Como usar a imaginação para o crescimento espiritual?

O progresso espiritual está na mortificação da imaginação pela vida da razão.

imaginacao-a-servico-do-espirito

Hoje partilho uma reflexão sobre a imaginação e como podemos renascer a partir do alto. Com ponto de partida utilizarei a frase: “Vós deveis nascer do alto”, narrada no evangelho de João 3,7b-15 no diálogo entre Jesus e Nicodemos. Como nós também podemos nascer do alto? O que é a imaginação? Como uma pessoa pode manter pura a sua conduta?

Vivendo de acordo com a palavra de Deus. Foi assim com Nicodemos e pode ser assim também conosco. A vida interior é um constante nascer do Espírito que nos transforma. Pois, uma mudança eficaz na nossa mentalidade somente o Espirito Santo é capaz de realizar. A imaginação daqueles que buscam um crescimento espiritual que precisa ser conduzida por uma “razão reta”, para não corrermos o risco de tornar a nossa inteligência – que é um dom divino – a “louca da casa”, como descreveu Santa Tereza de Jesus.

Se a imaginação não for conduzida por uma razão reta, ela poderá nos afastar de Deus.

Compreender o imaginário é um tema amplo e não é o objetivo central desta nossa conversa. Mas, em linhas gerais, considero aqui a imaginação (imagem+ação) como conjunto de símbolos para fomentar o pensamento. Quando nossa imaginação não é convertida, ela pode nos levar ao pecado. É preciso ordená-la. A imaginação traz à tona aquilo que está no coração. É nela que tecemos os julgamentos sobre Deus, sobre os irmãos, sobre nós mesmos.

“É ela que perturba a tua vida de oração, que te faz temer a mortificação; é ela que introduz na tua alma a tentação da carne e da soberba, que falseia o teu conhecimento de Deus e te priva do sentido sobrenatural; é ela que te embala no sonho daquilo que não é prioridade ou te mergulha no apatia da tibieza; é ela que extingue o fogo da caridade ou acende o da desconfiança e da discórdia”, relatou Salvatore Canals, no livro “Reflexões Espirituais” e completou: “Doida, como um cavalo fogoso; inquieta, como uma borboleta. Se não a dominas e orientas, nunca serás alma interior e sobrenatural. Se não a dominas, nunca poderás fruir daquela calma serena que é tão necessária para servir a Deus. Se não a refreias, nunca alcançarás aquele realismo que é uma exigência da vida de santidade. Calma, realismo, serenidade, objetividade: virtudes que nascem onde termina a tirania da imaginação; virtudes que crescem e se fortificam no esforço ascético por dominar e controlar a fantasia. Dizia-te que é grande a tirania da imaginação. Tão grande que chega a alterar as idéias, a falsear as situações da vida, a deformar as pessoas.”

Mas, como podemos mortificar a imaginação?

Podemos mortificar a imaginação através da meditação! Para entender melhor o que é e como meditar, recorri ao Catecismo da Igreja Católica, que nos ajuda a definir melhor essa prática: “A meditação é uma busca orante que põe em ação o pensamento, a imaginação, a emoção, o desejo. Tem por finalidade a apropriação crente do assunto meditado, confrontado com a realidade de nossa vida.” (p.2723) “A meditação mobiliza o pensamento, a imaginação, a emoção e o desejo. Essa mobilização é necessária para aprofundar as convicções de fé, suscitar a conversão do coração e fortificar a vontade de seguir a Cristo. A oração cristã procura meditar de preferência “os mistérios de Cristo”, como na “lectio (leitura) divina” ou no Rosário. Esta forma de reflexão orante é de grande valor, mas a oração cristã deve procurar ir mais longe: ao conhecimento de amor do Senhor Jesus, à união com Ele.” (p.2708)

A imaginação precisa ser purificada e controlada pela razão justa. O progresso espiritual está na mortificação da imaginação pela vida da razão. Pois o homem espiritual surge do mundo espiritual.

É na imaginação fantasiosa que surge o pecado: num primeiro instante no pensamento e, se não controlado, transforma-se depois em atitudes pecaminosas.

A imaginação, portanto, deve servir a nossa inteligência e, por ela, Cristo pode se manifestar à nós. É dom do alto, é tarefa pessoal: exige esforço e abertura de coração para uma transformação radical. Topa?

Cleber dos Santos Rodrigues
é missionário


 Comentário: Curtiu? Escreva seu comentário e leia também Camarotização e a desagregação social a luz da fé


Previous

MP3: "O que te impede de ressuscitar?" (Pe Roger Luis)

Next

Doutrina Social da Igreja: evangelização e promoção humana

1 Comment

  1. Ana Flávia

    Olá Cléber, gostaria de entender melhor sobre o dom da imaginação, hoje 06 de outubro de 2018,em uma oração foi revelado que Deus estava me dando este dom,e que através deste eu poderia ser muito feliz.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén