A Bíblia no meu dia a dia

A experiência do Estudo Bíblico

Era 1997… Eu, uma jovem engajada na paróquia, meses antes havia começado a trabalhar como catequista. Trazia em mim uma inquietação em relação à Bíblia: uma curiosidade e desejo de “explorá-la”, mas não sabia como fazer.  Apesar do meu envolvimento na paróquia desde a infância, até ali ninguém tinha me ensinado como fazer isso concretamente.

Foi aí que me caiu nas mãos um livreto chamado A Bíblia foi escrita para você (a primeira versão do A Bíblia no meu dia a dia). Movida pela curiosidade, comecei a ler e fui desafiada por aquela leitura a investir em  algo novo: meu diário espiritual! Era setembro; e, motivada também pela celebração do mês da Bíblia com as crianças da catequese, comecei!

Logo nos primeiros dias, experimentei Deus que me falava concretamente e me apontava por onde ir. 

Foto: Arquivo/CN

.: Ele me escolheu! E eu disse ‘sim’

.:A Palavra do meu chamado vocacional

Como colocar a Palavra em prática?

Na 1° Carta de São João 4, 20-21, li assim: Se alguém disser “Amo a Deus” e odeia seu irmão, é um mentiroso. Com efeito, quem não ama seu irmão a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê… Aquele que ama a Deus também ame o seu irmão”. Eu, naquela época, apesar do meu envolvimento na Igreja, vivia em “pé de guerra” com meu irmão e me julgava melhor que ele  porque ele não estava na Igreja como eu. Essa Palavra foi impactante; e Deus me puxou a orelha, me disse claramente que eu precisava não só aguentar, mas amar o meu irmão e ser para ele sinal do amor de Deus.
A partir dali, comecei a viver o ‘como aplicar esta palavra em minha vida’ e meu compromisso pessoal foi demonstrar ao meu irmão meu amor por ele. Hoje, ele é casado e eu missionária na Canção Nova, sem dúvida alguma, colhemos os frutos dessa minha experiência com Deus, que se manifestou a mim na Palavra, cuidamos um do outro e somos suporte um para o outro na vivência da vocação. 

Gratidão a Deus, que veio e continua vindo em auxílio das minhas necessidades!