Uma reflexão natalina magistral da filósofa judia que se converteu a Cristo, morreu mártir em Auschwitz e foi canonizada pela Igreja

No recolhimento da abadia beneditina de Beuron, em 1932, três anos antes de entrar no Carmelo, Edith Stein escreveu uma riquíssima meditação teológica sobre o Natal. O texto, pronunciado numa conferência da Associação de Acadêmicos Católicos de Ludwigshafen, na Renânia-Palatinado, Alemanha, foi publicado pela primeira vez em 1950, em Colônia.

 

Filósofa, judia, ateia, convertida, religiosa e mártir, essa mulher especial começa a meditação não com uma citação erudita, como quem se esforçasse por captar as atenções, e sim com uma reflexão que surpreende pela simplicidade; pela simplicidade de quem tem o olhar inclusivo da fenomenologia. Edith Stein destaca que o fascínio do Natal atinge a todos, mesmo os que pertencem a outras religiões e os não crentes, para quem a antiga história do Menino de Belém não diz nada.

Nas semanas anteriores ao dia de Natal, “uma cálida corrente de amor inunda toda a terra“, porque “todos preparam a festa e tentam irradiar um raio de alegria“. É sempre apreciável o gesto de procurar e dar alegria, de preparar e de preparar-se para uma festa: são gestos estruturalmente humanos. Para o cristão, porém, especialmente para os cristãos católicos, a estrela que leva até a manjedoura é diferente. O coração de quem vive com a Igreja, desde o repicar do Rorate Coeli até os cantos do Advento, começa a bater em uníssono com a sagrada liturgia que emoldura um momento único: o tempo de uma espera que é também ardente nostalgia. Uma espera-nostalgia que cresce durante o Advento e encontra satisfação somente quando os sinos da Missa do Galo anunciam que “o Verbo se fez carne“. Com este anúncio, vemo-nos sempre diante do fascínio do Menino na manjedoura, que estende as mãos e parece já dizer, sorrindo, o que mais tarde os seus lábios de Mestre repetirão até o último suspiro na cruz: “Segue-Me“.

 

Atenção: a Luz da estrela e o encanto do Menino na manjedoura duram um piscar de olhos. “À luz descida do céu, opõe-se, ainda mais escura, a noite do pecado“. Diante do Menino, ao mesmo tempo, os espíritos se dividem em “contra” e “a favor”. Diante do “Segue-Me“, quem não é por Ele é contra Ele. Não por acaso, no dia depois do Natal, enquanto ainda ecoam os sons festivos dos sinos da noite e das festivas liturgias natalinas, a Igreja se desveste do branco de festa e se reveste do vermelho do sangue, e, no quarto dia, já usa o roxo do luto para recordar o primeiro mártir, Estêvão, e as crianças inocentes que foram mortas por Herodes. O que isto significa? Onde foi parar o encanto do Menino na manjedoura? Onde está o bem-aventurado silêncio da noite santa?

 

O que preciso mudar para ser mais feliz?

 

 

Gestos de amor e carinho que quebraram o protocolo da família real britânica

 

 

Como encontrar ajuda e esperança para depressão durante as festas de fim de ano

 

 

O santo que adorava meditar sobre o Natal

 

 

O dia em que Padre Pio segurou o Menino Jesus nos braçoO mistério da noite de Natal, escreve Edith Stein, carrega uma verdade grave e séria que o encanto da manjedoura não deve encobrir aos nossos olhos: “O mistério da encarnação e o mistério do mal estão intimamente unidos“.A alegria do Menino e das figuras luminosas que se ajoelham em torno da manjedoura, das crianças inocentes, dos pastores esperançosos, dos reis humildes, dos mártires, dos discípulos, dos homens de boa vontade que seguem o chamado do Senhor, essa alegria, enfim, caminha de mãos dadas com a constatação de que nem todos os homens são de boa vontade; de que a paz não alcança “os filhos das trevas“; de que, para esses, o Príncipe da Paz “traz a espada“; de que, para esses, Ele é a “pedra de tropeço” que os derruba. Aquele Menino divide e separa, porque, enquanto o contemplamos, Ele nos impõe uma escolha: “Segue-Me“. Ele a impõe a nós também, hoje, e nos coloca diante da decisão entre a luz e a escuridão. As mãos do Menino “dão e exigem ao mesmo tempo“.

Se colocarmos as nossas mãos nas do Menino Deus e respondermos sim ao seu “Segue-Me“, o que recebemos?

“Oh, maravilhoso intercâmbio! O Criador da humanidade nos dá, assumindo um corpo, a sua divindade!“. Aqui reside a grandeza do mistério da Encarnação: quem escolhe a luz, quem fica do lado do Menino, “abre caminho para que a sua vida divina se derrame sobre nós” e traz “de forma invisível o Reino de Deus dentro de si“. O Natal é o começo da aventura de deixar a graça “permear de vida divina toda a vida humana“. Por que Deus se fez homem? Deus se tornou um filho do homem para que os homens se tornem filhos de Deus. Escreve Edith Stein: “Um de nós tinha rasgado o vínculo da filiação divina; um de nós tinha que reatá-lo e pagar pelo pecado. Mas nenhum descendente da antiga progênie, doente e bastarda, tinha condições de fazê-lo. Era preciso enxertar-lhe um ramo novo, saudável e nobre“. Estas palavras de Edith Stein evocam, por analogia óbvia, uma passagem do “Cur Deus Homo” (CDH), de Santo Anselmo, que contém a mesma lógica da redenção: “A restauração da natureza humana não teria acontecido se o homem não tivesse pagado a Deus o que lhe devia pelo pecado. Mas a dívida era tão grande que a satisfação, de obrigação apenas do homem, mas possível somente a Deus, precisava ser dada por um homem-Deus” (CDH 2,6).

Edith Stein tinha aprendido, na escola dos professores do Carmelo, Teresa de Ávila e João da Cruz em particular, que a graça se desenvolve em nós como uma semente que nos transforma, deixando-nos participar da própria vida de Deus. Por esta razão, a meditação seguinte insiste nos sinais fundamentais de uma vida humana unida a Deus.

O primeiro sinal da filiação divina é “ser um só com Deus“. O Menino desceu ao mundo para ser um “corpo misterioso” conosco: “Ele é a nossa cabeça, nós os Seus membros“. Não existimos mais “um ao lado do outro, como pessoas isoladas, autônomas, e sim, todos juntos, como uma só coisa com Cristo“. O segundo sinal da filiação divina é “ser um só em Deus“: “Se, no corpo místico, Cristo é o corpo e nós os membros, então somos membros uns dos outros e, todos juntos, somos um só em Deus“. A medida do nosso amor a Deus é o nosso amor para com o próximo, “seja parente ou não, seja-nos simpático ou não, seja moralmente digno da nossa ajuda ou não; quem ama com o amor de Cristo, ama a humanidade por Deus e não por si“. O terceiro sinal da filiação divina é a disponibilidade para aceitar qualquer coisa da mão de Deus: o “faça-se a Tua vontade!“, em toda a sua extensão, deve ser o critério da vida cristã. Ele deve permear a jornada da manhã até a noite, o curso do ano e de toda a vida. “Deve ser a única preocupação do cristão. Todas as outras o Senhor as toma para Si“.

À luz e ao calor da Noite Santa, quando mal começamos a nos confiar ao Menino, apertamos confiantes a Sua mão e vemos com clareza o que devemos fazer ou não fazer. Mas a situação não ficará assim para sempre. Quem vê o encanto do Menino na Noite Santa não pode fingir que não percebe que o caminho que parte de Belém conduz ao Gólgota, vai da manjedoura até a cruz. “Quem pertence a Cristo deve viver toda a vida d’Ele“. A noite de Natal e a noite da cruz são uma única noite. Chegará o tempo do sofrimento e da morte para cada homem. Quando ele vier, a confiança em Deus permanecerá firme? Estaremos dispostos a aceitar qualquer coisa da Sua mão? Seremos ainda capazes de dizer “faça-se a Tua vontade“, mesmo na “noite escura“, quando a luz divina já não brilhar e a voz do Senhor silenciar?

Os mistérios do cristianismo são um todo indivisível. Quem se aprofunda em um, acaba por tocar os outros todos, escreve Edith Stein. Sobre o luminoso esplendor da manjedoura paira a sombra da cruz. A luz da Noite Santa se apaga na escuridão da Sexta-Feira Santa, mas volta a brilhar mais forte na manhã da Ressurreição. O Filho encarnado de Deus, através da cruz e da paixão, chega até a glória da ressurreição. É assim que cada homem deve sofrer e morrer. Se for um membro vivo do Corpo de Cristo, porém, o seu sofrimento e a sua morte se tornarão, graças à divindade da Cabeça do corpo, redentores: “Cada um de nós, toda a humanidade, chegará, com o Filho do homem, através do sofrimento e da morte, até a mesma glória“. E o Salvador, sabendo que somos homens em luta diária com as nossas fraquezas, vem em nosso auxílio com aqueles que Edith Stein chamava de “meios de salvação“: “estar todos os dias em relação com Deus” através da escuta da Palavra, da oração litúrgica e interior, da vida sacramental. Mas é principalmente para o “Salvador eucarístico” que precisamos abrir espaço, para podermos transformar a nossa vida na d’Ele. Assim como o corpo terreno precisa do pão de cada dia, assim também a vida divina aspira em nós a ser alimentada continuamente: “Em quem realmente faz d’Ele o seu pão de cada dia, cumpre-se diariamente o mistério do Natal, a encarnação do Verbo“. E esta é, sem dúvida, a maneira mais segura de manter ininterrupta a união com Deus e de enraizar-se todos os dias e cada vez mais firmemente no corpo místico de Cristo.

Edith Stein escreveu vinte páginas de meditação sobre o Natal, densíssimas, para lembrar que os mistérios do cristianismo são um todo indivisível, porque todos são mistérios portadores de salvação. Encarnação, cruz e ressurreição são inseparáveis. Só porque verdadeiramente o Filho, que é Deus, “se fez carne” é que Ele poderia morrer e ressuscitar, arrebatando-nos da morte e nos abrindo um futuro em que esta “carne”, a nossa existência terrena, entrará na eternidade do Reino de Deus. Celebramos o Natal como um convite a nos deixar transformar por Aquele que entrou em nossa carne, que se uniu a nós e nos uniu a Si, para permear de vida divina toda a vida humana.

Que o mistério da noite de Natal nos lembre que algo extraordinário acontece mediante a encarnação: a carne se torna o instrumento da salvação.

“Verbum caro factum est“: o Verbo Se fez carne, escreve João Evangelista, e um autor cristão do século III, Tertuliano, afirma: “Caro salutis est cardo“, a carne é o eixo da salvação.

“Se a alma se torna totalmente de Deus, é a carne que o torna possível! A carne é batizada para que a alma seja purificada; a carne é ungida para que a alma seja consagrada; a carne é marcada pela cruz para que a alma fique incólume; a carne é coberta pela imposição das mãos para que a alma seja iluminada pelo Espírito; a carne se nutre do Corpo e do Sangue de Cristo para que a alma se sacie de Deus. Elas não serão, pois, separadas no dia da recompensa, porque estiveram unidas durante as obras” (De carnis resurrectione, 8,3: PL 2,806).

 

Um dos meus Super-heróis se chama São Bonifácio! O maior Santo de Devoção da Alemanha, entendam o porquê!
Quando pensamos em um santo, talvez em um primeiro momento não consideramos que essa pessoa seja ousada, empunhe um machado, um martelo ou que derrube árvores como os carvalhos. Entretanto, existe um santo assim, conhecido como São Bonifácio.

Este santo nasceu na Inglaterra por volta do ano 680. Bonifácio ingressou em um mosteiro beneditino antes de ser enviado pelo Papa para evangelizar os territórios que pertencem a atual a Alemanha. Primeiro foi como um sacerdote e depois eventualmente como bispo.
Sob a proteção do grande Charles Martel (conhecido como Carlos Magno), Bonifácio viajou por toda a Alemanha fortalecendo as regiões que já tinham abraçado o cristianismo e levou a luz de Cristo àqueles que ainda não o conheciam.
A respeito deste santo, o Papa Bento XVI disse no ano 2009 que “seu incansável trabalho, seu dom para a organização e seu caráter flexível, amigável e forte” foram fundamentais para o sucesso das suas viagens.
O escritor Henry Van Dyke o descreveu assim, em 1897, em seu livro The First Christmas Tree, (A primeira árvore de natal): “Que pessoa tão boa! Que boa pessoa! Era branco e magro, mas reto como uma lança e forte como um cajado de carvalho. Seu rosto ainda era jovem; sua pele suave estava bronzeada pelo sol e pelo o vento. Seus olhos cinzas, limpos e amáveis, brilhavam como o fogo quando falava das suas aventuras e das más ações dos falsos sacerdotes aos quais enfrentou”.
Aproximadamente no ano 723, Bonifácio viajou com um pequeno grupo de pessoas na região da Baixa Saxônia. Ele conhecia uma comunidade de pagãos perto de Geismar que, no meio do inverno, realizavam um sacrifício humano (onde a vítima normalmente era uma criança) a Thor, o deus do trovão, na base de um carvalho o qual consideravam sagrado e que era conhecido como “O Carvalho do Trovão”.
Bonifácio, acatando o conselho de um irmão bispo, quis destruir o Carvalho do Trovão não somente a fim de salvar a vítima, mas também para mostrar àqueles pagãos que ele não seria derrubado por um raio lançado por Thor.
O Santo e seus companheiros chegaram à aldeia na véspera de Natal, bem a tempo para interromper o sacrifício. Com seu báculo de bispo na mão, Bonifácio se aproximou dos pagãos que estavam reunidos na base do Carvalho do Trovão e lhes disse: “Aqui está o Carvalho do Trovão e aqui a cruz de Cristo que romperá o martelo do Thor, o deus falso”.
O verdugo levantou um martelo para matar o pequeno menino que tinha sido entregue para o sacrifício. Mas, o Bispo estendeu seu báculo para impedir o golpe e milagrosamente quebrou o grande martelo de pedra e salvou a vida deste menino.
Logo, dizem que Bonifácio disse ao povo: “Escutai filhos do bosque! O sangue não fluirá esta noite, a não ser que piedade se derrame do peito de uma mãe. Porque esta é a noite em que nasceu Cristo, o Filho do Altíssimo, o Salvador da humanidade. Ele é mais justo que Baldur, maior que Odim, o Sábio, mais gentil do que Freya, o Bom. Desde sua vinda, o sacrifício terminou. A escuridão, Thor, a quem chamaram em vão, é a morte. No profundo das sombras de Niffelheim ele se perdeu para sempre. Desta forma, a partir de agora vocês começarão a viver. Esta árvore sangrenta nunca mais escurecerá sua terra. Em nome de Deus, vou destruí-la”.
Então, Bonifácio pegou um machado que estava perto dele e, segundo a tradição, quando o brandiu poderosamente ao carvalho, uma grande rajada de vento atingiu o bosque e derrubou a árvore, inclusive as suas raízes. A árvore caiu no chão, quebrou-se em quatro pedaços.
Depois deste acontecimento, o Santo construiu uma capela com a madeira do carvalho, mas esta história foi muito além das destruições da poderosa árvore.
O “Apóstolo da Alemanha” continuou pregando ao povo alemão que estava assombrado e não podia acreditar que o assassino do Carvalho de Thor não tivesse sido ferido por seu deus. Bonifácio olhou mais à frente onde jazia o carvalho e assinalou um pequeno abeto e disse: “Esta pequena árvore, este pequeno filho do bosque, será sua árvore santa esta noite. Esta é a madeira da paz…É o sinal de uma vida sem fim, porque suas folhas são sempre verdes. Olhem como as pontas estão dirigidas para o céu. Terá que chamá-lo a árvore do Menino Jesus; reúnam-se em torno dela, não no bosque selvagem, mas em seus lares; ali haverá refúgio e não haverá ações sangrentas, mas presentes amorosos e gestos de bondade”.
Desta forma, os alemães começaram uma nova tradição nessa noite, a qual foi estendida até os nossos dias. Ao trazer um abeto a seus lares, decorando-o com velas e ornamentos e ao celebrar o nascimento do Salvador, o Apóstolo da Alemanha e seu rebanho nos mostraram o que hoje conhecemos como a árvore de Natal.

 

                          

                  NÃO DESPERDICE SEU SACERDÓCIO. JESUS É O ÚNICO E ETERNO SACERDOTE. ELE TEM CHAMADO ALGUNS HOMENS PARA PARTICIPAR DO SEU SACERDÓCIO DE UM MODO ÚNICO. JESUS TAMBÉM TEM EXTENDIDO SEU SACERDÓCIO A TODOS OS SEUS SEGUIDORES, PARA QUE O PAI SEJA GLORIFICADO E O MUNDO REDIMIDO QUANDO O SACRIFÍCIO É OFERECIDO POR TODO O MUNDO.

                  Muitas vezes nós estamos procurando algo na internet e como Google conhece tudo o que nós gostamos ele nos oferece algumas curiosidades. Então se você começa a pesquisar mais sobre exercício físico, como ficar mais FIT, e de repente aparece umas coisas muito bizarras. Assim acabei me deparando com um colchão que você se envolve e que dá estímulos elétricos, usando é claro condutor a água. A idéia é que se você deixar passar essa corrente por você, você ficará FIT, você é eletrocutado e fica FIT, só que não. Não somente é uma idéia estranha como é um desperdício de dinheiro. E por aí vai outros aparelhos que te estimulam, para você ficar saudável. Quanta baboseira que vem e engana as pessoas, pois as pessoas querem acreditar em milagre para da noite pro dia as levar a ficar super FIT.  

                  São todas essas coisas que fazem com que as pessoas desperdicem tempo e dinheiro. Muitas pessoas estão em suas academias sentados em uma bicicleta ergométrica apenas assistindo uma série ou um programa e desperdiçando seu tempo, pois nem suando estão. Isso não é malhação, mas todos acham que estão malhando.

                  Quantas pessoas hoje estão dentro de uma biblioteca gastando tempo em nada. Os primeiros trinta minutos estão apenas mexendo em mídia social, depois começam a observar as pessoas em volta.  Das várias horas ali passadas talvez uns trinta minutos tenham sido realmente dentro do propósito de ter ido ali para isso, estudar para uma prova ou fazer um trabalho ou aprofundar para uma monografia.

                  Juntando  o exercício físico e os estudos, uma pergunta cai bem aqui: -Quanto eu tenho desperdiçado meu tempo? Por quê? Quando então nos movemos para o campo da Espiritualidade, quanto temos desperdiçado em nos aprofundar na Missa para apenas assistir a Missa!

                  Um exemplo recente está num documentário do Vaticano feito sobre a história de uma jovem Irlandesa que nasceu e cresceu numa periferia de Dublin, onde o meio era extremamente violento. Durante anos ela foi contrária a toda manifestação de fé, pois ao seu redor o que ela vivenciava era violência e crime. Um dia quando ela menos esperava, foi tomada em um momento de oração por um encontro pessoal com Jesus. Naquele dia ela foi tomada completamente pelo Amor de Jesus. Renunciando a tudo o que ela vivia, entrou para um convento e buscou o nome de Consagrada de Irmã Clara. Depois de doar sua vida pelos pobres veio a falecer, em Missão,  quando um forte terremoto assolou Equador, e antes de morrer deixou uma frase célebre: – Não conseguiria ir dessa vida sem ter me doado inteiramente aos outros pelo nome do Senhor Jesus, meu único prazer, amá-lo naquele que sofre, Eu temo não ter amado o Senhor. Lembra muito esta frase Madre Teresa de Calcutá. Isso quer dizer, Não dispersar a vida! O medo de morrer sem ter dado tudo de si para o Reino.

                  Nós muito facilmente dispersamos nosso tempo, nos esportes, na biblioteca e na nossa vida espiritual, especialmente quando vamos à Missa e não nos aprofundamos suficiente, nós não apresentamos nossos primeiros frutos, mas apenas nossas sobras. Com esta reflexão estaremos fechando nossas quatro semanas de reflexão sobre Vir para o Altar de maneira mais profunda. Nós estamos oferecendo o Filho ao Pai!

                  Sacerdócio é tudo, sem sacerdócio não há o que oferecer ao Pai, pois sem Eucaristia não há SACRIFICIO!  Sem Sacrifício não há o que Adorar. Sem adoração não  há salvação para o  mundo, pois o mundo estará perdido  não havendo Redenção para ele.

                  Quantos Sacerdotes há no mundo? A resposta é : Apenas um: Jesus Cristo o único e eterno Sumo Sacerdote. Todo Padre é consagrado pelo Sacramento da Ordem para ser Sacerdote Ministerial. O Padre participa do Sacerdote de Jesus Cristo, o único. Todos compartilham o Sacerdócio de Jesus Cristo. Mateus 28: Ide Batizei a toda criatura. Em João 20: Todos os pecados que vocês perdoarem serão perdoados e os que não serão retidos. Em Lucas, Jesus capacita seus sacerdotes para a Unção do Enfermos. Na última Ceia Jesus capacita seus apóstolos para Celebrar a Eucaristia a partir daquele momento. Sacerdócio Ministerial.

                  Em Atos 5 e 13, fica demonstrado a Sucessão Apostólica, impondo a mão aos discípulos e capacitando-os para Missão, tornando-os Pais para seus rebanhos. Santo Agostinho disse que existem grande Padres, Padres de Pedro e Padre de Judas. Santo Agostinho se aprofunda  e diz: Quando os Padres de Pedro batizam é Cristo quem Batiza quando Padres como Judas batizam é Cristo quem batiza. Os dons de Deus são irrevogáveis.

                  Jesus é o que age e o Pai é Glorificado. Por quê os Padres são consagrados e trazem os Sacramentos aos fiéis?  Por cada um de nós. Para fazer cada um de nós SANTO! A partir da nossa santidade alcançar nossa família, desde os primórdios foi assim.

                  Quando lemos o livro do Apocalipse Capítulo 1, lemos que Cristo tornou-nos Sacerdotes do Reino para a Glória de Deus. Quando somos batizados nos tornamos REI, SACERDOTE E PROFETA. Então somos todos sacerdotes do Reino. Quando oramos por cura interior, estamos exercendo os dons do Espirito Santo pelo nosso Sacerdócio do Reino.

                  Sacerdócio Ministerial é diferente do Sacerdócio do Reino onde como Sacerdote do Reino eu posso dizer que estou perdoando uma pessoa, mas Sacerdócio Ministerial diz: Eu perdoo você em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo. O Sacerdote consagra Jesus Cristo na Eucaristia e oferece o Sacrifício ao Pai. Mas logo após o ofertório toda a Assembleia, sacerdotes do Reino e o Sacerdote Ministerial estão oferecendo o pão e o vinho para serem Consagrados e assim ser elevados ao Pai pela Mão do Sacerdote.

                  Quantos Sacerdotes Ministeriais hoje estão oferecendo o Sacrifício e estão mais assistindo do que penetrando no Mistério da Eucaristia, e do Sacrifício? Em certos Ritos o Sacerdote fica de costas para a Assembleia, porque Ele com a Assembleia  oferecem o Sacrifício ao Pai.

                  Venha ao altar para ir mais profundamente oferecer o Sacrifício ao PAI junto ao Sacerdote. Na próxima Missa logo após o Ofertório preste atenção na Oração que o Sacerdote vai fazer com a Assembleia…

                  Muitos Sacerdotes estão dispersando seu Sacerdócio, ocupados com tantas coisas que realmente não importa. Todas as orações na Missa estão dirigidas ao PAI! O Sacrifício é oferecido através de Jesus Cristo , o Sumo Sacerdote ao Pai!

                  Todos nós leigos estamos sendo chamados após o Ofertório com o Sacerdote para oferecer ao Pai o Sacrifício ( Cristo Jesus), corpo e o sangue, alma e divindade. As orações que nós fazemos diz isso, precisamos prestar mais a atenção no que falamos.

                  Venerável Fulton Sheen em seu livro, O  Padre não é para si mesmo, nos narra  que o Padre quando consagra, consagra Jesus, pois o Padre é Persona Christi, não somente o que oferece mas também a VITIMA.

                  Como Sacerdotes do Reino, nós devemos fazer o mesmo, não devemos apenas na Missa oferecer o Sacrifício mas ser o Sacrifício. João Paulo II nos ensinava que nós devemos oferecer como  oferta Eterna ao Pai, para o Glória do Pai. Nós somos chamados a ser o SACRIFICIO!

                  Outro ponto importante a salientar finalizando, é que após o nosso Batismo, nós somos chamados como Templo do Espirito Santo. Templo é o lugar onde Deus habita. No mundo antigo Templo era o local da Adoração e de Sacrifício, e onde está o Altar. Nós fomos feitos Sacerdotes do Reino, nós somos o Sacrifício neste Templo do Espirito Santo. Não venha mais a Missa para desperdiçar seu Sacerdócio. Ofereça a partir de hoje o Sacrifício e seja a Vítima, Adore o Senhor que está sendo Consagrado para a Salvação e Redenção do Mundo, por mim e por você!

                          

                  Oremos: Abbá (Pai) Amado, hoje eu preciso renovar o meu Batismo. Batiza-me Senhor com Teu Espirito pois Minh alma sedenta está. Sim Senhor como Templo do Espírito eu quero a partir de hoje exercer meu Ministério como Sacerdote do Reino em toda plenitude. Doar minha vida para o Reino, por ti Jesus, que se doa todos os dias em minha vida. Sim, Senhor  a partir de hoje eu não deixarei de não somente me fazer oferta mas também ser a VITIMA nesse Sacrifício de Amor, que és Tu Senhor!

Pai em tuas mãos entrego meu coração! Cura-me Senhor, Restaura-me Senhor!  Amém

 

 

                          

                  Nós precisamos aprender a Adorar a Deus, da mesma maneira que nós aprendemos a adorar a Palavra de Deus. Quanto mais nós sabemos o que estamos fazendo, a Quem estamos oferecendo, Porquê é fundamental Adorar, e o quanto nós devemos focar,  para sermos mais capazes de fazer mais do que apenas assistir…Nós  seremos capazes de ADORAR!

                  Ao final dos anos 1990  Bonnie Raitt  compôs : – I Can’t Make You Love Me . Esta canção é considerada a música mais triste já composta. Isso é possível. A letra é realmente muito triste, você não pode fazer alguém te amar se a pessoa não te deseja. Todos nós já passamos por isso em nossas vidas e quando o assunto é Fé, isso se faz presente, quando nós tentamos levar alguém que nós desejamos até o altar para Adorar a Deus e a pessoa não quer. É malhar em ferro frio. Contudo a Adoração é o ato humano mais elevado que você experimentar em toda a sua vida. Mas se você não deseja, eu não posso fazer nada. Sabemos nessa série que estamos repetindo nesses dias que o coração da Religião é a adoração e o coração da Adoração é o Sacrifício.

         Não há maior ato humano nessa vida que Adorar a Deus no altar, fazer o que Deus nos pede do jeito que Ele nos pede. Mas eu não posso fazer você Adorar se você não quer!

         Por outro lado, muitas pessoas querem vir ao Altar e adorar a Deus e não sabem como fazer. Muitas pessoas quando começam a frequentar a Igreja, pois são neo-catecúmenos, algumas vezes ficam pensando que a Missa deveria ser mais simples, mas não é. Como a Palavra de Deus, pode parecer algo fácil para alguns leitores superficiais mas não É! Então além da Palavra de Deus, a Liturgia Eucarística ainda é muito mais misteriosa e maravilhosa no seu aprofundamento. Pela Consagração nós oferecemos o Filho ao Pai. Nós reapresentamos ao Pai, a paixão, morte e Ressurreição do Filho ao Pai.

         A questão mais importante aqui é que o Pão é o Corpo de Cristo, é o Sacrifício, e o Vinho é o Sangue após a Consagração. João Capítulo 6 está demonstrado que Jesus após ter multiplicado pães e peixes, no dia seguinte, Ele se apresenta a todos os que foram alimentados, e nesta manhã Ele se diz: Eu sou o Pão do Céu, o pão que eu vos darei será minha carne para a Salvação do Mundo, para remissão dos pecados. Os judeus achavam que essa Palavra era apenas figurativa, assim como quando Ele se apresenta como o Bom Pastor eles ficavam criticando que ele carpinteiro. Mas aqui Jesus está dizendo com todas as letras e o Sentido é LITERAL e não figurativo, Ele não diz isso representa minha carne e meu sangue, Ele diz Literalmente Isso É!

