São-Jerônimo

     A Igreja celebra hoje, 30 de setembro, um dos santos mais importantes para a propagação do Evangelho e das Sagradas Escrituras: São Jerônimo. Presbítero e doutor da Igreja, foi ele o responsável pela tradução da Bíblia para o latim, língua oficial da Igreja, o que permitiu que mais pessoas tivessem acesso aos textos da Palavra de Deus! A edição ficou conhecida como Vulgata.

     A Igreja o escolheu padroeiro de todos os que se dedicam ao estudo da Bíblia e fixou o “Dia da Bíblia” no mês do seu aniversário de morte, 30 de setembro.

“Carne da minha carne e osso dos meus ossos”

     “Graças a Deus, não posso negar: a Bíblia faz parte de minha vida. Ela se tornou carne da minha carne e osso dos meus ossos. Eu comi, mastiguei, digeri, ruminei, assimilei a Palavra de Deus como um alimento. Hoje ela é como sangue que corre em minhas veias”. Essas são palavras de um homem apaixonado pela Bíblia: Monsenhor Jonas Abib!

jonas-abib-conhecer-e-viver-a-palavra-de-deus

     Monsenhor Jonas nos conta que muitas vezes as pessoas, ao mandar cartas ou bilhetes com pedidos de oração, acabava escrevendo “ao Pe. Jonas da Bíblia”, confundindo o sobrenome real do padre, Abib. Ele relata: “Foi a Palavra que fez em mim o que sou hoje. É a Palavra que me dá hoje a possibilidade de fazer o que eu faço. E tenho a certeza: ela tem muito ainda a fazer em mim. O que eu peço para mim, peço também para você. (…) Deixe que ela faça!”.

     A Palavra de Deus sempre esteve na história da Comunidade Canção Nova e de nosso fundador, Monsenhor Jonas Abib. Foi em um ‘encontro’ com a Sagrada Escritura, mais precisamente no capítulo 13 do Evangelho de São Mateus, que o padre teve o primeiro encontro pessoal com Jesus Cristo. De fato, a Bíblia não é apenas uma coleção de livros, mas o próprio Deus que se revela e nos orienta na direção de uma vida íntima e ofertada a Ele, através da busca da santidade.

Sem título

     A Palavra é nosso alimento sólido para a construção do homem novo. É nosso encontro diário com a voz de Deus para nossas vidas. Não à toa que o Estudo da Palavra faz parte das práticas de piedade da Comunidade Canção Nova. Nossa vida de intimidade com Deus é perpassada pela luz do Evangelho, nossa primeira regra de vida. Todos os dias temos esse encontro com o Verbo, seja na Santa Missa, pela liturgia da Palavra, seja na leitura orante da Bíblia, baseada no método que o próprio Monsenhor Jonas nos ensina: A Bíblia no meu dia a dia (para saber mais clique aqui).

     Peçamos o auxílio de São Jerônimo para que em nossos corações pulse um amor apaixonado pela Palavra de Deus!

“Ó Deus, criador do universo, que vos revelastes aos homens, através dos séculos, pela Sagrada Escritura, e levastes a vosso servo São Jerônimo a dedicar a sua vida ao estudo e à meditação da Bíblia, dai-me a graça de compreender com clareza a vossa palavra quando leio a Bíblia. São Jerônimo, iluminai e esclarecei a todos os adeptos das seitas evangélicas para que eles compreendam as Escrituras, e se dêem conta de que contradizem a religião Católica e a própria Bíblia, porque eles se baseiam em princípios pagãos e superticiosos. São Jerônimo, ajudai-nos a considerar o ensinamento que nos vem da Bíblia acima de qualquer outra doutrina, já que é a palavra e o ensinamento do próprio Deus. Fazei que todos os homens aceitem e sigam a orientação do nosso Pai comum expressa nas Sagradas Escrituras.

São Jerônimo, rogai por nós. Amém.”

pescariaJá era tarde, o sol estava empolgado naquele dia! Como membro da Comunidade Canção Nova, eu me encontrava no período anual de descanso. Dentro do meu coração eu estava decidido a pescar com ele…

Já tinha pescado há muito tempo com ele, me recordo de poucas coisas. Mas, o tempo não foi capaz de me fazer esquecer a pessoa que me ensinou a pescar.

Penso que Jesus escolheu Pedro pescador, pelo simples fato do pescador ter hora para sair, mas não para voltar. Interessante, com ele não foi diferente, ele sempre agia assim: saia bem cedo antes do sol nascer e só retornava à noite, depois das estrelas.

Fico pensando: quantos rios ele já passou, quantos peixes já pescou. A arte da pescaria já proporcionou a ele muita coisa, além de ser um grande homem ele é um pescador.

Nesse dia estava ele, eu e mais ninguém. Não tinha espaço para outra pessoa, o tempo era nosso, o rio era nosso, tudo era nosso e de mais ninguém. No trajeto até o rio, surgiu uma partilha, não podia ser diferente. Dois pescadores juntos, só podia resultar nisso, nossa conversa foi sobre peixes, sobre quem pescou mais na vida.

Aprendi na Canção Nova que para chegar ao coração de uma pessoa, preciso falar daquilo que ela mais ama, preciso falar do seu sagrado. Jesus fez isso com Pedro, usou daquilo que ele mais amava, daquilo que ele mais sabia fazer, usou do seu sagrado, da pescaria.

Acho lindo quando Jesus dirigiu-se a Pedro e disse: “Segue-me e te farei pescador de homens” (cf. Mt 4,19)

Isso de alguma forma aconteceu comigo, deixei a pessoa que eu mais amava, a pessoa que me ensinou a pescar, para seguir Jesus, para poder pescar almas.

Minha gente, Jesus era um homem sensível, ele não tirou a pescaria de Pedro. Jesus fez diferente: deu qualidade à pesca de Pedro, deu sentido, significado. Tirou os peixes, colocou pessoas. Vem e segue-me e farei de vós pescadores de homens.

A forma que eu tinha para me aproximar dele era a pescaria, eu não podia deixar passar essa grande oportunidade, era minha única vara de pesca, era minha única isca. Era a pescaria mais importante de toda a minha vida. Meu coração queria ficar próximo ao dele, por meio da pescaria, eu olhava o seu semblante e pude presenciar a alegria estampada no seu rosto.

Confesso que a minha vontade nesse dia era entrar com muita discrição no seu coração, para poder saber o que estava passando por ali, mas não consegui. Então decidi usar do meu sagrado, da poesia, então recolhi no meu coração as suas palavras e alguns dos seus gestos simples que sobraram da nossa partilha até aquele instante. Organizei as palavras dentro de mim, despertou em mim, enfim, poesia.

A poesia tem o poder de entrar na vida do outro a todo instante sem que ele perceba. Então descobri o que ele estava pensando. Ele estava pensando em mim. Ele estava querendo entrar na minha vida da mesma forma que eu estava querendo entrar na dele por meio da pescaria.

Para isso acontecer nem foi preciso chegar até o rio. No caminho ele conseguiu e eu também consegui, nossos corações se encontraram. Então o que era para ser uma pesca de peixes, Jesus entrou e mudou, deu qualidade, deu vida. Significado. Virou pescaria de homens, de almas. Um pescou o outro. Agora já não eram duas pessoas e sim três: ele, eu e Jesus. Cumpriu-se assim a promessa feita a mim:

Ederson José, vem e segue-me e eu farei de ti pescador de homens (cf. Mt 4,19).

E foi assim a nossa pescaria, minha gente, não teve peixes, teve pessoas, teve significados. E o maior significado de uma pescaria não são os peixes, são as pessoas. Jesus, eu e ele: o meu pai.

São Pedro, pescador de almas, rogai por nós!

Éderson José

Discipulado 2014

CN Queluz

Quando nos colocamos em oração diante de Deus que tudo pode, realmente não se fica o mesmo. Assim vivi na Casa de Maria durante o meu Discipulado, lugar onde são gerados homens e mulheres novos.

Também eu fui plasmado no ventre Daquela que plasmou o próprio Deus. Vivendo em estado de oração me deixei ser mudado na minha natureza, que por anos foi manchada pelo pecado. Agora no lugar das feridas, marcas que me remetem o desejo do céu, de querer realizar o sonho de Deus pra mim.

Cheguei à Casa de Maria desejoso de experimentar a graça que ouvi dizer que muitos viveram; de provar a força que existe naquela casa por conta do carisma Canção Nova. Força essa que tem a capacidade de transformar, assim fui ensinado a viver a oração. A buscar a cura, a maturidade, a libertação e uma vida de intimidade com Deus pela oração. Dessa maneira fui deixando transformar as minhas vontades nas de Deus e não transformar as de Deus nas minhas.

Foi necessário, e digo até que era a vontade do Senhor, que ao término do meu ano na Casa de Maria eu saísse mudado e por isso apliquei-me na oração alicerçada pela Palavra de Deus, onde pude ser lapidado, como se estivessem arrancando pedaços de mim, tirando pesos. Aos poucos fui deixando para trás o que era velho e vivendo a metamorfose do amor, para em Deus me tornar uma pessoa melhor.

Dessa maneira fui sendo mudado, provado e alcançado sempre pelo Senhor que me diz: “se o meu povo, sobre o qual foi invocado o meu nome, se humilhar, se procurar a minha face para orar, se renunciar ao seu mau procedimento, escutarei do alto dos céus e sanarei sua terra”. II Cr 7, 14.

Fui visitado várias vezes, esvaziado por tantas outras e cheio por todo tempo, pelo Espírito Santo que emana daquele lugar, e sendo assim, como nas visitas sempre se deixa e leva algo nem que seja uma palavra, um gesto, um olhar, um sorriso ou simplesmente a certeza de ser amado, deixo e trago dentro de mim a felicidade de poder ter passado nesse lugar que é o Santuário do Carisma Canção Nova, por ter sido mudado também pela oração de intercessão dos irmãos e dos responsáveis por mim naquele tempo.

Agora me resta continuar a orar para que as mudanças em mim não parem e que a experiência daquele jovem que chegou desejoso a Casa de Maria não se perca com o passar dos anos, mas se renove com o prolongar da mesma.

Desta forma agradeço ao Deus que é infinito de misericórdia e rico em compaixão por apostar e esperar, que essa obra inacabada possa um dia o contemplar face a face.

Obrigado Senhor porque cumpres as tuas promessas.

Francisco Fábio Nunes
Comunidade Canção Nova [Juniorato]

07. novembro 2013 · Comentários desativados em Encontrei O Sentido · Categories: Experiências na Casa de Maria, Formação · Tags: , , , ,

Superação da inferioridade e feridas por ser negro

Penso que a maior riqueza que Deus infundiu no homem foi o livre-arbítrio. A possibilidade de fazer escolhas, de ser dono de sua vontade. Isto tudo é muito belo, pois não somos marionetes nas mãos de Deus. Porém, podemos fazer o mau uso desta liberdade, optando por bens menores ou até mesmo escolhendo pelo o que é mau. Nesse caso, a consequência é a dor pela má escolha, a tristeza de perder o sentido da própria vida e não sentir-se completo.

Aqui começa a incrível jornada da busca de sentido que vivi na Casa de Maria. Um ato concreto de amor e de intervenção de Deus em minha história que se torna bela quando uno a minha vontade, a minha liberdade à Dele. Uma união perfeita que se dá aos seus pés.

As minhas feridas, mágoas, ressentimentos e tudo aquilo que me fez um dia chorar, me sentir sozinho, mesmo com tantas pessoas a minha volta e mesmo com uma família unida… tudo isso tive a graça de despejar nos braços de Deus. Foi a majestosa experiência de quebrar o vaso de alabastro todos os dias aos pés do mestre.

Descobri em mim feridas em minha história ocasionadas também pelos outros, pelo fato de ser negro, pelo fato de ser fruto de uma união inter-racial. Tudo isso causaram profundas dores que me levaram a me sentir menos que os outros, menos capaz, menos amado.

Entretanto, no coração do Pai, em seu calor, encontrei o sentido para todas estas dores. Uma vez que nem todas foram reveladas no tempo que morei na Casa de Mara, em 2011.

O fato de ter aprendido que a vida de um cristão se dá aos pés do Mestre, derramando o vaso de alabastro todos os dias diante Dele, foi que me levou, posteriormente, a continuar trilhando este caminho de conhecimento de mim mesmo sob os olhos e cuidados do Pai, pois sei o quanto sou caro e o quanto Ele me ama.Tudo isso ainda é um processo… que foi iniciado na Casa de Maria. Porém, um processo vivido nos braços Daquele que verdadeiramente me ama como sou e pelo que sou.

.

Rui Junio dos Santos
fb.com/ruijunio
Comunidade Canção Nova [ Juniorato ]

Já provei que Nossa Senhora é a Onipotência Suplicante, consegue tudo…

Eu tive a graça de morar na Casa de Maria em 2009, o ano do meu Discipulado. Nesta Casa fui gerada para o Carisma Canção Nova, gerada para uma vida nova.

Experimentei concretamente que a Virgem Maria é boa. Ela é boa Mãe, boa amiga, boa mestra, boa intercessora, boa conselheira, boa em me surpreender com sua providência e boa também em me corrigir nos momentos certos.

Aprendi que a Virgem Maria é a onipotência suplicante. Ela nos assume diante de Jesus na Cruz: “Mulher, eis aí o teu filho.” Onipotência Suplicante quer dizer: aquela que consegue de Deus tudo o que pede.

Maria reclama para seus filhos a providência, junto ao coração de Jesus. Foi o próprio Deus quem a constitui assim. Ela recebeu a notícia de que seria a Mãe de Jesus e foi as pressas até sua prima Isabel. Foi para servir. More »

Oportunidade de conhecer mais para amar melhor

Encerrando o 1º semestre de 2012, os familiares dos jovens que vivem o 2º ano de formação inicial na Canção Nova, os Discípulos, foram presenteados com um final de semana para oração, partilha, formação e convivência na Casa de Maria, onde

Momentos de acolhida, apresentação das famílias e suas histórias, oração do Santo Terço, adoração ao Santíssimo e Santa Missa, foram oportunidades para que pais e filhos vivessem curas e restaurações a luz do carisma Canção Nova.

:: OUÇA trecho da homilia da Missa de Abertura :: “Chamados a Santidade
por padre Aluísio Ricardo, mestre do Discipulado CN 2012

Familiares de 18, dos 37 Discípulos – os que moram mais perto – participaram deste encontro, mas “pela fé e pela força do amor, cremos que os pais, mães, irmãos, tios, avó e primos que por algum motivo não puderam vir, foram alcançados pela mesma graça. Isso é fruto de nossa oração e amor” relata uma jovem. O vídeo abaixo é apenas um trecho do momento de adoração.

Rostos sorridentes, abraços sinceros, lágrimas de gratidão, sadia convivência e muita unidade mostram um pouco do que significou este encontro. As fotos revelam isso…

Encontro das Familias dos Discipulos CN 2012[ + FOTOS no fb.com/CNQueluz ]

O encontro encerrou-se no domingo, 1º de julho, com a Santa Missa celebrada pelo padre Aluísio Ricardo. O sacerdote destacou o valor da família que gera, educa e cuida de um consagrado ao Senhor.

Família, expressão da beleza de Deus!

Experiências que me sustentam

Em 2000 tive a graça de viver na Casa de Maria. Desde que cheguei na casa de formação em Queluz-SP, junto com mais 45 jovens [alguns na foto abaixo], a formadora Márcia Louzada sempre dizia que Maria caminha nesta casa, como já dizia nosso fundador Monsenhor Jonas Abib.

Turma de Noviciado Canção Nova 2000Experimentei que Maria caminha pelos corredores, nos visita nos nossos quartos, está na sala nos nossos momentos de convivência, nos acompanha na cozinha e em nosso refeitório, e passeia pelo jardim. Desde o início, a Márcia nos conduzia para este encontro com a Virgem Maria. Ela dizia: “Você pode conversar com Ela, partilhar o que está vivendo, suas dores e suas alegrias. Peça a ajuda dela. Ela é sua companheira aqui e está sempre a sua espera para te acolher, ouvir e ajudar”.

