Como podemos ser úteis ao Espírito Santo

Quando fomos batizados, nos tornamos cristãos e com o Batismo fomos lavados em nome da Santíssima Trindade Pai, Filho e Espírito Santo, e passamos a fazer parte da comunidade dos discipulos do Senhor. Com ele, somos capacitados à missão enquanto, ou nos apresentamos, ou nossos pais, ja discípulos, nos apresentaram ao Senhor para entrarmos em sua comunidade de vida, a Santa Igreja. Confirmamos com o Sacramento do Crisma, de continuarmos a fazer parte da comunidade de Jesus e, capacitados, somos a partir de então, Soldados de Cristo, da Fé porque a vivemos e a defendemos; somos também cidadãos do Reino do Pai, revelado-nos por seu Filho Jesus.

Nossa colaboração para que a missão de Jesus chegue até os confins da terra, esta em manter viva a chama do fogo do Espírito Santo ascesa em nós, e dada, para que sejamos testemunhas de tudo o que o Senhor Jesus nos revelou.

Com o Sacramento do Crisma, confirmamos de acolher e fazer com que o Espírito Santo vivendo em nós, tantos outros possam tornar-se membros da comunidade de Jesus. Semeando o mais que possível, o “bem” que Jesus semeou e assim, todos os povos e nações possam chegar a salvação eterna. Este è o fim de sua missão.

Esta vida no Espírito Santo que recebemos no Batismo, vida esta que se manifesta através da prática daqueles carismas que recebemos e confirmamos no Crisma, os intensificamos sempre mais, a partir da nossa decisão de colaborar com Espírito Santo. É ele quem nos capacita com seus dons ou carismas.

Os dons nos servem, não para nós mesmos antes de tudo, mas para o bem da Comunidade de Jesus, lá onde participamos ou fazemos parte, de nossos irmãos de comunidade e de todos os que aceitam iniciar um caminho para fazer parte da comunidade dos batizados. Somos assim capacitados para exercitar um poder a serviço.

O dom de poder então não é que o serviço de poder servir. Com os carismas ou dons que foram colocados a nossa disposição, è nossa decisão pessoal querer colaborar e servir.

Portanto os dons e carismas não são para o meu “bel prazer”, e “orgulho pessoal”, trata-se de um serviço humilde.

Não podemos pretender de sermos capacitados, se o queremos somente para o nosso bem pessoal ou para ter comigo os dons do Espírito Santo, aqui, o proprio Espírito Santo não age e não capacita, por que perdem sua função de serviço humilde aos irmãos.

Para que sejamos capazes ou dignos dos dons espirituais de poder, necessitamos querer servir e o sinal de que realmente esta è nossa intenção como: aprender a viver em simplicidade e pureza de coração, aprender a ter constância e o hábito em buscar obedecer a Palavra de Deus, em estudar a Palavra para vivencia-la, aprender a ter uma vida de oração, aprender a servir (Lc 22,27), aprender a manter sempre abertas as portas de nossa alma para receber seus carismas que nos fazem canais para sua ação em nós.

Vejam como è importante e em que consiste a nossa colaboração pessoal com Deus, que não se trata de um simples desejar Deus, as coisas de Deus, não se desejam somente. Querer receber os bens espirituais, é querer tudo isto como missão e serviço, respondendo a um chamado do Senhor por meio de seu Espirito que nos revela sua vontade por meio de alguém que ele usa como intrumento para nos falar.

Isto è muito importante poder convencer-nos de que Deus usa pessoas e momentos da vida para nos falar sua vontade.

Claramente, não somos robôs nesta colaboração, mas livres  de agir. Como também não somos robôs, para agirmos mecânicamente sem nenhuma forma de obediencia e regra e por conta própria.

Deus respeita nossa liberdade e nossa vontade de decidirmos servir do seu jeito ou do nosso jeito. O Ideal è que o sirvamos do jeito que ele nos revela de quem e onde ele usa para manifestar-se

“Se cremos”, respondemos como Maria em um “Sim”, ao que o senhor quer fazer em nossa vida, mas do seu jeito e nos obedecemos. “Faça-se em mim segundo a Tua Palavra (Lc 1,38).

Ela, a Mãe, è o máximo modelo humilde desta abertura ao que Deus pede a cada um de nós. O resultado desta docilidade não è que tornarnos habitação de sua Paz.

As palavras do Papa Francisco nesta Pentecostes 

O Exemplo da comunidades cristãs após a Pentecostes: “Uma comunidade ‘perdoando e reunindo’, Jesus faz dela a Igreja, a sua Igreja, uma comunidade reconciliada pronta para a missão”.

Reconciliada e pronta:

“Quando uma comunidade não vive reconciliada entre si, não está pronta para a missão: esta pronta para discutir dentro de si, pronta para as discussões internas”.

«Eu vos mando»:

Não è mais tempo de estarmos fechados, nem lembrando os bons tempos, aqueles tempos com o Mestre. A alegria da ressurreição è grande, mas è uma alegria expansiva, que não pode permanecer fechada, è dom”.

O Espírito Santo è fogo que queima os pecados e cria homens e mulheres novos; è fogo de amor com o qual, os discipulos podiam encendiar o mundo, aquele amor de ternura que prefere os pequenos, os pobres, os excluidos.”

A Festa de Pentecostes renova a consciência que em nós mora a presença vivificante do Espírito Santo. Ele doa também a nós a coragem de sair, ir para fora dos muros protejidos dos nossos ‘cenáculos’, grupinhos, sem adaptar-nos ao viver tranquilos entre nós, trancados em hábitos e costumes estéreis”.

“Precisamos muito da luz e da força do Espirito Santo! A igreja necessita, para caminhar de acordo e corajosa, testemunhando o Evangelho. E o necessita a inteira familia humana, para unir-se mais e abandonar o que divide”.

Sabemos que de uma crise não saimos nunca iguais, se sai ou melhores ou piores. Que tenhamos a coragem de mudar, de ser melhores, de ser melhores de antes para poder construr positivamente a Igreja.

(Pentecostes, Regina Caeli, 31 maggio 2020).

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

As ameças mundanas à fé e à graça, destroem nossa vida na graça de Deus

O Espirito Santo de Deus vai além das realidades humanas, qualquer que sejam: estruturas, organizações humanas. Para estarem na verdade, estas, precisam submeterem-se Aquele que rege todas as coisas. A Palavra de Deus a este propósito, declara que tudo è renovado pelo Espirito Santo de Deus, Ele è presente e guia tudo o que è seu:

“Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 21,5).

A Igreja, se submente ao Espirito Santo, e não pode ser diferente, pois o Senhor Jesus o prometeu no dia de Pentecostes, portanto, não existe outra regra a não ser aquela de deixar-se guiar.

Cada inspiração, ideia,, carisma e dom, estão além das realidades humanas que são falhas, se não provém de Deus.

O cristão que vive sua fé no Senhor Jesus e vive em uma diária tensão em vive-la por meio dos meios que a Igreja oferece para a união com Deus, pelo Batismo que è “ex opere operato”, ele vive deixando-se reger a cada dia por Ele, vive Assim em sua graça e em meio a seus dons.

Os estudos das coisas de Deus, (a Sagrada Teologia) recita assim no Catecismo da Igreja Católica:

“Os batizados estão revestidos de Cristo. Por meio da ação do Espirito Santo, o Batismo è um lavacro que purifica, santifica e giustifica. O Batismo è portanto um banho de agua no qual, a semente incorruptivel da Palavra de Deus produz o seu efeito vivificante”. (Catecismo da Igreja Católica 1227-28).

Tomemos posse desta graça que è a presença Do Espirito Santo em nós, e façamos conforme sua santa vontade para que nossas decisões tenham sua origem n’Ele.

Obedeçamos! Obedeçamos e sejamos fieis, meus amigos, evitando de ceder a racionalismos e as diversas formas de tentação de indiferentismo ou de capricho indiretos, onde se atribui a Deus, o que è puramente humano demais e nosso. Esta, que è o que se chama de “vaidade espiritual”. È

Isto è justamente que o tentador quer fazer em nossa alma: desviar nosso olhar da Verdade.

“Chamaram-nos e ordenaram-lhes que absolutamente não falassem nem ensinassem em nome de Jesus. Responderam-lhes Pedro e João: Julgai-o vós mesmos se é justo diante de Deus obedecermos a vós mais do que a Deus”. Atos dos Apóstolos 4,18-19).

Obedecer em consciencia a Verdade: esta è a palavra de ordem do cristão batizado, consagrado ou não, porque o mundo não è nosso. Quem è de Cristo vive no mundo mas não è do mundo, conforme nos ensina a Palavra.

Tudo passa aqui na terra. È como diz o Apostolo: “Vivemos mas não somos deste mundo” (Jo 17,14).

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Precisamos morar no coração de Deus

Temos uma casa onde morar, que nenhum poder terreno ou sobrenatural destroem, pois esta habitação é a habitação onde reina o amor, justamente porque o mesmo Amor em pessoa, são seus proprietários, defensores e chefes: A habitação da Santissima Trindade. Nela, não reina senão o proprio amor que está no Pai, no Filho e no Espirito Santo.

Tomemos posse uma vez por todas das promessas divinas de querer para sempre, já desde esta terra, fazer nossa, a casa trinitária, a casa do Amor! “Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim.Na casa de meu Pai há muitas moradas” (Jo 14, 1-2).

Sabemos que aqui na terra por mais que queiramos nos apegar, esta não è nossa habitação mais certa, mas è o céu. Precisamos desejar sim, morar no céu, e la o nosso lugar. Nascemos do Pai, e dele somos. Não nos iludamos e decidamos, não demos aquela importancia irreal, a tudo o que è terreno, pois Como dizia Santa Teresa: “tudo passa”. Oh, que verdade imensa e certa que o Espirito Santo colocou no coraçao desta grande santa da Igreja.

Pensemos bem, a cada coisa, a cada açao, a cada atividade ou afazer e pessoas também, e demos aquela importancia, que cada um merecem sem substituir pelo essencial: Deus! Porque tudo passa.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

A covardia do ego fecha sempre os caminhos da paz interior

Jesus disse: “Vos deixo a paz, vos dos a minha paz, não como aquela que o mundo oferece eu vos dou, não seja perturbado vosssos corações e não se amedrontem” (Jo 14,27).

A paz da alma é um tesoro inestimável sempre mais raro entre os homens e mulheres modernos, o mundo no qual se vive hoje tornou-se artificial, disarmonioso, superficial, materialista, consumista, egoista.

É o mundo do “aparecer” e não mais do “ser”, da pressa e não da espera tenaz e paciente, do successo imediato e obitido, sacrificando o correto e a honestidade…

A paz da alma é uma arte espiritual a ser ainda conhecida.

A beberei e a saborearei até o fim, e nunca me completará porque esta é infinita; é graça divina, não alcansada facilmente pelo homem “material”, “mundano”, leigo ou religioso que seja.
Percebo sempre mais o “no sense” intenso, do vazio, do absurdo e do interesse puramente humano e pessoal presentes na prioridade de tantos irmãos e irmãs. A paz não passa por aqui! encontre-a e encha-se de paz e bem.

Não carreguem nos ombros, frustrações, angustias, ansias, nervosismos, depressões… estes, estão sempre mais em aumento. A solução esiste: ir a Deus ou voltar a Deus, fazendo do Filho Jesus a fonte da paz da propria alma, que ao fim encontra-se com a paz e com o Bem. O contrario é falta de Deus.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Seu Irmao, Padre Antonio Lima.

Batizados e consagrados pelo mesmo sacramento

Pelo Batismo somos novas novas criaturas e participamos da vida de graça que o Sacramento do Batismo nos introduz, e assim, somos um povo de consagrados.

Somos de Cristo, e a ele pertencemos. Nascemos e vivemos com uma vocaçao, isto é, um chamado a sermos propriedade sua. Pertencemos a ele e o mal não nos atinge porque ele está presente na sua Igreja e quer que sejamos todos uma so familia.

Os Apóstolos deram provas da presença do Senhor Jesus na Igreja, após a ressurreição: Em seu nome faziam muitos milagres e sinais sensiveis de sua presença aconteciam.

Isto é ser consagrados: fazemos parte de uma mesma Igreja, e somos em Cristo irmãos e irmãs, cada um, exercendo o carisma que lhe foi dado, como fala S. Paulo na carta aos Corintios.

A vida de Nossa Senhora, seu testemunho e sua differença, fez della “A Mãe”, o espelho todos, consagrados ao Reino pelo Sacramento do Batismo único e irrepetivel.

Precisamos tomar posse dessa graça.
Precisamos tomar posse e sermos diferentes.
Precisamos fazer a diferença, por sermos de Cristo.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

 

O Espírito Santo e a simplicidade

O que vem do Espirito Santo de Deus, ou é simples ou do contrário é “humano demais”.

Eu estava lendo nestes dias que as coisas de Deus são simples, elas não são somente humanas ou somente divinas, elas são, segundo a vontade de Deus, ou segundo sua permissão; entram em uma única categoria: tudo o que é de Deus, (e portanto, cada um de nos), é umano e divino ao mesmo tempo. É Assim que o grande Teologo de todos os tempos da Igreja, se expressa em sua “Summa Teologica”, S. Tomas de Aquino.

Onde então o Espirito Santo de Deus age, age sempre na simplicidade, pessoalmente acredito sempre que o que tem cheiro de simplicidade, posso confiar que entra nesta categoria do “humano-divino”.

Veja, a vida e as obras de Francisco de Assis, e Clara, era assim tão simples que manifestava-se em suas vidas, nas vestes, da mais extrema pobreza. Ele pregava, com simplicidade e na simplicidade; pregava até mesmo para a natureza, falava com os animais, com as aves, com as plantas, vestia com extrema simplicidade uma túnica feita de tre buracos: um para a cabeça, e dos para os braços.

Porque estas pessoas ficaram na história e ficarão, eles que não tinham todos os meios que hoje temos para falar, para pregar, para expressar a nossa fé e nosso amor por Deus? E porque tantos outros não santos, referencia em seus tempos, não permaneceram como ponto de referencia da fé até os nossos dias de hoje? Não são perguntas inquietantes?

Encontro em S. Teresa de Jesus uma resposta a tantos pensamentos e tantos propósitos de vida dos Santos: Tudo passa, Deus, Deus “somente”, (com toda a forma de significado desta palavra “SOMENTE”) permanece, o resto passa.

O Espirito Santo que sara toda ferida, e que faz novas todas as coisas possar fazer voce e eu entendermos a cada dia mais a nobre de tudo o que é humano e divino ao mesmo tempo!

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima

 

 

Refletindo bem sobre os primeiros chamados e o seguimento dos primeiros Discipulos de Jesus

Me surpreende muito a resposta dos Discipulos ao Senhor.

Encontravam o Senhor e se abriam a graça do convite do Espirito Santo a Segui-lo. Jesus chamava pessoalmente e com suas palavras, mostrando o caminho a seguir. Ele é a o caminho, é a verdade, a vida!

A resposta de todo homem ao Senhor é aceitar e acolher na liberdade de escolha. O Senhor nos criou livres.
O chamado de Jesus, é algo que acontece na vida de fé, que envolve o mistério mais profundo do nosso ser: A grande sede do homem chama-se sede de infinito. Do que não passa. Quem não passa é somente Deus!
Eis porque não podemos confundir o seguir Jesus, viver em sua vontade, com o viver a nossa vontade e desejos passageiros.

Tudo precisa ter esta base: a Sua vontade! Assim nenhuma tempestade… ou melhor dificuldade de algum tipo… vivendo assim, pode abalar a fé ou fazer-nos distanciar: nem coisas, nem situações…, nem pessoas.

Com os olhos elevados ao céu, e confiantes na intercessão da Mãe, continuamos com nosso SIM ao Senhor, como ela mesma nos ensina com sua vida a dizer sempre “Estou aqui”. Como o fizeram os apostolos, e os discipulos do Senhor.

O Senhor te abençoe e te guarde!
Padre Antonio Lima.