Meditemos sobre a presença de São José e a Virgem Maria nas alegrias e nos sofrimentos do Natal de Jesus Cristo.

O mistério do Natal de nosso Senhor Jesus Cristo que nós celebramos é rico de muitos aspectos, como todos os mistérios de Deus. Ao consideramos os acontecimentos exteriores do Natal, neles percebemos um contraste, uma antinomia[1] surpreendente. Consideramos a alegria do céu, a exaltação da Santíssima Trindade, a alegria e a gratidão imensas dos que gozam da visão beatifica, veem na luz de Deus a magnificência do mistério realizado: a união da divindade e da humanidade. Esta alegria, esta exultação, esta gratidão de todo o céu, traduzem-se na terra por ecos: os anjos, com seus cantos de ação de graças a Deus, e os cânticos que os acompanham comunicam algo dessa alegria.

Meditemos sobre a presença de São José e a Virgem Maria nas alegrias e nos sofrimentos do Natal de Jesus Cristo.

Adoração dos Pastores – Bartolomé Esteban Perez Murillo

Essa magnificência celeste que brota, que ilumina um instante a terra, é acompanhada de realizações terrestres antinômicas, quase desconcertantes. Esse acontecimento se produz em condições difíceis, com circunstâncias que parecem não contrariá-lo diretamente, mas que o envolvem de obscuridade, de humildade, de sofrimento. É num presépio, numa gruta, no meio do abandono dos homens que Jesus vem à terra. Que oposição já tocante entre a Sabedoria de Deus que reina nos céus, que estende seu reino na terra, e o pecado que ela aí encontra, a fraqueza humana, a sabedoria dos homens inspirada pela fraqueza, esta ignorância e este pecado.

E, agora, para completar o quadro, para tentar compreendê-lo no seu conjunto, vamos às personagens que estão perto de Jesus, a São José, o chefe de família, a Virgem Maria, que acaba de nos dar Jesus.

Receba o conteúdo deste blog gratuitamente em seu e-mail.

São José e a antinomia no Natal de Jesus Cristo

São José viveu na angústia e na obscuridade quando viu o estado de Maria. Ele foi assegurado pelo mensageiro celeste, que lhe disse para receber Maria como sua esposa, pois “o que se fizera nela foi realizado por operação do Espírito Santo” (Mt 1, 20). Eis o justo José: graças, poderíamos dizer, às suas angústias, ele compreendeu, na obscuridade da grande realização que se prepara, a luz de Deus.

Esta alma pura e reta, de olhar penetrante, e perfeitamente submisso, tinha já entrado no mistério da Encarnação, e agora aí penetra novamente. Certamente, ele sofre com a antinomia dos acontecimentos aos quais assiste, dos quais não é certamente responsável, mas que, no entanto, afligem seu coração e sua alma. Ele, o responsável, não pôde dar à Virgem e ao Menino senão essa gruta que encontrou no campo. É uma tristeza para ele, mas essa tristeza, como a primeira angústia a respeito da Virgem Maria, o ajuda a penetrar nas profundezas do mistério.

Ele ouve o canto dos anjos, ele vê sua luz; ele vê os pastores que chegam, e nas disposições dessas almas simples como a sua, ele encontra alegria, encontra simpatia que ele compreende. José entra no mistério, com os olhos da fé, com os olhos do pai nutrício; não somente contempla a beleza virginal da criança, mas entra também no mistério de Deus, este mistério que São João nos expõe no Evangelho (cf. Jo 1, 1-14).

Sim, esta criança é o Verbo de Deus; e, através da obscuridade, José penetra na luz desse Verbo: seu olhar não o deixará mais. Ele sofre de um lado, e se alegra do outro ele não goza da visão beatífica, mas sua fé é esclarecida maravilhosamente pela luz que desce do céu, por aquela que ele possui em sua alma. São José vai se tornar um grande contemplativo do Verbo de Deus, um contemplativo também da Virgem Maria, sua esposa, tão bem que santa Teresa não hesitará em dá-lo como modelo de nossa contemplação divina e marial[2].

Nossa Senhora e as alegrias e os sofrimentos do Natal de Jesus

E eis a Virgem Maria. Ela está no centro do mistério. Na Anunciação, pela vontade de Deus, ela foi colocada sobre o plano de Deus mesmo; ela foi elevada, assim, por sua ação – não por sua graça – sobre o plano da união hipostática[3]. Entretanto, ela recebeu uma quase-unção durante os nove meses de gestação da humanidade do Cristo. Sua alma entra no mistério; parece-nos que ela está perdida no mistério de Deus. Oh! Seu olhar penetrante, purificado! Seu olhar de Virgem Imaculada que se tornou mais ainda penetrante pela plenitude da graça, por todas as graças recebidas no dia da Anunciação, e durante os nove meses da presença do Verbo em seu seio! O Espírito Santo construía, com a sua carne, a humanidade que devia ser a de Cristo Jesus nosso Salvador, nosso Redentor e nosso alimento.

Maria entra nesse mistério, nessa beleza do Verbo de Deus. Certamente sofre pelo Verbo feito carne não ser recebido: vindo entre os seus, entre o povo que ele escolheu como depositário de suas promessas, vindo a Belém entre a gente de sua família e de sua raça, a de Davi, o Verbo encarnado não foi recebido. Há também uma antinomia na alma da Virgem; mas, nessa antinomia, as luzes do Verbo dominam, deslumbrantes, profundas, tocantes, e a Virgem se submerge nesse mistério. Ela contempla seu Filho e vê o Verbo, o Verbo encarnado. Oh, esta encarnação é tão bela! Jesus traz os traços de sua face, de toda a sua beleza; ela se revê nele. Para penetrar esta humanidade do Cristo, ela possui como um conhecimento de conaturalidade, porque Jesus é sua criança, seu Filho.

Mas ela vai mais longe: perde-se nas disposições dessa humanidade de seu Filho. É a Ele que ela está unida; são Suas disposições que ela partilha, que vive profundamente na hora atual.

Quais são elas? Disposições de agradecimento: sim, Jesus é agradecido, eu entendo essa humanidade de Cristo agradecida por trazer o Verbo nela, por ter sido escolhida para tornar-se o Verbo encarnado. E Maria partilha dessa disposição de gratidão, por ter sido escolhida para ser a Mãe do Verbo, a Mãe de Deus: gratidão tão profunda, tão imensa que ela mal pode exprimir.

Esse agradecimento volta-se para o futuro, e já para os acontecimentos futuros, quaisquer que sejam, Maria se oferece também a Deus Pai, em união com o seu Verbo encarnado. “Tu me fizeste mãe…”: ela quer ser Mãe até o fim, isto é, seguir o Verbo encarnado, partilhar Suas disposições, Seus triunfos, efêmeros na terra, partilhar todo o Seu sofrimento. “Tu não quiseste holocaustos…” (cf. Hb 10, 5). Ela já sabe o que comporta essa palavra; ela sofre, ela também tem angústias; sofre dessa miséria, dessa pobreza, não por si mesma, mas por Jesus, por Deus mesmo.

Assista a Mensagem de Natal do Padre Paulo Ricardo com o tema “Do Presépio até a Cruz: um Deus que triunfa no escondimento”:

Um convite à meditação e à oração a Virgem Maria no Natal de Jesus Cristo

A Virgem sente já a antinomia, o duplo abismo da misericórdia de Deus e da miséria humana, e haverá carregar tudo isso. “Maria conservava tudo isso no seu coração” (Lc 2, 19), nos diz o evangelista Lucas. Ela medita, vive desses contrastes, dessas duas faces do díptico: ela sofre com uma e alegra-se com outra, essa face de luz: a disposição de seu Jesus, a vontade do Pai. Ela começou a realizar e entra com toda a sua alegria, com toda a sua alma, nós diríamos com todo o seu corpo, com tudo o que ela é. Esta Mãe de Deus se oferece por todos os desígnios de Deus sobre ela, e por ela. Sim, já no presépio ela tem as disposições do Calvário, ela segue a vontade de Deus.

Nós mesmos, considerando a Virgem Maria, peçamos-lhe que nos arraste em seu movimento de abandono, de dom completo de nós mesmos a toda a vontade do Pai, a tudo o que Ele quer para nós e por nós; a tudo o que Ele quer nos fazer sofrer, e também e sobretudo, a todas as graças que ele quer nos dar, a este cume ao qual Ele quer nos conduzir.

No presépio, a Virgem Maria já se oferece, ela que é Mãe de Deus, para se tornar Mãe dos homens, Mãe da humanidade regenerada.

Peçamos-lhe que nos arraste em seu seguimento, em sua graça, em sua plena luz. Aliás, ela está cheia dessa luz? Não! Ela está cercada de obscuridade, não de hesitações, certamente, mas de nevoeiro e de sofrimento: além disso, no entanto, Maria vê a realização do desígnio de Deus. Peçamos que ela no-lo faça entrever. Nós nos ofereceremos para todos os desígnios de Deus, para tudo o que eles comportam para nós, da participação na Cruz de Cristo, no sofrimento da Virgem Maria. Nós nos ofereceremos a nós também, como ela, para o desígnio de Deus sobre nós, para o triunfo do que Ele quer realizar em nossa alma por sua graça, para a missão que Ele quer nos dar sobre o mundo. Nós nos ofereceremos, enfim, como a Virgem, para ter, durante toda a eternidade, o lugar que Deus nos preparou no céu no seio da Santíssima Trindade, e em Sua Igreja aqui na terra.

Fonte: FREI MARIA-EUGÊNIO DO MENINO JESUS. Virgem Maria: Mãe em plenitude.

Links relacionados:

TODO DE MARIA. Maria e José no mistério do Natal de Jesus.
TODO DE MARIA. O melhor presente de Natal para Jesus Cristo.
TODO DE MARIA. O Natal e o amor a Jesus Cristo.

Referência e notas:


[1]  A palavra antinomia, em teologia, significa a contradição entre dois pensamentos, princípios ou leis em sua aplicação a um caso particular.

[2] Cf. SANTA TERESA DE JESUS. Livro da Vida, cap. 6.

[3]  A Virgem é uma pura criatura. Mas Deus a escolheu para dar uma ao Verbo de Deus. Ela não gozou da união hipostática, pois só Jesus é, ao mesmo tempo, Deus e homem. No entanto, Maria, por sua ação maternal, participa na realização da união hipostática de Jesus. Ela torna-se assim uma colaboradora inteiramente singular de Deus. Seu lugar eminente na Igreja e seu papel, junto a Cristo, na obra da salvação, decorrem de sua maternidade divina, Uma quase unção da Divindade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com