A devoção a Virgem Maria como a nova Eva e a sua cooperação na obra da Salvação. 

A devoção a Virgem Maria, a nova Eva e a nossa salvação

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A Tradição da Igreja testemunha que a devoção e a invocação da Santíssima Virgem Maria como nova Eva está presente desde os primeiros séculos do cristianismo: “Com efeito, já no século II, esta doutrina de Maria, nova Eva, está universalmente admitida, e os Padres que a expõem não o fazem como se fosse uma especulação pessoal, mas como doutrina tradicional na Igreja, que se apoia nas palavras de São Paulo, em que ele chama Cristo de novo Adão e o contrapõe ao primeiro, como a causa da salvação se opõe à da queda (cf. 1 Cor 15, 45ss; Rm 5, 12ss; 1 Cor 15, 20-23). Os Padres relacionam estas palavras de São Paulo com o relato da queda, da promessa da redenção e da vitória sobre o demônio (cf. Gn 3, 15) e com o relato da Anunciação (cf. Lc 1, 26-28), onde se fala do consentimento de Maria na realização do mistério da Encarnação redentora. […] Pode-se, pois, e ainda se deve ver nesta doutrina de Maria – nova Eva associada à obra redentora de seu Filho – uma tradição divino-apostólica”1.

Receba o conteúdo deste blog gratuitamente em seu e-mail.

No princípio, Eva cooperou moralmente para a queda, cedendo à tentação do demônio, por um ato de desobediência e induzindo Adão ao pecado (cf. Gn 3, 1ss). Maria, a nova Eva, ao contrário, cooperou moralmente para a nossa redenção, conforme o desígnio de Deus. Pois, a Virgem de Nazaré acreditou nas palavras do arcanjo Gabriel e consentiu livremente para a realização do mistério da Encarnação redentora do Verbo (cf. Lc 1, 26-38), aceitando também, como consequência, todos os sofrimentos para ela (cf. Lc 2, 35) e seu Filho.

Maria cooperou livremente no desígnio divino de salvação para a humanidade. Entretanto, a nova Eva não é a causa principal e efetiva da redenção que nos foi alcançada por seu Filho Jesus Cristo. Ela não podia resgatar a nossa dignidade, nossa justificação, porque não era capaz de uma ação divina, de valor intrinsecamente infinito, que só uma pessoa divina encarnada é capaz de realizar. A Mãe de Deus é realmente “causa secundária, subordinada a Cristo e dispositiva de nossa redenção”2. A mediação de Maria é subordinada a Cristo não só no sentido de ser inferior, mas também porque ela coopera para a nossa salvação por uma graça proveniente dos méritos de seu Filho, e age n’Ele, com Ele e por Ele. Cristo é o mediador universal supremo entre Deus e a humanidade e, como parte desta, “Maria foi resgatada pelos méritos do Salvador, por uma redenção preservadora, não libertadora, posto que foi preservada do pecado original e logo de toda falta, pelos méritos futuros do Salvador de todos os homens”3.

Assista vídeo do Padre Paulo Ricardo com o tema “A Mãe do Salvador e a Nossa Vida Interior”: 

Ouça áudio do Padre Paulo Ricardo com o tema “A Mãe do Salvador e a Nossa Vida Interior”: 

No Calvário, aos pés da Cruz, a Virgem Maria entregou-se junto com o Redentor, o novo Adão, podendo com razão ser chamada de nova Eva e corredentora. Nossa Senhora, por instituição do próprio Jesus (cf. Jo 19, 26-27), é responsável pela geração espiritual de todos os homens, até o fim dos tempos. “Maria é nossa Mãe espiritual e adotiva, no sentido de que por sua união com Cristo Redentor, nos comunicou a vida sobrenatural da graça”4.

Assim, a Santíssima Virgem Maria, como mediadora entre nós e seu Filho Jesus Cristo, oferece orações e súplicas pela humanidade e, ao mesmo tempo, distribui as graças necessárias para a nossa salvação. Da mesma forma que Eva foi dada a Adão como ajuda adequada de ordem natural (cf. Gn 2, 18), Maria, a nova Eva, nos foi dada como auxílio de ordem material e principalmente de ordem espiritual. Por isso, como discípulos amados de Jesus Cristo, acolhamos a Virgem Maria em nossas casas (cf. Jo 19, 27), em nossas vidas. Pois, a nova Eva foi dada a nós como auxílio materno na vida presente, mas também em vista da vida futura, no Reino dos Céus. Confiantes em seu amoroso auxílio materno, rezemos com confiança a Santíssima Virgem, especialmente o santo Rosário. Nossa Senhora, Mãe da Igreja, rogai por nós!

Fonte: padrepauloricardo.org

Referências:

1 GARRIGOU-LAGRANJE, Réginald. La Madre del Salvador y Nuestra Vida Interior. Buenos Aires: Desclée, 1947, p. 160.

2 Idem, p. 161-162.

3 Idem, p. 162.

4 Idem, p. 163.


Natalino Ueda é brasileiro, católico, formado em Filosofia e Teologia. Na consagração a Virgem Maria, segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort, explicado no seu livro “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”, descobriu o caminho fácil, rápido, perfeito e seguro para chegar a Jesus Cristo. Desde então, ensina e escreve sobre esta devoção, o caminho “a Jesus por Maria”, que é hoje o seu maior apostolado.

3 Comentários

  1. Te cosagro MAEZINHA minha casa meu matrimonio minha saude minha familia meu emprego e meu lar .Senhor eu entrego meu matrimonio eu te consagro senhor, te coloco em suas maos nossa casa que estamos comprando para que seija liberada bem rapida que dei tudo serto no nosso matrimonio dei sua bençao o pai na nossa vida “Alexandre e Andrielle” para que possamos sempre amar e respeitar na alegri e na doença ate que a morte nos separe Senhor, o amor um dia nos uniu.
    Nele e por ele fizemos aliança Convosco e entre nós.
    E assim nasceu o nosso lar.
    Não somos um casal perfeito, mas entre erros e acertos somos felizes em reciprocidade.
    Com Vossa graça, procuramos harmonizar nossas diferenças.
    Nós Vos pedimos, Senhor, as bênçãos necessárias para continuarmos a edificar nossa casa sobre a rocha do amor incondiocional (Ágape).
    Saibamos compreender, dialogar, perdoar, partilhar alegrias e tristezas, educar nossos filhos na fé e nos manter fiéis um ao outro.
    Ajudai-nos a oferecer um ao outro o melhor que somos e temos em nós, no corpo e no espírito.
    E assim, sejamos como Vós desejais: sal e luz na vida um do outro, ajudando-nos, encorajando-nos, para que nossa vida a dois seja fecunda e feliz.
    Ó Pai de amor (Ágape), acolhei e atendei a nossa oração. Amém!

  2. Irmãos poderia então dizer que o antigo testamento se repete no novo testamento só que de forma reparativa pela exclusão do homem e da mulher do paraiso.

    • Natalino Ueda

      Caro Pedro Ricardo,
      Na Nova Aliança, Jesus Cristo não só restaurou pagou pelo pecado cometido por Eva e Adão e abriu as portas do Paraíso terrestre. Jesus abriu as portas do Paraíso celeste, onde a Virgem Maria já está aguardando cada um de nós, seus filhos.
      Natalino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com