Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus

Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo os seus desígnios”. (Rm 8,28)

Olá querido amigo, vocacionado e simpatizante da Canção Nova.  Destes dias em casa de quarentena, posso dizer que vi, li e ouvi muita coisa. Desde os noticiários aterrorizantes e assustadores, memes engraçados e de humor negro, piadas em áudio, vídeos e fotos dos mais variados possíveis. Eu amo esse povo brasileiro, criativo mesmo nos tempos de grande crise mundial, e ainda conservar uma esperança e uma capacidade de superação impressionante. Se isso é do ser humano em geral, posso dizer que o brasileiro herdou uma porcentagem a mais do Deus Criador. 

Quando Deus pensou o território brasileiro… ele deu um jeitinho de colocar um povo feliz, um povo que responde a quem pergunta se está tudo bem:  “Tudo bem, graças a Deus”. Além desta peculiaridade as vezes até um pouco superficial de nossa parte, para não entrar em detalhes dos nossos sofrimentos, olhemos nestas poucas linhas, para a nossa situação atual. Tem gente reclamando, com certeza… nossos pais e avós que não aguentam mais ficar em casa… algumas mães estão enlouquecendo com seus filhos, e dependendo o marido também está de quarentena, e talvez a sogra, o sogro, sem contar os cães, gatos, papagaios, tartarugas, peixes… enfim, todo mundo em casa! Ninguém sai até segunda ordem.

Uma frase sempre me acompanhou na minha vida e creio que ela pode iluminar a nossa reflexão,  está em Romanos 8, 28: “Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo os seus desígnios” Eu acredito que no meio de tudo isso, esta palavra de Deus, que afirma que Tudo concorre para o bem, não exclui nenhum item da condição humana, ferida pelo pecado e sujeita a caducidade. 

Foto: Arquivo Pessoal (Cris Monteiro)

Tempo favorável para desenvolver um maior relacionamento com Deus

Aqui na Canção Nova de Cachoeira Paulista, estamos seguindo as ordens de quarentena: todos em casa. Funcionam poucos serviços e com as cautelas necessárias.  Aproveitamos para ler, aprofundar a Palavra de Deus, rezamos juntos ou particular, aproveitamos para ter um devido descanso, e acima de tudo cultivar a amizade com Deus. Não podemos ir a Igreja, participar da missa como gostaríamos, mas o coração está em Deus.  Ele está perto da pessoa que o invoca (Sl 145, 18).

Estamos certos que nem mesmo a privação dos sacramentos, nos pode separar do amor de Cristo (Rm 8, 35-36). Nos unimos a Ele, o invocamos e acreditamos que Ele está conosco até os fins dos tempos (Mt 28, 20b). Isso se chama fé na Palavra do Senhor que não falha jamais. Nestes dias seria muito importante, mais que dar crédito às palavras que andam dizendo nos meios de comunicação, ter mais confiança e por a nossa fé na Palavra de Deus. Pedir ao Espírito Santo que Ele nos ajude a ler os acontecimentos do tempo presente com o olhar da fé, enfim como um verdadeiro Cristo. Então o primeiro ponto positivo nesta quarentena: crescer na amizade com Deus. 

Aprofundar os relacionamentos de amizade e fraternidade

Um outro aspecto importante é avaliar a qualidade do amor com que vivemos os nossos relacionamentos humanos. Acho que pra todos, em menor ou maior grau evidenciaram-se algumas coisas bem importantes, e que estando em casa, nos faz pensar, ou pelo menos deveria nos levar à uma reflexão profunda do nosso ser cristão dentro de casa, com quem nos conhece e somos conhecidos. Em geral, quando estamos por mais tempo juntos, podem surgir algumas tensões e as diferenças se  acentuam.

A prova de fogo, vai ser estar assim tão juntinho, e ver como de fato estamos amando e até medir a delicadeza do coice de cavalo, ou seja, o modo como tratamos as pessoas que dizemos de amar. Pior vai ser descobrir que o seu familiar, é exatamente a última pessoa que você levaria com você numa ilha deserta… então cabeça pensante: dá uma olhada nas suas relações e veja as suas dificuldades de relação e tenha a coragem de dar passos no amor.

