menina só
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Nos meus erros e acertos
Sei que estás comigo
Como amigo, aplaudes minhas vitórias
E me estendes a mão nas quedas
.
És tu Senhor quem me sustenta!
De mim nada espera
Sabes que não tenho nada
Que de Ti não tenha recebido.
.
Seu amor é de verdade,
Livre de interesses.
Se daqui até o último dos meus dias eu só caísse,
Mas teimasse em levantar
Ainda assim Tu me amarias;
Ou, se caído, eu desistisse.
Certamente Tu virias e farias tudo pra que eu tentasse
Só mais uma vez.
.
Sei que não desistes de mim
A perfeição está no amor
“E o perfeito amor lança fora todo medo”.
Entre nós não há segredos,
Conheces todos os meus passos.
Sim, eu sei, é a Tua graça que me sustenta,
por mim mesma não tenho forças, não sou capaz.
.
Mas, mesmo sabendo de tudo isso,
como é difícil! Abrir mão dos meus conceitos e preconceitos.
Como é difícil ser deste jeito, que é o Teu jeito
E deves ver também o meu.
.
Sendo fraca é que sou forte
Sendo nada é que sou tudo
Sendo “Você” é que sou Eu.
.
Vem! Ensina-me Senhor.
Autor: Carla Picolotto
10. julho 2014 · Write a comment · Categories: Formação · Tags: , ,

olharUm olhar de amor vale mais que centenas de orações de cura interior.
Um olhar de amor vale mais que mil palavras.
Um olhar de amor pode revelar as aspirações mais profundas de um coração.

Um olhar de amor pode revelar o desejo mais profundo de se ter respostas.
Um olhar de amor pode despertar o desejo de ser diferente.
Um olhar de amor pode quebrar as barreiras da inimizade.

Um olhar de amor opera milagres …

Deus me olha assim. Quero olhar aqueles que me rodeiam assim também …

Autora: Tarciana Matos
Membro da Comunidade Canção Nova

Reduzida-1070Com o tema “Levanta-te”, os missionários da Comunidade Canção Nova, Emanuel Stênio e Padre Reinaldo Cazumbá, conduziram o encontro Kairós na CN Rio, no último domingo, 29.

Após um momento de Adoração ao Santíssimo no início da manhã, Emanuel fez a pregação a partir da passagem bíblica dos “ossos ressequidos” (cf. Ezequiel 37, 1-14). O missionário alertou os participantes para necessidade de permitirem a ação de Deus em suas vidas e a realizarem uma adesão radical a Cristo.

O dia finalizou com a celebração da Santa Missa, presidida por Padre Reinald
o. Por ocasião da Solenidade de São Pedro e São Paulo, o sacerdote ressaltou a importância dos santos como pilares da Igreja Católica e destacou o seu exemplo e testemunho de fé em Jesus Cristo.

O evento foi realizado na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Realengo, Zona Oeste do Rio.

JMJEm junho de 2014, Bandeiras estão espalhadas para todo o lado do Brasil, estádios lotados, a população do mundo inteiro vibra com mais uma Copa . O que será que motiva esses torcedores? O que faz  um time entrar em campo e vencer uma partida ? Recentemente, o  Papa Francisco declarou a importância do mundial para união e  entre os povos .
Os craques vestem a camisa do time entram em campo com um único  objetivo, ganhar o campeonato, como nesta  Copa do Mundo 2014. Existem duas coisas que fazem um bom jogador: a motivação e a parceria formada com os outros jogadores.
Em 11 de junho, o  Santo Padre chamou a atenção para que os cristãos não esqueçam que na hora de torcer  que o  mundial  é uma grande oportunidade para incentivar a união e a paz entre as nações.
“A minha esperança é que, além de festa do esporte, esta Copa do Mundo possa tornar-se a festa da solidariedade entre os povos. Isso supõe, porém, que as competições futebolísticas sejam consideradas por aquilo que no fundo são: um jogo e ao mesmo tempo uma ocasião de diálogo, de compreensão, de enriquecimento humano recíproco.
Quanto as seleções o jogador Cristiano Ronaldo, em uma coletiva o atacante da seleção portuguesa, falou da importância da unidade em campo para conquistar a sonhada taça e também parafraseou  o pontífice “ninguém vence sozinho, nem no campo nem na vida”.
O Pontífice também dá alguns  conselhos, não só para  as seleções para disputarem uma boa partida e correr atrás da vitória no mundial , mas também, a  todos nós irmãos para ultrapassarmos alguns obstáculos que afundam muitas relações.
“Para jogar em equipe é necessário pensar, em primeiro lugar, no bem do grupo, não em si mesmo. Para vencer, é preciso superar o individualismo, o egoísmo, todas as formas de racismo, de intolerância e de instrumentalização da pessoa humana. Não é só no futebol que ser “fominha” constitui um obstáculo para o bom resultado do time; pois, quando somos “fominhas” na vida, ignorando as pessoas que nos rodeiam, toda a sociedade fica prejudicada”. – afirma Papa Francisco

pedra_no_sapato__vida_de_plEstava eu, por esses dias, com uma pedra no meu sapato. Estava indo para o trabalho e, não sei como, ela entrou, mas o fato é que ela estava lá. Tentei andar com ela, tentando afastá-la para o lado, no cantinho do sapato, e até consegui. Porém, pouco tempo depois, lá estava ela me incomodando de novo. Tentava de novo empurrá-la para o lado, mas continuava incomodando. Ficava com preguiça de ter que sentar para tirar o sapato. Era trabalhoso demais, pois estava com pressa e ter que parar…. Não dava tempo. Mas estava incomodando muito, então… resolvi tirar o sapato e tirá-la de dentro. QUE FELICIDADE!!! Conseguia andar normalmente, sem preocupação, pois a pedra foi, finalmente, retirada do sapato.

Assim somos nós, no dia-a-dia da vida deixamos pedras entrarem no nosso sapato. Sejam problemas pessoais, sejam problemas de relacionamento, sejam coisas mal resolvidas, ou qualquer outra coisa que venha a nos incomodar. Bem, independente do que seja, tentamos empurrar a questão para o cantinho de nossa vida, tentando afastá-la do campo de visão interior. Mas… vira e mexe essa “pedra” vem e incomoda de novo. A melhor opção não é tentar empurrá-la para o cantinho, pois, sem menos esperar, a pedra vai voltar a incomodar. Nossa vida corrida, às vezes, pode tentar nos convencer de que não dá tempo de parar para tirarmos a pedra e tentamos nos acomodar com ela, porém, o que verdadeiramente temos que fazer é tirar o sapato do pé e retirá-la de dentro. Algumas vezes, pode ser que, tirando o sapato, nem a enxerguemos, pois, ao tentar empurrá-la para o lado, fica tão escondida que só aparece ao andarmos, mas precisamos bater com o sapato no chão, enfiar a mão dentro do sapato, para achá-la e retirá-la. E QUE FELICIDADE tirá-la dali de dentro, não é mesmo?

Você já viveu a experiência da pedra no sapato? Vale a pena tirá-la?
Deus a abençoe,

Junior Alves
(Missionário Comunidade Canção Nova)