A sadia convivência nos fundamentos da Canção Nova

Artigo de 2014 (atualizado)

Os encontros de jovens

Foi no ano de 1976, quando o Pe. Jonas conduzia a juventude da Diocese de Lorena, levando os jovens para o seu encontro pessoal com Cristo com uma vida nova no Espírito Santo.

Eu era uma entre aqueles jovens. Fazíamos os nossos retiros de fim de semana na fazenda Morada do Sol na cidade de Areias, local que fora generosamente cedido por um casal de fazendeiros, o Gandur e a Izis. Jovens de toda a região, inclusive do estado do Rio de Janeiro e Sul de Minas, vinham participar dos nossos encontros chamados “Maranatha”, “Ágape”, “Experiência de Oração” e outros.

Todos saíamos daqueles encontros inflamados do amor de Deus, com um único desejo no coração: construir o homem para reconstruir o mundo. Como costumávamos dizer: Fazer uma “Revolução Jesus”; isto é, a “Revolução do Amor”.  Com a vida nova em Cristo fazer acontecer uma sociedade nova, com novos valores. Trazíamos em nós uma sede de santidade, de mudar a face da terra com o amor e a bondade de Deus.

Foi nesta atmosfera de alegria e entusiasmo que nasceram as músicas do CD do Pe. Jonas: “O AMOR VENCERÄ”. Entre as melodias nasceu “Eu Busco um Mundo de Sol”; “A Virgem do Silêncio”.

Acreditávamos que Deus reservava para nós algo novo, inédito, que não podíamos calcular, também na área dos relacionamentos masculino e feminino.

.: Como é ser celibatária(o) no carisma Canção Nova?

.:Homem, seu primeiro chamado é ser de Deus

Foto: Arquivo/CN

A sadia convivência

Pe. Jonas falava muitas vezes do exemplo de Clara e Francisco, que mostraram ao mundo, que em Deus é possível viver a castidade e a pureza de vida, e que era isto exatamente que o Senhor queria de nós.

Foi em um Maranatha de rapazes que ele compôs a musica “Tema de Clara e Francisco”. Pe. Jonas trazia o exemplo da cana e do álcool. É da cana que sai o álcool. Porém para se chegar ao álcool, a cana tem que passar por muitos processos. Ela tem que se deixar passar pela moenda muitas vezes, vira bagaço, fermenta, vai se deixando destilar até chegar ao álcool puro.

Assim também Deus ia fazer conosco se nos submetêssemos a Ele. Deus estava fazendo conosco o que Ele queria fazer com muitos jovens e adultos: a experiência de viver a santidade nos relacionamentos, a partir da pureza e da transparência uns com os outros; do deixar-se transformar pela ação do Espírito Santo na própria afetividade, sexualidade, na sua história pessoal de vida. Isto, para que o amor de Deus, curando a nossa humanidade, nos permitisse conviver santamente como Clara e Francisco, e muitos outros santos que a nossa Igreja testemunha.

Em 1977, ele lançou o apelo para os jovens que o acompanhavam: “Quem estava disposto a dar um ano da sua vida para viver em comunidade para evangelizar”? Eu, como sempre conto, vencendo os meus medos, dei finalmente o meu “sim”; e no dia 2 de fevereiro de 1978, eu estava entre os 12 primeiros que aceitaram o apelo de Deus: moças e rapazes, homens e mulheres, agora vivendo juntos em comunidade, em união fraterna em vista de uma Missão. Homens e mulheres trabalhando juntos, realizando juntos o carisma de inflamar o mundo em Jesus Cristo.

Foi assim que começamos a experimentar de maneira prática a graça do masculino e o feminino vividos juntos numa sadia convivência.

Deus nos deu uma riqueza, uma pérola preciosa: o respeito uns pelos outros, o amor fraterno, a nossa vida de oração juntos e o nosso trabalho santificado, que nos faziam e nos fazem portadores desta bênção para a sociedade em que vivemos. Somos homens e mulheres em contínua conquista da castidade e da pureza de vida. Para a Igreja e para o mundo de hoje isto é um vigoroso sinal. Com simplicidade e gratidão aceitamos viver este desafio!

Luzia Santiago
Co-fundadora da Comunidade Canção Nova