Print Friendly

Na simplicidade de uma criança, um grande ensinamento

Certa vez uma criança, filha de uma amiga de outra religião, me perguntou:

Patrícia Felix em adoração ao Santíssimo na Capela da Casa de Maria em Queluz– Não entendo por que você “tia” fica naquela casinha – isso é, na capela – “sozinha” como se tivesse ouvindo algo ou alguém e depois sai…

Eu sorri para ela e disse:

– Fico aguardando o brilho do sol da luz que sai daquele lugar tocar meu rosto…

– É “tia”? Aquela portinha dourada brilha? Que brilho é esse? – me perguntou a criança.

E eu respondi:

– É como o brilho do olhar, só que mais forte; vai no coração e dá alegria e consolo. Eu olho para ele e ele olha pra mim… E mesmo que eu não fale nada, ele me conhece e sabe do que preciso, e, é por isso que gosto de ali estar, pois a paz que isso me dá é incomparável.

Ela disse:

– Agora entendi! Toda vez que minha mãe disser que ali é uma portinha na parede e que não tem nada, eu vou dizer: não mãe, ali é de onde sai a paz!

Parece brincadeira mas isso aconteceu comigo. As crianças conseguem muitas vezes ver e entender o que muitos adultos não entendem.

Tenho muitos amigos e não faço distinção de religião. Respeito a todos e os amo, mas fé é algo individual e como tratamos e vivemos a nossa fé é o que faz a diferença.

Quando você estiver na Igreja, eu desejo que o brilho que sai daquele lugar, o Sacrário onde está guardado o Santíssimo Sacramento, toque o seu rosto e o seu coração.

Patrícia Felix
Missionária da Comunidade Canção Nova

Leia também:

.: Corra para onde tem a luz vermelha
por Fernando Fantini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *