Sete dias se passaram, desde que a primavera chegou. O vento frio e a chuva dão o tom da renovação das cores e flores. As montanhas ressecadas e queimadas já encontram forças para substituir o cinza, deixado pelo fogo, pelo verde que trás a esperança de que agora vamos mudar nossa consciência e cuidar melhor daquilo que ganhamos de presente do Criador.   Será que ainda teremos quantas oportunidades para ver a natureza reverter esse triste retrato que reúne na mesma moldura, o solo desgastado, a mata queimada, as nascentes agoniadas, e as aves sem alimento e morada?  Em meio a tudo isso existem pequenos refúgios, onde o mato cresce sem medo do fogo, as folhas secam e forram o chão sem pressa de ser varrida pelo vento e as aves se alimentam o ano todo com frutos de cada época. Um desses pequenos refúgios é o meu quintal, que já teve acerola e laranja. Agora tem abacate e manga.  O legal é que no meio do mato existem ervas e sementes a alimentar os “biquinhos de lata” e o abacate que nasce nas alturas e se quebra quando cai, alimenta as sabiás. Era nela que queria chegar, mas resolvi fazer um caminho longo no texto. E o foco precisa ser na sabiá-laranjeira, muito comum na América do Sul.  O peito pintado com cor de ferrugem ilumina a terra ainda seca do inverno que partiu. Mas o canto melodioso anuncia que com a estação das flores, também inicia o tempo de reprodução desse passarinho considerado símbolo do estado de São Paulo desde o ano em que eu nasci, em 1966.  A sabiá já foi inspiração de diversos poetas, por cantar sempre o amor e a primavera. Dizem que ela migrou da Europa para a América há 20 milhões de anos. Achei muito tempo pra caber na minha cabeça, mas acho melhor você ficar com o que a pesquisa revela.  Outra curiosidade é que o nome sabiá é derivado da língua tupi, que chamava a ave de haabi’á. E o mais impressionante é saber que a sabiá não frequenta a Bacia Amazônica. Talvez seja por isso que ela não está na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, que a classificou como espécie em condição pouco preocupante de extinção.  A sábia sabia tem 23 cm de comprimento, tem o bico reto de cor amarelo-oliva, as patas cinzas, o olho negro circundado finamente de amarelo e a penugem do dorso de um tom uniforme marrom-acinzentado. Ela gosta de viver nas florestas abertas, beiras de campos e áreas de lavoura e cidades, como meu pequeno quintal.  Desde que nesses lugares exista água por perto.   Gonçalves Dias na abertura de seu célebre poema Canção do Exílio, demonstrava uma saudade especial da sabiá. Talvez porque seu canto inconfundível seja uma sinfonia única que anuncia as surpresas que sempre chegam com a primavera.

“Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;

As aves que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.”

Num tempo como hoje seria até mais fácil, Gonçalves Dias matar saudade do pássaro e seu canto, tamanha quantidade de vídeos e áudios existentes nos meios eletrônicos. Mas os verdadeiros admiradores precisam vislumbrar essa criatura a futucar a banda do abacate, ou os fiapos da manga. E acima de tudo, purificar os ouvidos com uma sinfonia completa. Afinal a sabiá é só um pequenino fragmento da grandiosidade do nosso Criador, que sempre se faz presente.

“Seu som ressoa e se espalha em toda terra!” (Sl, 18)

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com

Wallace Andrade é missionário da comunidade católica Canção Nova, jornalista e autor dos livros “Mãe de Milagres – Nossa Senhora Aparecida” e “Mãe de Milagres – experiência e carinho de mãe vivenciadas nos santuários da Mãe Rainha”, publicados pela editora Canção Nova. 

Um dia desses uma amiga me contava o drama que estava vivendo, por causa da visita exótica na sacada de seu apartamento. Uma coruja estava tirando o sono dela e de todos de sua casa. Hoje caminhava eu perto de sua casa e constatei a morte da ave. Creio eu que o óbito do animal foi provocado por uma descarga elétrica, pois vi seu corpo estendido no chão, próximo a um poste de alta tensão. E ao dar a notícia a minha amiga, percebi que seus olhos brilharam e deu até pra sentir um suspiro de alívio. Daí nasceu a inspiração para escrever esse post.

Sabia que uma parte da população brasileira não tem nenhuma admiração ou simpatia pelas corujas? E muitas dessas pessoas estão contribuindo para o fim de muitas dessas aves, exterminadas de forma covarde e injusta. Até hoje não se comprovou nenhuma das histórias associadas a tal ave de rapina. Só não existe coruja em algumas ilhas isoladas e em pontos extremamente frios da Terra.

Sabia também que existem registros de corujas retratadas em pinturas rupestres na França de 15 a 20 mil anos? O animal é associado a prosperidade, sabedoria e filosofia. Em muitas vezes também a coruja foi vinculada ao misterioso, desconhecido, associando-as a sinais de azar, morte e infortúnio e a entidades amaldiçoadas, como bruxas, magos e demônios.

Sabia que na Europa, o folclóre é tanto que esse tipo de ave é visto como bruxas disfarçadas? Algumas pessoas, para espantar o mal que supostamente as corujas pudessem causar, eram amarradas em árvores, pelos pés, e assim abandonadas até morrer.

Sabia que na Escócia e na Irlanda, muita gente acreditava que se uma coruja pousasse em uma janela três vezes em noites seguidas era um aviso de morte? Isso sem falar que na Roma antiga, as mortes de Júlio César, Augusto, Aurélio e Agripa são associadas ao o pio de uma coruja. Até porque a lenda dizia que ouvir o pio da coruja era presságio de morte iminente.

Na verdade estamos sempre preparados e armados contra tudo e todos. Supertições e inseguranças são sinais claros de que nossa fé não tem um nível elevado como a de santos como São Bento, por exemplo.

Sabia que durante as refeições, num penhasco onde viveu em solidão e oração por 3 anos, São Bento era visitado por um corvo? A ave de plumagem negra se alimentava das migalhas que o santo comia e foi esse corvo que pegou um pão envenenado, que o santo tinha recebido, e o levou para longe.

E as supertições associadas ao preconceito têm feito muitos recusarem ou se negarem aos dons que Deus nos concede. A ação de admirar a beleza de uma ave como a coruja, o colorido de sua plumagem, entender sua natureza e hábitos, não pode ser impedida pelo simples fato de algumas informações que chegam aos nossos ouvidos e impedem de escutar o pio único do animal. Temos medo de morrer ao ouví-lo, mas não temos medo de perder a sensibilidade para tudo que Deus criou, desde as aves e a natureza, aos dons de cura interior.

Seguimos nessa rota de colisão, abraçando tantos entulhos que os aparelhos eletrônicos vão nos fornecendo e trocamos os sons sinfônicos das matas pelos ruídos “bate-estaca” de trilhas que aceleram o pensamento, ensurdecem nossos ouvidos e cegam nossos olhos para a amplitude desse mundo criado por Deus e que tantos insistem em limitá-lo às janelas de pequenas polegadas ou supertelas da sala de estar.

“O jardim nos diz que a realidade em que Deus colocou o ser humano não é uma floresta selvagem, mas lugar que protege, alimenta e sustenta; e o homem deve reconhecer o mundo não como propriedade a ser saqueada e explorada, mas como dom do Criador, sinal de Sua vontade salvífica, dom a cultivar e proteger, de fazer crescer e desenvolver no respeito, na harmonia, seguindo os ritmos e a lógica, segundo o desígnio de Deus (cf. Gn 2,8-15)”.

Deus Abençoe! 

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com

More »

Se você tem passado dias e até semanas sem receber visitas e isso pode ser sinal de que a solidão pode estar batendo a sua porta e quase entrando em sua vida, sem sua autorização. Mas o que leva alguém a viver uma solidão? Alguns fazem a opção de não se abrir ao próximo, não se dizer e nem mesmo querer conhecer a história do outro. Outros são simplesmente esquecidos, talvez pelo avançar da idade, ou pela falta de recursos para promover almoços, jantares, lanches, etc. Não tem como ser hipócrita nessa hora, pois a maioria dos “amigos” desaparecem na hora de uma enfermidade, de uma carestia financeira ou do peso da idade nas pernas. Ontem conversava com um amigo, que conseguiu passar dos 80 anos. E mesmo com centenas de “irmãos” sente a dor da solidão. Tudo começou há uns 4 anos, quando uma cirurgia mal-sucedida o deixou impossibilitado de andar com as próprias pernas. Precisava do auxílio de uma cadeira de rodas. Hoje ele conta com um tal de “andador” e uma meia dúzia de fiéis escudeiros, que o amam de verdade e se esforçam para estar sempre junto dele. Mas, pensa num homem de resiliência, repleto de têmpera e de certeza de que está vivendo a vontade de Deus. Ele me dizia que as vezes pensa nos passos de fé que deu nos últimos dez anos, quando deixou sua vida numa grande cidade para viver sua total entrega ao Senhor, numa cidadezinha do interior. E se pergunta: “será que fiz a coisa certa?” Não tenho dúvidas que esse amigo é pra mim um grande presente de Deus, pois me ensina sem usar palavras. Desde o início de nossa amizade, quando ele vivia uma recém viuvez, eu me perguntava, como ele vai aguentar passar por tudo isso? Hoje os “amigos” mais presentes são suas carpas e sua cadela, que como ele estão avançando na idade. Ontem, vi esse amigo, pela primeira vez, pensativo, mas sei que ele ainda tem forças pra continuar a testemunhar nesse mundo. Ao me deitar, fiquei a pensar na nossa conversa e em quanta gente com metade da idade de meu amigo, que desiste fácil dos obstáculos impostos pela solidão. Talvez seja porque ainda não se encontrou com o verdadeiro Criador. E com o tempo corre-se o risco de não notar sequer as riquezas que esse Criador nos proporciona na vida lá fora.. no quinta de casa. Um dia desses, abri a porta da cozinha e quando dei o primeiro passo pros fundos da casa, dei de cara com esse “rapazinho” aí, chamado pelos admiradores de pássaros, de Tiê-Sangue. Não tem como negar que uma visita bela como essa mudou meu dia. Apesar de ser vascaíno, fiquei impactado por aquele rubro-negro a beliscar um pedaço de banana que serviria para alimentar o jabuti do meu filho. E o Tiê-Sangue estava bem acompanhado, de sua digníssima esposa. Os dois são muito diferentes, mas se completam. Nesse contraste de cores entendemos que as diferenças são riquezas. Seguir nosso caminho acompanhado por quem nos completa, até o tempo definido pelo Criador, é maravilhoso. Certamente o casal de Tiê um dia vai também viver a dor da separação imposta pela morte. E aquele que ficar, claro que não irá cantar mais do mesmo jeito que antes, pois sempre irá faltar um pedaço importante da “partitura”. Mas o Tiê que permanecer, vai precisar continuar sua missão de encantar com suas cores, de voar além das matas secas do outono, atrás de alimento, e transformar as manhãs de quem precisa apenas ver sua beleza vermelha e preta, ou laranja e marrom, pra entender que, mesmo se quiséssemos ficar sozinhos, nunca conseguiríamos. Deus sempre tem alguma criatura pra te dizer que Ele estará contigo, por onde quer que andes. Com as próprias pernas, as próprias asas, ou mesmo numa cadeira de rodas.

