Ser discípulo na Escola da Fé

No dia 19 de dezembro de 2013 participei, pela primeira vez, do programa “Escola da Fé” da TV Canção Nova como auxiliar do Professor Felipe Aquino, quanto a participação dos telespectadores via mídias sociais online. Minha participação, claro, foi principalmente como discípulo, como um aprendiz, como alguém que diante da sabedoria de um mestre exerce a arte da escuta. Tremores, nervosismo e suadeiras, a parte, o saldo pra mim foi muito positivo, pois percebo que a exposição pública nos impulsiona de alguma forma ao comprometimento. Quem se expõe se compromete: cresce e amadurece naquilo que faz!

Hoje, aos 31 anos, apesar dos poucos anos de caminhada como “católico praticante” e pouquíssimos anos como membro e missionário na Comunidade Canção Nova vejo, cada vez mais, que o abandono em Deus, proposto na música da Eliana Ribeiro faz todo sentido:

“Quando se deixa tudo para a Deus seguir. Não se tem idéia de onde Ele vai nos levar? A vida passa a ter o hoje e só: o amanhã d’Ele depende, só nos resta confiar”.

Afirmo isso, porque hoje – de modo prioritário – o mundo precisa de pessoas “normais”, de pessoas que topem desafios, que se disponham (meu Deus, o que estou escrevendo aqui!?), que após fazerem uma experiência da misericórdia de Deus, sejam capazes de testemunhar a vida nova com ousadia. Para isso, vejo que um bom exercício é o uso da memória: quem não faz memória, tem dificuldade de relacionar os fatos e os acontecimentos e, como consequência desta “dis-tração”, pode correr o risco de não “re-conhecer” a ação de Deus em sua própria história.

Voltando ao assunto do programa, por pura Providência Divina, o tema do programa era “A alegria do evangelho”, onde foi dado início à um ciclo de estudos sobre a mais recente Exortação Apostólica Evangelii Gaudium do Papa Francisco. A cada tópico abordado, pude me ver e reconhecer o contexto eclesial e comunitário que estou envolvido: como leigo-cristão-católico-consagrado. Sou cristão, mas não sou sozinho. Pertenço ao corpo Igreja e como manifestação concreta de apostolado, pertenço à uma “nova comunidade” que possui um específico, como afirma Monsenhor Jonas Abib: “O Carisma Canção Nova é uma forma renovada e priorizante de favorecer o encontro pessoal com Jesus na eficácia do Espírito Santo.”

Favorecer é favorecer! É dar espaço, é semear a Palavra, é ativar bombas de tempo nos corações: que explodirão amor na hora certa. A certa altura o apresentador, Professor Felipe Aquino, dirigiu-se a mim e perguntou: “Cleber, o que você fazia antes de vir pra Canção Nova?

Kabummmmmmm!

A “luz vermelha” da câmera acendeu e, ao mesmo tempo, milhares de cenas vieram à minha memória (leia rápido pra sentir a tensão): filho, irmão, amigo, cristão, profissional, amado, rejeitado, paroquiano, estudante, ex-estudante, professor, vj, grafiteiro, publicitário, feliz, triste, pós-graduando, pesquisador de novas tecnologias, dj, raver, motorista, designer, fotógrafo, videomaker, missionário, ahhhh … ufa!

Na hora, pela inexperiência de improvisar, pincei um exemplo aqui, outro ali, mas como o foco do programa era “A Alegria do Evangelho” foquei em testemunhar minhas andanças pelas festas “rave” – afinal “rave” (do inglês) significa “delírio, euforia, agitação.” Talvez, houvesse tantos outros exemplos mais impactantes, né? Mas enfim, respondi: “Professor, eu curtia festa rave!” (e curtia mesmo!).

(…)

Respirei fundo e partilhei que, por muito tempo, frequentei esse tipo de entretenimento até cheguei a trabalhar em algumas como “VJ” residente, projetando e mixando imagens nos telões juntamente com os DJs que mixavam o som (perdão pela comparação, mas ser vj é como tocar música pra surdo, onde pela combinação, temperatura e velocidade das cores, pode-se provocar alteração nas sensações (agitar ou acalmar) os participantes do evento. Sempre gostei de estudar e cresci muito ligado às artes visuais, então foi assim… Por isso, escolhi esse recorte da minha história. Outro exemplo, por mais florido que fosse, não seria real, transmitiria uma personalidade fake (falsa).

“Minha mão desceu sobre ti e te retirei da escuridão…

É mais duradouro ser real, ainda mais quando vivemos num contexto tão virtualizado. E certas coisas, não mudam: “A boca fala daquilo que está cheio o coração” (Mateus 12,34). Creio que mesmo não sendo mais pescador, o apóstolo Pedro devia falar de suas experiências no mar, não por nostalgia, mas porque foi a sua base-referencial do processo de conversão. Poderia dizer a mesma coisa de Paulo que por saber a linguagem do povo de Corinto, pode atingir em cheio seus corações e, no tempo certo, viu o amor e a fé deles crescer.

“A Alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria.” (Papa Francisco)

Essa foi, portanto, minha experiência e agora com o coração muito agradecido a Deus, resolvi voltar na minha história e como aquele leproso que foi curado, ouvir do Senhor:”Negão, levanta-te, e vai; a tua fé te salvou.”

 

Vida nova!

Olha, nada se compara a sensação de parar, olhar pra trás, ajustar o retrovisor da minha vida e ver que algo do caminho vai ficando pra trás. O pó da estrada já se acumula no tênis velho e já deformado (e confesso, curto muito isso!). Hoje, como leigo e vivendo em comunidade, posso afirmar que a paisagem já está mudando e “as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo!” (2 Cor 5,17).

Ser pobre em Deus é bom porque existe a possibilidade de se contentar com pouco! Atualmente, me vejo assim: sem ter muito o que oferecer, sem discursos “estrognoficamente” preparados, mas, mesmo assim, vou caminhando do melhor modo possível: colecionando erros e acertos.

Que juntos, como cristãos, estejamos dispostos a nos expor publicamente – se preciso – pela salvação das almas pra Deus. Exponha-se! Comprometa-se! Cresça em Deus. Quero ser contagiado com a sua santidade de vida.

Assista um trecho do programa:

“Derramo sobre ti
Meu Espírito de amor
Vou preencher teu coração
Te faço forte e fiel
Um amigo meu”

 

Que Deus te abençoe.

Cleber dos Santos Rodrigues
Missionário na Comunidade Canção Nova

 

Veja também:

 

Previous

"Aí eu chamo pela Mãe" (Diácono Nelsinho Corrêa)

Next

Ei, que cara é essa?

1 Comment

  1. Adailton Batista

    Parabéns Cleber pelo post e pelo seu testemunho, que o Senhor lhe abençoe e dê muita força! Seja fiel! #Tamujunto

Deixe uma resposta

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén