Despertemos para a vinda do Senhor, uma linda reflexão de Mons. Jonas abib

Hoje, infelizmente, a corrupção, a imoralidade e a depravação na terra são tremendas. A impiedade é justamente essa negação de fé, é uma rebeldia e um afastamento de Deus. Ela tem suas consequências na maldade, mas não é culpa nossa, é o clima que nos envolve, é como a poluição das grandes cidades que diminuem o oxigênio do ar. Estamos vivendo um clima de poluição espiritual.

O mundo está na poluição da impiedade, mas o Senhor está nos alertando de que a noite já vai adiantada. No entanto, graças a Deus, o dia já vem chegando. Não caia nessa de ficar com medo da vinda do Senhor, pois Ele virá para nos arrancar dessa situação.

Jesus disse que a vinda do Filho do Homem se dará como nos dias Noé, ou seja, os homens viviam uma vida normal, casavam-se e davam-se em casamento até o dia em que Noé entrou na Arca e veio o dilúvio.

Você precisa proclamar que Deus constituiu a sua casa como a Arca da Salvação para todos os da sua família e Ele viu que somente Noé foi considerado justo. Não que ele era o “certinho”, mas Noé era justo, porque temia e obedecia ao Senhor. Por isso, ele foi salvo com toda a sua família. É Deus dizendo que você, homem ou mulher, adulto ou jovem, é o instrumento que Ele escolheu para ser a salvação da sua família.

Até você, que é jovem e diz que seus pais não querem saber de nada, nem mesmo os seus irmãos, Deus o escolheu como escolheu Noé. Se você for obediente como Noé foi, você vai ser instrumento de salvação para todos da sua família, porque o Senhor não quer salvar somente você, mas todos. Só não será salvo quem realmente não quiser. Você foi essa pessoa escolhida para ser, quem sabe, o único Noé da sua casa.

O que Noé tinha para esperar do mundo na época dele? Nós também não temos mais o que esperar deste mundo que só aplaude a imoralidade, a depravação e a maldade. Não temos mais nada a esperar até que o Senhor venha e lave a face da Terra. (Mons Jonas Abib)

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Precisiamos, sim, temos a necessidade real meus irmãos, de dobrar os joelhos diante do Senhor.

Nossos joelhos dobrados, estao ao lugar de nossos pés, quando estamos em pé. dobrando os joelhos podemos reconhecer que somos filhos de Deus e que ele é o Pai e nos seus filhos,  que ele é o Onipotente diante da sua própria criação.

Exaltando a beleza do amor, nos colocamos de joelhos diante do Amor em pessoa, Jesus, e de joelhos dobrados nossa alma se renova nos braços de quem a criou.

Não escutando mais quase quem fale de adoração ao Senhor senão, ocasionalmente… esquecemos que dependemos de Deus e dele tudo provém, ate mesmo o sucesso da vida.

 “Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Filipenses 2,10-11).

A mentalidade moderna de hoje quer nos fazer “deuses”  e portanto não nos ensina a reconhecer o nosso ser “filhos”, não nos ensina a baixar a cabeça e reconhecer os erros que cometemos, ela nos ensina a levantar a cabeça orgulhosamente e bater no peito.

Sejamos adoraradores de verdade. não nos acontentemos de sermos “meros” adoradores, que nosso pensar, refletir, sonhar, caucular, sejam todos diante do Senhor. Não esqueçamos que ou nossos progetos de vida … são feitos diante do Senhor sem quase nenhuma intervenção de nossos interesses… ou passarão como folha carregada pelo vento e se perdem pelo caminho.

Nao nos iludamos com o que temos hoje. Tudo o que somos, temos e fazemos, até mesmo para o Reino, veio das maos de Deus. E Ele o Senhor, a razao por que existimos.

Vem iluminar-nos, Espirito Santo de Deus!

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Se tivéssemos fé, veríamos Deus oculto no sacerdote, como a luz por trás da vidraça, como vinho misturado na água.

Devemos considerar o padre quando está no altar e no púlpito como se fosse o próprio Deus. Oh! como o sacerdote é algo sublime! Se ele se apercebesse morreria… Deus lhe obedece: diz duas palavras e Nosso Senhor desce do céu. Se não tivéssemos o sacramento da Ordem, não teríamos Nosso Senhor. Quem o colocou no tabernáculo? O padre. Quem foi que recebeu nossa alma à entrada da vida? O padre. Quem a alimenta para lhe dar força de fazer sua peregrinação? O padre.

Quem a preparará para comparecer perante Deus, lavando a alma pela última vez no sangue de Jesus Cristo? O padre, sempre o padre. E se alma vier a morrer, quem a ressuscitará, quem lhe dará a calma e a paz? Ainda o padre. O Sacerdote não é para si, mas para vós… Quem recebeu vossa alma à sua entrada na vida? É o sacerdote. – Quem a sustenta para dar-lhe a força de fazer sua peregrinação? O sacerdote. – Quem há de prepará-la para se apresentar diante de Deus, purificando-a pela última vez no sangue de Jesus Cristo? O sacerdote, sempre o sacerdote. –

“E se a alma morrer quem há de ressuscitá-la? Ainda o sacerdote. – Não há benefício alguma de que vos lembreis sem ver logo ao lado desta recordação a figura do sacerdote. – O sacerdote tem as chaves dos tesouros celestiais; é o procurador de Deus, é o ministrador de seus bens.”

Só no céu compreenderemos a felicidade de poder celebrar a Missa. O padre não é para si. Não dá a si a absolvição. Não administra a si os sacramentos. Ele não é para si, é para vós.” Se um padre vier a morrer em conseqüência dos trabalhos e sofrimentos suportados pela glória de Deus e a salvação das almas não seria nada mal.” O Sacerdote só será bem compreendido no céu… Se o compreendêssemos na terra, morreríamos, não de pavor, mas de amor.”

Se não fosse o padre, a morte e a Paixão de Nosso Senhor de nada serviriam. O Sacerdote é o amor do Coração de Jesus. Quando virdes o padre, pensai em Nosso Senhor Jesus Cristo.” (Diario de S. Joao Maria Vianney).

Deus te abençoe!

Padre Antonio Lima.

A verdadeira sede pela salvação das almas

De fato, pai, os servos de Deus como que se esquecem da própria vida. Não pensam em si mesmos. Desejam sofrimentos, dificuldades, torturas, injúrias. Desprezam as dificuldades do mundo. A maior cruz e a maior dor, para eles, é ver Deus ofendido e as almas que se condenam. Por isso, deixam no esquecimento as preocupações pessoais. Não evitam as dificuldades, até as procuram e alegram-se com elas. Pensam no apóstolo Paulo, que se gloriava nos sofrimentos por amor a Cristo crucificado (Rm. 5, 3). Pois bem, quero que vós os imiteis.

Triste situação na hierarquia

Ai de mim, ai de mim! Como é infeliz a minha alma! Olhai e vede a realidade que caiu sobre o mundo, especialmente sobre a hierarquia da Igreja. Ai de mim! Explodem nossos corações e nossas almas ao perceber tanta ofensa feita a Deus. Vede, pai, o lobo infernal leva consigo pessoas que vivem na hierarquia da santa Igreja, e ninguém procura libertá-las. Dormem os pastores, cuidando de si mesmos na ganância e na impureza. Dormem ébrios de orgulho, sem notar que o lobo infernal, o diabo, lhes retira a graça, bem como aos seus súditos. Dessas coisas, pouco se preocupam. Tudo lhes serve de ocasião para a maldade e o egoísmo. Como é prejudicial o egoísmo nos prelados e nos súditos! Nos prelados, porque não corrigem os defeitos dos súditos. De fato, quem vive no egoísmo ama a si mesmo e nada corrige nos outros. Mas quem ama a si mesmo em Deus, foge do amor interesseiro, denuncia corajosamente os defeitos nos súditos, nunca se cala ou finge não ver.