O Espírito Santo nos auxilia nesta via de purificação. Aprender a amar é um passo de maturidade que podemos dar em direção aos nossos irmãos, amigos e familiares. Será que podemos dar a vida por cada um deles?  Segundo ponto positivo da quarentena: crescimento no amor aos irmãos e familiares. Isso não vem de improviso, isso se cultiva na experiência dura de amar e ser amado, do dar e do receber perdão de encontrar elementos essenciais e não somente o que nos divide e separa. Exercício pra vida toda e uma oportunidade enorme na quarentena. 

Minhas aspirações e esperanças 

Estes dias de trevas desmascarou a minha covardia perante a morte. Eu quero ver a Deus.. mas parece que nem penso em fechar os olhos. Conceitualmente temos presente que a vida plenamente em Deus, que é o objeto da nossa esperança, não se pode ver com os olhos da carne. Como Cristãos, almejamos o céu, mas sem passar por nenhuma morte.  O simples fato de pensar em pegar uma doença que poderia nos levará a morte, é já um desespero. Talvez seja porque não estamos preparados para morrer.

Antigamente se pensava mais na morte, como possibilidade de todo o ser vivo. Hoje não falamos mais a respeito e quase ninguém se prepara para este dia. Vive como se a sua vida terminasse aqui na terra. Vamos acordar, pois aqui não é a nossa cidade permanente, temos a Jerusalém celeste, mais linda e formosa e livre dessa corrupção generalizada. A terra prometida existe, mas não pertence a esta realidade humana! Um lugar foi preparado para cada uma de nós. Isso professa  a nossa fé e é objeto da nossa esperança. 

Se há alguns dias, pensávamos de construir nosso império de riquezas e futilidades, acordemos desta paranoia, pois o nosso futuro não vai ser aqui, neste mundo meu querido irmão. Isso não significa abster-se de nossas responsabilidades, mas como nos diz a palavra de Deus: “O tempo oportuno abreviou-se. Então, que, doravante, os que têm mulher, vivam como se não tivessem; e os que tiram proveito deste mundo como se não aproveitasse, pois passa a figura deste mundo”(I Cor, 7, 29.31). 

A Bíblia é cheia de episódios que mostram claramente o triunfo do bem, diante de situações humanas totalmente desfavoráveis. Vejamos alguns exemplos para iluminar a nossa reflexão.  Comecemos pelo pecado de Adão e Eva, o que ele trouxe de bem? Na vigília pascal vamos cantar: “Oh pecado de Adão indispensável, pois o Cristo o dissolve em seu amor; ó culpa tão feliz que há merecido, a graça de um tão grande Redentor”.  

Tempo de Conhecer mais o Senhor

A venda de José, aos mercantes do Egito, gerou no futuro um bem enorme a todos os povos, inclusive a sua família. Deus ampliou o horizonte de José, mesmo diante daquela injustiça cometida por seus irmãos.  Outro episódio surpreendente no início da Igreja. A Igreja perseguida nos Atos dos Apóstolos 8, 1b 11, 19-21 causou a dispersão, e assim os cristãos da Diáspora levaram a Palavra de Deus em todo o mundo então conhecido. 

O escândalo do Calvário, em um Cristo morto por causa de nossos pecados, trouxe a tona o evento mais maravilhoso de toda a história. O triunfo de Cristo sobre a morte e o pecado, deu gratuitamente a cada um de nós acesso ao Pai, nos tornou filhos nos Filho. Esta maestria de Deus, de tirar um bem de cada situação absurda humanamente falando, é o modo dele trabalhar na história. 

Agora não é possível colher todos os frutos deste tempo, mas vivamos da melhor maneira o tempo presente que nos é dado. Este contexto atual no qual cada pessoa vive é o lugar da manifestação de Deus. Como Santo Agostinho, tenhamos o santo temor deste Deus que passa com a sua graça e a exemplo de Paulo, um dia possamos dizer: a sua graça em mim, não foi em vão (I Cor, 15, 10).   Portanto meus queridos irmãos, “conheçamos, persigamos o conhecimento do Senhor. Como a aurora é certa a sua manifestação (Os, 6, 3).