade do Protestantismo – Movimento Pentecostal, Reavivamento/Movimento gospel, Movimento Neopentecostal Brasileiro (Universal, Mundial, Internacional da Graça, Deus é Amor, Brasil para Cristo, etc.) e ministérios em células – é enfraquecer a Igreja, por captar e desviar vocações.

    De notar que o Esoterismo Ocidental, nos seus estatutos, pode ocultar a identidade iniciática mas não pode fazer o que é feito no Esquema Protestante: se envolver com não-iniciados e pessoas sem as qualificações para serem iniciadas – ou seja: podem ocultar sua identidade mas não podem falsificar o Cristianismo tampouco “lançar as redes” (para angariar adesões do Povo Simples/Povão), como o Esquema Protestante está a fazer – e sem comunicar às pessoas a segunda posição existente nos ministérios protestantes, que é a das cúpulas. Daí já se vê que – ao menos do ponto de vista do Esoterismo Tradicionalista – as coisas não estão tão bem quanto as pessoas que desejam “mais igrejas evangélicas” supõem estar. A falsificação do Cristianismo como nós a temos no Esquema Protestante-evangélico só seria válida se Jesus fosse realmente “apenas um homem bom, um taumaturgo que os cristãos deificaram”. Ela tem consequências aflitivas tanto para as Cúpulas quanto para a Base/Arraia Miúda.
    Meu conselho para os evangélicos é bem simples: desliguem cultos e a interação com ministérios. Se vcs não se sentem de deslocar-se para o Catolicismo, adorem Jesus em suas casas… (não dou conselho para os esoteristas porque eles não conversam com não-iniciados sobre assuntos do Esoterismo. Se pudesse, porém, lhe diria: desliguem-se do Regime (o Esquema Protestante) e vão para seguimentos do Esoterismo tradicionalista).
    O Protestantismo, no mundo britânico e germânico, a partir das cúpulas, se esoterizou, E o Protestantismo moderno que está difundido aqui no Brasil, se apresentando como a “Fé verdfadeira e a Pureza cristãs verdadeira” esse não é mais uma heresia: é uma escroqueria espiritual.

    Meu blog é sobre religiões comparadas, então diversas tradições espirituais são abordadas – e não apenas o Cristianismo -; não vim aqui fazer propaganda, mas quem quiser dar uma olhada no relatório que elaborei sobre o Esquema Protestante, indico o post: Vale a pena ser protestante/evangélico? http://meditacoesnaeradekali.blogspot.com/2016/03/meditacoes-na-era-de-kali-kali-yuga-ii.html

  3. eu sou católico graças a Deus nunca precisei pula de galho em galho feito macaco.porq quem pula pra todo lado acaba caindo

  4. Tenho irmãos de sangue, no protestantismo, somos de família católica, Mas nos respeitamos mutuamente, quando necessário (por missa de falecimento, por missa de aniversário ou casamento eles frequentam nossa igreja. Eu já fui a convite de parentes, amigos, 03 vezes em igreja protestante, e saia muito apaixonada, com um amor imenso por minha igreja CATÓLICA. Não tem comparação o valor que há em uma missa.

  5. Nossa Igreja tem tudo o que precisamos….não precisamos ir a culto protestante.

  6. Sou Protestante, praticante e multo feliz, Jesus é Deus, ñao Santa María.
    Só Cristo é Deus , ñao Santa María
    Amamos nossos irmaos Catolicos.

    Soy Cristiano Protestante amo a Jesús es nuestro Dios . Cristo es Dios de Protestantes y de todos
    Solo Cristo es Dios, amamos a Santa María , mas ella no es nuestro Dios
    Amamos a nuestros hermanos católicos, no estamos separados, somos todos los cristianos el cuerpo y la Iglesia de Cristo

  7. Exemplo: minha prima vai se casar, é protestante e me chama para o casamento. tem problema ir? deixando bem claro apenas assistir e não participar de nada.

  8. Biblicamente, o termo igreja se refere ao conjunto dos cristãos. Não há referência na bíblia ao termo igreja como sinônimo de uma instituição religiosa específica. O termo igreja é usado como sinônimo de “conjunto das comunidades cristãs”. Isso é bem claro no novo testamento, onde se diz que há uma só cabeça (Cristo). E o corpo se refere aos indivíduos cristãos. Não existe isso de “a igreja verdadeira”. É um pensamento bem humano esse. Deus olha para as pessoas, e não para as suas instituições. A igreja é para Deus o conjunto dos cristãos fieis. E não existe pecado contra a Igreja, apenas contra Deus. Essa visão sectária é anti-cristã. Mas cada um ensina o que quer. Depois todos vão ter que prestar contas a Deus do que ensinaram.

    • Verdadeiramente só Cristo é a Cabeça da Igreja. Nessas outras “ideologias religiosas” há a grande diferença, que se encontra no fato de que alguns irmãos se revoltaram com a Igreja em seus tempos sombrios e “criaram” suas próprias interpretações. Desse modo, deixou de haver somente a Única Cabeça e passou a existir a interferência de cabeças humanas. Por isso, a Igreja Católica é a única cuja Cabeça é apenas Cristo, e ninguém mais. Pois ninguém mais “criou” ou “reorganizou” nada dentro da Santa Doutrina Cristã!

  9. Acredito que a colocação tenha ficado um pouco confusa. O padre diz que não vê problema em visitar um culto cristão, já o autor do post deixa claro seu posicionamento pessoal, de que ele não iria, para ‘não misturar a fé’. Não sei o que o catecismo diz a respeito. Acredito que vale a pena refletir mais sobre o tema.

    • livresdetodomal

      Olá Jorge,

      Acredito que você não tenha entendido todo o contexto na qual o Padre Fortea nos escreveu, mas ele deixou bem claro em seu escrito: ” Portanto um católico não deve ir a grupos de oração ou a cultos protestantes, e muito menos a outros tipos de cultos, ou reuniões de oração que não sejam cristãos.”

      E somente completei o que ele falou, e aquilo que também acredito….O Catecismo não abordara este tema de forma tão centralizada quanto a pergunta, mas deixará claro que se somos Catolicos, é na Igreja Catolica que devemos permanecer e sermos doutrinados….

      Deus abençoe voce!

  10. Sou catolica, praticante, e muito feliz, por ter Nossa Senhora como a Mae de Cristo, nossa intercessora e nossa Mae tambem!!!

  11. Já fui a alguns cultos ou reunioes evangelicas mas graças a DEUS nao me deixei influenciar a tao forma de mudar de religiao nasci catolica e vou morrer católica ……..ate gosto de alguns hinos deles ouço mas nunca deixarei de seguir a minha religiao ! TUDO COM JESUS NADA SEM MARIA !!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com