Jesus visitou Jerusalém antes da Páscoa, antes de sua morte de cruz.

Eles estava indo à Jerusalém para ensinar e curar. Nos Tanques de Betesda Jesus curou, mandando os coxos tomar o seu leito e andar, num dia de sábado onde era proibido trabalhar.

Mas Jesus respondeu: “Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.” Jo 5,17-18

Quando visitamos os Tanques de Betesda  vemos conforme esta foto, um lugar de passagem, onde mais adiante iniciamos a Via Sacra.

Nos sentamos próximos ao local onde o Padre, Diretor Espiritual nos fala sobre o Evangelho.

As ruínas do tanque de Betesda foram descobertas pelos Frades Carmelitas durante as escavações no recinto da Igreja de Santa Ana.

O maior é de 105 m de comprimento, 60 m de largura e 13 m de profundidade.

Tanques de Betesda

Tanques de Betesda

Na celebração de Quinta-feira Santa, vivemos a profunda tristeza de Jesus na Basílica da Agonia, no Jardim das Oliveiras. Estas celebrações são sempre lotadas com muitos fiéis.

Toda a liturgia, as preces, os cantos são realizados com os olhos fixos na rocha que é o ponto exato onde Jesus rezou incessantemente ao Pai.

A Terra Santa é um lugar muito especial para se viver a Semana Santa e no Getsêmani fazemos memória da mesma experiência de Jesus. Entramos em uma pequena parte do mistério da sua paixão, difícil de entender o que realmente aconteceu mas busquemos os mesmos pensamentos que Jesus teve naquela hora.

"Nesta pedra foi onde Jesus entrou em agonia e orava ainda com mais instância, e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra.” (Lucas 22, 44)

“Nesta pedra foi onde Jesus entrou em agonia e orava ainda com mais instância, e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra.” (Lucas 22, 44)

Uma experiência incrível, caminhar nos mesmos lugares que Jesus viveu a sua paixão e morte.

Após a hora santa realizada a cada ano no Getsêmani, os peregrinos saem em procissão com velas em direção a Igreja de São Pedro Galicantu.

Descendo para o terceiro nível do Santuário de São Pedro Galicantu encontramos algumas caves subterrânea, que eram usadas como banheiros e cisternas de água. Segundo a tradição, acredita-se que Jesus tenha sido preso neste lugar.

Cavidade subterrânea

Cavidade subterrânea

Encontramos esta passagem na Capela das Lágrimas de Pedro, onde Jesus foi jogado para o terceiro nível da Igreja Galicantu onde passou a noite da Quinta-feira Santa. 

Buraco no chão da Capela das lágrimas de São Pedro

Encontramos esta passagem (buraco) no chão da Capela das lágrimas de São Pedro

Temos a graça de chegar a esta prisão para fazer um momento de meditação e oração, relembrando o que o Senhor viveu até chegar a este lugar. Há uma escada que nos conduz e podemos ver um local fúnebre e escuro.

Local onde Jesus passou a noite de Quinta-feira Santa

Local onde Jesus passou a noite de Quinta-feira Santa

Os peregrinos descem as escadas para chegar até a prisão de Jesus e estas duas aberturas foram usadas pelos soldados para vigiar Jesus durante a noite.

Nesta imagem podemos ver quais foram os passos que Jesus realizou para chegar a prisão. Primeiro foi jogado e depois passou a noite na prisão.

Imagem exterior do cárcere onde provavelmente Jesus tenha ficado

Imagem exterior do cárcere onde provavelmente Jesus tenha ficado

Em uma das cavidades há um buraco no teto, local de onde Jesus foi jogado passando a noite encarcerado, no Palácio de Caifás. Nesta foto, vemos a prisão de Jesus. 

Cárcere onde Jesus passou a noite da Quinta-feira Santa

Cárcere onde Jesus passou a noite da Quinta-feira Santa

Esta imagem traduz a forma com que Jesus foi tirado da sua prisão.

Imagem de Jesus sendo tirado da cavidade subterrânea

Imagem de Jesus sendo tirado da cavidade subterrânea

 

Esta capela é dedicada às lágrimas de Pedro, onde cheio de mágoa se arrepende de ter negado Jesus.

Descendo o principal Santuário de São Pedro Galicantu (o galo cantou), nos deparamos com a gruta onde Pedro chorou amargamente.

A capela foi incorporada as antigas grutas e o mosaico em que nela encontramos, representa o momento em que Pedro se arrepende.

Capela dedicada as lágrimas de São Pedro

Capela dedicada ao arrependimento de São Pedro

“Pedro recordou-se do que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, negar-me-ás três vezes. E saindo, chorou amargamente” Mt 26,75

No Evangelho de São Marcos 14,72 ele diz, “E, lembrando-se disso, rompeu em soluços”.

A  capela é belíssima e próximo ao altar há uma passagem no chão, muito curiosa que nos leva ao terceiro nível do Santuário Galicantu. Um buraco onde podemos ver algumas cavernas, esta foto foi tirada de cima.

