Quem você é, é um dom, um presente dado por Deus! Quem você se torna é seu  presente para Deus! Deus dá a cada um de nós vários talentos-dons-oportunidades no curso das nossas vidas. Cada um desses dons vem com uma responsabilidade. A variedade de dons que temos, devemos investir o quanto Deus tem investido em nós. Não deixe que  a sua vida simplesmente aconteça.

                  Cada um de nós  tem uma variedade de dons e talentos. Você é responsável desta maneira por eles e pela sua vida. Cada um de nós irá responder pelos caminhos que assumimos em nossas vidas. Deus nos dá a oportunidade de viver uma vida com significado, mas muitas vezes ao final de suas vidas descobrem o tanto que desperdiçaram os dons e a própria vida. Você não deve ser esta pessoa que desperdiçou. Você foi feito para viver uma vida com significado!

                  Esta semana estamos refletindo sobre a Parábola dos talentos.

                  Para começar gostaria de fazer esta pergunta:

– Você gostaria de ganhar na loteria?

Uma pesquisa  recente mostrou que 70% das pessoas que ganham na loteria, perdem tudo em pouco tempo. As pessoas que jogam na loteria, trocam um dinheiro por um pedaço de papel com uma probabilidade imensa de ter jogado este dinheiro no lixo. Sim, se você coloca o dinheiro do seu suor neste tipo de coisa, você não é bom com dinheiro! Talvez você nunca tenha parado pensar sobre isso. Nem estamos falando aqui do vício do jogo. Porque as pessoas que ganham perdem então o dinheiro? Interessante, pois não sabem o que fazer para que este valor seja multiplicado, pois não são colocados em um propósito que o faria prosperar.

Voltando para a reflexão sobre os talentos, parecia muito razoável o empregado que recebeu o dinheiro ter guardado o dinheiro em segurança. A questão aqui é ele recebeu o dinheiro com um propósito, e não para o ocultar.

Talento é figurativo, pois era a moeda da época como uma diferenciação de bronze, prata e ouro. Na linguagem figurada são os Dons que recebemos  e estes todos tem um Propósito e se atingirmos este propósito eles serão prosperados. Assim como falamos no outro capítulo, precisamos gastar nossa vida para os outros e não desperdiçar. A vida tem significado, por isso tudo importa. A vida significada ela nos dá oportunidade de vencer ou perder, mas mesmo quando perdemos crescemos.

         Deus vai nos perguntar ao final da nossa vida o que fizemos com os talentos que Ele nos deu. Vivemos hoje em dia, num tempo, onde tantos talentos estão apresentados. Muitas vezes as pessoas fazem destes dons um Peso, uma carga. Porque? Pois os talentos são dados para um propósito e isso tem todo o sentido. Caso não entendamos assim, carregamos o peso da não entrega, da não comunicação do dom para um propósito. Simplificando, temos uma rede automotiva de distribuição mas nos recusamos a entregar, porém além carga toda que vai perecer a que chega vai se tornar um peso ainda maior. Os dons tem uma RAZÃO definida! Também nos lembrando da reflexão anterior, onde deveríamos rejeitar a passividade e assumir nossa responsabilidade,  aqui isso se  torna imprescindível quando o assunto é Dom e Talento.

No meu primeiro livro Semeando Dons Colhendo Vocações, dediquei um capitulo inteiro a palavra Dom. Dom também é uma das denominações no Veni Creator do Espirito Santo. Então deveríamos assumir em nós os dons que recebemos e colocar a serviço dos outros. Nós cristãos somos chamados a comunicar os Dons todos os dias em todas as oportunidades que a vida nos apresentar. Porque sabemos que a vida tem Significado!

Há diferença entre ser Talentoso e ser Habilidoso ou jeitoso. Talento tem que ter propósito. Não deixe os talentos serem um peso na sua vida. Daí vem a pergunta: – Será que eu quero ter estes talentos? Pois traz comprometimento, será que eu quero colocá-los em ação? Tenho certeza de que se não os colocar vá se tornar um grande peso.

Talento e habilidade traz a reflexão de que uma coisa é o talento natural outra coisa e colocá-lo em prática, exercitar. Nascemos com os talentos mas precisamos praticá-los também.

Daniel Coyle em seu livro Código do Talento desenvolve a ideia de que o mito do talento é pensar que a pessoa nasceu com aquele talento e ponto. Claro que há diferença de ter mais ou menos determinado talento, um teria numa escala de 1-5, como cinco no máximo e outros menos. Mas não para por aí. Mesmo que você seja apenas grau 1, se colocá-lo da forma correta multiplicará e crescerá dentro daquele talento.

         Olhando locais no mundo onde há ilhas de produção de talentos. Em Espartacos na Rússia, há um centro de  excelência em treinamento de mulheres que praticam tênis, e produz neste lugar mais jogadores para a ATP ( top10) do que os EUA inteiro, porque? Porque a genética do lugar favorece pessoas supertalentosas? Não porque ali se pratica a excelência, o desejo de vencer desafios continuamente. Acomodar nunca será a palavra daquele lugar, e assim é no Balé Kirov, entre outros locais do mundo que este fenômeno acontece. No Brasil, o maior gestor de talentos em futebol do mundo, quando foi estudado por um técnico inglês (Simon Clifford  de uma escola de formação em Leeds). Ele  concluiu que não era nada do que se fala por aí sobre o talento natural do Brasil que os motiva a serem os melhores, mas a prática até os doze anos de Futebol de Salão, onde apenas os fortemente habilidosos prosperam, pois não há espaço e não há tempo para tomar decisões. As decisões rápidas e surpreendentes fazem toda a diferença.

         Pois voltando para Leeds, colocando suas observações em prática tem revolucionado o Futebol de base inglês, e os resultados nas categorias de base e semiprofissional tem sido estupendas, isso desde 2016.

         O maior praticante de Crossfit americano diz que os últimos dez minutos de seu treinamento o faz ser vencedor pela dificuldade. O que vivemos hoje é a passividade para aprender. Sentam em suas cadeiras, escrevem algumas coisas e passivamente vão aprendendo. Mas a maneira mais produtiva de aprender é vencer desafios, é fazer testes e tirar conclusões sobre os testes com sabedoria. Nós vivemos uma cultura, como disse em outro artigo, da passividade, do vem a nós o vosso reino, e a vida que nós somos chamados a viver requer batalhas contínuas e desafios vencidos. São Paulo nos exorta a sermos perseverantes em tudo, para um  dia alcançarmos a coroa da glória na eternidade.

         Uma das coisas mais passivas que existe é o manual de instrução apresentada em todos os vôos do mundo. Alguém que nunca colocou um salva vidas na vida, será  que com essas demonstrações  será capaz de se vestir em uma situação real de acidente? Claro que não, mas nós passivamente assistimos estas aulas inúteis para a realidade. O melhor seria naquelas esperas entediantes dar a oportunidade para cada passageiro  colocar os salva vidas e pronto, aula prática é tudo.

         Muitos jovens hoje estão com medo de serem desafiados. Medo de situações de pressão. Muitas pessoas evitam desafios. Contudo se não há desafio não há crescimento! Mesmo quando falhamos, crescemos. Uma cultura atual que tenta domesticar as pessoas, tirando delas o desejo contínuo de desafios. Uma vida sem estresse, uma vida sem graça, uma vida sem esperança, uma vida sem conflito, uma vida sem sentido. Quando estamos no volante dirigindo somos os únicos que não podemos dormir nele. Muitos estão dormindo no volante. O volante é a sua própria vida. Muitos estão deixando que outros dirijam as suas vidas, tomem decisões em seus lugares, até para comer não sabem decidir o que comer, ficam atrasando as filas pela indecisão. Que tipo de vida estamos vivendo e pior ensinando nossos filhos a viver. Para onde estaremos rumando em pouco tempo? Bem, deste modo para lugar nenhum, para a vida desperdiçada e para os dons soterrados.  Pessoas preguiçosas destroem uma geração.

         Iniciativa é a palavra. Na parábola, o servo que não fez nada com o talento é punido pela falta de iniciativa. Iniciativa é ação de quem se põe a caminho. A habilidade de iniciar ou dar  seguimento a  um plano ou uma tarefa, isso se chama iniciativa.

         Inferno é cheio de talentos, Céu é cheio de pessoas que tiveram iniciativas e aqueles energéticos. Não fiquem esperando o grande momento, aproveite os pequenos momentos para que quando o grande chegar vocês estejam preparados. Muitos personagens da Bíblia são assim, mas Davi é o cara. Ele se preparou para o desafio maior, lutando contra as feras do campo, se preparando para os conflitos que a vida o esperava e assim ele os venceu e se tornou após seu chamado um grande vencedor e um grande Rei!

         Hoje é o seu momento que faz toda a diferença. Aos alunos de graduação, pós-graduação, datas para entregar seus projetos, provas, final de semestre, aqui vai meu conselho: – Este tempo é o tempo que o atleta chama de Split final! Tome esta corrida sentindo toda a dor do mundo para acabar, pois vai acabar e você vai ficar bem, tudo vai ficar bem, mas este sofrimento de agora será compensado. Fica na corrida, não desista, são mais cem ou duzentos metros que precisamos finalizar, eu sei, tem pedra, tem neve, tem barro, mas estamos na reta final e depois de passar por tudo que passaram neste semestre não baixe a guarda, nunca pare de lutar, não desista. Quem você é, Deus deu para você, quem você se tornou é o presente que você dá para Deus!

 

         Oremos: Abbá (Pai) Amado, dá-me forças hoje para o combate. Tira de mim toda a passividade, toda a irresponsabilidade. Vem em mim me mostrando claramente quais são os meus dons, oh Pai! Eu sei que tenho tentado usá-los e multiplica-los, mas também sei que tenho fraquejado em muitas situações, por isso peço perdão. Afasta para longe de mim, toda a preguiça e não deixe que sucumba na tentação de desistência, do desânimo, fortalecei minhas pernas e meus músculos para que me mantenha sempre em ordem de batalha até o fim. Senhor, que tudo que eu faça hoje tenha um propósito, e este propósito e fazer a Sua Vontade e conquistar a coroa da Glória. Faz-me fiel!  

Pai em tuas mãos entrego meu coração! Cura-me Senhor, Restaura-me Senhor!  Amém!

Amados vocês que moram em Brasilia, Distrito Federal estão convidados a participar do Lançamento do meu Livro Semeando Dons Colhendo Vocações junto à Comunidade Canção Nova – Missão Brasília. Venham todos será um momento de Oração de Poder com Momentos de Pregação, Cura Interior… É com imensa alegria que vou ao encontro do coração do Brasil, para levar a Palavra de Jesus aos corações do jovens inseguros, instáveis, cheios de incertezas, de fragilidades e imaturidades. Jesus quer falar neste dia 19 de Novembro no seu coração, você que vive infeliz com o que faz, que tem uma história e jamais soube que há uma saída para suas dores, suas dúvidas, suas impossilidades, sua dificuldade em estabelecer relacionamentos maduros com os outros e com Deus. Que há uma porta se abrindo a cada manhã em sua vida basta que você queira e corra ao encontro deste Jesus Vivo! Venha e traga um amigo, seja de onde você for na Grande Brasilia e adjacências, venha, eu tenho certeza que este momento de oração e pregação fará diferença nas suas escolhas. Certamente será o primeiro dia, de uma Vida Renovada!!!

Fiquem com Deus, e com a graça de Deus estarei chegando junto de vocês no dia 19 de Novembro para juntos louvarmos o Senhor e darmos Glória as suas maravilhas que se fizeram em mim e poderá ser feito em você! O que precisa fazer? Abra seu coração…Deixe ser moldado pela força do Espírito…Deixe-se conhecer pela ação do Espírito….E o Espírito que eu vos enviar os fará conhecer todas as coisas, assim disse e diz hoje o Senhor!!! A minha Graça te basta!!!!

Data: Dia 19 de novembro de 2009

Local do Evento: A tarde junto a Livraria da Canção Nova e a partir das 19:30 na:  601 L2 Paróquia Bom Jesus, OK? Traga um amigo, de qualquer idade!!!

Amém

Dr Nasser

Maiores informações  http://blog.cancaonova.com/brasilia

SEMEANDO DONS COLHENDO VOCAÇÕES -NOVO LIVRO DR NASSER

LEIA O PRIMEIRO CAPÍTULO …

Capítulo I: Ser ou não ser?

Desde cedo ouvia as pessoas dizerem: “Pois é, filho, aprenda um ofício que possa lhe ser útil em tempos difíceis”. Ou ainda: “Estude para ser alguém”. Mas algo me intrigava: “O que é ‘ser alguém’? Será que nasci sem identidade?”. Tolos questionamentos que são comuns nos dias de hoje. As pessoas interrogam, mas não discutem; impõem idéias feitas e rejeitam o diálogo.
O diálogo é per se a característica do Homo sapiens. Dialogar significa abrir-se às idéias e explorá-las como um grande desbravador. É aprofundar-se naquilo que o outro me oferece; adicionar experiências de crescimento; avaliar posições e situações; e poder concordar ou discordar, com argumentos concisos, de alguma opinião.
O diálogo aproxima as pessoas. Isso pode ser confirmado quando , a partir de uma simples conversa, tornamo-nos grande amigo e admirador de pessoas que rejeitávamos. A Bíblia, o Próprio Verbo Divino, preparado para o homem no Antigo Testamento e revelado na Encarnação de Jesus Cristo, mostra-nos o carinho todo especial de um Deus que sempre se comunicou conosco para que pudéssemos saber quem somos. Por meio deste diálogo, melhoramos a cada dia como seres humanos. Quem tem um bom relacionamento com Deus, relaciona-se bem com as pessoas.
Desse modo, o primeiro passo para buscar um Dom e saber qual rumo seguir é ter intimidade com Deus. Saber falar e saber ouvir Dele. Em seguida, identificar o meio em que nos encontramos e as máscaras que usamos para enfrentar o mundo, com o objetivo claro de nos defender.
Quando olhamos para nós mesmo e aprofundamos este olhar, a fim de sermos verdadeiros em tudo, vamos nos descobrindo e, assim, conhecendo nossas fraquezas. Por isso, basta pedir sempre a graça, como ensina São Paulo em 2Cor 12-10: “Quando sou fraco é que sou forte, pois Ele vem em socorro das minhas fraquezas”. Sem as máscaras, somos verdadeiramente nós. Já não precisamos mais defender o que desconhecemos.
É muito bom, neste tempo, ter um diretor espiritual, um amigo que conheça bem as coisas do mundo e as de Deus para nos aprofundar no caminho. Um bom diretor estabelece um diálogo pausado, meditado, muitas vezes faz uso do silêncio, saindo um pouco do cenário conturbado que muitas vezes nos encontramos para avaliar os fatos. Um bom diretor conduz com muita sabedoria, guia, direciona, sem travar a autonomia do outro, somente interferindo quando há risco do “dirigido” sair dos trilhos.

Conhecer para Ser

Vamos explorar, neste item, o autoconhecimento. Ao conhecemo-nos, ganhamos uma verdadeira dimensão de para onde ir e qual direção seguir. Dessa forma, descobrimos qual é o nosso verdadeiro lugar neste mundo.
Estudos de diversas áreas das ciências podem nos ajudar nesta auto-avaliação. No autoconhecimento, o indivíduo penetra em seu ser e separa tudo o que é “ser” do “não ser”. A efetivação desta distinção deixa claro os limites entre dois elementos que não se misturam, como, porexemplo, a água e o óleo.
Neste momento, enfatiza-se a importância de seguir para o deserto e fugir de toda agitação e apelos do mundo para caminhar em direção ao seu “eu”. Os grandes profetas, e o próprio Jesus, nos ensinavam a buscar o deserto. São Paulo viveu oito anos de deserto em sua cidade antes de ir para Antioquia e iniciar seu apostolado.
Durante esta caminhada nos depararemos com tudo o que está estragado, deformado, corrompido em nós; desejos e desequilíbrios. Tais situações nos impedem de prosseguir, pois desencadeiam certos vícios, que sempre foram alimentados por nossas paixões, algocomo uma compulsão alimentar, que pode levá-lo ao desespero. a partir do momento que você oferece, durante o caminho, um jejum bem consciente. O jejum é uma arma poderosa para ser usada nesta caminhada.
Inúmeras outras formas de emoções e paixões associadas a vontades fracas nos mostram onde estávamos presos e acorrentados. É a descoberta de tudo aquilo que nos impede de prosseguir, de sermos nós mesmos, de sermos autênticos.
Que aqui seja bem pontuado: o homem precisa ser livre! Para ser livre, é preciso apresentar-se sem máscaras para si mesmo e diante de Deus, pois é assim que Ele nos vê. Deus sabe quem somos.
Portanto, para saber quem somos, precisamos nos ver como Deus vê. Santa Terezinha do Menino Jesus, ensina-nos uma grande lição com uma perfeita e pequena frase: “Eu sou aquilo que Deus pensa de mim”.
Este esclarecimento nos levará concretamente, a enfrentar o deserto e encarar nossas fraquezas, viscitudes, mazelas, compulsões, desejos estragados, mentiras, erros, culpa, auto-acusações, sentimentos de inferioridades, arrogâncias, prepotências, feridas, dores, maldades, mágoas, ressentimentos, remorsos, traumas, falta de convicção para terminar relacionamentos estragados, medos, pânicos, fobias, iniqüidades, impiedades, vergonhas, vaidades, apegos, egoísmo, soberba, cobiça, carência, sensualidade, promiscuidades, contaminações por elementos ilícitos ou coisas espirituais, concupiscências, amarguras, corrupção, crimes e distanciamento das coisas de Deus por vergonha dos meus erros. Entregaremos tudo isso nas mãos de um Deus vivo que cuida de nós e nos lava, purifica ediz para não desistirmos em momento algum, que devemos continuar a caminhar sem olhar para trás, pois Ele nos despe de toda podridão que nos sepultava. Ele nos chama pelo nome.
É claro que tudo o que está sendo arrancado de nós estava muito aderido, intimamente ligado a muitas partes do nosso corpo, do nosso psíquico e da nossa alma, e dói muito retirar a casca do machucado. Mas ,após a dor, vem o bálsamo, o nardo do Oriente. Assim como quando Maria lavou Jesus por inteiro, agora somos lavados e purificados, os pesos ficam para trás e as correntes caem, até o momento da última casca cair. Desfalecendo no cansaço e na dor, colocamo-nos diante da nossa cruz, tomamos-a e seguimos em frente. Já não há mais nada que nos retenha, pois o nosso melhor está de volta!
Agora sim podemos lançar um olhar com olhos curados para o nosso interior. Vamos reconhecer e assumir as nossas qualidades, habilidades, dons que foram plantados desde cedo na nossa vida.

O Meio

Sem um caminho de autoconhecimento, o indivíduo, muitas vezes, se espelha em casa. É natural que as pessoas, de maneira geral, optem pela escolha profissional dos pais, e, caso não obtenham sucesso, mudem o rumo. Mas, uma vez se conhecendo e observando com maturidade seus dons e potencialidade, a vocação para a qual é natural seguir já não é decidida pelo lógico, pela razão, mas pelo coração. É um desejo em forma de inspiração: inspiramos algo que nos lança em direção ao nosso futuro. Tudo isso pode parecer poético, mas é um sentimento verdadeiro e não ilusório. É uma pré-concepção de quem sabe o que realmente quer e vislumbra um futuro em Deus, que é o caminho dos vitoriosos. O avesso seria a busca da fama, da glória dos homens e fazer de uma identidade psíquica a sua fonte inspiradora. É o que percebemos, de forma corriqueira, no mundo de hoje.
Muitas pessoas se consideram tão importantes que saem perguntando: “Você sabe com quem está falando?”. A resposta para tal indagação deveria ser: “Quem você ‘pensa’ que é?”. Assim, remeteríamos o argüidor ao contexto do que estamos dissertando, ou seja, “ser ou não ser”. Evidentemente, isso lhe seria absorvido como um agente químico corrosivo, ou, como se diz popularmente, “desceria goela abaixo”. É isso mesmo. Apesar de na hora haver um certo embate, quando os ânimos estiverem menos exaltados, certamente o interrogador gastará muito tempo em conflito, refletindo sobre: “Quem eu penso que sou?”, “Quem eu sou?”.
Aqui, vale a pena expressar algumas palavras para as famílias. Às vezes, a falta de busca do autoconhecimento pode ser fruto da falta de exemplo em casa, falta de referencial de equilíbrio, indispensável para a convivência sadia de uma família, que dialoga, que guarda valores e princípios.
Quando ocorre uma indisposição para o autoconhecimento, possivelmente os valores – honestidade, ética, perdão, reconciliação, caridade, verdade, desprendimento, ousadia sadia, compaixão, fraternidade, amor, bondade, solidariedade, auxílio aos necessitados, partilha, temperança, equilíbrio e fortaleza – se perderam dentro de casa, pois as famílias foram sendo desagregadas. Em outros tempos, a hora das refeições era o melhor momento para reunir a família. Apesar deste momento ser restrito ao jantar, realizava-se um jantar de profunda comunhão. Todos tinham seus lugares na mesa. Os pais primeiramente ouviam os filhos e somente após a apresentação das angústias e conquistas deles pronunciavam suas palavras de sabedoria. Era o momento em que se partilhava valores e a profusão de sonhos se realizava antes mesmo de se tornarem reais.
O grande mal, que é plantado no coração das crianças e as torna vítimas de falsos heróis, de mensagens erosivas dos meios de comunicação, sem um acompanhamento dos pais, forma tantas carapaças nos jovens, que cada vez mais seu verdadeiro ser é escondido, o que os torna o que os outros dizem que elessão. Então, ou estão do lado da timidez e só vêem o negativo de si, ou a ignoram suas fraquezas e lideram seus colegas,, exigindo confetes e aplausos de todos. Todos esses jovens precisam de formação, precisam ansiar, buscar o seu melhor, romper com suas inseguranças e medos, e não se conformarem com o que está a sua volta. A família deve ser a primeira a levantar esta bandeira de resgate ao menor sinal de problemas de relacionamento dos filhos. Atualmente, os pais e mães se desdobram tanto para oferecer aos filhos os bens materiais que não tiveram e trabalham tão intensamente que mal têm tempo para dar atenção aos filhos, para ouvi-los, para compartilhar suas dúvidas, seus medos, suas incoerências. Comprovou-se que a falta de atenção provoca nas crianças timidez excessiva, medo, insegurança e irritabilidade. Para suprimir essas carências, os jovens viciam-se precocemente em programas televisivos, videogames, computadores e tudo o mais que possa “preencher vazios”.
Pais atentos acompanham os filhos, ensinam-os a fazer escolhas, a buscar algo mais do que o superficial, e, se possuem uma convivência sadia com eles , notam a carência estampada em seu rosto, aproximam-se e mostram como é preciso perder para aprender a ganhar. Ao final da conversa, , por meio de um sorriso e um olhar, dizem “Eu te amo meu filho… Eu sei quem você é e vou ajudar você a se conhecer”. Pais que amam sabem que duas coisas são fundamentais para os seus filhos: fé e estudo. O resto nasce das boas sementes.

Não podemos nos esquecer que o homem é, por natureza, um ser inquieto. Para se formar, busca seu melhor, a fim de se aperfeiçoar cada vez mais. As crianças, quando são “deixadas” e se tornam solitárias, certamente recolhem a sua capacidade inspiradora e deixam de saborear os sonhos, a criatividade, as fábulas, que perdem o encanto. Muitas vezes, agem como adultos tristes que não vêem o mundo com uma pureza de crianças que são.
A geração atual já deu seu grito de alerta. Cabe aos educadores instigar o repensar, o “reexistir”, o readquirir da dúvida, para que se reaprenda a dizer “Eu não sei, mas posso apreender se você me ensinar”.
O grande perigo do mundo, hoje em dia, é o excesso de informações, que gera, uma cultura de superficialismo, ou seja, os jovens não se não buscam o amadurecimento afetivo e o autoconhecimento. Assim, tornam-se uma geração de jovens que não sabem se dominar, não sabem contemplar um movimento da natureza, não exercitam mais a arte do deduzir, do surpreender com algo bom, novo e belo.
O excesso de informações, mas sem um conhecimento verdadeiro e um senso de valores, gerou um mundo de depressão, angústia,solidão, que denomina as coisas erradas de modernidade, criandoum imenso vazio que caminha para a morte. Mas como não se angustiar diante de tantas notícias ruins com as quais nos deparamos dia após dia?
Assim como o artista precisa de inspiração para criar, a criança e o jovem precisa do ar nos pulmões, do sopro vindo do Criador para fazer as coisas serem mais belas e não expirar para a morte, para o desmatamento de toda a mata virgem perfeitamente harmonizada que existe dentro de cada um de nós. Diga-me o que ouves, o que vês, o que falas, o que sonhas, o que crias e eu te direi quem és tu!
É preciso resgatar em nossas crianças o caminho para alcançar a verdadeira vocação, o instrumento colocado por Deus em nosso coração que nos levará à realização do nosso objetivo aqui, na passagem por este mundo. Antes de tudo, porém, precisamos entender que o objetivo principal da nossa vida é servir a Deus. Assim, nossa vocação é servi-lo, seja qual for o estado civil que Ele nos quer, ou a profissão que exerceremos. Enfim, que tudo seja realizado com o objetivo de edificar, a cada minuto, o meu próximo, caminhando sempre dentro da ética e da capacitação que nos seja exigida.
Escolas diferenciadas estimulam seus alunos em todas as áreas do conhecimento e da criatividade para que eles se identifiquem com o seu Dom. Falarei mais adiante sobre isso com mais profundidade.
Por outro lado, a maioria das instituições educacionais estimulam apenas o retorno financeiro das profissões, as leis de mercado, a informação rápida. O resultado disso é um contínuo estado de estresse: a pessoa “estará por fora” se não tiver seu celular tocando a cada cinco minutos, se sua caixa de correio eletrônico não estiver descarregando mensagens minuto a minuto, se não estiver em sintonia com todas as notícias via Internet.
Nunca se tratou tanto de doenças afetivas, medo, pânico, depressão, ansiedade, descontrole episódico, dores de cabeça, vertigem, fibromialgia, doenças intestinais de fundo psíquico e histeria como nos últimos anos. As indústrias farmacêuticas nunca lucraram tanto com medicamentos psicotrópicos.

Pelo meu grito de alerta tocarei seu coração. Feche bem os seus olhos, feche bem os seus pensamentos, abra somente o seu coração, pois falarei com a força do vento que arrancará você do chão, e as minhas palavras farão muito sentido, pois serão acolhidas no seu interior, sem os vícios do mundo moderno.
“A Felicidade está na entrega do seu talento ao serviço de todo aquele que dele necessitar”.