Paulo escreveu a segunda carta aos Coríntios depois de sair de uma provação que o tinha “acabrunhado ao extremo” (2 Cor 1,8). E começa a carta agradecendo a Deus tê-lo como que ressuscitado da morte (2Cor 1,9): “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, O Pai das misericórdias e Deus de toda consolação. Ele nos consola em todas as nossas tribulações!” (2Cor 1,3-4). Deus é o Pai, o Pai de Jesus salvador; poderia ele não ser misericórdia para aqueles que se acham na angústia?

Já o Deus do Sinai, cuja majestade, não obstante, era temível, se revelara a Moisés como um Senhor de bondade e de misericórdia: “Iahweh passou diante dele (de Moisés) e ele exclamou: ‘Iahweh! Iahweh! (…) Deus de compaixão e de piedade, lento para cólera e cheio de amor e fidelidade’ (Ex 34,6).

Para celebrar essa misericordiosa ternura, a Bíblia hebraica dispunha de uma gama de termos, cada um dos quais rico de muitos harmônicos. Deus é hesed: é bondade, fidelidade benevolente misericórdia que perdoa. Essa bondade impeliu-o a fazer aliança com Israel; por causa dela, ele a guarda fielmente, apesar das faltas do povo, porque a hesed de Deus é maior que a traição dos homens: “Eu te amei amor eterno, por isso conservei para ti o meu amor” (Jr 31,3).

A ideia de fidelidade contida na hesed toma-se explícita na fórmula hesed e emet: “Eu dou graças ao teu nome por tua benevolência e tua fidelidade (…) Quando gritei, tu ouviste”. Se Deus é bondade e fidelidade, não é em resposta aos méritos de Israel, porque a história do povo era tecida de infidelidade: “Não é em consideração a vós que ajo assim, mas por causa do meu santo Nome” (Ez 36,22).

O termo rachamim confere à benevolência caráter de ternura quase carnal. Esse termo deriva de rechem, que designa o seio materno: “Por acaso, uma mulher se esquecerá da sua criancinha de peito? Não se compadecerá do filho do seu ventre? Ainda que as mulheres se esquecessem, eu não me esqueceria de ti!” (Is 49,15). “Minhas entranhas se comovem (por Efraim). Sim, eu o amo, eu o amo” (Jr 31,20). Poderíamos traduzir: “Por ele minha ternura transborda”, ou: “Tenho piedade dele, sim, muita piedade”. Uma vez que Deus é Pai, isso se explica: “Será Efraim para mim filho tão querido, criança de tal forma preferida?” (Jr 31,20). More »