Você nunca vai poder dizer eu estou pronto, se não você não se preparar para estar pronto.

                  Advento é um tempo de preparação. Nós nos preparamos para celebrar a primeira vinda de Cristo nesse mundo. Nós também precisamos estarmos prontos para Sua segunda vinda no fim dos tempos…Ou ao final de nossas próprias vidas. Durante o Advento, nós devemos estar prontos para MORRER.

                  Estamos chegando no tempo do ano onde todos devemos estar prontos para os exames finais, para os fechamentos, para teses, para publicações finais, de tudo aquilo que é para nós encerramento do ano, precisamos estar prontos para esse tempo, eu pergunto, vocês estão prontos?  Você estará pronto se realmente estiver pronto.

                  Existem duas razões para este questionamento em termos de Advento: – Em primeiro lugar celebrar a primeira vinda de Jesus e a segunda, a Segunda Vinda de Jesus. Devemos estar prontos para a Segunda Vinda. Estar pronto significa muito mais do que apenas essas palavras expressam. Jesus virá ainda na vida de todos nós. Por que? Porquê todos morreremos, até o presente momento pela ciência eu garanto que todo ser humano morrerá! Para nós Cristão Católicos cremos que  nós morreremos e encontraremos Jesus. Precisamos estar pronto para MORRER!

                  Todos nós, assim como nos preparamos para as provas finais, para o encerramento do ano, devemos nos preparar para morrer. Bronnie Ware, é uma enfermeira de pacientes terminais na Austrália. Ela escreveu um livro chamado: ANTES DE PARTIR, OS CINCO PRINCIPAIS ARREPENDIMENTOS ANTES DE MORRER. Nesse livro ela relata sua experiência e resume as cinco maiores queixas: – Eu deveria ter a coragem de fazer as coisas que eu desejasse e não o que os outros desejassem que eu fizesse. Eu deveria não trabalhar tanto. Ter a coragem de expressar meus verdadeiros sentimentos. Eu deveria estar mais próximo dos meus amigos e por último Eu deveria me fazer mais feliz.

                  Essa lista é extremamente patética. Todos esses arrependimentos são totalmente desnecessários e evitáveis. Todos nós sabíamos que essas coisas viriam e não fizemos nada para evitar ou nos prontificar  para combatê-las.

                  Nesta primeira semana  do Advento estamos nos preparando com as Leituras dizendo que as forças do céu se estremecerão. Nós que vivemos pela Palavra sabemos que quando esses sinais aparecerem será o sinal da Segunda vinda do Senhor e muitas delas já estão ocorrendo. Nós vivemos num mundo aterrorizado pela Morte, porque não estão preparados. Para alguém preparado a morte é apenas uma mudança, para um homem uma mulher de fé, é uma redenção.

                  Jesus alerta a todos sobre o coração que não está preparado, ou seja, que está com o coração endurecido por GULA, PREOCUPAÇÃO E EMBRIAGUEZ. Essas três coisas estão ligadas ao que herdamos com o pecado original. A primeira coisa é que nós vemos as coisas mas não totalmente como elas são. Nós temos desejo mas esse desejo é fraco. Segundo é concupiscência o que é , a atração pelo pecado. A terceira coisa é viver sempre antecipando as coisas, ou seja , se pré ocupando de coisas que não chegarão nunca. O que acontece quando nós estamos sob o efeito do álcool! Todos sabemos, ou seja, ele amplifica o efeitos do pecado original. Quantas vezes nessas festinhas de juventude, os jovens após se embriagarem fazem coisas que jamais fariam se estivessem sóbrios e assim somos nós ! Amplificamos em nós tudo isso.

                  Muitos de nós hoje estamos vivenciando algo que parece que pensamos nisso o tempo todo, ou seja, temos uma visão GO PRÓ, referindo a essa câmera fantástica que podemos colocar em nós ou em algo que está em nós como um capacete e que mostra tudo que está em frente, mas é uma visão limitada e muito rápida quando estamos em movimento. Outra maneira é mais sábia, a maneira de ver as coisas como um Drone nas alturas, e de lá observar tudo de um prisma bastante mais amplificado.

                  Nessa visão mais amplificada, onde  a sabedoria nos guia, nos preparamos para esse Advento, e assim estarmos prontos para MORRER. Do ponto de vista prático: Nesse Advento, escolha uma data e se prepare para morrer naquele dia. Por exemplo, dia 25 de Dezembro de 2018 eu morrerei. Então de hoje até o dia 25 faça tudo em seu coração que deva ser feito para estar preparado para esse dia, o dia de ir ao encontro do Senhor Jesus e assim voltar para os braços do Pai. Viva o Advento como preparação.

                  Essa preparação passa por uma experiência de perdoar e dar o perdão. Quem você hoje desejaria ficar um pouco junto antes de morrer. Existe alguém que você  deseja ligar e se encontrar antes de partir? Quando seria sua última confissão antes de partir? Esse Advento não vai ser uma opção e sim algo muito necessário. Não desperdice esse tempo tão precioso.

                  Quantas mortificações nós precisaremos fazer até o dia 25? Mortificações são pequenas mortes que nós vamos experenciando. Largando tudo para trás vamos ficar apenas com o essencial. Você católico não precisa fazer coisas loucas até o dia de morrer, pois seria desperdiçar, e nada emocionante será comparável o que virá após nossa morte.

                  Para morrer bem, esteja preparado em Sabedoria e Graça, sem arrependimentos pois diante da Confissão e em dia com os Sacramentos não temos nada que nos arrepender, pois tudo já foi lavado pelo Sangue de Jesus, na Confissão nós morremos para o pecado, para o passado e vivemos para Jesus que é Vida, e Vida em plenitude. Portanto, seja esse dia que chega não o último dia da nossa vida, mas o primeiro da Vida Eterna junto de Deus que é Amor!   

                 

        

        

                  Oremos: Abbá (Pai) Amado, hoje eu desejo do fundo do meu coração me preparar para te encontrar Senhor! Eu desejo romper com tudo aquilo que me obstrui de estar puro diante do Senhor no momento que o Senhor me chama! Sim oh Pai, tenho apenas alguns dias até o dia da minha partida e preciso estar mais do que pronto, para não me perder pelo caminho. Tira de mim até esse grande dia tudo que endurece o coração, combata em mim com seus Anjos a Gula, a embriaguez e a Preocupação. Pois na Sua Presença nada mais será importante pois tudo passou, da morte à Vida! Que eu possa Morrer para o pecado e viver para Vida Eterna!

Pai em tuas mãos entrego meu coração! Cura-me Senhor, Restaura-me Senhor!  Amém

 

Um dos meus Super-heróis se chama São Bonifácio! O maior Santo de Devoção da Alemanha, entendam o porquê!
Quando pensamos em um santo, talvez em um primeiro momento não consideramos que essa pessoa seja ousada, empunhe um machado, um martelo ou que derrube árvores como os carvalhos. Entretanto, existe um santo assim, conhecido como São Bonifácio.

Este santo nasceu na Inglaterra por volta do ano 680. Bonifácio ingressou em um mosteiro beneditino antes de ser enviado pelo Papa para evangelizar os territórios que pertencem a atual a Alemanha. Primeiro foi como um sacerdote e depois eventualmente como bispo.
Sob a proteção do grande Charles Martel (conhecido como Carlos Magno), Bonifácio viajou por toda a Alemanha fortalecendo as regiões que já tinham abraçado o cristianismo e levou a luz de Cristo àqueles que ainda não o conheciam.
A respeito deste santo, o Papa Bento XVI disse no ano 2009 que “seu incansável trabalho, seu dom para a organização e seu caráter flexível, amigável e forte” foram fundamentais para o sucesso das suas viagens.
O escritor Henry Van Dyke o descreveu assim, em 1897, em seu livro The First Christmas Tree, (A primeira árvore de natal): “Que pessoa tão boa! Que boa pessoa! Era branco e magro, mas reto como uma lança e forte como um cajado de carvalho. Seu rosto ainda era jovem; sua pele suave estava bronzeada pelo sol e pelo o vento. Seus olhos cinzas, limpos e amáveis, brilhavam como o fogo quando falava das suas aventuras e das más ações dos falsos sacerdotes aos quais enfrentou”.
Aproximadamente no ano 723, Bonifácio viajou com um pequeno grupo de pessoas na região da Baixa Saxônia. Ele conhecia uma comunidade de pagãos perto de Geismar que, no meio do inverno, realizavam um sacrifício humano (onde a vítima normalmente era uma criança) a Thor, o deus do trovão, na base de um carvalho o qual consideravam sagrado e que era conhecido como “O Carvalho do Trovão”.
Bonifácio, acatando o conselho de um irmão bispo, quis destruir o Carvalho do Trovão não somente a fim de salvar a vítima, mas também para mostrar àqueles pagãos que ele não seria derrubado por um raio lançado por Thor.
O Santo e seus companheiros chegaram à aldeia na véspera de Natal, bem a tempo para interromper o sacrifício. Com seu báculo de bispo na mão, Bonifácio se aproximou dos pagãos que estavam reunidos na base do Carvalho do Trovão e lhes disse: “Aqui está o Carvalho do Trovão e aqui a cruz de Cristo que romperá o martelo do Thor, o deus falso”.
O verdugo levantou um martelo para matar o pequeno menino que tinha sido entregue para o sacrifício. Mas, o Bispo estendeu seu báculo para impedir o golpe e milagrosamente quebrou o grande martelo de pedra e salvou a vida deste menino.
Logo, dizem que Bonifácio disse ao povo: “Escutai filhos do bosque! O sangue não fluirá esta noite, a não ser que piedade se derrame do peito de uma mãe. Porque esta é a noite em que nasceu Cristo, o Filho do Altíssimo, o Salvador da humanidade. Ele é mais justo que Baldur, maior que Odim, o Sábio, mais gentil do que Freya, o Bom. Desde sua vinda, o sacrifício terminou. A escuridão, Thor, a quem chamaram em vão, é a morte. No profundo das sombras de Niffelheim ele se perdeu para sempre. Desta forma, a partir de agora vocês começarão a viver. Esta árvore sangrenta nunca mais escurecerá sua terra. Em nome de Deus, vou destruí-la”.
Então, Bonifácio pegou um machado que estava perto dele e, segundo a tradição, quando o brandiu poderosamente ao carvalho, uma grande rajada de vento atingiu o bosque e derrubou a árvore, inclusive as suas raízes. A árvore caiu no chão, quebrou-se em quatro pedaços.
Depois deste acontecimento, o Santo construiu uma capela com a madeira do carvalho, mas esta história foi muito além das destruições da poderosa árvore.
O “Apóstolo da Alemanha” continuou pregando ao povo alemão que estava assombrado e não podia acreditar que o assassino do Carvalho de Thor não tivesse sido ferido por seu deus. Bonifácio olhou mais à frente onde jazia o carvalho e assinalou um pequeno abeto e disse: “Esta pequena árvore, este pequeno filho do bosque, será sua árvore santa esta noite. Esta é a madeira da paz…É o sinal de uma vida sem fim, porque suas folhas são sempre verdes. Olhem como as pontas estão dirigidas para o céu. Terá que chamá-lo a árvore do Menino Jesus; reúnam-se em torno dela, não no bosque selvagem, mas em seus lares; ali haverá refúgio e não haverá ações sangrentas, mas presentes amorosos e gestos de bondade”.
Desta forma, os alemães começaram uma nova tradição nessa noite, a qual foi estendida até os nossos dias. Ao trazer um abeto a seus lares, decorando-o com velas e ornamentos e ao celebrar o nascimento do Salvador, o Apóstolo da Alemanha e seu rebanho nos mostraram o que hoje conhecemos como a árvore de Natal.

IDENTIDADE INABALÁVEL, QUEM SOU EU! (PARECER-SE COM JESUS)

     Nestes tempos recentes,  aparece gente que se identifica como  parte de  tribos e grupos e realidades virtuais e shows de rock e outras uniões que se atraem. Em virtude disso vemos as pessoas andarem com as mesmas vestimentas, adquirir produtos ligados a determinados jogos, se comportar como certos personagens e por aí vai. Então cabe a pergunta tão atual: Quem é você? Você é o que pensa que é , ou que sabe que é , ou você é o que os outros dizem que é?

 No meu Livro Semeando Dons Colhendo vocações discorro bastante sobre assunto. Mas hoje gostaria de refletir com você jovem de todas as idades sobre a palavra Identidade! Nos anos 80 eram comuns as propagandas a respeito de: – Se você dirige determinado carro você tem este tipo de status social, se você se veste desta maneira você é assim, então o que você tem determina o que você É! Mas atualmente nós mudamos de o que temos é o que somos, agora o que vale é a experiência que diz o que você é. Todos temos um smartphone, com uma câmera que vai apresentando ao público na verdade o que você é baseado no que você faz! Então atualmente determina-se a identidade assim: – Sua atividade diz quem você é! Hoje na TV a cabo ou parabólica, são  mostradas todas as coisas estranhas que pessoas fazem ao redor do mundo, tiram fotos incríveis, medonhas, bizarras e postam o que fizeram de radical no final de semana e na manhã da segunda volta para o trabalho  vivendo de forma normal… Como apresentar-se então diante da normalidade, enquanto as suas atitudes não bate o que professam! Como não relacionar sua identidade com sua atividade bizarra, se é o que você mostra ao mundo! Mas o interessante é que se sua saúde passa por uma tormenta, ou se você perde sua capacidade física para aquilo, ou algo inesperado te priva de fazer as coisas e atividades, você perde sua identidade. E isso acontece com tudo aquilo que é perecível. Mas uma coisa eu posso afirmar hoje aqui, sua identidade está acima de tudo isso, e somente quando ela é revelada, o mundo pode ruir, mas você continuará sendo a mesma pessoa. As pessoas hoje querem fazer de tudo para se travestir de outro corpo, de outro gênero, de outro status, mas nada mudará Quem você realmente é! Quem disse isso? Deus. Ele disse a Moisés: Eu sou Aquele que é! E como nos fez sua imagem e semelhança, também nos deu a imutabilidade de nossa identidade, não importa por que caminhos tortos andarmos, Ele sempre nos olhará como aquele ou aquela que somos!

            Perigo no mundo Cristão é nos identificarmos na Igreja com aquilo que fazemos, ATIVISMO. Quanto mais fazemos, achamos que somos mais importantes. Você pergunta se a pessoa é Católica ou Evangélica, e logo vem a pessoa dizendo tudo o que faz na Igreja. Baseamos nosso cristianismo com nossas atividades. Muito perigoso. Tem Padres e Pastores que trabalharam pela Igreja desde cedo, levando milhares de pessoas aos Centros de Evangelização, Estádios, Campos e no final de suas vidas foram para um asilo, e poucas pessoas vem até eles para visitar. Mas a Santidade está em para eles Jesus os chamou tão cedo e pronto. E agora é tempo de estar mais a sós. Mas que não perderam a identidade por isso. Caso contrário estariam trabalhando para si e não para o Reino de Deus, pois se Vivemos ou Morremos é para Deus.

            Jesus está com os discípulos e os ensina que o Reino de Deus é um Patrão que chama os trabalhadores desde a primeira hora até a última e a todos paga o mesmo salário. Esta linguagem simbólica para que todos entendam, na língua deles, sabendo como  é difícil pelo calor ou pela sequidão em Israel,   você ser chamado cedo, naquele sol de quarenta graus. E de repente no final do dia iriam olhar para os recém contratados e cairiam na tentação de se acharem mais importantes do que os outros, pois nós seres humanos somos assim, nós nos julgamos mais importantes porque fizemos mais. Mas daí vem a raíz do ressentimento, da murmuração e da comparação. Mas para Deus todos somos iguais não importa o que fizermos. Aqui está o importante, fazer bem, totalmente focado naquilo que te foi confiado, faça mesmo que sejam pequenas ou grandes coisas, as faça como o Senhor te incumbiu e pronto. O salário é a salvação.

            Quantas vezes nós nos dedicamos tanto na nossa profissão em nos aperfeiçoar, ou nas artes, tanto como pintura, performance, oratória, música e vem alguém e com extrema facilidade sem ter se preparado tanto quanto nós, faz tudo com maestria e nós ficamos assim, chocados. Quando nossa identidade está na nossa atividade, diante de alguém que faz tudo aquilo com o pé nas costas e melhor que a gente corremos o risco de nos perder e pior de nos sentirmos sem VALOR.

            Quando podemos nos olhar como Jesus se olha. Jesus não tem o menor problema de ser ameaçado como nós somos. Em Filipesenses 2: 1-11:-  Porque  Jesus sendo Deus (igual), se despiu desta condição e veio habitar no meio de nós! Por causa de nossos pecados, Ele tomou a iniciativa de vir habitar entre nós para mostrar-nos o Caminho e revelar em nós nossa Identidade. Jesus se fez escravo para nos libertar.   Porque Jesus sabe quem Ele é , sua identidade é imutável.

            No início da vida Pública de Jesus, Ele vai ao Rio Jordão e ao ser batizado por João Batista, sobre Ele desce a Glória de Deus, e sobre Ele todos ouviram a voz de Deus dizendo: – Este é Meu Filho muito amado, em Quem Eu pus minha confiança!  Jesus o tempo todo de sua vida conosco, nos ensinou a nos relacionar com Deus , não como alguém longe, mas chamando-o  de Papaizinho ( ABBA). Ninguém jamais havia chamado Deus, palavra até para os hebreus impronunciável, como muitas consoantes, por reverência, e Jesus o chama da Papai! A única oração que Jesus nos ensinou começa com Papai! Assim Ele nos ensina a nos relacionar.

            Esta parábola nos mostra o caminho de cada um de nós rumo a nossa salvação. Os que foram chamados precocemente são as crianças batizadas e os últimos são o que encontraram Jesus e foram batizados talvez num leito de morte, numa doença terminal. O salário, ou seja, Denário, um denário quer dizer Salvação, por isso todos recebemos o mesmo, Denário também pode ser traduzido como Vida Eterna. Salvação é ADOÇÃO. Quando recebemos o Denário, nos transformamos em Filho e não mais servos. Deus nos fez suas crianças, Seus filhos. Ele nos fez como Seu Filho! Como Jesus! O que Jesus sempre foi, nós nos transformamos por GRAÇA! Então o Batismo é GRAÇA! Deste modo nós temos pelo Batismo uma Identidade imutável! Nossas coisas e atividades sim são mutáveis, mas nossa identidade não muda nunca! Pois fomos transformados pelo nosso Batismo!

