A verdadeira devoção a Virgem Maria, segundo São Luís Maria, tem práticas interiores e exteriores.

São Luís Maria ensina que a devoção a Maria é feita de práticas interiores e exterioresNo terceiro capítulo do “Tratado da Verdadeira Devoção à Virgem Maria”, São Luís Maria Grignion de Montfort fala, entre outras coisas, das práticas que fazem parte da consagração total a Nossa Senhora. Ele divide essas práticas em duas, que são as práticas interiores e as exteriores. Para compreendermos melhor essas práticas, trataremos delas separadamente, mas elas estão sempre intimamente ligadas.

O que são essas práticas interiores e exteriores da devoção a Virgem Maria?

Receba o conteúdo deste blog gratuitamente em seu e-mail.

Em primeiro lugar, falaremos da práticas interiores, que são as mais importantes. São Luís Maria as resume em oito práticas principais: 1) Honrar e amar a Virgem Maria, Mãe de Deus, acima de todos os outros santos, como obra-prima da graça e a primeira depois de Jesus Cristo; 2) Meditar as virtudes, privilégios e ações de Nossa Senhora; 3) Contemplar as suas grandezas; 4) Dirigir a ela, atos de amor, de louvor e de reconhecimento; 5) Invocá-la com todo o coração; 6) Oferecer-se e unir-se a ela; 7) Fazer tudo com o fim de lhe agradar; 8) “Começar, continuar e terminar todas as ações por Ela, n’Ela, com Ela e para Ela, a fim de as fazer por Jesus Cristo, em Jesus Cristo, com e para Jesus Cristo, nosso último fim” (TVD 115).

Quanto às práticas exteriores, São Luís nos apresenta as principais: 1) Fazer parte das confrarias de Nossa Senhora e entrar nas suas congregações; 2) Entrar nas ordens religiosas instituídas em sua honra; 3) Publicar os louvores da Virgem Maria; 4) Dar esmolas, jejuar e fazer mortificações espirituais ou corporais em sua honra; 5) Trazer as suas insígnias como o Rosário, o Terço, o escapulário, a medalha milagrosa ou a cadeiazinha; 6) Rezar com modéstia, atenção e devoção o Rosário completo, o Terço , ou outras oração em honra de Maria; 7) Cantar e incentivar os cânticos espirituais em sua honra; 8) Dirigir a ela genuflexões ou inclinações, dizendo-lhe, por exemplo, sessenta ou cem vezes cada manhã: “Ave, Maria, Virgem Fiel!”, a fim de obter de Deus por meio d’Ela a fidelidade às graças de Deus durante o dia. Da mesma forma, pode-se dizer à noite: “Ave, Maria, Mãe de misericórdia!”, para pedir por Ela, perdão a Deus pelos pecados cometidos durante o dia; 9) Cuidar das suas confrarias, enfeitar os seus altares, coroar e embelezar as suas imagens; 10) Levar e incentivar as procissões com suas imagens, e trazer uma consigo, como arma poderosa contra o espírito maligno; 11) Mandar fazer e colocar imagens suas, ou o seu nome, nas igrejas, nas casas, nas portas e entradas das cidades, igrejas e residências; 12) “Consagrar-se a Ela duma maneira especial e solene” (TVD 116).

Estas práticas exteriores, que não são obrigatórias, devem ser feitas com a boa e reta intenção de só agradar a Deus, de se unir a Jesus Cristo como a seu fim último, e de edificar o próximo. Além disso, São Luís Maria recomenda que essas práticas sejam feitas: “com atenção, sem distrações voluntárias; com devoção, sem precipitação nem negligência; com modéstia e compostura respeitosa e edificante do corpo” (TVD 117).

São Luís Maria nos ensina que a verdadeira devoção a Santíssima Virgem exige da alma mais sacrifícios por Deus e a esvazia de si mesma e do seu amor próprio. Esta conserva a alma ainda mais fiel na graça e a graça nela. Ela também a une mais perfeitamente a Jesus Cristo, é mais gloriosa para Deus, mais santificante para a alma e mais útil ao próximo (cf. TVD 118).

Leia também:

As verdades fundamentais da verdadeira devoção a Virgem Maria.

A necessidade da verdadeira devoção a Maria.

Os falsos devotos da Virgem Maria.

A verdadeira devoção a Santíssima Virgem.

O Livro escondido.

12 Comentários

  1. Marina Resena Zgoda

    Nossa Senhora merece todo nosso louvor, é nossa mãe. A Mãe que nunca abandona seus filhos. A Mãe que sempre está presente em todas as situações. É Ela que nos aproxima de Jesus. É a mais sábia de todas as mães, a mãe, que educa sem machucar, é Ela que enxuga nossas lágrimas e que nos guia com segurança, é a ponte que nos leva ao céu.

  2. OZICLÉCIA CORRÊIA J. DA SILVA

    Sou de Maria.

  3. Paulo Renato Bordignon Garmatter.

    Não há conhecimento de Deus,sem conhecer sua Santa e Bendita Mãe.
    Quem não conhece a Mãe,não conhece o Filho.
    Nunca chegaremos ao conhecimento de Deus,sem conhecer quem o ensinou,na beira do fogão,na arrumação da casa.
    A Virgem foi quem ensinou o Cristo a falar,a andar,a comer,a AMAR.
    Jesus tem esse coração amável,doce,por que sua DOCE MÃE o ensinou assim.
    Ele e reflexo da Mãe,pura,santa e humilde.
    Pela intercessão do Beato João Paulo II,que tanto amou a Virgem até o fim,interceda por cada um de nós.

  4. Quem não ama sua Mãe !!!!

  5. Maria jose araujo

    Quem é mãe sabe a importancia de maria na vida de Jesus, o coração de mãe entende e entercede por todos os nescessitados , o único objetivo de Maria é nos guiar até o filho dela , ela mesma nos disse fazei tudo que ele vos disser , ela não pede nada p/ ela e sim p/ seu filho

  6. eu sou apaixonada por maria,adoraria,ser toda de maria,pois meu coraçao depois decristo e de maria,ainda,nao me consagrei,mas gostaria de me consagrar.

  7. Andreia Fernandes

    As práticas exteriores, embora não obrigatórias, quando realizadas nos edificam. São numerosas, porém penso que é necessário realizar o máximo possível, de maneira que consigamos ser fiéis a elas diariamente. É necessário o esforço. A Virgem Maria precisa das nossas penitências, das nossas orações, para que sejam elas delegadas às almas mais necessitadas segundo o coração dEla. Não é preciso discorrer sobre as recompensas. Convertem-se sempre no nosso crescimento espirtual. #tottustuumariae

  8. Ana do Rosário Teixeira de Sousa Ramos Gonçalves

    Tomei conhecimento e adorei! Sou uma grande admiradora, da Nossa Mãe Santíssima e, tento merecer todo o seu amor… Vou aprofundar toda esta informação maravilhosa. Dou graças, por ter tido conhecimento
    deste “Grande Tratado”. Obrigada por tudo.
    Ana Gonçalves

  9. Com qual idade pode se consagrar? Depois da consagração temos de nos tornar religiosos ou missionários ou significa levar uma vida mais espiritualizada?

Deixe uma resposta para Terezinha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com