Eu desejei fazer esta experiência com a Virgem Maria. Pedi a Ela que se revelasse a mim nesta casa como Ela já havia se revelado a tantas pessoas em aparições. Sei que era um pouco audacioso da minha parte, mas eu queria muito fazer esta experiência. Eu disse a Nossa Senhora que queria sentir que Ela estava comigo. Eu já sabia que Ela estava, mas queria fazer a experiência da sua presença real.

Um dia, caminhando perto dos alojamentos, na parte exterior da casa, olhei para as flores e as árvores do jardim e pedi mais uma vez a Nossa Senhora que Ela se revelasse a mim. Não demorou muito e senti uma brisa suave sobre mim e uma paz muito grande. Era como se eu estivesse em uma parte do céu. Olhei para meu lado e senti que Ela estava ali, mesmo sem vê-la, sua presença era muito real e tive a plena certeza que Maria realmente caminha conosco.

Daquele dia em diante meu relacionamento com a Virgem Maria mudou. Até o terço passou a ter outro gosto. Ela realmente entrou de uma vez por todas na minha vida para não sair mais até o meu encontro definitivo no céu.

Um pouco depois de ter morado na casa de Maria em Queluz, tive a graça de morar por 6 anos e meio na frente de missão da CN em Portugal, bem pertinho do Santuário de Fátima, onde aconteceram as aparições aos pastorinhos. Lá vivi muitas experiências maravilhosas com a Virgem Maria. Entre elas a cura da minha irmã e a intimidade com a Virgem, a ponto de, todas as vezes que eu ia visitar o Santuário, tinha a sensação de estar entrando na Casa de Maria para conversar um pouco com ela, e ali tomar um café e comer um pedaço de bolo que a Mãe havia preparado para mim. Era maravilhoso sentir esta acolhida da Virgem, eu me sentia no coração dela.

Depois fui morar na frente de missão da CN na Terra Santa, e tive a graça de visitar a Casa de Maria em Nazaré por diversas vezes. Ali é verdadeiramente um pedaço do céu na Terra. Aquela casa que subsistiu a tantos anos é como o amor de Maria por nós, nada poderá abalar, nem mesmo as ações do tempo. A casa dela é simples e pequena mas de uma acolhida enorme que nos atrai e nos faz querer ficar cada vez mais perto dela.

Hoje estou novamente no Brasil e mesmo depois de tanto tempo fora do país, nunca me esqueci daquele primeiro encontro com a Virgem Maria em Queluz. Ela me gerou, formou e preparou tudo o que eu iria viver. Ela hoje me acolhe aqui novamente em seu coração para me restaurar e amar.

Uniceia Canção Nova

Unicéia Salgado de Oliveira
Comunidade Canção Nova
fb.com/uniceia @uniceiacn

.

… do Baú: Turma de Noviciado ano 2000 FOTO1 FOTO2

A experiência mais forte que vivi!

“Fazer memória” do tempo em que morei na Casa de Maria em Queluz (SP), é novamente retomar as maravilhas que o Senhor fez na minha vida pelas mãos da Virgem Maria.Adoração a JESUS SacramentadoEm 2008, tempo que vivi o meu discipulado, foi o ano que fiz a “Páscoa” com a minha história. Me recordo de uma experiência forte do amor de Deus que aconteceu quando nós fizemos o diário do perdão diante de Jesus Eucarístico. Passamos 2 dias sendo conduzidos a retomar a nossa história, recordando todas as pessoas que precisávamos dar e receber o perdão. Nestes 2 dias o Senhor foi me conduzindo a perdoar várias pessoas que passaram na minha vida, em especial a minha mãe. More »

O verdadeiro Santuário do Carisma Canção Nova

Tive a alegria de morar em Queluz – Casa de Maria – em 2010. Neste Lugar vivi o meu Discipulado, um tempo intenso de formação dos membros da Comunidade Canção Nova. Nessa casa fui gerado para a Igreja, para que minha vida fosse entregue toda através do Carisma Canção Nova. É o lugar onde está o fundamento da minha vocação, da minha oferta.

