O que fazer quando estamos diante de Jesus na Eucaristia?

Muitas vezes nos colocamos diante de Jesus presente na Eucaristia e, envolvidos com nossos problemas e tribulações, não aproveitamos esses momentos preciosos diante de Deus Vivo. Padre Antonio Maria Claret (1807-1870), fundador dos claretianos, desenvolveu textos que nos levam a uma profunda intimidade com Deus na oração.

Deve-se fazer a oração diante do Santíssimo, por um período mínimo de quinze minutos, se possível diariamente.Adoracao ao Santissimo ComunitariaInicie sempre sua adoração procurando ouvir a voz de Jesus dizendo-lhe:

Tens algum pedido em favor de alguém?

Menciona-me o seu nome e diz-me o que desejas que Eu lhe faça. Pede muito. Não receies pedir. Conversa comigo, simples e francamente, sobre os pobres que gostarias de consolar, sobre os doentes que vês sofrer, sobre os desencaminhados que tanto desejas ver novamente no caminho certo. Diz-me a favor deles ao menos uma palavra.

E tu, não precisas de alguma graça?

Maria Isabel Canção NovaDiz-me abertamente que te reconheces orgulhoso, egoísta, inconstante, negligente… e pede-me, então, que Eu venha em teu auxílio nos poucos ou muitos esforços que fazes para te livrares dessas faltas. Não te envergonhes! Há muitos justos, muitos santos no céu, que tinham exatamente os mesmos defeitos. Mas pediram com humildade, e… pouco a pouco se viram livres deles. Tampouco deixes de me pedir saúde, bem como bons resultados nos teus trabalhos, nos teus negócios ou estudos. Posso dar-te e realmente te darei tudo isso, contanto que não se oponha à tua santificação, mas antes a favoreça. Mas quero que o peças. O que é que necessitas precisamente hoje? Que posso fazer por ti? Ah!, se soubesses quanto Eu desejo ajudar-te!

Andas preocupado com algum projeto? More »

Na simplicidade de uma criança, um grande ensinamento

Certa vez uma criança, filha de uma amiga de outra religião, me perguntou:

Patrícia Felix em adoração ao Santíssimo na Capela da Casa de Maria em Queluz– Não entendo por que você “tia” fica naquela casinha – isso é, na capela – “sozinha” como se tivesse ouvindo algo ou alguém e depois sai…

Eu sorri para ela e disse:

– Fico aguardando o brilho do sol da luz que sai daquele lugar tocar meu rosto…

– É “tia”? Aquela portinha dourada brilha? Que brilho é esse? – me perguntou a criança.

E eu respondi:

– É como o brilho do olhar, só que mais forte; vai no coração e dá alegria e consolo. Eu olho para ele e ele olha pra mim… E mesmo que eu não fale nada, ele me conhece e sabe do que preciso, e, é por isso que gosto de ali estar, pois a paz que isso me dá é incomparável.

Ela disse:

– Agora entendi! Toda vez que minha mãe disser que ali é uma portinha na parede e que não tem nada, eu vou dizer: não mãe, ali é de onde sai a paz!

Parece brincadeira mas isso aconteceu comigo. As crianças conseguem muitas vezes ver e entender o que muitos adultos não entendem.

Tenho muitos amigos e não faço distinção de religião. Respeito a todos e os amo, mas fé é algo individual e como tratamos e vivemos a nossa fé é o que faz a diferença.

Quando você estiver na Igreja, eu desejo que o brilho que sai daquele lugar, o Sacrário onde está guardado o Santíssimo Sacramento, toque o seu rosto e o seu coração.

Patrícia Felix
Missionária da Comunidade Canção Nova

Leia também:

.: Corra para onde tem a luz vermelha
por Fernando Fantini