Um namoro casto?!

A decisão de viver a castidade por amor, é dizer para mim mesma: “eu amo o templo sagrado que Deus me deu para cuidar”, testemunha missionária.

Monsenhor Jonas Abib, fundador da Comunidade, nos ensina que cada um tem seu estado de vida, e que o estado de vida é concretizado, é assumido, antes e acima de tudo, por causa do Reino de Deus, por conta da missão.

Hoje vivo o namoro dentro da Comunidade, experiência essa que aos poucos me faz tocar e viver essa profecia do meu Pai Fundador. Na Canção Nova somos chamados a viver com muita responsabilidade o que a Igreja nos convida a viver, um namoro casto! E tendo isso como princípio de vida em nosso relacionamento, posso testemunhar que é uma descoberta dia a dia dos frutos da obediência a Deus, ao Carisma, a Igreja.

A decisão de viver a castidade por amor, é dizer para mim mesma: ” eu amo o templo sagrado que Deus me deu para cuidar” que é meu corpo, que é o corpo do meu namorado, e como cuido do corpo dele? Não querendo ultrapassar o limite que o namoro nos convida a viver. E aproveitar esse namoro para viver o que abraçamos juntos, a missão!

Luana Fiuza e o namorado Wilker – Arquivo pessoal

A profundidade em Deus, no Carisma é nos aprofundarmos em conhecermos um ao outro, nossa história, nossa família, nossos sonhos, e a medida que vamos vivendo essa profundidade, não há tempo para viver o que não é desse tempo. É só questão de escolha e assumir a consequência dessa escolha, com amor, com liberdade.

Em Nossos Documentos, Monsenhor Jonas, nos ensina:  “eles são chamados não simplesmente a namorar e depois se casarem, mas sim para serem casais novos, famílias novas, células de uma sociedade nova. Semente de um mundo novo”. Isso cai em meu coração com tanta responsabilidade, porque vejo que Deus nos chamou a viver a nossa vocação ao matrimônio dentro do Carisma Canção Nova.

Leia também:

:: Nossos Princípios de Vida: Sadia Convivência

:: Curados para AMAR

É uma luta? Sim! Porém somos e queremos viver como consagrados, somos e queremos viver como um casal de namorados consagrados. Somos humanos, sentimos, e isso nos mostra que temos saúde! Mas o que faço com esse “sentir” é a grande diferença! Nós, eu e Wilker, canalizamos para vida fraterna, vida de oração. E com certeza cada casal vive isso de forma particular, essa é a nossa via.

O nosso fundador também nos diz que precisamos ser transparentes e verdadeiros um com o outro, e sempre que percebermos a fragilidade seja em qualquer área, sexualidade, comunicação, vida de oração, precisamos e devemos pedir ajuda! A ajuda, nos leva a libertação, libertação dos temores que nos aprisionam.

Enfim, nossa história de amor começou quando estávamos vivendo com coerência nossas práticas de vida. Nossa história de amor começou quando estávamos fazendo o Estudo Bíblico, e partilhando um com outro, daí percebi que o Wilker  não era somente um homem consagrado, mais um Homem de Deus! Homem da Palavra!

 

Luana Fiuza da Silva

Comunidade Canção Nova