Neste final da Quaresma, mais precisamente hoje,  domingo de Ramos, o Evangelho de Mateus nos narra a Paixão, como o Professor Mark Kaylor nos dizia,  os evangelhos longas introduções do que acontecerá nesta semana, ao que acontecerá em sua paixão, morte e ressurreição do Cordeiro de Deus. Jesus se oferece como o maior de todos os sacrifícios a Deus Pai pela Salvação de toda Humanidade, somente por Amor, por Você!

Esta narrativa de Mateus nos leva ao país distante do Pecado. Disfunção humana que nos leva a nos separar de Deus , nos separar do Amor. Jesus é o amigo dos pecadores. Ele não veio para os saudáveis mas para os doentes. Ele senta com os desprezados, como os marginais, com os excluídos e com os mínimos. Jesus vai dentro do pecado para trazer a Luz divina lá. Jesus entra dentro do pecado com a obediência e a fidelidade a Deus, para libertar os prisioneiros do pecado, Esta fidelidade absorve o poder do pecado e o dissolve. Como nós respondemos ao pecado, pecando de novo. Traição atrai traição, violência gera violência, mentira gera mentira pois pecado gera pecado. Então Jesus, chega, Amor de Deus, drena o pecado para ele mesmo e pelo seu amor, sua obediência e fidelidade nos liberta.

Então o que vemos neste Domingo de Ramos, pela narrativa de São Mateus é a Sinfonia do Pecado. Todas as formas de disfunção humana estão narradas neste Evangelho, esta Cacofonia do Pecado está narrada aqui, neste país distante.

Mateus inicia com a Traição de Judas. Judas trai seu mestre, seu mentor, seu divino amigo. Dante na Divina Comedia, vê a traição como o mais profundo do inferno. Trai seu amigo, dá as costas ao seu amigo. Depois da Santa Ceia, Jesus leva seus amigos ao Gestsemâni. Jesus transpira sangue, assumindo todos os pecados  do mundo. Nesta noite, é a noite mais dolorosa do Senhor. Jesus está batalhando pela humanidade, mas  os discípulos estão dormindo. Carl Barth relata que neste momento há uma intensa Preguiça Espiritual dos discípulos. Eles não estão nem aí. Ninguém se importa com o sofrimento do Senhor. No Apocalipse o Senhor diz: Aos mornos, e ou vomitarei. Indiferença.

No Jardim chega Judas e os guardas armados. Eles vem buscar o príncipe da Paz. Ele ensinava que devíamos dar a outra face, amar os inimigos. Quem vem buscar Jesus? Os poderes do mundo jogando o mesmo jogo. Desde toda a história da humanidade, egípcios,  gregos, babilônios, romanos, persas, bárbaros, napoleão,   nazistas, estado islâmico,  como os poderes do mundo respondem até hoje, da mesma maneira, com violência. Eles vem para prender Jesus. Um dos discípulos de Jesus corta a orelha de um dos guardas, que tamanho exemplo, pois quando usamos a violência é porque cortamos a comunicação, ninguém ouve ninguém. Olhemos hoje, e até hoje, mesmo na Terra Santa. Irmão contra irmão.

No final desta cena, o que vemos aqui? Todos os discípulos fogem, se escondem, Espirito de Covardia. Quando eu sei o que tenho que fazer e não faço, não tenho coragem para fazer, eu sou covarde. Quando os bons não reagem ao mal, aí está a Covardia . Eles fogem. O mal deve ser resistido quando aparece. A sinfonia do pecado vai se tornando cada vez mais intensa. Quando Jesus chega ao Sinédrio. O que temos aqui, Mentira, falso testemunho, aos que deviam cuidar tão bem a cerca de verdade. Todos fazem a mesma coisa. Jesus, a verdade,  está cercado por mentirosos. Neste mesmo momento, Pedro é exposto e por três vezes nega. Pedro quer se manter no meio de todos para não ser reconhecido. A diferença entre Pedro e Judas, é o arrependimento, pelo desespero de Judas ele se mata, porque muitas vezes estamos tão profundos nas trevas que achamos que Deus não pode nos perdoar. Morto pela sua própria culpa, mesmo que Deus não quer que nenhum de nós se perca. Nós é que nos negamos a Deus. A pior face do pecado é a autodestruição.

Em frente de Pilatos, vemos a grande disfunção humana. Ele vê que Jesus é inocente, pela pressão da multidão, pelo temor em perder seu poder…Então ele Abusa do Poder.

Qual é a boa noticia nisso tudo, neste país distante onde habitam: Traição, violência, covardia, abandono, fuga, indiferença, mentira, falso testemunho, falta de perdão, autodestruição, suicídio, terror, preguiça espiritual, abuso de poder. Deus quer ir até este pais distante da dominação do pecado e colocar a sua luz, e Sua Luz é Cristo Jesus.

Que nossa Semana Santa comece e termine na mais profunda meditação desses dias, em que o Senhor dos Senhores, o Rei dos Reis, será destituído de toda a sua divindade, e humanamente será flagelado por tudo que é fruto do pecado deste mundo. Ele será torturado e mutilado, como um servo sofredor, passará por tudo isso sempre subindo para Jerusalém e para o Calvário, será Crucificado, ainda mais humilhado, Morto e apesar de tudo isso Ele Ressuscitará conforme todas as escrituras apontaram, Ele vencerá a morte, Ele vencerá o pecado e nos dará a Vida, e Vida em plenitude ( João 10-10).

Maranathá!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *