Print Friendly

Tudo começou com a oração de um Terço…

Na casa de Maria, é Ela a protagonista do encontro pessoal com Cristo. Nesta casa aprendemos a nos relacionar com Ela.

Maria é a figura mais presente que leva a grande luz de Cristo para as complexas situações da nossa história. Podemos sentí-La ao nosso lado nos momentos de calvário e de dor, enquanto muitos desaparecem e são indiferentes a todo sofrimento.

São nos momentos de solidão e sofrimento que mais percebemos conceretamente a presença de Maria, que nos ama profundamente.

Oração do Terço por jovens que fizeram retiro na Casa de MariaTenho certeza do protagonismo e da presença de Maria na casa de formação em Queluz, a partir da experiência que fiz nesta casa depois de ter morado nela por um ano, mas também desde a primeira vez que conheci este lugar, antes mesmo de fazer parte da comunidade.

Na ocasião, fui convidado por alguns amigos para um encontro, que duraria três dias, na casa de Maria. Logo, ao chegar para o retiro, depois de ter me acomodado, um dos meus amigos, que já conhecia a casa, chamou-me para rezar um terço na capela. Para minha surpresa, durante todo o momento de oração senti verdadeiramente a presença da Virgem Maria em nosso meio como nunca havia sentido em toda a minha vida. Mas, não era apenas um sentimento da sua presença: comportava um sentir imenso do seu amor para comigo a tal ponto de emocionar-me copiosamente e levar-me, durante os intervalos do encontro, a um querer estar a sós com Ela, principalmente, na gruta que fica localizada acima da capela.

Naquele final de semana, eu descobri uma mãe e amiga que me ama verdadeiramente. Posso dizer que tive um encontro pessoal com Maria que até então não tinha. Claro, eu já era devoto de Maria, como um bom católico, mas ainda não tinha conhecimento da pessoa de Maria, como uma pessoa real e que está mais próxima de mim do que imagino. Ela era como uma pessoa pela qual poderia ter um relacionamento íntimo.

Atrás da Gruta de Nossa SenhoraA liberdade e intimidade com Maria era tão forte dentro de mim, que me senti impelido a fazer um gesto externo de amor para com Ela a partir de um presente. Sim, dar um presente a Ela que representasse a minha gratidão. Me senti tão amado por Ela que quis retribuí-la com esse simples gesto. Da mesma forma, quando damos um presente de coração por mais simples que seja ao nosso amigo movido por amor, naquele momento eu me senti movido pelo amor. O presente era apenas um sinal do amor, mas esse gesto em si não comportava todo o sentimento que me movia naquela hora. Era como que um grão de mostarda que escondia dentro de si toda a sua grandeza. Posso dizer que até hoje cultivo aquela semente que foi plantada em mim. Eu expressei meu amor para com a Virgem Maria por meio de um simples terço que enterrei atrás da gruta. Foi um momento muito emocionante e único pra mim. Rezar o terço hoje é fazer memória daquele dia e atualizá-lo dentro de mim. O terço é o sinal do amor de Maria para comigo. Ela me ama.

A nossa experiência com Nossa Senhora na “Casa Dela” me fez despertar para a realidade que é Maria em minha vida, isto é, Ela é presente e concreta como uma amiga. Por isso, Ela precisa estar presente em cada escolha, ou seja, Ela tem uma profunda influência sobre mim.

Com a sua presença materna, Ela me convida a ter uma plena confiança no cumprimento da vontade de Deus, qualquer que seja ela; viver o abandono sem reservas e limites com ela; e ser todo de Maria..

Padre Jonas Abib e Bruno Franco - Seminarista da Canção NovaBruno Franco
Seminarista da Comunidade Canção Nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *