Meditemos com Santo Afonso Maria sobre a profundidade do mistério da Epifania do Senhor Jesus Cristo.

Hoje, no dia da Solenidade da Epifania de Nosso Senhor Jesus Cristo[1], nós propomos que meditemos com Santo Afonso Maria de Ligório sobre um dos mistérios da manifestação do Filho de Deus aos homens, que é a adoração dos três Reis Magos do Oriente. Este texto é muito recomendável para as pessoas que praticam a devoção dos primeiros sábados em reparação das ofensas contra o Imaculado Coração de Maria. Para as pessoas que ainda não praticam, este texto é um convite para esta devoção tão querida por Jesus Cristo e pela Virgem Maria.

Meditemos com Santo Afonso Maria sobre a profundidade do mistério da Epifania do Senhor Jesus Cristo.

A adoração dos três Reis Magos ao Menino Jesus

Uma das práticas da devoção reparadora dos primeiros sábados é a meditação de um ou mais mistérios do Santo Rosário, durante pelo menos 15 minutos, na intenção reparadora ao Imaculado Coração da Virgem Maria. Sendo assim, o texto que apresentaremos será um grande auxílio para viver bem esses 15 minutos, meditando sobre o mistério da Epifania do Senhor, que se insere no 3º mistério gozoso, no qual contemplamos o Natal do Menino Jesus Cristo. De qualquer forma, meditar sobre a manifestação de Jesus Cristo neste Tempo do Natal, será de grande valor espiritual para todos nós.

Receba o conteúdo deste blog gratuitamente em seu e-mail.

A manifestação do Menino Jesus no chamado aos Reis Magos

O Menino Jesus nasce pobre, numa pequena gruta que servia de abrigo para animais. Mesmo assim, os anjos do Céu reconhecem o Pequenino por seu Senhor, mas os homens da Terra deixam-no abandonado. Apenas alguns poucos pastores que estavam nos arredores, avisados pelos anjos, foram ao presépio para O adorar (cf. Lc 2, 16). Porém, o divino Redentor, já quer começar a comunicar-nos a graça da Redenção. Por isso, manifesta-se aos gentios, que menos o conheciam.

O Filho de Deus manda uma estrela iluminar os santos Reis Magos, Melquior, Baltazar e Gaspar, para que venham conhecer e adorar o seu Salvador. “Foi esta a primeira e também a maior graça que Jesus nos deu: a vocação à fé, à qual sucede a vocação à graça, de que os homens se achavam privados”[2].

O Filho de Deus se faz pobre para nos enriquecer

Os Magos se põem apressadamente a caminho, pois aqueles que são chamados pelo Senhor têm pressa de O encontrar. A estrela do Oriente acompanha Melquior, Baltazar e Gaspar até a gruta, onde está o santo Menino. Chegando à gruta, entram, e quem encontraram? “Invenerunt Puerum cum Maria — Acharam o Menino com Maria” (Mt 2, 11). Eles encontram uma donzela pobre e um menino igualmente pobre, envolto em faixas, sem ninguém para o servir ou amparar.

Ao entrar naquela humilde gruta, os três Reis peregrinos sentem uma alegria nunca antes experimentada. Eles sentem seu coração atraído para aquele Menino tão pequeno. Aquela palha, aquela pobreza, aquele choro de criança recém-nascida, de seu pequeno Salvador, ah! que setas de amor foram para seus corações, que chamas felizes de amor neles se acenderam! “O Menino acolhe-os com sorriso amável, demonstrando assim o afeto com que os aceita entre as primeiras presas da sua Redenção”[3].

O sublime culto dos Magos ao pequenino Jesus

Os santos Reis olham depois para a Virgem Maria, que permanece silenciosa, mas com semblante no qual reluz uma doçura celeste, acolhe-os e agradece-lhes por terem vindo, os primeiros a reconhecer-lhe o Filho por seu soberano Senhor. Eis que os Reis Magos, silenciosos pelo respeito, adoram o Filho da Virgem e reconhecem-no como Deus, beijando-lhe os pés e oferecendo-lhe os seus presentes; ouro, incenso e mirra (cf. Mt 2, 11). Em união com os santos Reis Magos do Oriente, adoremos o nosso pequenino Rei e Senhor Jesus e ofereçamos-lhe todo o nosso coração.

Vamos adorar o Menino Deus e oferecer-lhe nossos corações

Assim, digamos com os três Reis Magos do Oriente: “Vidimus enim stellam eius in oriente, et venimus adorare eum — Vimos a sua estrela no Oriente, e viemos adorá-lo” (Mt 2, 2).

Jesus Cristo, o Verbo de Deus encarnado, mal acabara de nascer, já quis começar a comunicar-nos as graças da Redenção. Por meio de uma estrela, chama os três Reis Magos: Melchior, Baltazar e Gaspar, – e na pessoa destes a todos nós – a fim de O venerarem. Os Magos do Oriente põem-se logo a caminho e, guiados pela estrela, chegam à Belém, entram na gruta, adoram o Menino Deus e oferecem-lhe seus presentes: ouro, incenso e mirra (cf. Mt 2, 11). “Adoremo-lo nós também, em união com os santos Reis, e ofereçamos-lhe pelas mãos de Maria os nossos corações arrependidos e amantes”[4].

Oração de Santo Afonso Maria de Ligório ao Menino Jesus

Ó amável Menino Jesus, ainda que Vos veja nessa gruta, deitado sobre a palha, tão pobre e tão desprezado, a fé ensina-me que sois meu Deus, descido do céu para a minha salvação. Reconheço-Vos por meu soberano Senhor e meu Salvador, mas nada tenho para Vos oferecer. Não tenho ouro de amor, porque amei as criaturas e os meus caprichos, e não Vos amei a Vós que sois infinitamente amável. Não tenho incenso de oração, porque até hoje vivi miseravelmente esquecido de Vós. Não tenho mirra de mortificação, porquanto tantas vezes tenho desgostado a vossa infinita bondade. — Que poderei eu oferecer-Vos?

Ofereço-Vos este meu coração, imundo e pobre como é; aceitai-o e transformai-o. Viestes sobre a terra exatamente para, com o vosso sangue, purificar os corações humanos do pecado e assim transformá-los de pecadores em santos. Dai-me Vós mesmo o ouro, o incenso e a mirra que desejais. Dai-me o ouro do vosso santo amor; dai-me o espírito da santa oração; dai-me o desejo e a força para me mortificar em todas as coisas que Vos possam desagradar. Estou resolvido a obedecer-Vos e a amar-Vos; mas Vós conheceis a minha fraqueza, dai-me a graça de Vos permanecer fiel.

Ó Virgem Santíssima, Vós acolhestes com tamanha benignidade e consolastes os santos Magos, acolhei-me e consolai-me também, agora que venho adorar vosso Filho e consagrar-me inteiramente a ele. Minha Mãe, tenho confiança absoluta em vossa intercessão. Recomendai-me a Jesus. Em vossas mãos deposito a minha alma e a minha vontade; ligai-a para sempre ao amor de Jesus.

E Vós, ó meu Deus, que por meio de uma estrela manifestastes no dia presente vosso Unigênito aos gentios: concedei propício, que visto já Vos conhecermos pela fé, cheguemos também a contemplar a beleza de vossa majestade. Fazei-o pelo amor desse mesmo Jesus Cristo, vosso Filho”[5].

Links relacionados:

PADRE PAULO RICARDO. Solenidade da Epifania do Senhor.

TODO DE MARIA. A devoção dos cinco primeiros sábados.

TODO DE MARIA. Três propósitos para 2017, o Ano Mariano.

Referências e nota:


[1]  A Solenidade da Epifania de Nosso Senhor Jesus Cristo é celebrada no dia 6 de Janeiro, mas no Brasil é transferida para o Domingo por razões pastorais. Além da adoração dos três Reis Magos do Oriente, são manifestações do Senhor o Batismo de Jesus no rio Jordão e o primeiro milagre de Cristo, nas bodas de Caná.

[2]  SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO. Meditações para todos os dias e festas do ano – Tomo I, p. 122.

[3]  Idem, p. 123,

[4]  Idem, p. 122.

[5]  Idem, p. 123-124.


Natalino Ueda é brasileiro, católico, formado em Filosofia e Teologia. Na consagração a Virgem Maria, segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort, explicado no seu livro “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”, descobriu o caminho fácil, rápido, perfeito e seguro para chegar a Jesus Cristo. Desde então, ensina e escreve sobre esta devoção, o caminho “a Jesus por Maria”, que é hoje o seu maior apostolado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com