WhatsApp Image 2017-03-21 at 20.10.45

Arte e Foto: Wallace Andrade

Exercitar a arte que existe em cada um de nós não é algo fácil de se cumprir num dia a dia tão corrido e tão cheio de tarefas. Descobrir que talentos estão processados em nosso DNA e fazer com que eles venham pra fora, requer muito empenho, muito esforço e principalmente muita coragem. É preciso vencer a timidez que nos cerca, as incertezas que assombram nossas capacidades e as críticas que chegam e são capazes de nos alavancar ou nos derrotar pra sempre na trilha que nos propomos a seguir. Antes de saltar o abismo entre a teoria e a prática, nessa arte de viver, é necessário parar e lembrar de onde venho e o que me motivou a chegar aqui. Ser um artista da música, das esculturas, da pintura, do desenho ou da literatura é como reunir os fragmentos recortados ao longo da vida e extrair deles o melhor perfume, a melhor essência daquilo que o criador produziu e instalou em cada um de nós. Fragmentos de uma história iniciada nas primeiras canções que o ouvido captou, nos primeiros bonecos de barro que nasceram entre os pequenos dedos no quintal de terra, nas primeiras “pastilhas coloridas” da aquarela ou tinta guache, na primeira casa com chaminé no cantinho do papel, ou na primeira redação que fomos obrigados a ler em voz alta na frente dos colegas. São como um grande quadro de mosaico em que vamos recolhendo na nossa estrada exclusiva, as raridades em forma de “cacos”. É claro que tem gente que não valoriza os pedaços de alegria e fraternidade, propostos pelo momento, e logo esquece das riquezas achadas no caminho. Afinal os fragmentos da vida são como flores que desabrocham e enchem os olhos de quem as descobre. É claro que tem gente que só fica na beleza e no colorido das pétalas, que ao longo dos dias, se desbotam e despedaçam. Só os mais atentos guardam pra sempre o perfume que ela exalou antes de desaparecer. Os fragmentos da vida são como uma bela canção conhecida e que te leva a cantar com entusiasmo, só pelo fato de lembrar toda a letra e encher o peito pra soltar a voz. Só que os mais sensíveis guardam pra sempre os sorrisos e emoções que os acordes provocaram aos corações. Os fragmentos da vida são como uma grande tempestade que se forma, com vento forte, raios e trovões. Todo mundo corre pra fechar bem as portas e janelas. Desligar os aparelhos eletrônicos e torcer para que ela vá logo embora e pare de causar medo. Só os admiradores de toda a criação são capazes de abrir os olhos com o clarão e assistir ao espetáculo do raio que rasga o céu. Não tenha medo de catar os cacos, de cheirar as flores, de cantar seu canto e admirar os relâmpagos. Não tenha medo de ser aquilo que Deus quer… de colecionar bons amigos, de juntá-los em sua memória e levá-los sempre ao coração. Afinal a vida é feita de fragmentos e todos eles fazem parte de uma única história, que pode ser a sua!

Deus abençoe!

WallaceAndrade
Missionário e Jornalista
Comunidade Canção Nova
@WallaceAndrade9

 

