A fascinante tarefa que o Senhor nos confia e que a Santíssima Virgem Maria nos recorda em Fátima: sermos profecia para o mundo, mostrando agora e sempre Cristo, o Seu Corpo, aos irmãos, para que, conhecendo a Verdade, possam alcançar a salvação.

Se Deus quer que todos os homens se salvem e alcancem o conhecimento da Verdade, o inimigo de Deus, o demônio – que existe, com presença pessoal e, dramaticamente, sempre operante – quer exatamente o oposto! Isto é, quer que todos os homens se condenem eternamente e permaneçam nas trevas da mentira. Por isso, a Bem-aventurada Virgem Maria, para nosso bem, veio mostrar claramente, em Fátima, a possibilidade real da perdição definitiva, da recusa definitiva de Deus e da Sua salvação. Recordá-lo não é fazer terrorismo, mas sim cumprir um ato de misericórdia, um ato de amor. Acaso poderia a Santíssima Virgem pronunciar sequer uma palavra que não fosse vibrante de amor?

Se Cristo já derrotou definitivamente o mal e a morte, a Igreja, unida a Ele, dá continuidade à Sua obra de anúncio e de salvação.

A oração, e em especial a recitação do Terço – no qual o Santo Nome de Maria, de que também fazemos hoje memória, é repetido em litania e amorosamente –, é, ela própria, um grande exorcismo sobre o mundo; com ela envolve-se numa rede de amor os homens, os lugares e a história, o espaço e o tempo, para que nada fique subtraído à universal vontade salvífica de Deus, e para que os corações, plasmados pelo Bendito Nome de Maria, se abram ao encontro com o Salvador.

Também neste sentido, Fátima ainda não se completou! Porque não se completou ainda a missão da Igreja, que permanecerá viva até ao fim dos séculos, em todas as circunstâncias históricas e apesar de todas as adversidades vindas da cultura e do poder.

Todos os inimigos da Igreja, todos quantos a perseguiram e combateram ao longo dos séculos, já passaram. A Igreja de Jesus ainda aqui está, como a Bem-aventurada Virgem Maria! Ainda aqui está, jovem, forte, rica da fé de tantos filhos seus, adornada com todas as suas orações e obras de caridade, enriquecida por tantos sofrimentos escondidos e oferecidos, que realmente edificam o Reino de Deus, o único novo mundo a que podemos aspirar. É este o melhor dos mundos possíveis! O Reino de Deus não é questão de «comida nem bebida» (Rm 14, 17), não é questão de organizações ou estratégias, de tentativas de solução deste ou daquele problema, ainda que importantes e necessárias.

Há cem anos, quando tudo começou, ninguém poderia ter imaginado que três simples Pastorinhos haveriam de ter uma ação determinante para a história deste país, de toda a Península Ibérica, da Europa, do mundo e da Igreja. No entanto, eis-nos hoje aqui, a testemunhar a verdade da fé e a evidência de que, apesar de tudo, mau grado os inimigos fora e dentro dela, a Igreja vive nas consciências dos homens, nelas progride, nelas dá fruto, e nelas acontece uma e outra vez para a salvação de cada um e da humanidade.

O triunfo do Coração Imaculado de Maria é isto mesmo: o acontecer de Cristo nas consciências dos homens e na história do mundo; o acontecer de Cristo e, com Ele, d’Aquela Mãe que O gerou, oferecendo-O por nós e pela nossa salvação; o acontecer, antes de mais em nós, da salvação que nasce do encontro redentor com Cristo, e que, por isso, através de nós, leva à apresentação ao mundo do Senhor.

Tal como os discípulos depois da Ascensão, também nós fitamos o Céu, e, junto com os videntes de Fátima, vislumbramos o Vulto luminoso de Maria, ícone perfeito da Igreja Una, à qual queremos pertencer, e de facto pertencemos; também nós, obedientes à Vontade de Deus, desejamos que todos os outros homens, que ainda não conhecem o Seu Amor, sejam salvos e alcancem o conhecimento da Verdade, e, por este motivo, sofremos e oferecemos, rezamos e damos testemunho; e é também por esse motivo que estamos aqui hoje, para regressarmos nos próximos dias às nossas casas alegres e seguros.

Card. Mauro Piacenza

A Santíssima Virgem apareceu neste lugar faz agora cem anos, não somente para exortar os homens à conversão e à oração, como sucedeu noutras aparições, mas com um propósito explicitamente profético, indicando aos homens acontecimentos do futuro, a fim de que eles possam lê-los prudentemente, preparar-se, reconhecê-los e converter-se. Eis aqui a excecionalidade de Fátima! Maria, em Fátima, profetizou, e a Igreja reconheceu a verdade das aparições, e com essas, a das próprias profecias.

Podemos mesmo dizer que estaria em erro quem pensasse que a missão profética de Fátima já está concluída; Fátima não terminou! Fátima está ainda por completar, porque o Coração Imaculado de Maria ainda não triunfou plenamente.

Toda a Igreja, Una, na ininterrupta Tradição apostólica, tende ao anúncio de Cristo aos irmãos, para que se realize a Vontade de Deus, que escutámos na Segunda Leitura. É verdade: Deus quer que «todos os homens se salvem e alcancem o conhecimento da verdade»; mas, para que a Vontade de Deus se cumpra, por uma escolha soberana e imperscrutável do mesmo Senhor, é necessário o concurso da nossa liberdade.

É certo que a salvação é oferecida a todos os homens, e Deus quer que todos se salvem; ora, este oferecimento passa através da indispensável mediação da Igreja e do testemunho dado pelos cristãos; passa através daquilo que a doutrina chama de “substituição vicária”, ou seja, o reviver no Corpo da Igreja, que somos nós, daquele oferecimento que Cristo faz de Si por toda a humanidade.

A Vontade salvífica universal realiza-se com o necessário abrir-se a Deus por parte da liberdade pessoal de cada um. Por esta razão, a Segunda Carta a Timóteo afirma o imprescindível binômio que junta o ser-se salvo e o alcançar-se o conhecimento da verdade: ordinariamente, não se pode realizar a salvação prescindindo do conhecimento da verdade, isto é, o conhecimento do próprio Cristo. Certamente, Deus tem as Suas vias para salvar os homens, mas foi uma delas que Ele nos revelou, e é essa que devemos percorrer e dar a conhecer.

Card. Mauro Piacenza

Fátima, lugar – como um grande cenáculo – custodia Maria que vela para que a fé continue intacta. Desfigurar a fé significa desfigurar o rosto de Jesus, significa tirar do Evangelho a espinha dorsal da graça, da vida sobrenatural; é reduzi-lo a um manual de sabedoria humana. As aparições de Nossa Senhora convocam-nos ao coração da fé, sem o qual a vida seria assimilada pela lógica do mundo.

A 13 de Maio de 1917, na Cova de Iria, a Virgem Santa aparece aos simples, os três pastorinhos, que vivem as bem-aventuranças sem presunção: Deus resiste aos soberbos e oferece-se aos humildes. Em Fátima tudo acontece na luz: os relâmpagos, a luz sobre a árvore, o milagre do sol… tudo é luminoso. Mesmo as palavras mais sérias e as mensagens mais exigentes iluminam a fé, a vida da Igreja, a história do mundo.

A mensagem de Fátima concentra-se em duas palavras: oração e penitência! Uma certa maneira de contar as notícias hoje em dia quer fazer-nos crer que tudo é sombrio e que já não há esperança. Mas a realidade não é assim: se olharmos as coisas mais de perto, descobrimos Deus em ação. Nos apelos de Nossa Senhora temos uma visão elevada da vida, do homem, da história; vemos que a fé abraça todo o horizonte da existência. Nada fica de fora dessa luz, e nós somos chamados a morar nessa luz, a não nos afastar da autoridade de Cristo, sabendo que servir Deus não é senão deixarmo-nos salvar por Deus.

A oração e a penitência que nos recomenda Nossa Senhora, não são uma visão triste e sombria do mundo e da vida, mas, pelo contrário, exprimem a seriedade do amor de Deus por nós que somos obra das suas mãos. A superficialidade, e o desejo de possuir e de ter prazer, o desejo de fazer o que queremos sem nos referirmos a Deus, impedem-nos de ver a beleza e a seriedade do amor divino. Amar e ser amado é para nós tão necessário como o pão, mas não é um jogo: o Filho de Deus amou-nos até ao Calvário! O dom da vida é a medida decisiva e última do amor: dar a vida não é uma poesia ou um gesto sentimental, mas algo de terrivelmente sério, de trágico. Este é o Mistério da cruz: que mais poderia fazer um Deus que ama? A contemplação do crucificado expulsa de nós o torpor e a indolência, e desperta para o ardor da fé.

