Conheça os sublimes mistérios, a beleza inefável e os frutos extraordinários da Ave-Maria

A Ave-Maria ou Saudação Angélica é tão celestial, tão mística e incompreensível a nós, em sua profundidade de significado, que o Beato Alano de La Roche acreditava que nenhuma criatura humana pudesse compreendê-la. Somente Jesus Cristo, o Filho de Deus, que se encarnou e nasceu da Santíssima Virgem Maria, pode realmente explicá-la.

A Saudação Angélica deve sua excelência, primeiramente, à Virgem de Nazaré, a quem foi dirigida a oração, à finalidade da Anunciação da Encarnação do Verbo de Deus, pelo qual essa oração foi trazida do Céu e, também, ao Arcanjo São Gabriel, que foi o primeiro a pronunciá-la.

Receba o conteúdo deste blog gratuitamente em seu e-mail.

Os mistérios insondáveis da Saudação Angélica

A Ave-Maria é a mais zelosa suma que toda a teologia Católica; nos ensina a respeito de Nossa Senhora. Essa oração é dividida em duas partes: uma de louvor e a outra de petição. A primeira parte nos revela a verdadeira grandeza de Maria – que foi esvaziar-se totalmente de si mesma para tornar-se cheia da graça de Deus (cf. Lc 1, 28). É o resumo de tudo que precisamos pedir a Ela e de tudo o que podemos esperar receber de sua bondade.

A Santíssima Trindade nos revelou a primeira parte, por meio do Arcanjo Gabriel (cf. Lc 1, 28), o Mensageiro de Deus e, a segunda, foi acrescentada por Santa Isabel. Essa ficou cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: “Bendita é Tu entre as mulheres e bendito é o fruto do Teu ventre” (Lc 1, 42).

“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte”

A Santa Mãe Igreja nos deu a conclusão da Ave-Maria no concílio de Éfeso, que se deu no ano de 431. A Igreja condenou a heresia de Nestório e definiu o dogma da maternidade divina. Ou seja, declarou a legitimidade da atribuição do título, em grego, Theotókos, que significa Mãe de Deus, à Virgem Maria. Desde então, a Madre Igreja nos ordenou que rezássemos à Santíssima Virgem, através de seu glorioso título, da seguinte forma: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte”.

O maior evento em toda história da humanidade foi a Encarnação do Verbo Eterno, por quem o gênero humano foi redimido e a amizade entre Deus e os homens foi restaurada.

A Virgem de Nazaré foi escolhida para colaborar neste extraordinário evento. Esse se realizou quando, o Anjo, a cumprimentou com a Ave-Maria (cf. Lc 1, 26-38). O Arcanjo São Gabriel, um dos príncipes da milícia celeste, foi escolhido como embaixador da Boa Nova.

A Saudação Angélica e a sua beleza

O Beato Alano de La Roche dizia a respeito da Ave-Maria: “Observa-se, na Saudação Angélica, a fé e a esperança dos patriarcas, dos profetas e dos apóstolos. Ainda mais, dá constância e fortaleza aos mártires, é a sabedoria dos doutores da Igreja, a perseverança dos santos confessores e a vida de todos os religiosos”[1].

A Ave-Maria é, também, um novo hino da lei da graça, a alegria dos anjos e dos homens, o hino que infunde o medo nos demônios e os confunde vergonhosamente.

Ao fazer-se ouvir a Saudação Angélica, Deus se tornou Homem, uma Virgem se tornou Mãe de Deus, as almas dos justos foram libertadas da mansão dos mortos, ocupando, no Reino dos Céus, os lugares que lhes estavam reservados. Além disso, o pecado foi perdoado, a graça nos foi dada, os doentes foram curados, os mortos ressuscitaram, os exilados foram trazidos de volta ao seu lar, a ira da Santíssima Trindade foi apaziguada e os homens obtiveram a vida eterna. Nesse sentido, a Saudação Angélica é como um arco-íris no céu (cf. Gn 9, 13), um sinal de misericórdia e graça que Deus concede aos homens.

“Eu te cantarei um cântico novo” (Sl 143, 9)

Não há nada tão excelso quanto à majestade de Deus e nada tão desprezível quanto o homem enquanto pecador. No entanto, o Senhor onipotente não despreza as nossas pobres orações. Ao contrário, Deus Se alegra quando nos dirigimos a Ele e cantamos Seus louvores.

A saudação do Arcanjo São Gabriel à Virgem Maria é um dos mais belos cânticos que podemos cantar para glorificar Deus. “Eu te cantarei um cântico novo” (Sl 143, 9). “Este novo cântico, que Davi previu e que deveria ser cantado na vinda do Messias é, precisamente, a Saudação Angélica”[2].

Cântico novo

Há um antigo e um novo cântico: o antigo é o que o Povo de Deus cantou em gratidão a Deus por tê-lo criado, sustentado sua existência e tê-lo livrado da escravidão do Egito, fazendo-os passar pelo Mar Vermelho a pé enxuto. Dando-lhes de comer o maná no deserto e por tantas outras bênçãos.