WhatsApp Image 2017-03-15 at 22.23.57

Foto: Valéria Martins Andrade

A vida sempre ganha contornos diferentes do planejado, onde colocamos nossas metas e sonhos, sem que questionemos se é mesmo esse o melhor caminho a seguir, a melhor decisão a tomar. Se ao menos executássemos o básico, no início de cada projeto pessoal, acertaríamos muito mais e sofreríamos muito menos. Ao longo dos últimos dez anos, tenho observado o vai e vem de pessoas do meu convívio. Gente que chega com a bagagem cheia de pequenos pacotes. Todos rotulados e etiquetados com desejos íntimos, exclusivos, inteiramente pessoal. E a medida em que vai tendo a oportunidade de abrir seus pacotes para que todos conheçam seus conteúdos, cria uma grande expectativa quanto a reação que os curiosos expectadores vão ter ao descobrir o que cada pacotinho de sua mochila tem. Mas nem sempre a reação do outro é a esperada por cada um de nós. E aos poucos os sonhos escritos à lápis começam a se desmanchar. Sempre queremos mais das pessoas e oferecemos bem menos a elas. Sempre apostamos bem mais em nossos sucessos, que nos empenhemos para que eles aconteçam. Sempre exigimos mais de uma recente amizade, do que oferecemos aos velhos amigos. E assim vamos usando o látex extraído da seringueira e prensado em pequenas formas, ao qual chamamos de borracha, para apagar nossos sonhos e desenhar novas metas pessoais. É claro que ninguém quer ser criticado ou corrigido! Nessa estrada de meio século, que tenho caminhado, ainda não vi uma só alma capaz de aceitar um conselho ou correção, sem desconfiar ou duvidar de quem o faz. Dia desses vi mais uma página da minha lista dos que entram e saem da minha vida, ser virada. Alguém que chegou com toda uma ideia formatada em seu coração e no crepitar da chama foi descobrindo a certeza de que deu muito crédito ao seu projeto pessoal, e se esqueceu de conversar com quem verdadeiramente cria esse e de tantos outros projetos que nasceram um dia em nós. Era esse o tempo certo de buscar esse sonho? Era esse o jeito certo de escrever em letras garrafais: TENHO CERTEZA QUE AGORA É ISSO!. O tempo e os atritos das pedras no mesmo saco, vão mostrando, aos poucos que não. Então não se tem mais forças pra insistir e só te cabe desistir daquele que era seu sonho, mas que não foi sonhado junto com Deus. Sonhos que sonhamos sem o consentimento e a participação Dele, serão sempre sonhos escritos à lápis.

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Missionário e Jornalista  
Comunidade Canção Nova
@WallaceAndrade9

 

 

 

 

violao-10-e1359411480410Não tem como pensar em música sem lembrar como e onde começou nossa musicalidade. Um acampamento como o que vai acontecer nos dias 10, 11 e 12 de março, na Canção Nova em Cachoeira Paulista-SP, é sempre uma boa oportunidade de se reciclar na música litúrgica, rever bons amigos e fazer novas amizades. Mas acima de tudo, um encontro como esse, serve para rever nossa espiritualidade musical. A Canção do Espírito precisa estar entranhada em nossos acordes e nos levar e levar que nos ouve a um novo batismo no Espírito Santo. Num acampamento assim podemos ter a certeza e confirmação de que Deus nos deu um ministério de música, uma missão, que precisa ser cumprida com alegria e determinação. Ainda lembro dos acordes do meu papai aos pés de minha cama, mostrando que Deus tinha algo pra mim, pois aquele dedilhar me fazia sentir vontade de também tocar. Hoje, quase meio século depois, vejo que foi ali naquele quarto de telha lajota, que meu ministério começou a ser formado. Pelo sorriso e dedicação de sr. Adolpho. Um sapateiro caprichoso, servo fiel à Igreja São Benedito, em Campos dos Goytacazes-RJ, e amante da boa e bela música católica. Obrigado meu pai, pois hoje continuo aquilo que um dia o Senhor te inspirou a começar em mim. Obrigado meu Senhor, por me permitir fazer parte do Ministério de Música Canção Nova e poder sempre relembrar que sem sua presença, não posso seguir, pois os dons que tenho, são empréstimos do Senhor e a continuidade deles em mim só depende de minha fidelidade e disponibilidade em servir a sua santa igreja. Um ótimo acampamento de músicos à todos. Nos encontraremos lá!.

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
@WallaceAndrade9

IMG_20161125_082703512_HDR

Foto: Wallace Andrade – margem direita do Rio Paraíba do Sul

Seguir por caminhos desconhecidos sempre gera insegurança e incertezas. Afinal não se sabe onde pisa e o que é possível encontrar nesse chão de novidades. Se depositamos nesse trecho da estrada, apenas nossos conhecimentos e habilidades humanas, corremos o risco de fracassar e não completar toda a trilha. Se carregamos na mochila de nossas sensações, excesso de confiança, falta de zelo e desatenção, certamente vamos nos arrebentar por completo numa das curvas inéditas desse trajeto. Trafegar o desconhecido é exercitar muitos sentimentos. Um deles é o desprendimento, onde os que vêem atrás, já experientes nessa rota, vão pressionar e tentar fazer com que seja mais rápido, sem se importar com sua falta de experiência nessa fenda aberta entre os morros, e mesmo assim serás capaz de manter a calma, o ritmo e a cadência sem correr riscos desnecessários. Outro sentimento a ser testado nessa parte da estrada é o desaceleramento. Quando não se tem pressa e segurança pra vencer o percurso em tempo recorde, temos a coragem de até mesmo parar para observar mais as riquezas da natureza. As pedras que se tornaram visíveis após a chuva da noite anterior. Até descobrimos o autor daquele o canto afinado no galho das árvores. Numa rota dessas, sem pressa somos até capazes de entender porque o verde da caixa de lápis de cor tem tanta variação de tons. E sem a correria a que somos convidados a viver todos os dias de nossas vidas, também conseguimos ter a percepção de quanto o outro é importante para mim. Afinal, só sigo nessa estrada agora, porque alguém veio primeiro, a minha frente, para demarcar o caminho e traçar a rota certa que me leva ao destino tão esperado. E mesmo se o céu não estiver azulzinho como planejei ver, terei olhos para o cinza do horizonte, capaz de me acalmar e confirmar em mim, que lá está o fim da estrada e o começo do meu alívio. Afinal, seguir por caminhos desconhecidos sempre gera insegurança e incertezas. Mas aqui descubro que segurança que vem do alto sempre vai gerar em mim a certeza de que nunca estarei desprotegido e sozinho!

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com

Foto1060Fragilidade na solidez da vida nem sempre significa fraqueza! O que seria desse mundo tão cheio de crueldades e atrocidades, se só tivéssemos olhos para o concreto, o sangrento, o cruel? Sempre que vejo alguém capaz de contradizer os rótulos e idéias pré-definidos da vida e que tem a coragem de expôr sua verdade… Sempre que vejo alguém que é capaz de pensar com os próprios neurônios, mesmo que esteja cercado de recursos eletrônicos…Sempre que vejo alguém que não se permite ser controlado por quem dita moda, jeitos e trejeitos de pensar e agir,… acredito que ainda é possível sentir o perfume da poesia. Falo da poesia que salva os esquecidos, os desatentos, os influenciados e os tentados a seguir a onda da modernidade, sem ao menos calcular onde essa marola vai parar. Quando, em algum momento de nossa vida, somos lançados pra fora do aquário, temos a chance de descobrir que nem por isso vamos morrer por falta de pedrinhas coloridas que decoram o fundo e que nem por isso vamos morrer por falta de água limpinha e filtradinha. Fora do aquário descubro um rio caudaloso e cheio de obstáculos. E mesmo com forte correnteza, terei sempre ajuda de verdade pra nadar contra ela e chegar onde preciso, É claro que a fragilidade passa, desintegra, desaparece muito antes que a solidez, robusta, dura, fria e sem vida. Mas enquanto vive, a fragilidade cumpre o papel de dar cor e perfumar… de dar vida e sentido, onde foi plantada. Enquanto a solidez vai permanecer ali, sempre cinza, sempre dura e sempre sem atrativos, fadada ao abandono, ao limo da chuva e as rachaduras que a falta de flexibilidade e de desprendimento causam. O melhor de tudo é que ao contrário da flor, que nasce frágil e do concreto, que nasce sólido, e morrem do mesmo jeito, eu posso mudar do sólido para o frágil ou do frágil para o sólido. A escolha será sempre minha e as consequências…. também!!!

Deus abençoe!

Wallace Andrade
Comunidade Canção Nova
wallace.andrade@cancaonova.com