         Jesus quando diz em Verdade em Verdade vos digo, Ele está proclamando verdade eterna: – Se vocês não comerem minha carne e não beberem meu sangue não terão parte comigo. Jesus também diz: Isso é minha carne e isso é meu sangue. Foi o único momento em que se lê que  muitos deixaram Jesus nesse momento. Jesus então atesta que Ele estará sempre presente na EUCARISTIA! Eu não posso fazer você me amar se você não deseja! Mas Jesus sempre desejará que você o Ame como Ele o ama!

         Jesus, me chama para o altar pois no Altar o Senhor realmente está!

         Ao longo desses dois mil anos, muitos milagres Eucarísticos estão em vários ponto do mundo, no momento em que Deus em sua Sabedoria se manifestava fazendo o povo ver o músculo cardíaco, ou o sangue ( Lanciano, Olivetto, etc), o Corpus Christi.

         Desde a Santa Ceia, onde Jesus demonstra aos seus Apóstolos e Institui a Eucaristia até hoje em todas as Missas Celebradas no mundo o Milagre da Transubstanciação ocorre. Pão e Vinho se tornam Corpo e Sangue e essa é a Interpretação de João Capítulo 6 desde o início até hoje.  Pensar que isso não é isso, então nós Católicos somos os piores idólatras do mundo, mas Deus jamais toleraria esse tipo de idolatria por dois mil anos, basta ler no Livro do Êxodo quando o povo de Israel começa a adorar o bezerro de ouro e Deus age em apenas 24 hs. Jesus está presente na Eucaristia não apenas como um Milagre mas como o Sacrifício!

         Todas as vezes que o Sacerdote celebra uma Missa não importa onde, sendo para uma multidão sendo para uma pessoa. Em todas essa Missas o PAI é glorificado não importa qual seja a Missa! Todas as vezes o mundo É REDIMIDO!

         Hoje eu convido você para vir a Próxima MISSA para participar do SACRIFICIO ao Pai, junto ao Sacerdote! Não venha à Missa apenas para assistir mas para participar do SACRIFÍCIO! No momento em que o Sacerdote eleva a Hóstia consagrada e oferece ao Pai, segue-se então  o grande AMÉM! Por isso deveria sempre ser cantado, cantado alto, muito alto, poderosamente forte para estremecer as paredes da IGREJA, pois nesse momento os anjos estão ao nosso lado para essa grande ADORAÇÃO!!! Não assista  mas ADORE o SENHOR!!!!Ofereça o Sacrifício, Adore o Senhor, glorifique ao Pai !

         O Templo dos judeus  havia o  Santo dos Santos, o local Sagrado onde somente o Sacerdote poderia pisar, nesse local  havia   no Altar três objetos: – o altar do incenso,  o Candelabro (Menorah),  A mesa com O pão da Presença ou Pão da FACE de Deus! Os sacerdotes traziam para frente da Assembléia esse Pão e diziam: – Contemplem o amor de Deus por vocês!

         A Eucaristia demonstra para cada um de nós o AMOR DE DEUS que nós podemos comer, consumir o AMOR!  O Pão da Presença, a FACE DE DEUS!

         Em toda Missa podemos consumir o Amor de Deus por nós, o Corpo , o Sangue, Alma e Divindade do Nosso Senhor Jesus Cristo como remédio de imortalidade, pão vivo descido do Céu, tudo isso feito para cada um de nós, repetindo todos os dias: – EU TE AMO, és precioso , seu nome marcado está em minhas mãos!

          

                 

        

                  Oremos: Abbá (Pai) Amado, hoje eu quero me aproximar do Santo dos Santos, esvaziando-me de tudo que hoje me afasta de Ti. Hoje eu necessito Senhor desse Alimento eterno que me faz renascer, da morte à vida, das minhas misérias a sua fortaleza, da minha mediocridade à sua Sabedoria. Senhor eu preciso de ti, quero caminhar sempre contigo e não mais andar sozinho eu Preciso de TI. TE AMO para sempre Senhor.

Pai em tuas mãos entrego meu coração! Cura-me Senhor, Restaura-me Senhor!  Amém

 

 

SÉRIE GOAT – O MAIOR DE TODOS OS TEMPOS

 – PARA SER O MAIOR, SE DOE

 

                  O desejo de ser visto e ser reconhecido está escrito profundamente no coração de todo ser humano. Mas uma pessoa é a melhor porque um grande número de pessoas a reconhece ?  Jesus revela que a verdadeira grandeza está quando uma pessoa se doa para alguma coisa ou por algo muito maior, e quando é capaz de renunciar a sua vida para Ele e para o Seu Evangelho. Isso não significa auto proteção ou expressão mas significa auto doação.

                  Hoje nós podemos dizer alguns nomes em qualquer lugar e todos irão saber quem é: Comecemos por Pelé, figura extraordinária do futebol e na sua sequência vem Zico, Maradona, Zidane, Messi, Cristiano Ronaldo, Neymar e outros no futebol. Quando mudamos para o vôlei lembramos dos heróis brasileiros de tantas olimpíadas e seus mestres, dentre eles Bernardinho. Quando vamos para natação lembramos Michael Phelps o mais recente herói americano e tantos outros de tantos esportes.

                  Quando mudamos para música: Michael Jackson, Justin Bieber, Ariana Grande, Celine Dion, Elton John, pois eu falo no mundo todo. Claro que no Brasil temos alguns fenômenos explosivos atuais na música como Marília Mendonça, Thiaguinho,   e assim vai.

                  Mas estamos falando de nomes que o mundo reconhece. Como é difícil ser um desses nomes, quando se é uma dessas pessoas e ter  de andar na rua normalmente. Todas as pessoas conhecem esses nomes , mas será que essas pessoas são GOAT? Isso significa a mesma coisa?

                  Continuando nossa série o Maior de todos os tempos em inglês: GOAT  ( O maior de todos os tempos). Para ser o maior de todos os tempos alguém deve ter essas características:

         –        Ter habilidades incomuns.

         –        Fazer muitas coisas

         –        Muita autoridade

         –        Todo mundo o reconhece

         Você pode ter 13000 pessoas te seguindo  no Instagram significa que você é o cara?  A pergunta é, você pode ser grande sem ninguém te conhecer?

                  Nós temos esse desejo de sermos vistos por todo mundo, de sermos grandes, de sermos reconhecidos e de sermos vistos.

                  Por outro lado,  você poderia estar em algum lugar que  desejasse que todo mundo te conhecesse  e ninguém te vê. Pense em alguém que criou uma página e depois de muito tempo vem para sua mãe e diz: -Mãe, minha página está aí já faz quatro semanas e não recebi nenhuma Curtida . Pense em como essa pessoa se sentiria.

                   Há pessoas que fazem algo pessoal como uma expressão de transmitir algo muito bom, postam e são atacados ou ainda pior, insultados. Esse é o preço de ser exposto. Hoje temos Rede Sociais que amplifica isso tudo. Você hoje mede quanto uma pessoa se importa contigo pelo número de curtidas que você recebe, mas isso será verdadeiro ou falso?  Quem pode saber?  Infelizmente muitos estão se medindo pelo número de curtidas que recebem a cada postagem, que tolice!

                  O que mais me impressiona é que uma pesquisa recente mostra que ser zoado, insultado e ofendido no que você posta é muito mais desejado do que não ser visto. Mas sempre foi assim, não?  Falem mal, mas falem de mim!

                  Falando para os jovens sobre ser conhecido, se torna bastante emblemático quando se sai do Ensino Médio e chega à  Faculdade. Você deixa sua vida em casa e está na Universidade, onde ninguém te conhece.  Você muda de cidade e vai para algo desconhecido. Eu vivi assim, quando deixei minha pequena cidade em Minas e vim para o Rio de Janeiro. Você é aquilo que está dentro de você, e isso se chama caráter. Não é o que o povo diz o que você é, mas aquilo que verdadeiramente são seus atos. Nesses momentos que você entende o que é ser ou não reconhecido. Contudo o tempo passa e pelos seus esforços e realizações você  passa a escrever a sua história mesmo num ambiente novo e que antes desconhecido passa ser novamente seu ambiente, sua praia.

                  Você é único, mas não é GOAT. Jesus certa vez perguntou aos seus discípulos :- O que Dizem o Povo que Eu sou?  Pedro se adiantou e disse:

          – Você é o GOAT ! Jesus então disse: Não diga aos outros sobre isso. Não diga a muitas    pessoas naquele momento, mas depois! Não é o que Eu sou! Pedro, você achava que ser grande e o maior é ser reconhecido por todo mundo! Nesse momento, Pedro, você sabe quem eu sou, mas não sabe o que é  ser  GOAT. Pedro não sabia o que Messias significava. O que os Judeus esperavam não era o que realmente o Messias deveria ser.

                  Ser grande não é ser reconhecido por todo mundo. É se renunciar e fazer tudo por Quem vê no Escondido! Ser grande não é ser amado por todos, porque os que tinham as Escrituras na mão, os que mais deveriam estar reconhecendo o Messias, não somente o rejeitaram mas o Crucificaram.

                  Todo  seguidor de Jesus em todo o tempo até hoje, seguiu se doando e fazendo tudo por aquele que é o Maior, o PAI!

                  Jesus então ensina que tudo o que Ele fazia era para a Glória do verdadeiro GOAT, o Pai!  Jesus andava conosco em sua humanidade, servia o tempo todo ao GOAT, ao Senhor de todos os tempos, ao PAI! Jesus em sua humanidade servia ao PAI em toda a sua divindade nos ensinando como nós humanos devemos fazer. Todo mundo que é realmente grande, serve alguém ou algo maior que ele mesmo.

                  Quando Pedro na sequência diz: –  Senhor isso não vai  te acontecer ,  nós vamos protegê-lo! A razão para isso é que em perigo nós todos pensamos como Pedro, pensamos em  proteção. Mas o segredo da verdadeira doação é se doar para Alguém muito maior que vem em socorro das nossas fraquezas.

                  Muitos de nós hoje deveríamos ser grandes, mas não o tornamos porque vivemos para o Aplauso, e eu estou falando para toda a Igreja. Muitos que deveriam ser servos inúteis querem se tornar celebridades, ou pior, até mesmo deixando de estar constantemente na presença do Senhor, em Adoração contínua. Pelos frutos conhecemos as árvores. Todos nós somos criados para coisas Grandes! Mas infelizmente damos nossos corações as coisas pequenas.

                  Por que temos potenciais para sermos grandes e não somos?  Porque  vivemos para o aplauso, para os números e para as curtidas. Damos de nós para coisas tão pequenas. Coisas pequenas não é se dedicar a família, filhos ou trabalho pois para eles nosso esforço é sagrado,  mas  são hobbies, distrações, assistir histórias de outras pessoas em mídia social, em fofocas, ou seja, ficar se preocupando com a vida alheia. Não perca tempo com essas distrações.

