Foi mais do que um retiro…

Para os 31 jovens da Canção Nova que estiveram em retiro na Casa de Maria no último final de semana de março/2012, os 3 dias de dedicação intensa à oração e convivência, portaram uma graça especial.

Com certeza você já ouviu dizer que ”contra fatos não há argumentos”, não é? Pois então, as fotos abaixo revelam experiências com Deus e entre irmãos. Há esperança para a humanidade: Cristo!

Jornada anual de Juniores Canção Nova - março de 2012[ + FOTOS em fb.com/CNQueluz ]

“Somos evangelizados para então evangelizar” padre Jonas Abib

Cada um foi refeito conforme precisava

Foram 27 pessoas. Cada um atuando como missionário Canção Nova em um apostolado, uma frente de missão e uma realidade diferente. Eles tinham algo em comum: um coração aberto para Jesus alcançar suas necessidades. Assim aconteceu a 1ª Jornada (Retiro anual dos membros da CN) para os Juniores (irmãos mais novos no Carisma CN) de 2012.

Encontros com Deus[ + FOTOS em fb.com/CNQueluz ]

Cada um constatou como Providência Divina esses 4 dias de retiro, que aconteceu entre 22 e 25 de março, na Casa de Maria – Canção Nova Queluz. Foram momentos de cura, intimidade com Cristo e restauração de feridas.

O vídeo abaixo mostra um trecho de uma canção inspirada durante a adoração ao Santíssimo Sacramento: “liberta-nos com Teu amor, Senhor Jesus, queremos Te ver”.

Eles provaram justamente o que o pai-fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib, diz: “esses retiros são momentos de especial renovação interior e avanço na caminhada”.

E você, que tal programar-se e reservar momentos
para subir o monte e encontrar-se com o Senhor?

Dê oportunidades para Deus agir em sua vida!

A experiência que fiz na Casa de Maria foi a de ser filha, aluna em sua escola, uma aprediz. Na Casa de Maria servi os irmãos no café da manhã, no almoço, no jantar. Haviam dias que preparavamos o que comiamos. Nas quartas-feiras, dia da Providência, fazíamos os doces para vender e ajudar o Projetos Dai-me Almas nos acampamentos de oração em Cachoeira Paulista (SP).

Sempre colocávamos cada coisa em seu lugar, organizando cada ambiente da casa. Em todos esses afazeres quanto ensinamento! Deus falava em tudo: nos irmãos, nos acontecimentos do dia a dia, no arrumar da casa, no lavar o banheiro, encerar as capelas, tirar o pó… Trabalhavamos nas escalas sempre em dupla, e Maria, a mãe de Jesus e nossa, estava sempre presente.

Eu gostava de ir à capela e ficar olhando para aquela imagem de Nossa Senhora de Fátima [foto ao lado], que tem uma mão que abençoa e outra que parece estar nos empurrando para frente.

Sempre busquei saber como estava vivendo minha consagração, se estava na benção ou não. Buscava meus formadores para uma direção e muitos deles eram essa presença de Maria que me empulsionava a dar passos naquilo que estava sendo difícil no momento.

Na Casa de Maria fiz a experiência da alegria, de viver a sadia convivência com os irmãos.

Como foi bom aprender fazer o Estudo da Palavra comunitariamente, rezar o terço mariano, buscar os irmãos para concluir o Rosário e durante as formações, tocar no Carisma Canção Nova fazendo a experiência com os escritos do nosso fundador, monsenhor Jonas Abib.

Os toques do sino para nos avisar sobre nossas responsabilidades com Deus. Hora da Missa, Adoração ao Santíssimo, escalas de trabalho, almoço, hora de dormir e outros os afazeres do dia a dia.

Gostava de me retirar muitas vezes e ficar com Maria na gruta onde se encontra uma Imagem de Nossa Senhora de Loudes. De lá se pode ver as montanhas, o rio Paraíba, a via Dutra… Essas coisas me falavam de Deus. O rio me fazia pensar: há um caminho a seguir.

Deus usava até da escada para falar comigo. Eu gostava de cantar a música abaixo, que sempre tocava na Rádio Canção Nova:

”Entronizado está na minha vida,
encorajando-me a lutar,
testemunho fiel
a cada dia subir degraus
para vitória alcançar”.

Ainda na escada, ao subir cada degrau, eu olhava para o céu e cantava: Óh mãe santíssima me leva a Deus e para sempe cantarei … Maria Tú que és porta do Céu.

Na Casa de Maria se faz experiência de Céu.

Hoje, sou casada, missionária desde 1998 e as experiências que vivi no Santuário do Carisma Canção Nova me impulsionam a consumir minha vida pela Igreja, sem tirar os olhos de Jesus.

Angélica Maria de Assis Antonio Camara
Missionária CN nos bastidores da TVCN, em Cachoeira Paulista/SP
@angelfcn

.

Edição do texto: Aldenir Aldo e Ingrid Carine (Atualmente Discípulos CN)

Eu te amo Maria, és minha Mãe!

“A Canção Nova é um ventre escolhido por Deus. Ela é a Casa de Maria, o ventre de Maria, aquele ventre que gerou o ‘Homem Novo’, Jesus, e que agora mais uma vez é escolhido por Deus para gerar ‘os homens novos e as mulheres novas’ para um mundo novo”. (Monsenhor Jonas Abib)

Eu creio que estas palavras do nosso Pai Fundador, Monsenhor Jonas Abib, resumem a experiência que vivi e que tantas pessoas viveram, na Casa de Maria em Queluz (SP).

Queluz é a primeira casa da Comunidade Canção Nova. Ela recebe por excelência este nome “A Casa de Maria”, pois, nela muitos missionários são formados. Muitos homens e mulheres novos são gerados para este mundo novo, que esperamos com a Volta de Jesus.

Esta foi a primeira casa da Canção Nova onde morei. Entrei na comunidade Canção Nova em 1994, aí fiz meu ano de noviciado. Foi um ano muito especial, onde Deus começou a trabalhar em mim, trabalhando antes mesmo da minha vocação, a minha pessoa, minha história. Ele foi me restaurando, curando e libertando, para então me formar para o Carisma Canção Nova.

A Casa de Maria, é um lugar extremamente acolhedor, lugar da presença e da ação de Deus, mas também é um lugar onde a Virgem Maria está muito presente. Sua presença é presença de Mãe, que acolhe, ama, ensina, forma, corrige. Com Ela, aprendi a ser mulher de Deus, aprendi a ser feminina, dócil, discreta, paciente. Aprendi virtudes valiosas que só Maria poderia me transmitir. Maria ensinou-me a oração que agrada a Deus, a oração humilde e sincera.

Quando me recordo de todas as experiências, fazendo memória daquilo que vivi neste lugar tão místico e especial, me vem logo a lembrança de uma grande reforma que fizemos na casa e na capela. Um desafio, já que não tínhamos todo o valor necessário para a obra, todo o dinheiro nos vinha pela venda de doces nos acampamentos de oração, doces que custavam entre 0,50 e  2,00 reais. Cada moedinha foi imprescindível para esta construção e ao final de cada mês tínhamos o necessário para pagar os pedreiros e o material de construção. Vimos a Providência Divina acontecendo na simplicidade da Casa de Maria. A fé que Maria teve em Jesus nas Bodas de Caná, Ela nos ensinou, fé que se manifesta quando n’Ele confiamos.

Hoje eu me sinto filha da Casa de Maria, filha de uma Mãe tão terna e especial que me faz querer todos os dias dizer: Eu te amo Maria, és minha Mãe!

Simone Cavazzani
Consagrada CN desde 1994
fb.com/simonicavazzani @cavazzani