Pensando bem, a pobreza espiritual e material do mundo é também antropologica.

Em geral creio, esqueceu-se da importância
De quem é a pessoa como criatura de Deus, e também da importância de Deus. Onde estão as provas a partir das ações, de que Deus tem um lugar especial em minha vida?
Perdeu-se pois, o sentido do ser criaturas, filhos, necessitados dele em tudo e não se percebe. Quem tem muito quer ter sempre mais. Se pensa de ser auto suficientes, de poder viver sem Deus mas é na realidade tudo uma mentira.
A grande mentira da auto suficiência dos nossos dias, pois daqui saem os males como o egoismo, a inveja, a soberba, a ganância, o medo dos outros etc., e nem se pensa senão que, criar as próprias defesas e justificativas e a pobreza espiritual, material e portanto também antropologica so aumentam.
Porque não se pensa nunca em ir ao encontro do outro semelhante a nós?
Se procura Deus no vazio, la onde ele não está.
E perdeu-se aquela que é a fraternidade, a ajuda mútua, a caridade, a paz, dando lugar a uma desonestidade profunda.
O “bem” da pessoa está hoje justamente no recomeço mesmo nas pequenas realidades.
Recomeçar, refletindo no que na verdade somos, recomeçar pela honestidade para com o amor de Deus, reencontrar Deus de novo dentro de nós, através da oração, pequena gota de água boa!
Do que precisamos a não ser antes de tudo de Deus em nossa vida?
A ausência de Deus é a grande pobreza que gera todas as outras manifestações de pobreza em nossa vida.
Precisamos…
Precisamos encontrar antes de tudo a Deus em nossa vida ou ir até la onde o deixamos.
Precisamos re-experimentar o amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Esta é a grande necessidade, este é o grande desafio de nossos dias.
Combatemos, mas onde chegamos com a nossa batalha?
Se combatemos para ganhar nas batalhas terrenas, agora precisamos combater para a vida eterna.
A paz passa por estes binários, nós que queremos tanto um mundo de paz! não a paz como imaginamos, sinônimo de realização humana, tranquilidade, ausência do necessario, de problemas… também, mas,
Existe uma outra paz…

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

O testemunho cristão é hoje uma necessidade

Nestes nossos tempos que correm, em todo lugar que frequentamos e as pessoas que encontramos, todos e todos nós, precisamos dar testemunho da verdade. A verdade porém é uma e se chama Jesus.

Se nos consideramos seus, precisamos estar mergulhados em seus ensinamentos e não tão só sabe-los a memória ou te- los estudado na Biblia. Ė pouco demais.

Este nosso mundo de hoje precisa encontrar mais que declaradores da fé católica. Nosso mundo precisa de testemunhas, pois as santas e belas palavras em favor do Senhor Jesus, contam nada se não tem por traz uma vida transformada. Não nos damos conta ainda que “sabemos” falar muito do Senhor com pouca “conversao a partir do coração”? A chave porém é a humildade interior, acredito.

Meu Deus! Quanta gente: quantas crianças, quantos jovens, quantos adultos, que conhecemos e vemos pela rua, até mesmo em nossa familia, que estão longe o Senhor! que não o louvam, não o adoram, não o amam!

Não é talvez por conta da nossa conversão interior que não se manifesta em nosso modo de viver? Imagino.

Se pormos em um copo de água algumas gotas de óleo, os dois se separarão e o óleo permanecerà acima do volume da água do copo, aquele copo de água não mata sede e não tem gosto de água pura e tomando, nossa boca fica óleos. O óleo estraga o puro sabor da água se os misturamos.

No que se diferenciam portanto hoje, aqueles que se consideram de Cristo? no falar, no vestir, no tratar bem  as pessoas e respeita-las, na honestiade, na bondade de coração, na humildade, nos belos discursos? na honra da palavra dada? etc..

Não precisamos mudar ou nos re-encontrar?  retomar o que deixamos para  traz, na ilusão do ter, do mostrar e do haver?

Não o digo por orgulho de ser o primeiro fiel mesmo sendo padre, o digo porque todos precisamos juntos de conversao diária,  voltemos ao Senhor e o mundo por nós, volte também aos seus braços!

O mundo precisa de fatos, de testemunhas de Cristo, mas Cristo não precisa que o defendamos, não é para isto que o testemunhamos. Ele é o Filho de Deus.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

 

