10514627_640836882651254_1558443024961048590_n

 

Um dos riscos que cometemos na vida de caminhada para o céu é achar que : A coisa mais difícil na nossa vida cristã  significa a coisa mais santa, isso é errado. Porque caímos na cilada de provar a Deus de que eu mereço a graça. Aquela imagem de que precisamos sofrer muito, para provar que somos Santos. Isto não é assim.

Faça de sua quaresma neste ano uma Quaresma de Transformação de fato. Vá com tudo, mas seja humilde. Deus deseja nos dar  o nosso coração pleno de novo. Nós tínhamos nosso coração assim quando Deus nos criou. Fomos ocupando nosso coração até o dia de hoje de um monte de coisas de que não devem estar em nosso coração, além de ocupar nosso coração ainda transformou nosso coração em algo muito ferido. Para isso Ele derrama sobre nós a sua Misericórdia. Deixe de pensar como no Velho Testamento, Deus o castigador. Esta não é a face correta de Deus. Deus é Amor.

A Divina Misericórdia plenifica totalmente nossa vida. Mas para isso precisamos ser pequenos. O Profeta Joel nos advertiu; O Senhor está dizendo venha com todo o seu coração, mas seja pequeno. Deus deseja que nós O amemos. E não nos escondamos. Pois todos nós quando fazemos algo errado nos escondemos de Deus, foi assim com Adão, é o pecado original em nossa frente.

Amor é escolher o que é Bom. Deus é bom. Nós amamos Deus louvando Ele. Amamos nosso próximo. Nós amamos Deus amando Jesus e sua obediência. OBEDECER É A PALAVRA. Esta Palavra nos aproxima de Deus e nos afasta do tentador.

Obedecer nos faz fazer a vontade de quem Amamos!. Nós jejuamos pois Aquele que me ama pediu para eu Jejuar. Isso é perseverar no Caminho do Céu.

Começamos no inicio da entrada no Jardim.  A primeira coisa que Deus fez foi plantar um Jardim do Eden e colocar os primeiros humanos lá. Isto quer dizer que a intenção de Deus para  nós é um JARDIM, um lugar de prazer, de luz, de cor, de vitalidade e de equilibrio de todas as forças naturais. ELE quer que tenhamos vida e vida em plenitude.

Como que esta vida vem até nós? Através do acolhimento da Graça de Deus e um desejo que esta Graça flua através de nós aos outros, um estado que existe desde a Criação.

Deus dá  aos primeiros humanos, Adão e Eva, libertadade para reinar no Jardim. Os Padres Da Igreja viram neste liberdade o Desejo de Deus para que nós cultivássemos a Terra e todos as suas forças tão plenamente quanto possível, a fim de que nós desenvolvêssemos nossas habilidades e potenciais como cientistas, politicos, poetas, amigos e amantes.

Mas existe a árvore a qual o fruto não podemos comer: “16 Deu-lhe este preceito: Podes comer do fruto de todas as árvores do jardim; 17 mas não comas do fruto da árvore da ciência do bem e do mal; porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente.?”Gen : 16-17. . Por que está árvore simbólica fica no meio do Jardim? Porque representa o critério do bem e do mal, que somente Deus pode controlar. Esta é a base para distinguir a vida no Bem da Vida fora do bem, ou seja trágica.

A mulher viu que a árvore era boa como alimento, e traria beneficios em sabedoria. Quando a fruta foi apanhada e apropriada, quando o homem e a mulher tentaram se apropriar do que era de Próprio Deus, tomar o Seu lugar, quando eles quiserem ser Deus, foi entáo que eles fizeram  de nós mesmos  e nossos desejos critérios do bem e do mal, aí então o Fluxo da Graça foi interrompido.

Assim entra o pecado na Criação e sua ordem. Nossa autonomia e independência de Deus parece conveniente, mas de fato, nos leva a nossa profunda vulnerabilidade. ( Adão e Eva tiveram consciência da NUDEZ.). Por último os levou a expulsão do JARDIM e introdução no Deserto de autonomia e MEDO.

