A verdadeira amizade é aquela que te ensina o caminho do Céu! 

Nossas amizades precisam ser frutos da Amizade com Jesus Cristo.

Hoje em nosso estudo sobre a Carta aos Jovens, Exortação Apostólica Christus Vivit, no capítulo V, quando o Santo Padre nos fala sobre os ‘Percursos de Juventude’, ele destaca um tema muito importante nesta caminhada de busca de Santidade: nossos relacionamentos de amizade como fruto da nossa Amizade com Cristo. 

Toda amizade passa por fases, basta pensar nos amigos que você tem: Sabe aqueles que você pode contar em todas as horas, que te conhecem mais do que você mesmo se conhece? Aqueles que você sabe que pode ser você mesmo e não ser rejeitado? Aqueles que não tem medo de te corrigir? Que não precisam dizer toda hora que te amam, mas que são capazes de dar a vida por você? Sabe aqueles que são capazes de tirar o melhor de você quando o que você tem a oferecer é o seu “pior”? 

Nada se pode comparar a um amigo fiel

A amizade é um presente da vida e um dom de Deus. Através dos amigos, o Senhor purifica-nos e faz-nos amadurecer. Ao mesmo tempo, os amigos fiéis, que permanecem ao nosso lado nos momentos difíceis, são um reflexo do carinho do Senhor, da sua consolação e da sua amorosa presença. Ter amigos ensina-nos a abrir-nos, a compreender, a cuidar dos outros, a sair da nossa comodidade e isolamento, a partilhar a vida. Por isso, «nada se pode comparar a um amigo fiel, e nada se iguala ao seu valor» (Sir 6 , 15). (Christus Vivit, n. 150)

A amizade não é uma relação fugaz e passageira, mas estável, firme, fiel, que amadurece com o passar do tempo. É uma relação de afeto que nos faz sentir unidos e, ao mesmo tempo, é um amor generoso que nos leva a procurar o bem do amigo. Embora os amigos possam ser muito diferentes entre si, há sempre algumas coisas em comum que os leva a sentir-se próximos, e há uma intimidade que se partilha com sinceridade e confiança (Christus Vivit, n. 150).

foto criado por freepik – br.freepik.com

Já não vos chamo servos, mas amigos.

Não consigo imaginar uma vida sem amigos… Mas, os amigos que temos e a amizade que cultivamos com eles nunca podem substituir a nossa amizade com Cristo, e esta Amizade precisa ser muito mais cultivada, pois fora Dela corremos o risco de nos afastarmos do essencial: Deus. A verdadeira amizade é aquela que te ensina o caminho do céu. Ser amigo é ser sinal concreto da presença de Deus na vida do outro!  

É o próprio Jesus, quem nos ensina o que é ser amigo: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de meu Pai.” (Jo 15,13-15).

A amizade com Jesus é indissolúvel. Nunca nos deixa, embora às vezes pareça calado. Quando precisamos d’Ele, deixa-Se encontrar por nós (cf. Jr 29, 14), e está ao nosso lado para onde quer que formos (cf. Js 1, 9). Porque Ele nunca quebra uma aliança. A nós, pede-nos para não O abandonarmos: «Permanecei em Mim, que Eu permaneço em vós» (Jo 15, 4). Mas, se nos afastarmos, «Ele permanecerá fiel, pois não pode negar-Se a Si mesmo» (2 Tim 2, 13). (Christus Vivit, n. 154)

Mais sobre a Christus Vivit:

::  A vontade de viver e experimentar

:: Ninguém tem o direito de te roubar a esperança

:: Precisas de amor? Buscas intensidade?

Com o amigo, conversamos, partilhamos as coisas mais secretas. Com Jesus, também conversamos. A oração é um desafio e uma aventura. E que aventura! Permite que O conheçamos cada vez melhor, entremos no seu mistério e cresçamos numa união cada vez mais forte. A oração permite-nos contar-Lhe tudo o que nos acontece e permanecer confiantes nos seus braços e, ao mesmo tempo, proporciona-nos momentos de preciosa intimidade e afeto, onde Jesus derrama a sua própria vida em nós. Rezando, «abrimos o jogo» a Ele, damos-Lhe lugar «para que Ele possa agir, possa entrar e possa vencer». (Christus Vivit, n. 155)

Nestes parágrafos da Cristus Vivit o Papa Francisco nos chama a vivermos uma amizade cada vez mais profunda com Jesus, para que as outras amizades que temos sejam reflexo deste relacionamento com Ele.  Assim, é possível chegar a experimentar uma unidade constante com Ele, que supera tudo o que possamos viver com outras pessoas: «Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim» (Gal 2, 20). Não prives a tua juventude desta amizade. Poderás senti-Lo a teu lado, e não só quando rezas. Reconhecerás que caminha contigo em todos os momentos. Procura descobri-Lo e viverás a experiência estupenda de saber que estás sempre acompanhado(Christus Vivit, n. 156). 

 

Patrícia Coêlho Costa

Comunidade Canção Nova