            Há uma história bastante pitoresca mas que cabe aqui. Uma menina que tinha muitos irmãos. Em todo Natal ela colocava na cabeça o preço de todos os presentes que cada um de seus irmãos ganhava para no final saber quem os pais amavam mais! Por este exemplo vemos alguém, claro ainda uma criança, mas que via sua filiação não como filha amada mas como serva, pois se baseava em presentes o amor dos pais. Nós muitas vezes fazemos isso. Nossa relação com Deus, nossa identidade, ou seja como nós olhamos para nós deveria ser inabalável, ou como Jesus olha para si mesmo com os Olhos do Pai! Nós não atualizamos este Olhar poderoso e amoroso sobre nós! Por isso nossa identidade fica vulnerável.

            Hoje eu convido você para que a partir de hoje nem que seja 15minutos todos os dias, aparte de suas atividades para estar com Deus! Não importa como! Afaste das multidões como Jesus fazia e fale com Deus! Como Jesus nos ensinou, pode ficar durante todo este tempo chamando Deus de Papai. Como filho ou filha você pode chamar de Papai e com este Papai tão amoroso, abra seu coração e conte a ele sobre tudo que está vivendo! Antes que seus pensamentos vierem para seu cérebro Ele já sabe, então a resposta será instantânea. Não canse de chamar Deus de Papai ou Pai ou Papaizinho! A sua oração estará como filho se ela for como um filho que chama seu Pai que está bem perto, por isso não precisa gritar, pois Deus está ao seu lado, ao menor dos seus sons Ele alcança. Buscai o Senhor enquanto Ele está próximo!

            Olhemos para nós mesmos com os olhos de um Pai Amoroso!

 

 

Oremos: Abbá ( Pai) Amado, hoje eu quero te pedir, assim como os discípulos, ensina-me a Orar. Papai, eu hoje quero te pedir, para restaurar em mim o primeiro amor, no momento do meu batismo. Quero te agradecer toda a oportunidade que tive e tenho de colocar em prática seus pedidos e alcançar o coração dos meus irmãos que sofrem e os que não sabem que o Senhor é Pai, e é próximo. Pai em tuas mãos entrego meu coração! Cura-me Senhor, Restaura-me Senhor!  Amém!

 

Talvez muito de nós estamos preocupados com tantos problemas que não notamos o Lázaro de hoje, perto de nós, na nossa frente, no nosso caminho, na nossa porta.

Todas as vezes que paramos diante desta passagem entre Lázaro e o Homem Rico, focamos neles e não em nós. Nós somos o Homem Rico e é só olhar com detalhe para as escrituras. Nesta passagem encontramos alguém mais no prato do que precisa para comer. Que tem muito mais roupas no armário do que necessita. Que tem muito mais coisas inúteis em casa do que realmente necessitaria. Somos a geração que pensa que se temos todos também tem, se temos o que comer todos tem, ou ainda alguém irá encher a barriga de quem não tem.

Não notamos Lázaro hoje em nossas vidas, não porque somos maus, porque estamos muito ocupados para nota-lo. As midias sociais, os problemas que não tem mais tempo para serem pensados, pois este lugar de  honra na nossa vida está ocupado por elas.

Construimos uma geração que se tornou insensível, dormente ao sofrimento do outro. Como poderemos dizer que somos de Cristo! A grande característica que os pagãos notavam descrito por São Lucas era::Olha como eles se amam!!! Significa que se eu posso sentir a Dor de um irmão, então eu sou de Cristo! Mirem em Santa Madre Teresa, não é sentir, é colocar em prática, em ação! A maior fome da humanidade nos dias de hoje, que não poupa os países mais civilizados, é a Fome de AMOR!

Saiamos na nossa zona de conforto e busquemos águas mais profundas, e não estejamos muito ocupados, para não abraçar a Graça que passa….Pois, SÓ Deus Basta!

Uma frase de Padre Pio por dia

“Regenerados pelo santo batismo, nós também correspondemos à graça da vocação, imitando nossa Mãe Imaculada e aprofundando incessantemente nosso entendimento de Deus, para melhor conhecê- Lo, servi-Lo e amá-Lo.” (Santo Padre Pio de Pietrelcina