Deus Abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
@Wallace.Andrade9

 

 

Conta a história que um povo começou a ouvir um programa de rádio, onde o locutor falava belas coisas. Sempre naquele horário a emissora alcançava picos de audiência, tamanha a sabedoria com que o rapaz conduzia seu programa. Sempre muito zeloso com toda a plástica do programa, sempre pensando em cada detalhe a ser falado, cada música a ser tocada, cada história a ser narrada. Os outros horários não registravam nenhuma audiência e por causa disso a emissora dependia de um único programa para cumprir seus compromissos. Até que um dia o zeloso locutor ficou doente e teve que ser afastado do trabalho por tempo indeterminado. Então começou-se a procurar por um profissional que pudesse suprir aquela grande lacuna, caso contrário a emissora estaria fadada a fechar as portas. Fizeram uma… duas… três tentativas. Os caras eram bons, bem conceituados no mercado, mas não tinham o comprometimento necessário, pois não amavam a emissora como o restante da equipe e claro, do locutor adoentado.  Então a direção da rádio tomou uma decisão drástica. Fazer um rodízio com todos os locutores da casa para que cada um passasse pela experiência de fazer o programa de maior audiência. De tanto ouvir o colega mais famoso, eles aprenderam o “caminho das pedras” e não tiveram dificuldades para executar a tarefa, cada um a seu tempo. O resultado foi muito interessante, já que a adiência começou a se espalhar por toda a grade de programação,  porque os locutores conquistaram os ouvintes, antes só interessados no mais famoso. Deus as vezes usa uma dificuldade aparente, para nos encher de graça. Tenho certeza de que a dificuldade que vive hoje já está se transformando numa grande graça, que atingirá muitos que o cercam. Não perca a esperança, existe alguém que te ama pra valer e foi capaz de morrer por você.

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova

Em tempos de chuva e barro macio esse nosso personagem aqui aproveita para construir sua casa e formar sua família.  Estou falando do João-de-Barro. Constrói seu ninho de barro em forma de forno, misturando palha e esterco seco com barro úmido. Instala seu ninho em árvores e até postes de eletricidade. Ele pode ser ocupado por outros pássaros – como o Canário-da-terra-brasileiro– ou até mamíferos e insetos. Não utiliza o mesmo ninho por duas estações seguidas, parecendo realizar um rodízio entre dois a três ninhos, reparando ninhos velhos semi-destruídos. Quando não há mais espaço para a construção de novos ninhos, o pássaro o constrói em cima ou ao lado do velho. Esse flagrante espetacular, que capturei no google.com, mostra um edifício de com oito casas e uma em construção. Ele escolhe encontro de galhos quando faz ninho em árvores.  Em locais descampados, com pouca ou nenhuma árvore alta, e como medida de proteção à espécie, recomenda-se erguer postes altos dotados de travessas horizontais. Estes serão usados para sua nidificação.O casal canta em dueto nos arredores do ninho em postura altiva e tremulando as asas, com um canto extremamente estridente. São pequenos espetáculos da natureza, como esse que são capazes de nos encher da certeza de que os milagres grandes ou pequenos, estão sempre bem próximos de nossos olhos. Basta apenas estarmos de olhos e corações abertos para admirá-los e usá-los no cotidiano nosso de cada dia, como resposta para nossas aflições.

Deus abençoe!!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova

jornalistasp@cancaonova.com