Fora do mistério da cruz, fora da seriedade do amor, até o pecado perde seriedade, e fica reduzido a uma norma à qual se pode dar a volta; a imortalidade da alma deixa de nos atrair, a vida eterna parece abstrata, o presente impera. A virtude da paciência, ou seja, o esforço das pequenas coisas do dia-a-dia aborrece-nos, a conversão deixa de ter um rosto religioso; rezar pelos pecadores, que somos todos nós, afigura-se como algo longínquo, quase uma insolência. Entramos assim no modo de pensar do mundo. Mas a Santa Virgem, com persistente paciência de Mãe, volta e voltará para preservar a fé e nos reconduzir à luz de Jesus: “O meu Imaculado Coração triunfará”, repete Maria aos Pastorinhos. Mas quando? Certamente no fim do mundo, quando Deus será tudo em todos: será então um triunfo glorioso e visível. Mas o coração triunfa já secretamente em tantos corações: é o triunfo de Belém, de Nazaré, do Calvário… é um triunfo secreto, mas não menos glorioso, fascinante e eficaz.

Cardeal Ângelo Bagnasco,

Arcebispo de Génova

Imaculado Coração 006Nossa de Senhora, em Fátima, nos trouxe a mensagem do seu coração. Em seus relatos, Ir. Lúcia explica a vida mística de Francisco e Jacinta enfatizando os reflexos de luz que jorravam das mãos da Virgem Maria.

Foi ao pronunciar estas últimas palavras que abriu pela primeira vez as mãos, comunicando-nos uma luz tão intensa, como que reflexo que delas expedia, que penetrando-nos no peito e no mais íntimo da alma, fazendo-nos ver a nós mesmos em Deus, que era essa luz, mais claramente que nos vemos no melhor dos espelhos. Então, por um impulso íntimo também comunicado, caímos de joelhos.

A luz tão intensa que penetrava no peito e no mais íntimo da alma dos Pastorinhos os fez experimentar um Amor de Deus imensurável e inesgotável, levando-os a uma íntima comunhão com Ele. Um mergulho no coração de Deus, indescritível ao entendimento meramente humano, porém possível através da experiência que se faz. É a Trindade – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – derramando o Seu amor.

É importante verificar que Maria, ao revelar o seu Imaculado Coração, não comunica a si mesma, mas unicamente o próprio Deus:Foi então que a celeste Mensageira, abrindo os braços com um gesto de maternal proteção, nos envolveu no reflexo da luz do imenso Ser de Deus. Foi uma graça que nos marcou para sempre na esfera do sobrenatural”.

Text Extraido do livro: Mistica de Fátima

Adquira: http://goo.gl/oPuiwm

01.02218.jpgA Mensagem de Fátima não se trata apenas de uma das maiores mensagens proféticas da Igreja, com uma personalidade própria, mas, a partir do Coração de Maria, tocamos principalmente em aspectos que falam da unidade e do espírito interior.

Joaquim Maria Alonso apresenta o Coração Imaculado de Maria como o “centro” da Mensagem de Fátima, porém com um olhar que não se detém apenas como mais uma devoção, mas como a devoção que integra todas as outras devoções. Precisamos considerar três aspectos:

1 A Mensagem de Fátima não se reduz a um eixo e a um centro único. Aprofundando o nosso olhar, podemos vê-la como um prisma e em perspectivas diferentes, ou seja, mesmo com pontos de vista diferentes, ela refletirá a mesma Luz.

2 Essa devoção comunica todos os registros do amor inesgotável da Santíssima Trindade.

3 O Imaculado Coração de Maria propaga a Misericórdia do Amor Trinitário, a Misericórdia e o Imaculado.

Trecho extraído do livro: Mistica de Fátima

Adquira: http://goo.gl/oPuiwm

NOITEAo falarmos da vida mística, estamos falando também da vida mística cristã, que nos permite penetrar nos mistérios de Deus e gerá-los em nosso interior. A mística é uma busca para descobrirmos o caminho interior que nos leva a um encontro pessoal com Deus.

Na vida mística cristã, Deus usa dos Seus meios considerando a nossa condição e nos visita interiormente com Seu amor de modo único, nos levando ao encontro pessoal com Ele. Então, pela vida mística, fazemos uma experiência pessoal com Deus.

O ser humano tem desejos de fazer as suas próprias experiências espirituais e de estar profundamente unido a Deus: “[…] fizeste-nos para ti, e inquieto está o nosso coração, enquanto não repousa em ti” (Santo Agostinho, Confissões 1,1).

A mística cristã se desenvolve na relação de Deus com a humanidade. Todos somos convidados a trilhar esse caminho de vida mística cristã, buscando a experiência com Deus e uma maior comunhão com Ele. Para isso dispomos de alguns meios eficazes: uma vida no Espírito Santo, os Sacramentos, o Estudo das Sagradas Escrituras, uma vida devota ao ver a face de Jesus nos irmãos que sofrem, um caminhar de santificação e uma vida contemplativa aos que são chamados por Deus.

Nilza e Gilberto Maia

Texto extraído do livro Mistica de Fática, adquira, acesse: http://goo.gl/oPuiwm

image

Na Mensagem de Fátima, conheceu-se, primeiro, a mensagem fundamental de penitência e oração.
Mais tarde, Ir. Lúcia descobriu os pontos mais íntimos, mais espirituais, todos centrados e animados pela alma da mensagem – o Coração Imaculado de Maria.
O Coração Imaculado de Maria, nos é apresentado junto com o Coração de Jesus desde as aparições do Anjo de Portugal em 1916, vejamos: … “Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas .”… (Primeira Aparição)
“ – Que fazeis? Orai! Orai muito! Os Corações Santíssimos de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia.” (Segunda Aparição)
“ – E pelos méritos infinitos de seu Santíssimo Coração [de Jesus] e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores. …” .(Segunda Aparição)
Notemos que desde as aparições do Anjo existe uma prévia e um destaque aos corações de Jesus e de Maria.
Na segunda aparição de Nossa Senhora em Fátima, a 13 de Junho de 1917, Jesus vem pedir a Devoção ao Imaculado Coração da Mãe do Céu: … “ A Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas aqui mais algum tempo. Tu ficas mais um tempo. Jesus quer servir-Se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração… Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá a Deus.” …

Por que Deus nos quis falar através do Coração Imaculado de Maria? Que significado tem o coração na Bíblia? O que Deus fala e como Ele nos apresenta o seu coração?
No seu escrito intitulado Memórias, a Ir. Lúcia nos explica o sentido do coração maternal de Maria: O termo “coração” na linguagem da Bíblia, significa o centro da existência humana, uma confluência da razão, vontade, temperamento e sensibilidade, onde a pessoa encontra a sua unidade e orientação interior. O coração imaculado é, segundo o evangelho de Mateus (5,8), um coração que, a partir de Deus, chegou a uma perfeita unidade interior e, consequentemente, vê a Deus. Portanto, devoção ao Imaculado Coração de Maria é aproximar-se desta atitude do coração, na qual o fiat — seja feita a vossa vontade — se torna o centro conformador de toda a existência.
Deus tem coração, Ele é o coração. E Jesus é a manifestação visível do Seu amor.

Mas gostaria de fazer memória que também para a Comunidade Canção Nova, Fátima, tem sua particular importância e um marco em nossa missão evangelizadora. Como testemunha pude acompanhar o Ato de Consagração que Mons Jonas fez no Altar do Mundo, de todo o o sistema de Comunicação Canção, de toda a família Canção Nova, e seus colaboradores ao Imaculado Coração de Maria. E te convido a renovar essa consagração no dia de hoje. Isso se deu a 11 de Maio de 2004, Na Capelinha das Aparições em Fátima – Portugal.

Ato de Consagração da Canção Nova ao Imaculado de Maria

Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe nossa, ao vosso Coração Imaculado nos consagramos, em ato de plena entrega e doação ao Senhor.
Por vós seremos levados a Cristo, vosso Filho e unigênito de Deus, e por Ele e com Ele a seu Eterno Pai. Caminharemos à luz da fé, da esperança e do amor, para que o mundo creia que Cristo é o enviado do Pai para nos transmitir a Sua palavra. E seremos nós os Seus enviados, a levar o Seu conhecimento e amor até os confins da Terra.
Assim, sob a maternal proteção do vosso Imaculado Coração, seremos um só povo com Cristo, conquistas de Sua morte e testemunhas da Sua Ressurreição. Virgem Mãe de Deus e Mãe nossa, ao vosso Coração Imaculado eu consagro a TV Canção Nova e, com ela, toda a nossa Comunidade, cada um dos seus membros consagrados, a grande família Canção Nova para a qual somos destinados, e em especial, os nossos sócios colaboradores, que sustentam esta obra.
Coloco em vossas mãos todo o Sistema Canção Nova para que ele realize os desígnios de Deus e, assim prepare e apresse o triunfo do vosso Imaculado Coração.
Tornai-nos sob vossa proteção, defendei-nos dos perigos, ajudai-nos a vencer as tentações que nos solicitam para o mal e a conservar a pureza do nosso corpo e da nossa alma. Seja o vosso Coração Imaculado o nosso refúgio e o caminho que nos conduz a Deus.
Concedei-nos a graça de orar e nos sacrificar por amor a Jesus, pela conversão dos pecadores e em reparação dos pecados cometidos contra o vosso Imaculado Coração.
Por meio de vós e em união como Coração do vosso Divino Filho, queremos viver para a Santíssima Trindade, em quem cremos e a quem adoramos, esperamos e amamos. Amém

Nilza Maia

fotos 025Recordamos que por uma mulher o pecado entrou no mundo. (Gn3,15) Por Maria a Nova Eva, nasce a nova geração, anunciada por Deus, que triunfará contra a geração de Satanás. Foi de Maria que nasceu o nosso Salvador Jesus Cristo, poderíamos dizer que o coração de mãe é o coração do filho. E assim, o Coração de Maria é, de algum modo, o coração da nova geração, cujo primeiro fruto é Cristo.

É deste fruto que toda a geração desse Coração Imaculado se há-de de alimentar, como disse Jesus:«Eu sou o Pão da Vida (…) Eu vivo pelo Pai, assim também o que Me come viverá por mim» (Jo 6, 48.57)E este viver por Cristo é também viver por Maria, por que o Seu Corpo e o Seu Sangue tinha-os Jesus tomado por Maria.

A devoção ao Coração Imaculado de Maria se há de estabelecer no mundo por uma verdadeira consagração de conversão e doação. Como, pela consagração, o pão e o vinho se convertem no Corpo e Sangue de Cristo, hauridos com o ser vital no Coração de Maria.

E desta forma que este Coração Imaculado há-de ser para nós o refugio e o caminho que leva a Deus.

Foi no Coração de Maria que Deus iniciou, a obra de nossa Redenção. (Jo1,14) As palpitações do Coração e Cristo são as palpitações do Coração de Maria, a oração de Cristo é oração de Maria, as alegrias de Jesus são as alegrias de Maria, como também as suas dores e o sangue imolado e derramado de Cristo para a nossa Salvação foram as dores e o sangue de Maria. Deu-se, portanto, a mais estreita união que pode existir entre dois seres humanos. É nesse Coração Imaculado que Deus quer que a nossa devoção crie raízes, pois nEle Deus depositou muito amor, como em um coração de Mãe universal, que consagra e converte a sua geração no Corpo e no Sangue de Cristo.

5 – Jesus pede a devoção ao Imaculado Coração de Maria

Na Aparição em Fátima a 13 de Junho de 1917, Ir. Lúcia revela-nos em seus escritos que Jesus vem pedir a Devoção ao Coração de Maria.

«…tu ficas mais um tempo. Jesus quer servir-Se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. A quem a (devoção ao Coração Imaculado de Maria) aceita, prometer-lhe-ei a salvação e estas almas serão amadas de Deus, como flores colocadas por Mim para enfeitar o Seu Trono» … (Memorias de Ir Lúcoa pag 175)

É o desejo de Jesus estabelecer no mundo a devoção ao Imaculado Coração de Maria.

Virgem Santíssima e Mãe nossa querida, ao mostrardes o vosso Coração cercado de espinhos, símbolo das blasfêmias e ingratidões com que os homens ingratos pagam as finezas do vosso amor, pedistes que Vos consolássemos e desagravássemos.
Ao ouvir as vossas amargas queixas, desejamos desagravar o vosso doloroso e Imaculado Coração que a maldade dos homens fere com os duros espinhos dos seus pecados.
Dum modo especial Vos queremos desagravar das injúrias sacrilegamente proferidas contra a vossa Conceição Imaculada e Santa Virgindade. Muitos, Senhora, negam que sejais Mãe de Deus e nem Vos querem aceitar como terna Mãe dos homens. Outros, não Vos podendo ultrajar
diretamente, descarregam nas vossas sagradas imagens a sua cólera satânica. Nem faltam também aqueles que procuram infundir nos corações das crianças inocentes, indiferença, desprezo e até ódio contra Vós.
Virgem Santíssima, aqui prostrados aos vossos pés, nós Vos mostramos a pena que sentimos por todas estas ofensas e prometemos reparar com os nossos sacrifícios, comunhões e orações tantas ofensas destes vossos filhos ingratos.
Reconhecendo que também nós, nem sempre correspondemos às vossas
predileções, nem Vos honramos e amamos como Mãe, suplicamos para os nossos pecados misericordioso perdão.
Para todos quantos são vossos filhos e particularmente para nós, que nos consagramos inteiramente ao vosso Coração Imaculado, seja-nos ele o refúgio durante a vida e o caminho que nos conduza até Deus. Assim seja.