No 2 de fevereiro, dia da Apresentação do Senhor, celebramos de forma muito especial o dia da vida consagrada. Para Comunidade Canção Nova, este é um dia de festa e ação de graças, porque juntos, em comunidade, renovamos nosso compromisso com Deus neste Carisma que nasceu da vontade de Deus.

A partir do “sim” de um sacerdote que, conquistado pelo Senhor e movido pelo Espírito Santo, ousou fazer também um chamado aos jovens em 1977 para seguirem mais de perto a Cristo, nasceu a comunidade. Ao longo dos anos, muitos outros foram chegando, cada um a seu tempo e, junto aos primeiros, protagonizam esta linda história que completa 37 anos. More »

Nossa Senhora Aparecida

São 298 anos de devoção à Padroeira do Brasil. Foi num outubro de 1717 que três pescadores acharam nas águas do Rio Paraíba, na cidade de Aparecida do Norte, interior paulista, os dois pedaços da imagem de Nossa Senhora: primeiro o corpo; depois a cabeça. Daí, então, a pescaria que antes não tinha rendido nada, deu de vento em poupa; João Alves, Felipe Pedroso e Domingos Garcia encheram as redes de lambaris, e os corações com a fé na imagem negra da Virgem Maria.

De lá para cá a sequência de milagres não parou e o número de devotos nunca mais deixou de crescer. O Brasil ganhava a sua padroeira. O decreto oficial veio apenas em 1930, com o Papa Pio XI. 50 anos depois, São João Paulo II consagrava a Basílica de Nossa Senhora Aparecida, a maior basílica mariana de todo o mundo.

Neste dia dedicado à Virgem, unamos as nossas preces em favor do povo brasileiro, pedindo a Jesus, pelas mãos de Maria, que as nossas necessidades mais urgentes cheguem ao coração do Pai, tanto no contexto nacional (política, economia, emprego), quanto em nossas vidas em particular. Vamos rezar juntos a jaculatória?

Senhora Aparecida, milagrosa Padroeira, sede nossa guia nesta mortal carreira! Ó Virgem Aparecida, sacrário do Redendor, daí à alma desfalecida vosso poder e valor. Ó Virgem Aparecida, fiel e seguro norte, alcançai-nos graças na vida, favorecei-nos na morte! Amém!

 

     São-Jerônimo

     A Igreja celebra hoje, 30 de setembro, um dos santos mais importantes para a propagação do Evangelho e das Sagradas Escrituras: São Jerônimo. Presbítero e doutor da Igreja, foi ele o responsável pela tradução da Bíblia para o latim, língua oficial da Igreja, o que permitiu que mais pessoas tivessem acesso aos textos da Palavra de Deus! A edição ficou conhecida como Vulgata.

     A Igreja o escolheu padroeiro de todos os que se dedicam ao estudo da Bíblia e fixou o “Dia da Bíblia” no mês do seu aniversário de morte, 30 de setembro.

“Carne da minha carne e osso dos meus ossos”

     “Graças a Deus, não posso negar: a Bíblia faz parte de minha vida. Ela se tornou carne da minha carne e osso dos meus ossos. Eu comi, mastiguei, digeri, ruminei, assimilei a Palavra de Deus como um alimento. Hoje ela é como sangue que corre em minhas veias”. Essas são palavras de um homem apaixonado pela Bíblia: Monsenhor Jonas Abib!

jonas-abib-conhecer-e-viver-a-palavra-de-deus

     Monsenhor Jonas nos conta que muitas vezes as pessoas, ao mandar cartas ou bilhetes com pedidos de oração, acabava escrevendo “ao Pe. Jonas da Bíblia”, confundindo o sobrenome real do padre, Abib. Ele relata: “Foi a Palavra que fez em mim o que sou hoje. É a Palavra que me dá hoje a possibilidade de fazer o que eu faço. E tenho a certeza: ela tem muito ainda a fazer em mim. O que eu peço para mim, peço também para você. (…) Deixe que ela faça!”.

     A Palavra de Deus sempre esteve na história da Comunidade Canção Nova e de nosso fundador, Monsenhor Jonas Abib. Foi em um ‘encontro’ com a Sagrada Escritura, mais precisamente no capítulo 13 do Evangelho de São Mateus, que o padre teve o primeiro encontro pessoal com Jesus Cristo. De fato, a Bíblia não é apenas uma coleção de livros, mas o próprio Deus que se revela e nos orienta na direção de uma vida íntima e ofertada a Ele, através da busca da santidade.

Sem título

     A Palavra é nosso alimento sólido para a construção do homem novo. É nosso encontro diário com a voz de Deus para nossas vidas. Não à toa que o Estudo da Palavra faz parte das práticas de piedade da Comunidade Canção Nova. Nossa vida de intimidade com Deus é perpassada pela luz do Evangelho, nossa primeira regra de vida. Todos os dias temos esse encontro com o Verbo, seja na Santa Missa, pela liturgia da Palavra, seja na leitura orante da Bíblia, baseada no método que o próprio Monsenhor Jonas nos ensina: A Bíblia no meu dia a dia (para saber mais clique aqui).

     Peçamos o auxílio de São Jerônimo para que em nossos corações pulse um amor apaixonado pela Palavra de Deus!

“Ó Deus, criador do universo, que vos revelastes aos homens, através dos séculos, pela Sagrada Escritura, e levastes a vosso servo São Jerônimo a dedicar a sua vida ao estudo e à meditação da Bíblia, dai-me a graça de compreender com clareza a vossa palavra quando leio a Bíblia. São Jerônimo, iluminai e esclarecei a todos os adeptos das seitas evangélicas para que eles compreendam as Escrituras, e se dêem conta de que contradizem a religião Católica e a própria Bíblia, porque eles se baseiam em princípios pagãos e superticiosos. São Jerônimo, ajudai-nos a considerar o ensinamento que nos vem da Bíblia acima de qualquer outra doutrina, já que é a palavra e o ensinamento do próprio Deus. Fazei que todos os homens aceitem e sigam a orientação do nosso Pai comum expressa nas Sagradas Escrituras.

São Jerônimo, rogai por nós. Amém.”

pescariaJá era tarde, o sol estava empolgado naquele dia! Como membro da Comunidade Canção Nova, eu me encontrava no período anual de descanso. Dentro do meu coração eu estava decidido a pescar com ele…

Já tinha pescado há muito tempo com ele, me recordo de poucas coisas. Mas, o tempo não foi capaz de me fazer esquecer a pessoa que me ensinou a pescar.

Penso que Jesus escolheu Pedro pescador, pelo simples fato do pescador ter hora para sair, mas não para voltar. Interessante, com ele não foi diferente, ele sempre agia assim: saia bem cedo antes do sol nascer e só retornava à noite, depois das estrelas.

Fico pensando: quantos rios ele já passou, quantos peixes já pescou. A arte da pescaria já proporcionou a ele muita coisa, além de ser um grande homem ele é um pescador.

Nesse dia estava ele, eu e mais ninguém. Não tinha espaço para outra pessoa, o tempo era nosso, o rio era nosso, tudo era nosso e de mais ninguém. No trajeto até o rio, surgiu uma partilha, não podia ser diferente. Dois pescadores juntos, só podia resultar nisso, nossa conversa foi sobre peixes, sobre quem pescou mais na vida.

Aprendi na Canção Nova que para chegar ao coração de uma pessoa, preciso falar daquilo que ela mais ama, preciso falar do seu sagrado. Jesus fez isso com Pedro, usou daquilo que ele mais amava, daquilo que ele mais sabia fazer, usou do seu sagrado, da pescaria.

Acho lindo quando Jesus dirigiu-se a Pedro e disse: “Segue-me e te farei pescador de homens” (cf. Mt 4,19)

Isso de alguma forma aconteceu comigo, deixei a pessoa que eu mais amava, a pessoa que me ensinou a pescar, para seguir Jesus, para poder pescar almas.

Minha gente, Jesus era um homem sensível, ele não tirou a pescaria de Pedro. Jesus fez diferente: deu qualidade à pesca de Pedro, deu sentido, significado. Tirou os peixes, colocou pessoas. Vem e segue-me e farei de vós pescadores de homens.

A forma que eu tinha para me aproximar dele era a pescaria, eu não podia deixar passar essa grande oportunidade, era minha única vara de pesca, era minha única isca. Era a pescaria mais importante de toda a minha vida. Meu coração queria ficar próximo ao dele, por meio da pescaria, eu olhava o seu semblante e pude presenciar a alegria estampada no seu rosto.

Confesso que a minha vontade nesse dia era entrar com muita discrição no seu coração, para poder saber o que estava passando por ali, mas não consegui. Então decidi usar do meu sagrado, da poesia, então recolhi no meu coração as suas palavras e alguns dos seus gestos simples que sobraram da nossa partilha até aquele instante. Organizei as palavras dentro de mim, despertou em mim, enfim, poesia.

A poesia tem o poder de entrar na vida do outro a todo instante sem que ele perceba. Então descobri o que ele estava pensando. Ele estava pensando em mim. Ele estava querendo entrar na minha vida da mesma forma que eu estava querendo entrar na dele por meio da pescaria.

Para isso acontecer nem foi preciso chegar até o rio. No caminho ele conseguiu e eu também consegui, nossos corações se encontraram. Então o que era para ser uma pesca de peixes, Jesus entrou e mudou, deu qualidade, deu vida. Significado. Virou pescaria de homens, de almas. Um pescou o outro. Agora já não eram duas pessoas e sim três: ele, eu e Jesus. Cumpriu-se assim a promessa feita a mim:

Ederson José, vem e segue-me e eu farei de ti pescador de homens (cf. Mt 4,19).

E foi assim a nossa pescaria, minha gente, não teve peixes, teve pessoas, teve significados. E o maior significado de uma pescaria não são os peixes, são as pessoas. Jesus, eu e ele: o meu pai.

São Pedro, pescador de almas, rogai por nós!

Éderson José

Discipulado 2014

CN Queluz

_20140220_163257Meu nome é Éderson José, tenho 30 anos e estou fazendo o meu discipulado na Comunidade Canção Nova. Estou na Casa de formação em Queluz conhecida como a Casa de Maria, santuário do carisma Canção Nova e gostaria de partilhar a minha experiência com ela aqui neste tempo, dizem que ela caminha nesta casa, isso é fato. Esta é a descoberta que fiz aqui na Casa de Maria, então, quero usar o jardim como referência para que você possa entender melhor a minha experiência. Gosto muito de pisar onde tem terra, me sinto bem assim, me sinto dentro do carisma, dentro da simplicidade. A Comunidade Canção Nova começou aqui neste chão de terra que piso.

A casa de Maria e também o jardim é assim simples e discreto. O jardim da casa da Virgem não possui muitas flores, como disse ele é discreto, talvez você não consiga entender um jardim com poucas flores. Mas com muitas ou poucas flores ele será sempre um jardim, por isso nunca desista do seu jardim mesmo que hoje ele se encontre com poucas flores. Ele continuará sendo sempre esse jardim.

Neste ano de discipulado estou disposto a ser esse jardim nas mãos de Maria, estou disposto a nascer de novo no ventre da Mãe. Neste tempo eu tenho a possibilidade de nascer de novo para o Carisma Canção Nova. Quero começar pequeno, um broto, como diz em Isaías 11,1: “Um broto vai surgir do tronco seco de Jessé, das velhas raízes um ramo brotará”’. Jesus começou sendo pequeno, um broto que nasceu da descendência de Davi. Eu também quero ser esse broto que vai surgindo no dia a dia o homem novo. Quando chegar a primavera, final do discipulado, esse ramo brotará, como brotou Jesus no ventre de Maria.

No ventre de Nossa Senhora tem um lugar pra você, no jardim dela tem um lugar pra você. Seja bem vindo! Não tenha medo de ser jardim nas mãos de Maria! Ela, todo dia, bem discreta, pela manhã terá a sensibilidade de regar esse seu jardim – de muitas ou poucas flores – com seu regador que é a pureza e a santidade. Hoje esse jardim sou eu e você. Precisamos de muita terra e de muita água que é o Espírito Santo. Mas não se preocupe, ela que é mãe e mestra conhece tudo sobre jardim, sobre você. Na Canção Nova ela tudo fez, na sua vida não vai ser diferente.

Maria é muito simples, tão simples que continua usando as mesmas palavras que usou com Jesus nas Bodas de Caná da Galileia e me diz ao coração: “Éderson José, ‘fazei tudo aquilo que Ele vos disser’” (cf. Jo 2,5). A mãe hoje fala pra você que gosta ou não de jardim: “meu filho, minha filha, fazei tudo aquilo o que Ele vos disser”. Convido você a, todos os dias, seguir os passos de Jesus, de Maria e também de São José, que conhecia muita coisa sobre jardim, principalmente sobre lírios, sobre pureza.

No seu jardim que é o seu coração não poderá faltar esta flor, o lírio. A pureza precisa habitar neste jardim. No jardim da Virgem, São José sempre estará presente. Hoje você é um lírio nas mãos de Deus, dentro ou fora do jardim, na pureza ou não, Ele te acolhe novamente. Entretanto, muito cuidado, flor que não permanece no jardim não recebe cuidado, fica sem água e, sem água, ela não sobrevive.

Discípulo Éderson José

São José Valei-nos

CAM00670Com a graça de Deus, nesse dia 24 de janeiro de 2014, dia de São Francisco de Salles, faço 18 anos que cheguei na Canção Nova, a Casa de Maria, vim para fazer o noviciado, hoje dizemos “discipulado” nessa casa, a Casa de Maria em Queluz. Uma simples menina, do interior do Paraná, que tinha apenas 17 anos, mas no coração um profundo desejo de fazer a Vontade de Deus, de corresponder ao chamado que Ele me fez e continua a me fazer. Nesta casa, durante o ano do discipulado, pude fazer lindas experiências, a presença de Nossa Senhora nesta casa, é muito forte, sentia sua presença de Mãe que me amava, me acolhia, e me consolava muitas vezes quando a saudade da minha família, principalmente da minha mãe apertava no coração. Fiz a experiência de sentir Nossa Senhora também como amiga, mulher, que me formava para ser uma grande mulher de Deus, como eu era uma jovem que saia da sua juventude para abraçar a idade adulta, sentia ela me formando a saber como agir e lidar com os desafios próprios da vida de adulto, sabendo fazer as escolhas certas, nas horas certas, saber como dar uma resposta diferente, diante dos sofrimentos. Fiz também a experiência da Virgem Maria como Mestra do carisma CN, ela que foi me preparando e me gerando dentro desse carisma e gerando o carisma em mim, fazendo que ele crescesse e tomasse corpo dentro de mim, até o momento de ele ser visível para aqueles que se aproximassem de mim. Fui trabalhando minha história, meu processo de cura interior, fui crescendo na minha vida de oração aprendendo a ser fiel as 5 pedrinhas, que nos sustenta no carisma, nas regras de vida próprias da CN, nos nossos estatutos que como diz nosso pai fundador, Monsenhor Jonas Abib, é o nosso código de santidade, se eu vivê-lo na fidelidade ordinária, eu poderei chegar no céu, ele pode me fazer santa.

No ano de 2003, depois de ter passado 5 anos na missão da CN em Portugal, em que fui em 1998 para abrir a missão, eu voltei para a casa de Maria aqui em Queluz, foi um tempo em que fui regenerada como pessoa e no carisma, foram 9 meses, tempo suficiente para o Senhor me restaurar pelas mãos de Sua Santíssima Mãe.

Agora em 2014, volto a Casa de Maria para fazer uma nova experiência, para começar com mais 3 irmãs , a casa contemplativa da CN, uma casa de intercessão, ainda estamos dando os primeiros passos, mas sinto que a Virgem Maria nos acompanha e está conosco. Conto também com sua intercessão para este novo tempo, que pode ser que futuramente eu volte a escrever desta minha experiência.

Um grande abraço… Que Nossa Senhora o guarde sempre!

Roselaine Iria Ribeiro

CN – Casa de Maria – Queluz.

roselaine@cancaonova.eu

A Virgem Maria caminha conosco.

Na Canção Nova nutrimos um profundo amor e devoção à Virgem Maria e costumamos afirmar com toda a confiança: É Ela quem tudo faz! Mediante às nossas necessidades espirituais e materiais somos todos os dias agraciados pela sua proteção materna que sempre nos auxilia.

Como missionária da comunidade Canção Nova, há 10 anos moro em Fátima/Portugal e aqui fiz e faço a bela experiência de caminhar com a Virgem Maria. Estabeleço um relacionamento de amizade com Ela. Com Maria todos os dias posso contemplar a ação misericordiosa de Deus em minha vida e na vida de tantas pessoas que fazem parte da minha vida. Ela é a onipotência  suplicante e medianeira das graças celestes.

A Beata Jacinta, pastorinha de Fátima, disse certa vez à irmã Lúcia sua prima: “Diz a toda a gente que Deus nos concede as graças por meio do Coração Imaculado de Maria; que lhas peçam a Ela.” (Memórias da irmã Lúcia.)

Partilho uma graça particular que recebi estando na missão da Canção Nova em Fátima, terra de santa Maria: Desde os meus 16 anos trazia um desejo de me consagrar totalmente ao Senhor. Entrei para a comunidade aos 20 anos e aos 28 assumi o meu primeiro compromisso temporário como virgem consagrada na Paróquia de Fátima. Nossa Senhora e os pastorinhos, foram nutrindo em minha alma um profundo amor pela Mensagem de Fátima e esta experiência levou-me a assumir o seguinte lema com a ajuda do meu diretor espiritual: em tudo reparar o Imaculado Coração de Maria.

Aos 31 anos fiz a minha consagração definitiva como virgem consagrada na nossa Casa de Maria em Queluz no dia 08/09/2011, precisamente no dia da natividade da Virgem Maria. Portanto só posso afirmar: na minha vida foi Ela quem tudo fez e faz!

Estando em retiro na Casa de Maria nos dias que antecederam a minha consagração, pude perceber todo o carinho e auxílio de Nossa Senhora, preparando-me para ser desposada por seu Filho Jesus. Na celebração da minha consagração especialmente ao ler a fórmula, fui tomada pela graça de Deus, de uma maneira muito peculiar. Nosso Senhor aceitou a minha entrega e concretizou o desejo que há tanto tempo eu trazia no coração.

Sempre que lembro desta experiência, sou tomada por uma profunda gratidão à Deus, por me ter concedido dom tão sublime. Como não ter também o coração grato aos meus irmãos de comunidade e familiares, por todo apoio e presença, por serem sinais do amor de Deus para comigo!

Para mim e para a minha família foi muito gratificante ver todo o carinho e apoio dos irmãos da casa de Maria que tanto trabalharam para que tudo corresse bem, nomeadamente a equipe de formação e a turma de discipulado que estava presente.

Com a Virgem Maria, nossa Mãe tão terna e atenta, caminhemos sempre com os olhos fixos em Seu Filho Jesus, pois Ela tudo faz para que tenhamos a nossa vida centrada NELE!

.

Áurea Maria
Missionária CN – missão de Fátima/Portugal

Veja também:

.: Celibato, uma resposta de amor

Quando nos colocamos em oração diante de Deus que tudo pode, realmente não se fica o mesmo. Assim vivi na Casa de Maria durante o meu Discipulado, lugar onde são gerados homens e mulheres novos.

Também eu fui plasmado no ventre Daquela que plasmou o próprio Deus. Vivendo em estado de oração me deixei ser mudado na minha natureza, que por anos foi manchada pelo pecado. Agora no lugar das feridas, marcas que me remetem o desejo do céu, de querer realizar o sonho de Deus pra mim.

Cheguei à Casa de Maria desejoso de experimentar a graça que ouvi dizer que muitos viveram; de provar a força que existe naquela casa por conta do carisma Canção Nova. Força essa que tem a capacidade de transformar, assim fui ensinado a viver a oração. A buscar a cura, a maturidade, a libertação e uma vida de intimidade com Deus pela oração. Dessa maneira fui deixando transformar as minhas vontades nas de Deus e não transformar as de Deus nas minhas.

Foi necessário, e digo até que era a vontade do Senhor, que ao término do meu ano na Casa de Maria eu saísse mudado e por isso apliquei-me na oração alicerçada pela Palavra de Deus, onde pude ser lapidado, como se estivessem arrancando pedaços de mim, tirando pesos. Aos poucos fui deixando para trás o que era velho e vivendo a metamorfose do amor, para em Deus me tornar uma pessoa melhor.

Dessa maneira fui sendo mudado, provado e alcançado sempre pelo Senhor que me diz: “se o meu povo, sobre o qual foi invocado o meu nome, se humilhar, se procurar a minha face para orar, se renunciar ao seu mau procedimento, escutarei do alto dos céus e sanarei sua terra”. II Cr 7, 14.

Fui visitado várias vezes, esvaziado por tantas outras e cheio por todo tempo, pelo Espírito Santo que emana daquele lugar, e sendo assim, como nas visitas sempre se deixa e leva algo nem que seja uma palavra, um gesto, um olhar, um sorriso ou simplesmente a certeza de ser amado, deixo e trago dentro de mim a felicidade de poder ter passado nesse lugar que é o Santuário do Carisma Canção Nova, por ter sido mudado também pela oração de intercessão dos irmãos e dos responsáveis por mim naquele tempo.

Agora me resta continuar a orar para que as mudanças em mim não parem e que a experiência daquele jovem que chegou desejoso a Casa de Maria não se perca com o passar dos anos, mas se renove com o prolongar da mesma.

Desta forma agradeço ao Deus que é infinito de misericórdia e rico em compaixão por apostar e esperar, que essa obra inacabada possa um dia o contemplar face a face.

Obrigado Senhor porque cumpres as tuas promessas.

Francisco Fábio Nunes
Comunidade Canção Nova [Juniorato]

Estar na Casa de Maria é voltar ao colo da Mãe

Tive a graça de morar na Casa de Maria em 2009, em meu segundo ano de formação inicial da Canção Nova, o Discipulado.

Começo aqui com minha primeira experiência na casa de Maria: Assim que cheguei aquela casa para iniciar o meu discipulado, no primeiro momento que pisei aquele solo, Deus já foi me surpreendendo.

Cheguei num domingo à tarde e fui subindo a escada em direção a Capela. Enquanto subia, sentia a presença do nosso Fundador Monsenhor Jonas Abib caminhando comigo em cada degrau. Falava-me: “Aqui você será feliz, aqui é a casa de Maria, portanto, a sua casa. Foi a Virgem Maria quem lhe trouxe para cá, estou feliz porque ela lhe trouxe para viver esse tempo. Aqui você será formada”.

Fiquei muito tocada com aquele sentimento e não entendia o porquê, visto que o fundador já não morava mais ali. Guardei no coração.

Depois de algum tempo, em uma das formações comunitárias, nossa mestra da época (Maria Cristina) partilhou que um dos padres da nossa comunidade que estava visitando a Casa de Maria constatou que é possível perceber naquela casa, muito fortemente, a presença do fundador. Naquela hora entendi a mística que existe na Casa de Maria. É o lugar do encontro. Encontro com Deus, encontro com a Virgem Maria, encontro com os irmãos e com o Carisma.

Morando naquela casa, ouvi muitas vezes dos meus irmãos de turma, as experiências que faziam com a Virgem Maria e eu sempre desejei também viver estas experiências. Num certo dia, enquanto o Padre Roger Luís celebrava a Santa Missa muitos de nós, senão todos, sentimos e percebemos durante a Missa a presença da Virgem Maria em nosso meio. Um após o outro foi confirmando esta presença com sentimentos, imagens, etc. Foi um momento muito forte que depois gerou grandes partilhas. Saímos todos muito tocados daquela missa, pois a Virgem Maria não somente nos visitou, mas permaneceu conosco.

Aprendi e toquei na realidade que a Casa de Maria é também a Casa da Acolhida e do Serviço. Somos servos da Casa de Maria.

Hoje morando em outra frente de Missão da Canção Nova, atualmente em São José do Rio Preto, retomo sempre: Sou serva da Casa de Maria. Em qualquer missão que eu me encontre, sou serva da Casa de Maria. Toda a Canção Nova é também a Casa de Maria.

Lembro-me que no período em que lá morei, aprendi com a Virgem Maria o caminho da capela, aprendi a não perder tempo para rezar. Foi ela quem me ensinou a viver o silêncio e a oração.

A Casa de Maria também é para mim o lugar do meu repouso e da retomada. Maria sempre me atrai à sua casa. Todos os anos, aproveito meu período de descanso para me refazer no colo da Mãe, para rezar, para encontrar-me com Deus e com os irmãos. Cada vez que eu vou é uma surpresa, uma experiência nova. Deus é criativo e Maria também é criativa. Lá me sinto à vontade, me sinto filha.

Quando lá eu chego, parece que nunca saí. Envolvo-me na dinâmica da casa, convivo com os meus irmãos. É muito bom estar na casa de Maria. Maria sempre atrai os seus filhos à sua casa, porque a casa da mãe é o lugar dos filhos.

Arlane Moreira
Canção Nova – São José do Rio Preto/SP

Veja também:

.: “Muitas vezes começar tudo de novo”
Post de Maurício Cataldo, da mesma turma da Arlane Moreira

07. novembro 2013 · Comentários desativados em Encontrei O Sentido · Categories: Experiências na Casa de Maria, Formação · Tags: , , , ,

Superação da inferioridade e feridas por ser negro

Penso que a maior riqueza que Deus infundiu no homem foi o livre-arbítrio. A possibilidade de fazer escolhas, de ser dono de sua vontade. Isto tudo é muito belo, pois não somos marionetes nas mãos de Deus. Porém, podemos fazer o mau uso desta liberdade, optando por bens menores ou até mesmo escolhendo pelo o que é mau. Nesse caso, a consequência é a dor pela má escolha, a tristeza de perder o sentido da própria vida e não sentir-se completo.

Aqui começa a incrível jornada da busca de sentido que vivi na Casa de Maria. Um ato concreto de amor e de intervenção de Deus em minha história que se torna bela quando uno a minha vontade, a minha liberdade à Dele. Uma união perfeita que se dá aos seus pés.

As minhas feridas, mágoas, ressentimentos e tudo aquilo que me fez um dia chorar, me sentir sozinho, mesmo com tantas pessoas a minha volta e mesmo com uma família unida… tudo isso tive a graça de despejar nos braços de Deus. Foi a majestosa experiência de quebrar o vaso de alabastro todos os dias aos pés do mestre.

Descobri em mim feridas em minha história ocasionadas também pelos outros, pelo fato de ser negro, pelo fato de ser fruto de uma união inter-racial. Tudo isso causaram profundas dores que me levaram a me sentir menos que os outros, menos capaz, menos amado.

Entretanto, no coração do Pai, em seu calor, encontrei o sentido para todas estas dores. Uma vez que nem todas foram reveladas no tempo que morei na Casa de Mara, em 2011.

O fato de ter aprendido que a vida de um cristão se dá aos pés do Mestre, derramando o vaso de alabastro todos os dias diante Dele, foi que me levou, posteriormente, a continuar trilhando este caminho de conhecimento de mim mesmo sob os olhos e cuidados do Pai, pois sei o quanto sou caro e o quanto Ele me ama.Tudo isso ainda é um processo… que foi iniciado na Casa de Maria. Porém, um processo vivido nos braços Daquele que verdadeiramente me ama como sou e pelo que sou.

.

Rui Junio dos Santos
fb.com/ruijunio
Comunidade Canção Nova [ Juniorato ]