O cântico novo é o que nós, cristãos, novo Povo de Deus, cantamos em ação de graças pelos mistérios da Encarnação e da Redenção. Como essas maravilhas da graça foram trazidas a nós pela Ave-maria, então, nós a repetimos com o intuito agradecer a Deus Uno e Trino, por Sua bondade e misericórdia infinitas.

Através da Saudação Angélica, nós louvamos a Deus Pai, porque Ele amou o mundo de tal maneira que nos deu Seu Filho Unigênito como nosso Salvador (cf. Jo 3, 16). Nós bendizemos Jesus Cristo, o Filho de Deus, porque Ele se dignou deixar o Céu e vir para a Terra, para fazer-Se homem. Nós glorificamos Deus Espírito Santo porque Ele formou o Corpo Santo do Filho do Altíssimo, no ventre virginal de Maria Santíssima, esse Corpo que se tornou vítima de expiação por nossos pecados. Neste espírito de profunda gratidão (para com a Santíssima Trindade) é que devemos rezar sempre as Ave-Marias. Proclamando atos de Fé, Esperança, Caridade e ações de graças pelo dom inestimável da Salvação.

Quando nós honramos a Santíssima Virgem: Deus Pai é glorificado

Esse novo cântico, que é a Saudação Angélica, é cantado em honra a Mãe de Deus. No entanto, sem dúvida, essa canção é muito gloriosa à Santíssima Trindade, porque os louvores dirigidos à Virgem Maria, dirigem-se também a DEUS, que é a causa de todas as suas virtudes e perfeições. Quando nós honramos a Santíssima Virgem: Deus Pai é glorificado, pois honramos a mais perfeita de todas as suas criaturas; Deus Filho é glorificado, pois louvamos Sua Mãe puríssima; e Deus Espírito Santo é glorificado, pois a admiramos profundamente, meditando nas graças com as quais Ele cobriu Sua Esposa (cf. Lc 1, 35).

Quando louvamos e bendizemos a Virgem Maria, ao rezarmos a Saudação Angélica, ela sempre passa esses louvores a Santíssima Trindade, da mesma forma que ela fez quando foi exaltada no mistério da Visitação. Santa Isabel bendisse por sua elevadíssima dignidade como Mãe de Deus (cf. Lc 1, 42-43) e a Virgem de Nazaré, imediatamente, louvou Deus através do seu belíssimo cântico, o Magnificat (cf. Lc 1, 46-55).

Meio para testemunhar a devoção

Por meio da Ave-Maria, glorificamos Deus Pai, Filho e Espírito Santo e, também, louvamos a Virgem Maria. Certo dia, Santa Matilde, irmã de Santa Gertrudes, rezava e desejava saber qual era o melhor meio para testemunhar sua terna devoção a Nossa Senhora, quando foi arrebatada em êxtase. Nesse momento, a Virgem Santíssima apareceu à Matilde, com a Ave-Maria escrita em letras de ouro reluzente sobre seu peito e lhe disse:

“Minha filha, quero que saibas que não há para mim nada mais agradável que a saudação que a Santíssima Trindade me enviou e pela qual Ele me elevou à dignidade de Mãe de Deus.

Pela palavra “Ave”, eu aprendi que em Seu poder infinito Deus me preservou de todo o pecado e das consequentes misérias com as quais a primeira mulher se viu sujeita.

O nome “Maria” que quer dizer “Senhora da Luz” mostra que Deus me preencheu com sabedoria e luz, como uma estrela brilhante, para iluminar os Céus e a Terra.

As palavras “cheia de graça” me lembram que o Espírito Santo me encheu de graças e me capacitou distribuí-las em abundância àqueles que as pedem através de mim como Mediadora.

Quando os fiéis rezam “o Senhor é convosco”, eles renovam a alegria indescritível que tive quando o Verbo Eterno se tornou carne em meu ventre.

Quando você reza “bendita sois vós entre as mulheres”, louvo a misericórdia divina de Deus Todo-Poderoso, que me elevou a este excelso plano de felicidade.

E nas palavras “bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus”, todo o Céu se alegra comigo ao ver meu Filho Jesus Cristo adorado e glorificado por ter salvo a humanidade[3].”

Assista ou ouça programa do Padre Paulo Ricardo com o tema “Ave Maria, cheia de graça”:

A Saudação Angélica e os seus frutos

O Beato Alano de La Roche, que era devotíssimo de Nossa Senhora, recebeu dela várias revelações. Essas foram confirmadas por ele através de um solene juramento. Três dessas revelações possuem uma ênfase especial, que nos ajuda a compreender a importância da Ave-Maria no desígnio da Salvação:

A primeira, quando as pessoas não rezam a Ave Maria (a Saudação Angélica que salvou o mundo) com cuidado, ou porque elas estão entediadas, ou mesmo, porque têm aversão a ela, é um sinal de que elas provavelmente e com certeza serão condenadas à punição eterna.

A segunda verdade é que aqueles que amam essa saudação divina possuem um sinal especial de predestinação.

A terceira verdade é que aqueles a quem Deus tem dado esse sinal de amor a Nossa Senhora e de servi-la até a hora quando Ela os colocar no Céu, através de seu Filho divino, no grau de glória que merecem[4].

Os hereges, todos os que são filhos do mal e, claramente, possuem selo de reprovação do Senhor, têm horror a Saudação Angélica. Eles ainda rezam o Pai-nosso, mas nunca a Ave-Maria. Além disso, prefeririam enrolar uma cobra venenosa em volta de seus pescoços do que usar um Escapulário ou ter um Rosário nas mãos.

Entre nós católicos, há aquelas pessoas que carregam a marca da reprovação de Deus, menosprezando o Santo Rosário de quinze dezenas[5] e, até mesmo, o Terço de cinco dezenas. Estss pessoas, ora não o rezam, ora rezam-no rapidamente, sem devoção.

São Luís Maria Grignion de Montfort

São Luís Maria Grignion de Montfort ensina que, ainda que não acreditemos no que foi revelado ao Beato Alano de La Roche, a experiência basta para nos convencer desta terrível verdade:

Não sei, nem compreendo totalmente, como pode uma devoção que pareça tão pequena ser o sinal infalível da salvação eterna e como a sua ausência possa ser o sinal do desagrado eterno de Deus; não obstante nada há de mais certo.

Em nossos dias, vemos que aquelas pessoas que professam doutrinas novas, que são condenadas pela Santa Madre Igreja, podem até ser piedosas, superficialmente, mas elas desdenham o Rosário, e geralmente elas persuadem seus conhecidos a não o rezarem, destruindo assim seu amor por ele e sua fé nele. Ao fazer isto, elas elaboram desculpas que são até plausíveis aos olhos do mundo. São cautelosas a não condenar o Rosário e o Escapulário, como os calvinistas o fazem, mas a maneira que se propõem a atacá-lo é mais mortífera porque é dissimulada. […]

Minha Ave-Maria, meu Rosário ou meu terço, é a minha oração e a pedra de toque seguríssima pela qual eu posso distinguir a todos os que são levados pelo Espírito de Deus e aqueles que são enganados pelo demônio. Conheci almas que pareciam voar como águias por sobre as nuvens em uma contemplação sublime e que eram, contudo, miseravelmente enganadas pelo diabo. Eu só percebi o quanto estavam erradas quando descobri que desdenhavam a Ave-Maria e o Rosário que consideravam muito inferior a elas.

A Ave Maria é um abençoado orvalho que cai dos Céus sobre as almas dos predestinados. E dá-lhes uma maravilhosa fertilidade espiritual a fim de poderem crescer em todas as virtudes. Quanto mais o jardim da alma é regado por esta oração, mais iluminado se torna o intelecto desta pessoa, e mais zeloso se torna seu coração, e mais se fortalece contra seus inimigos.

A Ave Maria é uma flecha pontiaguda e ardente que, unida à Palavra de Deus, dá ao pregador a força de penetrar, mover e converter os corações mais duros mesmo que ele tenha pouco ou nenhum natural dom de pregação. Como disse antes, este foi o grande segredo que Nossa Senhora ensinou a São Domingos e ao Bem-aventurado Alano a fim de que eles convertessem os hereges e os pecadores. Santo Antonino nos conta que era este o motivo pelo qual muitos pregadores se habituaram a rezar a Ave Maria no início de seus sermões.

 

Oração

Ó Virgem Maria, dai-nos a graça de saudar-Vos sempre, como a saudou o Arcanjo São Gabriel, com a Ave-Maria, contemplando os seus mistérios e a sua beleza e, assim, possamos colher os frutos dessa santa devoção. Nossa Senhora da Anunciação, rogai por nós!

Natalino Ueda, escravo inútil de Jesus em Maria.

Links relacionados:

PADRE PAULO RICARDO. A oração “Ave Maria”.

TODO DE MARIA. Ave-Maria: oração agradável a Nossa Senhora.

TODO DE MARIA. O valor da Ave-Maria e do Terço.

Referências e notas:

[1]  SÃO LUÍS MARIA GRIGNION DE MONTFORT. O Segredo do Rosário, p. 32.

[2]  Idem, ibidem.

[3]  Idem, p. 33.

[4]  Idem, p. 34. Bem-aventurado Alano, capitulo XI, parágrafo 2.

[5]  Hoje são vinte os mistérios do Rosário, por causa dos mistérios Luminosos, criados por São João Paulo II.

1 comentário

  1. Que alegria sente meu coração miserável e todo de Maria encontrar uma fonte tão rica sobre minha mãe. Louvado seja Deus pelo seu ministério! Que as palavras do Espirito Santo sejam como flechas a tantos corações como está sendo para o o meu agora. Gratidão e abraço fraterno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com