Maldito o pastor

De semelhante amor desejo vos ver livre, querido pai. Rogo-vos não vos comporteis assim, a fim de que, não se aplique a vós aquela dura palavra divina: “Maldito sejas, porque te calaste”. Ai de mim! Calar, jamais! Gritai em cem mil línguas! Vejo que, por ter alguém calado, o mundo se arruinou e a santa Igreja encontra-se sem cor, sem sangue nas veias. Quero dizer: sem o sangue de Cristo, derramado por nós gratuitamente, sem mérito algum nosso. Devido ao orgulho, os pastores roubam a Deus a honra, atribuindo-a a si mesmos. Rouba-se por simonia com a venda de dons espirituais, a nós concedidos gratuitamente pelos méritos do sangue de Cristo. Ai de mim, morro e não consigo morrer! Não durmais por negligência. Aproveitai o tempo presente quanto possível. Outros tempos virão, acredito, em que podereis fazer outras coisas. Convido-vos ao tempo atual. Afastai da alma todo egoísmo, revesti-a com a sede de almas e com verdadeiras virtudes, para a glória divina e a salvação das almas. Fortalecei-vos no amor de Cristo. Logo veremos aparecer as flores. Esforçai-vos para que logo se erga o estandarte da Cruzada. [3] Que o vosso coração não se esfrie diante de nenhuma dificuldade emergente. Fortalecei-vos pensando que Jesus crucificado realizará os inflamados desejos dos seus servidores.

Nada mais digo. Permanecei no santo e doce amor de Deus. Afogai-vos no sangue de Cristo, pregai-vos na cruz com ele, banhai-vos no seu sangue. Pai, perdoai minha presunção. Jesus doce, Jesus amor.

(Fonte: Santa Catarina de Sena. Cartas Completas. São Paulo: Paulus, 2005. Ps. 54-57)

S. Catarina de Sena.

Não deixe que se apague a luz da sua presença.

“Depois de mim vem outro mais poderoso do que eu, ante o qual não sou digno de me prostrar para desatar-lhe a correia do calçado. Eu vos batizei com água; ele, porém, vos batizará no Espírito Santo.” (Mc 1,7).

O Batismo no Espírito Santo, quando cultivaldo, faz de nos novas criaturas, conscientes e transformados na fé. Precisamos cultivar a graça que um dia recebemos, a graça do Batismo no Espírito Santo, é ele que nos move, é pela familiaridade com ele que vemos os irmãos e o que nos rodeiam, com olhos novos. Se não temos essa familiaridade, olhamos e julgamos humanamente todas as coisas, pessoas e situações. Pois é o Espírito Santo que renova nossas mentes quando o permitimos de agir em nós. Isto se chama, “fervor espiritual”

E mais, a vivência do Batismo no Espírito Santo, isto è, do nosso Batismo, faz de nós pessoas, cristãos levados a santificar o ambiente que nos circunda, nos leva a uma grande compreensão em todas as suas formas.

São muitos os frutos da ação do Espírito Santo em quem se deixa conduzir objetivamente por seu amor, entre eles o dom da perseverança e da mansidão.

Jesus nos ensinou o melhor critério de discernimento da ação do Espírito Santo:

Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos.Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo.  Pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não pregamos nós em vosso nome, e não foi em vosso nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres? E, no entanto, eu lhes direi: Nunca vos aconheci. Retirai-vos de mim, operários maus! (Mt 7,17-23).

Acreditemos na misericórdia do Senhor que quer nos libertar do poder do mal e usemos as armas do Espírito, voltando ou perseverando em uma vida nova. “Lava-me, Espírito Santo”.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.