                  Exemplo de como vencer essas coisas vem do Hemisfério Norte, de uma pessoa renomada no mundo  com mais de cem milhões de livros vendidos, filmes feitos a partir dos seus livros, seu nome Nicholas Sparks! Um  dos maiores romancistas da nossa época, autor de: –  Diário de uma paixão, No seu olhar, Uma escolha por amor, Querido John, O Guardião, Uma carta de amor e tantos outros. Mas não é sobre livros que vamos falar agora. Ele poderia ser medido por tudo isso como um cara notável, mas não não não, nós podemos medir sua grandeza por esse fato, não sei se vocês sabem.  Quando  seu segundo filho Ryan, tinha 5 anos, foi com seu irmão mais velho ao médico. Tendo  acabada a consulta, o médico vira para Nicholas e sua esposa e pergunta: – Posso examinar Ryan?  Todos concordam e ele diz: –  Seu filho nunca proferiu uma só palavra em toda sua vida?  Isso não é normal. Ele não é apenas quieto ele tem um problema. Após exames neurológicos e otológicos descobriram que Ryan tinha Dislexia de Som ( Transtorno do Processamento Auditivo Central). Ele ouvia as coisas mas não processava. Não podia interagir com ninguém. Foi aí que vem o talento.  Certa vez sua mãe teve que viajar por uma semana e assim o fez. Seu pai  após estudar um ano sobre essa doença resolveu fazer isso.  Colocou seu filho sentado em uma cadeira com cintos de segurança. Em uma mão tinha a figura de uma maçã e da outra um doce. Perguntou a Ryan: – Eu quero que você diga Maça! Depois de 2 minutos Ryan estava aborrecido, 5 minutos começou a chorar , 10 minutos ficou furioso absurdamente, após 2 horas começou a falar AAAA, e 4 horas Ryan começou dizer Ap, e 6 hs após seu pai gentilmente repetindo durante mais todo esse tempo com seu filho conseguiu dizer Apple ( Maçã em inglês). Após todo esse treinamento, eles ligaram para sua mãe, e seu pai Nicholas Sparks disse: – Ryan tem algo importante a dizer pra você nessa ligação e Ryan disse: – Eu te amo mamãe! Nunca sua mãe havia ouvido a voz do seu filho nos seus cinco anos. Nicholas Sparks conhecido e notabilizado em todo o mundo, disse que  nada se comparava  ao que aconteceu nesses três dias ,podendo ressocializar seu filho que agora falava. Ao ser entrevistado disse: Nada em minha vida se pode comparar ao que através de mim Deus pode fazer e trazer de volta meu filho a vida, podendo usar sua voz agora para se comunicar com qualquer criança da sua idade. Mesmo se ninguém soubesse disso, essa seria sua maior realização.

                  Jesus disse: – SE você quiser me seguir renuncie a si mesmo. Não apenas sua família, seus amigos, seu trabalho, seus mais preciosos por Meu nome, essa é a pessoa que será a maior! Mesmo sem quem ninguém saiba, que ninguém reconheça, Jesus está dizendo eu Reconheço! Isso basta.

                  Por último duas histórias; a primeira sobre St. Thomas More. Um Homem memorável, um homem comum, não religioso que se tornou Santo. Um homem que se recusou ao Anglicanismo e foi morto em martírio. Algum tempo antes de seu martírio foi procurado por um rapaz que seria ser como ele, memorável. Seu nome era Richard Reach. St. Thomas disse a ele depois de um longa conversa: – Richard, para total desapontamento dele, você deveria ser um Professor , um bom professor! Richard responde: – Professor?  E Thomas repete: – Um bom professor!  Richard ainda argumenta: – Quem me conheceria, quem me reconheceria?   St. Thomas continua: – Seus estudantes o reconheceriam, sua família e principalmente Deus o reconheceria e perante a todos você seria notável! Isso basta! Você foi colocado no mundo para Auto doação! Mesmo que ninguém saiba! Deus sempre saberá e reconhecerá!

                  No Brasil especialmente bem perto de nós temos um grande exemplo, que gastou sua vida toda para os outros, a fim de que todos os que se aproximassem dele fossem imediatamente remetidos ao Evangelho, à Eucaristia, à Adoração e ao Senhor! Esse homem se fez pequeno para que Deus fosse grande nele! Padre , hoje Monsenhor Jonas Abib e toda a Sabedoria que Deus colocou nele até o presente momento para manter viva uma obra de Deus que ninguém jamais sonhou nesse país, em um momento que parecia que iríamos sucumbir com tantos Católicos debandando, com tantos jovens se perdendo, com tantas ovelhas se desgarrando, com tantas famílias se desfazendo, para esse tempo tão difícil Deus quis Padre Jonas e sua entrega, que trouxe vida onde a morte parecia imperar! A Canção Nova, obra fundada por ele hoje cobre o Brasil e as Américas e outros continentes, anunciando que Jesus é o único Senhor e Salvador, que não há Amor, se não há a Presença viva Dele!

                  Peço a Deus que possamos seguir os passos de Jesus e possamos ser Grandes onde Deus quer que sejamos Grandes, mesmo que somente ao Seu olhar realizemos Seus planos, pois Ele é o único que conhece o nosso Coração e vê no Escondido!

        Oremos: Abbá (Pai) Amado, eu te peço hoje , me faça ver onde em minha vida eu preciso assumir, me entregar a ti, e fazer grandes coisas! Faça com que eu consiga esvaziar de mim todo sentimento de orgulho, de vaidade que me atrapalha tanto em meu caminho. Pai Amado, Tu tens tido tanta paciência comigo e tem me sustentado neste caminho onde muitas vezes tenho procurado o glamour e o reconhecimento dos homens, e me esquecido que o verdadeiro reconhecimento precisa vir tão e exclusivamente de Ti, meu GOAT!

Pai em tuas mãos entrego meu coração! Cura-me Senhor, Restaura-me Senhor!  Amém