Hoje a Palavra que Deus nos coloca e nos provoca neste dia é CONVERSÃO! Algumas palavras deste Evangelho também nos discerne pelo proprio SEnhor que todo o seu ensinamento vem dizer que nós temos sim, que buscar o tempo todo ser simples, que não coloquemos nos homens nenhuma expectativa mas em Deus. Aqui é daquelas passagens que diz claramente que somente temos esta vida, e temos de ter responsabilidade sobre tudo o que fazemos. Isto é muito importante . Que o Senhor esteja sempre a frente da nossa vida sendo nosso único Mestre, o Raboni. Então que este dia seja para nós momento de reflexão sobre a verdadeira mudança.
Dr Nasser
 
Evangelho segundo S. Lucas 16,19-31.

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: «Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho fino e fazia todos os dias esplêndidos banquetes.
Um pobre, chamado Lázaro, jazia ao seu portão, coberto de chagas.
Bem desejava ele saciar-se com o que caía da mesa do rico; mas eram os cães que vinham lamber-lhe as chagas.
Ora, o pobre morreu e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado.
Na morada dos mortos, achando-se em tormentos, ergueu os olhos e viu, de longe, Abraão e também Lázaro no seu seio.
Então, ergueu a voz e disse: ‘Pai Abraão, tem misericórdia de mim e envia Lázaro para molhar em água a ponta de um dedo e refrescar-me a língua, porque estou atormentado nestas chamas.’
Abraão respondeu-lhe: ‘Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em vida, enquanto Lázaro recebeu somente males. Agora, ele é consolado, enquanto tu és atormentado.
Além disso, entre nós e vós há um grande abismo, de modo que, se alguém pretendesse passar daqui para junto de vós, não poderia fazê-lo, nem tão pouco vir daí para junto de nós.’
O rico insistiu: ‘Peço-te, pai Abraão, que envies Lázaro à casa do meu pai, pois tenho cinco irmãos;
que os previna, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.’
Disse lhe Abraão: ‘Têm Moisés e os Profetas; que os oiçam!’
Replicou-lhe ele: ‘Não, pai Abraão; se algum dos mortos for ter com eles, hão-de arrepender-se.’
Abraão respondeu-lhe: ‘Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, tão-pouco se deixarão convencer, se alguém ressuscitar dentre os mortos.’»

Da Bíblia Sagrada – Edição dos Franciscanos Capuchinhos – www.capuchinhos.org

Comentário do dia:

Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África), doutor da Igreja
Discursos sobre os salmos, Sl 85; CCL 39, 1178

«Deus olha para o coração» (1Sam 16,7)

Terá o pobre sido recebido pelos anjos unicamente devido ao mérito da sua pobreza? E terá o rico sido enviado para o lugar dos tormentos apenas por culpa da sua riqueza ? Não: é preciso entendermos que foi a humildade que foi premiada no caso do pobre e o orgulho condenado no caso do rico.

Eis a prova de que não foi a riqueza mas o orgulho que levou a que o rico fosse castigado. O pobre foi levado para o seio de Abraão; mas as Escrituras dizem de Abraão que ele tinha muito ouro e prata e que era rico na terra (Gn 13,2). Se todos os ricos são enviados para o lugar dos tormentos, como pôde Abraão receber o pobre no seu seio? Acontece que Abraão, com toda a sua riqueza, era pobre, humilde, respeitador e obedecia a todas as ordens de Deus. Ele tinha a sua riqueza em tão pouca conta que, quando Deus lho pediu, aceitou oferecer em sacrifício o filho a quem destinava essa riqueza (Gn 22,4).

Aprendei, pois, a ser pobres e ter necessidades, quer possuais alguma coisa neste mundo quer não possuais nada. Porque encontramos mendigos cheios de orgulho e ricos que confessam os seus pecados. «Deus resiste aos orgulhosos», estejam eles cobertos de seda ou de trapos, «mas dá a sua graça aos humildes» (Tg 4,6), quer eles possuam, ou não, bens deste mundo. Deus olha para o interior; é aí que avalia, aí que examina.