Deus está te chamando para esta Comunidade

Quando experimentamos o Amor de Deus não queremos outra coisa a não ser persegui-Lo pra sempre, testemunha missionária.

Meu nome é  Patrícia Coêlho Costa, tenho 36 anos, natural de São Luís – MA, sou membro da Comunidade Canção Nova desde 2007, e atualmente moro em Cachoeira Paulista, SP.  Hoje partilho com você um pouco da minha história vocacional: 

Sou a primeira filha dos meus pais, deles tenho mais um casal de irmãos. Meus pais se separaram quando eu tinha 12 anos, esse acontecimento foi o mais doloroso da minha história, e junto com ele vieram situações e dificuldades que hoje posso dizer que foi Deus que nos guardou como um Pai Amoroso. Meus pais tiveram os motivos deles para a separação, não os julgo por isso, mas com a saída do meu pai de casa, eu sendo a filha mais velha, acabei assumindo o lugar dele, e sendo ainda mais a companhia da minha mãe.  

Aos 12 anos também foi a minha primeira comunhão, só que até então, eu não tinha consciência de que naquele ano eu recebia Jesus Eucarístico, pois a minha catequista na época me ‘ensinou’ que a Eucaristia era apena um pedaço de pão e um pouco de vinho que era servido na Missa como uma refeição. Então, foi assim que eu O recebi a primeira vez até o meu Encontro Pessoal com Jesus. 

O Encontro com o Amor de Deus

Antes de encontrar-me com  a pessoa de Jesus, encontrei-me com o Amor do Pai, que após uma pregação num grupo de oração na minha paróquia, me disse com todas as letras através de uma música: “Ninguém te ama como eu”. Isto aconteceu quando eu estava com 17 anos. Quando experimentamos o Amor de Deus não queremos outra coisa a não ser persegui-Lo para sempre.  Não recordo o dia e mês exatos deste encontro, só lembro que a partir daquele ano (2000), minha vida ganhou Sentido, e não soube mais viver sem esse Amor.   

Após aquela sumida das coisas da Igreja depois do Crisma, em 2001 eu voltava como catequista. Lá na catequese eu conheci duas senhoras que eram membros do Grupo de Oração Nossa Senhora do Espírito Santo, da Renovação Carismática Católica, da minha paróquia. Comecei a participar das reuniões do grupo e Deus foi trabalhando no meu coração o perdão que eu precisava dar ao meu pai, por causa da separação.

Em setembro de 2002, aconteceu o meu Batismo no Espírito Santo e uma nova etapa se iniciou na minha história. A espiritualidade e a convivência com aquelas pessoas do grupo de oração me fazia desejar a cada dia ser mais de Deus, fui mudando meu jeito de vestir, de ser em casa, fui sendo transformada de dentro pra fora. Em novembro do mesmo ano participando de um Retiro pra Jovens vivi uma experiencia profunda com Jesus Eucarístico numa adoração e recebi o ministério de intercessão.

Em 2004 fui eleita coordenadora daquele Grupo de Oração, e foi esse o ano que Deus fez brotar o Carisma em mim. Eu estava com 21 anos, e fui a primeira jovem a coordenar aquele grupo, com a maioria dos membros mais antigos. Por ser a mais jovem, os membros do núcleo me aconselharam a ir interceder no ministério de cura e libertação para ajudar um Ministro de Cura que estava sem intercessora, ele era um bom formador e iria me ajudar com as realidades do grupo de oração. Aceitei e fui. 

Arquivo Pessoal – Patrícia Coêlho Costa

O encontro com o Carisma

Aquele senhor, foi o canal de Deus para que eu me encontrasse com o Carisma Canção Nova, pois a sua conversão aconteceu através do Padre Jonas Abib, fundador da Comunidade, e foi ele quem me falou pela primeira vez do Padre Jonas e da Canção Nova, ele me emprestava as pregações em fita cassete, os livros, foi ele quem me fez sócia evangelizadora e tudo o que ele tinha de material formativo foi me emprestando. Eu fui ‘devorando’ tudo, pois de fato eu tinha fome e sede de me aprofundar e quanto mais eu me alimentava do Carisma, mais eu tinha necessidade dele.  

Na minha casa não tinha como assistir a Canção Nova na TV nem acompanhar pela rádio, então eu anotava tudo num caderno, lembro da pregação que mais me tocou e que eu chorava sem saber o que estava acontecendo, o nome dela era ‘Deus Proverá’, onde o Padre Jonas conta os inícios da Comunidade, quando ele falava eu chorava bastante, parecia que ele falava de mim…

Um dia, mudando de canal parei em um que estava transmitindo um Show, com o título: “Cristo é o Show”, eu fiquei curiosa pra saber que Show seria aquele na TV, e fiquei assistindo, aí o apresentador diz assim: “Com vocês, Padre Jonas Abib!” E o Padre entrou cantando… quando eu ouvi a sua voz eu reconheci, era o mesmo das pregações que eu ouvia. Foi a primeira vez que o vi. Daquele dia até quando não pegou mais na TV eu acompanhava aquele canal, e anotava todas as pregações que eu ouvia. 

Deus também está te chamando 

No dia 02  setembro de 2004, era uma quinta-feira, eu estava saindo de casa para ir para o plantão de atendimento de oração que acontecia toda quinta, quando o ministro com quem eu trabalhava me ligou dizendo que estava doente e que já havia cancelado o plantão.  Como eu nunca tinha ido na casa dele e ele estava doente, me ofereci para fazer uma visita. Estando na casa dele, após rezarmos, fui convidada para o almoço e depois do almoço para assistir na TV uma Missa na Canção Nova. Ele insistiu comigo, pois queria que eu conhecesse o padre que iria presidir a celebração, o Padre José Augusto. 

Quando começou a Missa eu sentia que estava lá no Rincão junto com aquelas pessoas.  Na homilia o Padre José Augusto falava sobre o chamado de Pedro, e dizia olhando para a TV: “Deus também está te chamando, mas você precisa dar uma resposta a Ele”, era comigo que ele falava… Quando terminou a Missa, o senhor estava  me olhando e me perguntou o que havia acontecido, e eu não soube explicar… Só sei que eu participei daquela Missa como nunca havia participado. 

Ele dizia: “Deus está te chamando para esta Comunidade, escreve pra eles”, e eu dizia: “Não, não é isso! Eu, daqui de São Luís para a Canção Nova? É grande demais pra mim! Não é isso!”

Conheça a história de outros membros:

:: Eu deixava tudo para estar no PHN

:: Deus é capaz de “fazer novas todas as coisas”

A hora da Resposta

Só que a partir daquele dia não tive mais “paz”, as palavras do padre e daquele senhor se repetiam constantemente no meu coração e na minha mente. Rezei muito, relutei, sentia que realmente Deus me chamava, mas deixar a minha família… Em um dia de oração eu questionei a Deus se para servi-Lo eu precisava deixar a minha casa, pois na minha paróquia eu já era coordenadora de grupo, catequista, membro da pastoral da comunicação, voluntária em uma creche, intercessora no grupo e no ministério de cura…

Foi então que o Senhor colocou em meu coração: Mateus 19,29, peguei a Bíblia e fui procurar a passagem, quando abri caiu exatamente na página desta passagem e os meus olhos foram exatamente no versículo 29 que dizia: “E todo aquele que por minha causa deixar irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos, terras ou casa receberá o cêntuplo e possuirá a vida eterna”

Deus era cada dia mais claro em relação a minha vocação, então no dia 31 de dezembro de 2004 eu enviei a minha carta (na época pelo correio) para a Canção Nova em Cachoeira Paulista. Com 15 dias recebi a resposta. Em 2005 comecei o caminho vocacional pela frente de missão de Palmas – TO, há 22 horas da minha cidade; em setembro de 2006 vim a primeira vez para Cachoeira Paulista para fazer o encontro Pré-pertença, depois em novembro fiz o Pertença  e entrei para a Comunidade no dia 05 de agosto de 2007. 

Não tenha medo de dizer sim a Deus!

Ainda tenho muita história pra contar, mas fica para outra oportunidade, pois nesses 12 anos de vida consagrada a Deus na Canção Nova, Ele já fez muito na minha vida, inclusive a descoberta do meu estado de vida, o celibato pelo Reino dos Céus (“Escolhendo o celibato, a pessoa renuncia a uma forma de viver a sexualidade, para se entregar a Deus “com um coração indiviso– CIC, 2349). 

Mas, digo a você que se dispôs a conhecer um pouco da minha história vocacional:  Não tenha medo de dizer sim a Deus! Vale a pena investir a vida na missão de evangelizar, pois esse Amor com que Ele nos ama precisa chegar a muitos outros corações que ainda não O conhecem, e em Sua bondade e misericórdia, Deus se faz precisar de nós para alcançá-las. Quem sabe você também faz parte desta família. Tenha a coragem, dê a sua resposta, Deus também está te chamando!

 

Patrícia Coêlho Costa

Comunidade Canção Nova