Buraco no chão da Capela das lágrimas de São Pedro

Encontramos esta passagem (buraco) no chão da Capela das lágrimas de São Pedro

Por meio desta passagem Jesus foi jogado em uma cave subterrânea e ali passou a noite. É um momento muito marcante, pois entramos na paixão e morte de Jesus, sendo mais preciso na Quinta-feira Santa.

Ao descer para as cavernas, tiramos esta foto onde podemos ver o buraco do qual Jesus foi jogado.

Buraco onde Jesus foi jogado para passar a noite

Jesus foi jogado neste buraco para passar a noite da quinta-feira Santa.

Logo a baixo, conheceremos o local onde Jesus ficou preso. Preparando para a sua morte na cruz.

 

Local onde Jesus ficou encarcerado

Local onde Jesus ficou encarcerado

Santa Brígida desejava saber os números de golpes que Jesus havia levado durante a Paixão.

Certo dia Jesus lhe apareceu dizendo: “Recebi em todo o Meu Corpo 5.480 golpes. Se desejardes honrar as chagas que ele Me produziram, mediante uma veneração particular, deveis recitar 15 Pais-Nossos e 15 Ave-Marias, acrescentando as seguintes orações, durante um ano inteiro; quando o ano terminar, tereis prestado homenagem a cada uma das Minhas Chagas.

Quem recitar estas orações durante um ano inteiro conseguirá livrar do Purgatório 15 almas de sua família, 15 justos também de sua linhagem serão conservados em graça e 15 pecadores de sua família serão convertidos. A pessoa que as recitar será elevada ao mais eminente grau de perfeição e 15 dias antes da sua morte Eu lhe darei meu Precioso Corpo, para que ela seja livre da fome eterna. Eu lhe darei também de beber o Meu Precioso Sangue, afim de que não padeça sede eternamente e 15 dias antes da morte ela experimentará uma profunda contrição de todos os seus pecados e um perfeito conhecimento deles. Diante dela colocarei o sinal da Minha Cruz vitoriosa como socorro e defesa contra os embustes dos seus inimigos. Antes da sua morte, Eu verei em companhia da Minha muito cara e bem amada Mãe, para receber a sua alma e conduzi-la às alegrias eternas. E tendo-a levado até lá, Eu lhe darei a beber um trago singular da fonte da Minha Divindade, o que não farei, absolutamente, a outros que não tenham recitado as Minhas Orações.

Nova pasta (2)33

 

Aquele que fizer estas Orações pode estar seguro de ser associado ao supremo coro dos Anjos e todo aquele que as ensinar a alguém, terá assegurado para sempre sua felicidade e seus méritos. Sim, eles serão estáveis e durarão perpetuamente.No lugar onde se encontrarem e onde forem recitadas essas Orações, Deus estará também presente com as Suas Graças.”

Todos esses privilégios foram prometidos a Santa Brígida por Nosso Senhor Crucificado com a condição de que as orações fossem recitadas diariamente. São igualmente, prometidas a todos os que as recitarem, devotamente, durante um ano inteiro.

Pergunta: É necessário recitá-las sem interrupção?

Resposta: Faltar o menos possível. Todavia devemos recuperá-las, se por força maiores não as pudermos rezar em um dia.

Devemos recitá-las 365 vezes dentro de um ano, com devoção, esforçando-nos para penetrar no sentido profundo das palavras que vamos pronunciando.

Observação:

1. É bom rezar sempre a intenção antes de cada oração;

2. Não precisam ler este cabeçalho com as promessas de Jesus todos os dias.

 

Muro Ocidental - Jerusalém

Muro Ocidental – Jerusalém

Terminada a construção do templo de Salomão houve uma invasão onde o Rei Nabucodonosor o destruiu.

O segundo Templo foi construído para os Judeus e Jesus os preveniu sobre a destruição que aconteceu no ano 70 d.C.

Acompanhe a passagem bíblica Mt 23,32; 24,2:

“Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas aqueles que te são enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos, como a galinha reúne seus pintinhos debaixo de suas asas… e tu não quiseste! Pois bem, a vossa casa vos é deixada deserta. Porque eu vos digo: já não me vereis de hoje em diante, até que digais: Bendito seja aquele que vem em nome do Senhor. Jesus, porém, respondeu-lhes: Vedes todos estes edifícios? Em verdade vos declaro: não ficará aqui pedra sobre pedra; tudo será destruído.”

Mas o Templo não durou muito, até que o general romano Tito tenha destruído novamente.

Em Jerusalém, o único vestígio que encontramos são ruínas e o Muro das Lamentações, um lugar mais sagrado e de oração para os judeus.

O Muro das Lamentações é o local mais próximo para chegar ao local do Templo que foi destruído e que hoje encontramos o Domo da Rocha – Mesquita.

Hoje o muro é chamado de Muro Ocidental, o local de festividade santa.