Acredito que a oração de louvor nos projeta em Deus por ser libertadora, nos livra dos condicionamentos terrenos para nos projetar em Deus. Ela nos livra do nosso eu para levantar os olhos ao céu, de modo desinteressado e gratuito, nisto, os salmos são o exemplo maior: “Te louvo Senhor, porque és meu Deus”.
Esta é chamada de oração carismática, que por ser tal é comunitaria, põe ao centro a pessoa de Jesus e a ação do Espírito Santo.
O louvor não somente nos projeta em Deus libertando do dobramento sobre nos mesmos mas quando verdadeiro o louvor “obrigatoriamente” leva a amar os irmãos.
“Disse-vos essas coisas para que a minha alegria esteja em vos, e a vossa alegria seja completa. Este é o meu mandamento: Amai-vos uns aos o outros como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que dar a vida pelo irmão (Jo 15, 11-14).
Não podemos louvar o Senhor se não tem a harmonia da sua graça dentro de mim e com a comunidade. Muito eficaz neste sentido é o louvor em línguas, ele expressa o que ja existe na comunidade: isto é, a presença do Espírito Santo de Deus e a união plena em Cristo. Para isto a importância do sacramento da confissão, que nos leva a voltar a graça pelo perdão sacramental.
Assim criamos amor fraterno enquanto louvamos e é esta dimensão, a do amor segundo o mandamento de Jesus, que cria aquele ambiente onde o Espirito pode fazer florescer os seus dons e carismas.
Procuremos, amigos e irmãos estar dentro desta harmonia da graça para que nossa oração e nosso louvor sejam bem aceitos diante de Deus por Jesus no Espírito Santo. Busquemos esta dimensão comunitaria fraterna para que seja verdadeiro o nosso louvor. Evitemos na comunidade, no grupo de oração e no testemunho pessoal que nossa manifestação de louvor seja inútil como diz a Palavra: “Este povo me honra com os lábios”…
Coragem, corramos ao trono da graça sempre que nos sentimos fora dela por qualquer motivo de pecado que a consciência nos adverte.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

 

Despertemos para a vinda do Senhor, uma linda reflexão de Mons. Jonas abib

Hoje, infelizmente, a corrupção, a imoralidade e a depravação na terra são tremendas. A impiedade é justamente essa negação de fé, é uma rebeldia e um afastamento de Deus. Ela tem suas consequências na maldade, mas não é culpa nossa, é o clima que nos envolve, é como a poluição das grandes cidades que diminuem o oxigênio do ar. Estamos vivendo um clima de poluição espiritual.

O mundo está na poluição da impiedade, mas o Senhor está nos alertando de que a noite já vai adiantada. No entanto, graças a Deus, o dia já vem chegando. Não caia nessa de ficar com medo da vinda do Senhor, pois Ele virá para nos arrancar dessa situação.

Jesus disse que a vinda do Filho do Homem se dará como nos dias Noé, ou seja, os homens viviam uma vida normal, casavam-se e davam-se em casamento até o dia em que Noé entrou na Arca e veio o dilúvio.

Você precisa proclamar que Deus constituiu a sua casa como a Arca da Salvação para todos os da sua família e Ele viu que somente Noé foi considerado justo. Não que ele era o “certinho”, mas Noé era justo, porque temia e obedecia ao Senhor. Por isso, ele foi salvo com toda a sua família. É Deus dizendo que você, homem ou mulher, adulto ou jovem, é o instrumento que Ele escolheu para ser a salvação da sua família.

Até você, que é jovem e diz que seus pais não querem saber de nada, nem mesmo os seus irmãos, Deus o escolheu como escolheu Noé. Se você for obediente como Noé foi, você vai ser instrumento de salvação para todos da sua família, porque o Senhor não quer salvar somente você, mas todos. Só não será salvo quem realmente não quiser. Você foi essa pessoa escolhida para ser, quem sabe, o único Noé da sua casa.

O que Noé tinha para esperar do mundo na época dele? Nós também não temos mais o que esperar deste mundo que só aplaude a imoralidade, a depravação e a maldade. Não temos mais nada a esperar até que o Senhor venha e lave a face da Terra. (Mons Jonas Abib)

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Precisiamos, sim, temos a necessidade real meus irmãos, de dobrar os joelhos diante do Senhor.

Nossos joelhos dobrados, estao ao lugar de nossos pés, quando estamos em pé. dobrando os joelhos podemos reconhecer que somos filhos de Deus e que ele é o Pai e nos seus filhos,  que ele é o Onipotente diante da sua própria criação.

Exaltando a beleza do amor, nos colocamos de joelhos diante do Amor em pessoa, Jesus, e de joelhos dobrados nossa alma se renova nos braços de quem a criou.

Não escutando mais quase quem fale de adoração ao Senhor senão, ocasionalmente… esquecemos que dependemos de Deus e dele tudo provém, ate mesmo o sucesso da vida.

 “Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Filipenses 2,10-11).

A mentalidade moderna de hoje quer nos fazer “deuses”  e portanto não nos ensina a reconhecer o nosso ser “filhos”, não nos ensina a baixar a cabeça e reconhecer os erros que cometemos, ela nos ensina a levantar a cabeça orgulhosamente e bater no peito.

Sejamos adoraradores de verdade. não nos acontentemos de sermos “meros” adoradores, que nosso pensar, refletir, sonhar, caucular, sejam todos diante do Senhor. Não esqueçamos que ou nossos progetos de vida … são feitos diante do Senhor sem quase nenhuma intervenção de nossos interesses… ou passarão como folha carregada pelo vento e se perdem pelo caminho.

Nao nos iludamos com o que temos hoje. Tudo o que somos, temos e fazemos, até mesmo para o Reino, veio das maos de Deus. E Ele o Senhor, a razao por que existimos.

Vem iluminar-nos, Espirito Santo de Deus!

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.