A capela desta casa é testemunha da minha história. Nela me debrucei sobre a minha vida, meu passado. Ali a minha história ganhou um novo sentido, uma nova direção.

Um lugar histórico e especial para mim é a sala de palestras, a “Sala do Chamado”, onde o nosso pai fundador Monsenhor Jonas Abib, OUSOU, na festa de Cristo Rei de 1977, desafiar um grupo de jovens a dar um ano da sua vida para Deus. Naquele lugar ainda ecoa a voz de Padre Jonas Abib: “Quem está disposto a deixar a sua casa e vir viver em comunidade”?. Ali aconteciam as nossas formações. Ali fui formado para viver uma vida nova.

Monsenhor Jonas no livro “Canção Nova uma obra de Deus”, ao falar do nome dado a casa, Casa de Maria, diz que ela só podia ter este nome, porque ali as pessoas nascem para uma vida nova, ali são formados os filhos de Deus. Sou fruto desta formação, desta vida nova.

Como canta o diácono Nelsinho Correa, “nas montanhas resplandece  a Glória de Deus”.

O lugar que  mais gostava da casa, o lugar do meu encontro com Deus, era o ponto mais alto do terreno onde a Casa de Maria está localizada. De lá eu via toda a Casa de Maria, a curva do Rio Paraíba,  as lindas montanhas em frente a casa, que foram fonte de inspiração para a música “Compromisso”. Um lugar de inspiração para a minha intimidade com o Criador de toda aquela beleza.

De lá via os carros que passavam pela rodovia. No fim daquela estrada se encontra minha terra natal, a cidade de São Paulo, lugar das minhas origens. Por essa estrada carros seguiam para o lugar que eu deixei, mas eu me decidia em continuar ali, para encontrar a minha verdadeira origem: os desígnios do coração de Deus para mim. Eu sabia que Deus tinha um projeto, que era melhor, MUITO melhor que os meus. Ali me encontrava. Derramava lágrimas e me alegrava ao ver a obra que Deus estava realizando na minha vida.

Faz um ano que me mudei desta casa, enviado a “Ir e Pregar o Evangelho!” Sinto a cada dia a voz que ressoa na Casa de Maria, voz das origens da Canção Nova. Essa voz de Deus, ecoada pela boca do profeta Jonas Abib, que me impulsiona a seguir, a entregar a minha vida, minha juventude para a Evangelização.

Hoje atuo como missionário no departamento de Engenharia de Rádio e TV da Canção Nova. Faço parte da missão Revolução Jesus e sou realizado. A missão hoje é mais eficaz por que o berço da minha vocação é  a Casa de Maria, por Maria fui formado.

Sou consagrado da Casa de Maria!

Wagner Ponciano
Comunidade Canção Nova
fb.com/poncianocn @poncianocn

.

Edição de texto: Mônica Maria (atual discípula CN)

Fazenda Morada do sol, Areias (SP): o lugar onde tudo começou…

“Era tudo em extrema simplicidade, parecido com um presépio. Durante muito tempo, aquele era o local das galinhas botarem ovos. Quando chegavam os ‘invasores’, nos finais de semana, e tomavam conta da capela, as galinhas ficavam atrapalhadas”, conta o diácono Nelsinho Corrêa acompanhando a turma de discipulado 2012 ao visitar a fazenda onde começaram os primeiros encontros promovidos pelo padre Jonas Abib. [Conheça melhor a história]

Primeiro os 30 minutos de viagem de Queluz (SP) à Areias (SP)

Oração e emoção por estar no local que era usado como capela pelo padre Jonas Abib nos primeiros encontros com jovens na década de 70

A simplicidade gera alegria verdadeira

Na "antiga sala de palestras" diácono Nelsinho Correa conduz orações com os jovens discípulos como padre Jonas Abib fazia há 40 anos

Mais que uma pose para fotos: um olhar de dentro para fora...

Turma completa de discípulos CN 2012, no local onde eram feitas as fotos oficiais dos encontros de jovens promovidos pelo padre Jonas Abib, em Areias (SP)

:::::::: Assista também: vídeo especial sobre o “Presépio da Canção Nova” ::::::::