A Palavra do meu chamado vocacional

“Vai, vende tudo o que tens e segue-me!” 

A Palavra que marcou a minha vocação é a de Marcos 10,17-31, conhecida também como a passagem do jovem rico. Eu estava em um atendimento de oração e o Senhor falou ao coração da pessoa que rezava por mim sobre essa passagem, dando um enfoque ao seguinte versículo: “Jesus, fitando-o, com amor, lhe disse: “Só te falta uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me” (Mc 10,21). Nesse exato momento, senti o amor de Deus que tomava meu coração para si. Dizia em meu interior: Ele me vê, e me vê com amor. E é por esse amor que quero viver, que quero me doar. Ali eu me decidi a seguir o Senhor, com todo o coração, com a minha vida. 

E a pessoa que rezava por mim foi traduzindo aquela passagem na minha vivência, dizendo que eu já cumpria os mandamentos, que eu já era uma pessoa evangelizada, mas que Deus queria mais de mim, que era, de fato, deixar tudo para segui-Lo. 

Foto: arquivo CN

.:Canção Nova: caminho para a santidade

.:Investir a vida na Missão

Assumir uma vocação é um constante deixar

Na Canção Nova, a palavra deixar faz parte dos fundamentos da Canção Nova, com a qual monsenhor Jonas fez um convite aos jovens que estavam no encontro na Festa de Cristo Rei, em 1977: “Quem quer dar um ano da vida para Deus, para viver em comunidade e fazer o que eu faço com vocês?”.

Diante dessa interpelação de Deus para comigo, fui já fazendo as contas, e comecei a compreender o que primeiro precisava deixar, porém, só não imaginava que continuaria deixando tanto, depois de ingressar na Comunidade e assumir minha vocação

Primeiro, deixei o meu namoro, antes mesmo desse momento todo com o Senhor em oração, eu já havia sido movida a deixar o namoro para, no meu caminho pessoal, a sós com Jesus, encontrar o que meu coração ansiava. 

Depois, deixei a minha faculdade de Psicologia, me lançando com a confiança de que Deus cuidaria do meu futuro. 

Logo, chegou também o momento de deixar minha família, meus amigos, meu ambiente de segurança  e me retirar adentrando na etapa formativa do pré-discipulado. Nesse tempo, fui percebendo que precisava deixar também as minhas resistências, meus medos, para me abrir ao processo formativo e deixar o Senhor me conduzir. Tive de ir deixando tantos conceitos já existentes, tantas ideias fixadas em mim, e fui descobrindo tantas situações onde precisava da ação do Espírito Santo a me curar e me transformar. 

E, nesse ano, fiz uma nova experiência com essa mesma passagem, tocando de fato na Palavra que é viva e que se atualiza sempre. Deus me pediu para deixar meus apegos mais uma vez, porque, de certa forma, no meu 7º ano de comunidade, acabei ajuntando “tesouros” na terra de novo, buscando seguranças terrenas e me esquecendo do essencial. E aí, mais uma vez, o Senhor me olhou com amor e me pediu para deixar tudo de novo para segui-Lo!