13336132_1158067417547359_3064803876628420389_n

13336132_1158067417547359_3064803876628420389_n

Está provado que melhor do que fugir da espera é render-se a essa pedagogia divina

A espera, naturalmente, faz parte da vida humana. Esperamos o tempo certo para nascer, andar, falar, sorrir. Quando adultos, a lista de esperas tende a crescer. Então, independente da idade e do tempo, querendo ou não, todos nós estamos à espera de alguma coisa. E você há de concordar comigo que esperar não é nada fácil, principalmente quando esperamos por respostas ligadas aos anseios mais profundos e às necessidades mais urgentes da nossa alma.

Os benefícios do tempo de espera
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Leia mais:
:: Cinco motivos para rezar todos os dias
:: Como você reage diante do pecado do outro?
:: Como temos utilizado os tesouros que existem dentro de nós?
:: Seis dicas para uma mudança de vida com fé e coragem

Já está provado, porém, que melhor do que fugir da espera é render-se a essa pedagogia divina que tanto nos forma e tentar extrair o melhor que ela pode nos oferecer. E se você me perguntar o que fazer enquanto espera para aproveitar bem a vida, eu tenho uma ótima notícia: existem muitas coisas boas e cheias de significado que você pode fazer nesse tempo!

Glorioso encontro

Se a espera, por exemplo, é por um namorado, baseada na minha própria experiência, eu o aconselho a buscar, em primeiro lugar, a cura do seu coração e o autoconhecimento. Quanto mais nos conhecemos e buscamos a reconciliação com nossa história, mais livres e, portanto, mais aptos ao amor nos tornamos, favorecendo assim um “encontro glorioso”, que pode durar para sempre, trazendo paz e alegria a sua vida.

O tempo de espera é também o tempo de viver intensamente cada instante da vida como se fosse o último e o único, pois se pararmos para pensar, “o passado não volta, o futuro não o temos e o hoje não acabou”. Então, agora é o tempo de viver sendo quem você é, com a liberdade de filho amado de Deus, sem se comparar e sem fugir da sua realidade. Aliás, a comparação é um grande mal em todas as fazes da vida, e no tempo de espera ela se torna ainda pior, pois cada vez que nos comparamos, achando que para as outras pessoas as coisas dão certo e para nós não, além de nos machucarmos, permitimos que roubem algo essencial em nossa vida, que é a convicção de que somos amados por sermos nós mesmos, e não por aquilo que gostaríamos de ser ou possuir. Lembre-se: Deus o ama profundamente do jeito que você se encontra agora, não permita que a comparação roube sua alegria.

Promovendo a felicidade você será feliz

Enquanto espera, tente também ser agradável, descomplicado, alegre e disponível, tenha interesse pelas pessoas que a vida lhe permitir encontrar. Ouse sair de si mesmo e ir ao encontro de quem precisa de apoio, amor e presença. É dando amor que você aprende a amar, e é promovendo a felicidade que você será mais feliz.

Desarme seu coração de todo preconceito – isso não ajuda ninguém a crescer na vida. Por trás das aparências, sempre existem corações bondosos e dispostos a amar. Ouse ir além do que seus olhos veem e surpreenda-se com o resultado.

01.02237

Click e adquira

Leia bons livros, mantenha contato com a natureza, faça viagens, relacione-se com o mundo e, na medida do possível, faça as coisas simples e boas que você realmente gosta de fazer hoje, sem deixar para amanhã.

Por fim, procure passar pela espera com os olhos e o coração abertos, e não pare no “objeto de desejo”, como se nada mais existisse neste mundo. Nossa espera precisa ser ativa e não passiva; então, fique atento. A vida oferece novas oportunidades a cada amanhecer, e se você estiver apegado a uma única possibilidade de realização, corre o risco de não perceber a felicidade que está acenando para você aqui e agora!

Vida de oração

 

Dijanira Silva, missionária da Comunidade Canção Nova atualmente reside na missão de São Paulo. Apresentadora da Rádio CN América (SP).

Contato de email: http:// dijanira@geracaophn.com

Começamos hoje em nossa Casa de Evangelização o nosso Cerco de Jericó. Jesus estar exposto na nossa Capela 24 horas.

Cerco

Deixe aqui também seu pedido de oração! Estaremos intercedendo pelas suas intenções!!!
Venha rezar conosco por você e pela sua família!!!

13165921_1231200100252996_1802494726132038557_n

Esperamos por você e toda sua família!!!

Informações: (84) 3201-1689

Encontro com Adriano Gonçalves

Se programe para esta conosco!!!

Informação: (84) 3201-1689

Venha viver conosco a 2ª Volta do Cerco de Jericó!
Já se programe… Faça a sua caravana… Chame sua família…
#Divulgue #Compartilhe

Abril

Maria-e-o-AnjoO SIM de Maria dito ao Arcanjo Gabriel foi determinante para dar início à História da nossa Salvação…

Santo Agostinho disse que: “Adão, sendo homem, quis tornar-se Deus e perdeu-se. Cristo, sendo Deus, quis fazer-se homem para a salvação do homem. Por seu orgulho o homem caiu tão baixo que só podia ser levantado pelo abaixar-se de Deus”.

O pecado original nos fez perder a filiação divina; a humanidade foi expulsa do paraíso; e só poderia se reconciliar com Deus se houvesse a salvação por meio de Deus mesmo.amulherdoapocalipse

Mas, para que o Filho de Deus pudesse se tornar também homem, e nosso Salvador, sem deixar de ser Deus, era preciso que fosse concebido por uma mulher. Desde a queda de Adão e Eva Deus já tinha prometido que a salvação da humanidade viria por meio de uma Mulher, já que o demônio seduziu a primeira mulher para injetar seu veneno na sua descendência. Deus disse à Serpente maligna: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gen 3,15). Esta Mulher prometida no Protoevangelho era Maria.

Este projeto de Deus para a nossa salvação se realizou como São Paulo explicou: “Mas quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei, a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção. A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!” (Gal 4,4). Por meio da Virgem Maria veio o Salvador, que nos reconciliou com Deus por Sua morte e ressurreição. Nele nos tornamos novamente filhos de Deus por adoção, pelo Batismo, e Deus enviou o Espirito Santo aos nossos corações.

Diz o nosso Catecismo que: “A Anunciação a Maria inaugura a “plenitude dos tempos” (Gl 4,4), isto é, o cumprimento das promessas e das preparações. Maria é convidada a conceber aquele em quem habitará “corporalmente a plenitude da divindade” (Cl 2,9).

Deus anunciou muitas vezes pela boca dos seus profetas como isso aconteceria. O Salvador viria da tribo de Davi, filho de Jessé: “Um renovo sairá do tronco de Jessé, e um rebento brotará de suas raízes ”(Is 11,1). “O próprio Senhor vos dará um sinal: uma Virgem conceberá e dará à luz um Filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7, 14). “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; sobre aqueles que habitavam uma região tenebrosa resplandeceu uma Luz… um Menino nos nasceu, um filho nos foi dado, a soberania repousa sobre os seus ombros, e ele se chama: Conselheiro Admirável, Deus Forte, Príncipe da Paz” (Is 9,1-7). Quando Ele vier e estabelecer Seu Reino entre nós, haverá paz e bem estar:

“Então o lobo será hospede do cordeiro, a pantera se deitará ao pé do cabrito, o touro e o leão comerão juntos, e um menino pequeno os conduzirá; a vaca e o urso se fraternizarão, suas crias repousarão juntas, e o leão comerá palha com o boi. A criança de peito brincará junto à toca da víbora, e o menino desmamado meterá a mão na caverna da serpente. Não se fará mal nem dano em todo o meu Santo Monte.” (Is 11, 1-9). Virá Aquele que “ilumina todo homem que vem a este mundo” (João 1, 9).

Ele será o Messias, o esperado pelas nações, “o mais belo dos filhos dos homens”. Sem a sua luz o homem vive nas trevas; “permanece para si mesmo um desconhecido, um enigma indecifrável, um mistério insondável”, como disse São João Paulo II; sem Ele ninguém sabe quem é, e não sabe para onde vai.

Mas para que tudo isso acontecesse, Deus tinha de escolher uma Mulher, a melhor Mulher, e escolheu. A tradição judaica diz que todas as mulheres judias acalentavam o sonho de ser a Mãe do Messias, menos a pequena Maria, escondida na pequenina e desprezada Nazaré. Mas Deus precisava da mulher mais humilde para esta missão, porque a primeira mulher foi soberba, pecou porque “quis ser como Deus”. Santo Irineu de Lião (†200) disse que pela obediência de Maria foi desatado o nó da desobediência de Eva. E Jesus pela radical humilhação anulou a soberba de Adão.

 

A Igreja nos ensina que: “Deus enviou Seu Filho” (Gl 4,4), mas, para “formar-lhe um corpo” quis a livre cooperação de uma criatura. Por isso, desde toda a eternidade, Deus escolheu, para ser a Mãe de Seu Filho, uma filha de Israel, uma jovem judia de Nazaré na Galileia, “uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria” (Lc 1,26-27): “Quis o Pai das misericórdias que a Encarnação fosse precedida pela aceitação daquela que era predestinada a ser Mãe de seu Filho, para que, assim como uma mulher contribuiu para a morte, uma mulher também contribuísse para a vida”. (Cat. n. 488; LG, 56).

O SIM de Maria dito ao Arcanjo Gabriel foi determinante para dar início à História da Salvação. “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua palavra” (Lc 1,38). Não colocou qualquer obstáculo e nem a menor exigência ao plano e à vontade de Deus. Então Nela o Verbo se fez carne e habitou entre nós. Foi inaugurada a História da nossa salvação. Deus se fez homem no sei da Virgem preparada por Deus, concebida sem pecado original, virgem como Eva, mas Imaculada. Deus a escolheu por ser a mais humilde de todas as mulheres. Ela canta em seu Magnificat: “Ele olhou para a humildade de Sua serva”.

O Espírito Santo foi enviado para santificar o seio da Virgem Maria e fecundá-la divinamente, ele que é “o Senhor que da a Vida”, fazendo com que ela concebesse o Filho Eterno do Pai em uma humanidade proveniente da sua. Quando ela foi servir a Sua prima Santa Isabel, logo foi saudada por Isabel, cheia do Espírito Santo, como “a Mãe do meu Senhor”.

Santo Agostinho exclama: “És Maria, a beleza e o esplendor da terra, és para sempre o protótipo da santa Igreja. Por uma mulher, a morte, por outra mulher a vida: por ti, Mãe de Deus. Eva foi a causadora do pecado; Maria, causadora do merecimento. Aquela feriu, esta curou.

Maria é mais bem-aventurada recebendo a fé de Cristo do que concebendo a carne de Cristo. Maria permaneceu Virgem concebendo seu Filho, Virgem ao dá-lo a luz, Virgem ao carregá-lo, Virgem ao alimentá-lo do seu seio, Virgem sempre. Jesus tomou carne da carne de Maria. Na Eucaristia Maria perpetua e estende a sua Divina Maternidade”.

O SIM de Maria fez dela a Mãe do Senhor, a Mãe da Igreja e a Mãe de cada irmão de Jesus resgatado pelo Seu Sangue. Diz ainda Santo Agostinho: “Maria é chamada nossa Mãe porque cooperou com sua caridade para que, nós, fiéis, nascêssemos para a vida da graça, como membros da nossa cabeça, Jesus Cristo”. São Tomás de Aquino disse que: “Maria pronunciou o seu “fiat” (faça-se) em representação de toda a natureza humana”. “Por ser Mãe de Deus, Maria, tem uma dignidade quase infinita”. Em nome de cada um de nós Nossa Senhora disse Sim a Deus, e a salvação chegou até nós. Por isso Deus fez dela a medianeira de todas as graças.

São Francisco de Sales, o grande doutor inspirador de Dom Bosco disse que: “As crianças, vendo o lobo, correm logo para os braços do pai ou da mãe, pois ali se sentem seguras. Assim devemos fazer: recorrer imediatamente a Jesus e a Maria”.

imitacaomenor1“Recorre a Maria! Sem a menor dúvida eu digo, certamente o Filho atenderá sua Mãe. Tal é a vontade de Deus, que quis que tenhamos tudo por Maria”, disse o doutor São Bernardo. Ele garante que “Maria recebeu de Deus uma dupla plenitude de graça. A primeira foi o Verbo eterno feito homem em suas puríssimas entranhas. A segunda é a plenitude das graças que, por intermédio desta divina Mãe, recebemos de Deus. Deus depositou em Maria a plenitude de todo o bem”. Por isso, o grande doutor dizia:

“O servo de Maria não pode perecer. Se se levantam os ventos das tentações, se cais nos escolhos dos grandes sofrimentos, olha para a Estrela, chama por Maria! Se as iras, ou a avareza, ou os prazeres carnais se abaterem sobre a tua barca, olha para Maria. Se, perturbado pelas barbaridades dos teus crimes, se amedrontado pelo horror do julgamento, começas a ser sorvido em abismos de tristeza e desespero, olha para a Estrela, chama por Maria. Nos perigos, nas angústias, nas dúvidas, pensa em Maria, invoca Maria. Que ela não se afaste dos teus lábios, não se afaste de teu coração. Maria é a onipotência suplicante”.

 Prof. Felipe Aquino

O Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.