Meditemos com Santo Afonso Maria sobre a profundidade do mistério da Epifania do Senhor Jesus Cristo.

Hoje, no dia da Solenidade da Epifania de Nosso Senhor Jesus Cristo[1], nós propomos que meditemos com Santo Afonso Maria de Ligório sobre um dos mistérios da manifestação do Filho de Deus aos homens, que é a adoração dos três Reis Magos do Oriente. Este texto é muito recomendável para as pessoas que praticam a devoção dos primeiros sábados em reparação das ofensas contra o Imaculado Coração de Maria. Para as pessoas que ainda não praticam, este texto é um convite para esta devoção tão querida por Jesus Cristo e pela Virgem Maria.

Meditemos com Santo Afonso Maria sobre a profundidade do mistério da Epifania do Senhor Jesus Cristo.

A adoração dos três Reis Magos ao Menino Jesus

Uma das práticas da devoção reparadora dos primeiros sábados é a meditação de um ou mais mistérios do Santo Rosário, durante pelo menos 15 minutos, na intenção reparadora ao Imaculado Coração da Virgem Maria. Sendo assim, o texto que apresentaremos será um grande auxílio para viver bem esses 15 minutos, meditando sobre o mistério da Epifania do Senhor, que se insere no 3º mistério gozoso, no qual contemplamos o Natal do Menino Jesus Cristo. De qualquer forma, meditar sobre a manifestação de Jesus Cristo neste Tempo do Natal, será de grande valor espiritual para todos nós. Continue lendo…

O tempo do Natal é propício para renovar nosso amor primeiro e incondicional a nosso Senhor Jesus Cristo.

No Natal, celebramos a vinda de Jesus Cristo em família, com os amigos, queremos estar com aqueles que mais amamos. Não há nada errado com este amor humano. Mas, neste Natal, quando “completaram-se os dias em que (Maria) devia dar à luz; e deu à luz o seu filho primogênito — Impleti sunt dies ut pareret (Maria); et peperit filium suum primogenitum” (Lc 2, 6b-7a), podemos ir além desse amor humano e meditar sobre a precedência do amor divino em nossas vidas.O-Natal-e-o-amor-a-Jesus-Cristo

Imaginemos ver o Menino Jesus já nascido na gruta de Belém, e ouvir os anjos cantar glórias a Deus e desejar paz aos homens de boa vontade (cf. Lc 2, 14). Pensemos em quais devem ter sido os sentimentos que despertaram no coração da Santíssima Virgem Maria, ao ver o Verbo divino feito seu Filho! Ponderemos sobre a devoção e a ternura de São José ao apertar contra o coração o santo Menino! Unamos as nossas mentes e os nossos corações aos de Maria e de José para meditar sobre o Amor, que não é amado. Continue lendo…

Saiba o quanto foi grande a tristeza do Coração de Jesus ainda no ventre da Virgem Maria.

Santo Afonso Maria de Ligório nos leva a meditar sobre a tristeza que o Menino Jesus experimentou desde o ventre de sua Mãe, Maria Santíssima. Ele experimentou essa tristeza por que tudo quanto Jesus Cristo padeceu no decorrer de sua vida estava diante dos seus olhos quando ainda estava no seio da Virgem Maria. Jesus aceitou todo esse sofrimento por amor a nós. Nessa aceitação e no combate da aversão natural a tantos sofrimentos, ó Deus, que aflição não experimentou o seu Sacratíssimo Coração?!

Saiba o quanto foi grande a tristeza do Coração de Jesus ainda no ventre da Virgem Maria.

A Virgem Maria, com o Menino Jesus em seu ventre, e São José a caminho de Belém.

Jesus Cristo, embora inocente, desde o princípio de Sua vida começou a sofrer por nós. Sendo assim, é muito mais do que justo que nós, miseráveis pecadores, soframos alguma coisa por amor a Cristo e para pagar pelos nossos pecados. Nessa perspectiva, meditemos sobre os sofrimentos do Menino Jesus, ainda no ventre de sua Mãe, para encontrar neles o verdadeiro sentido do Natal. Continue lendo…

Saiba por que a meditação dos mistérios de Jesus Cristo é importante para nossa santificação e salvação.

São Luís Maria Grignion de Montfort, no seu livro “O Segredo do Rosário”, nos explica por que a meditação dos mistérios de nosso Senhor Jesus Cristo são meios necessários para alcançar a perfeição cristã e a salvação eterna. Este é o caminho ordinário de santificação e de salvação que todos nós devemos trilhar, pois faz parte da Tradição da Igreja Católica, das suas origens mais remotas.

Saiba por que a meditação dos mistérios de Jesus Cristo é importante para nossa santificação e salvação.

Nossa Senhora da Dores

A primeira a trilhar esse caminho de santificação e de salvação foi a Santíssima Virgem Maria. Cheia do Espírito Santo, ela meditava os mistérios do seu divino Filho em seu coração (cf. Lc 2, 19.51). Como que à imitação de Nossa Senhora, os santos também meditavam incessantemente os mistérios de Cristo. Nessa prática, os santos, especialmente os mártires, encontraram o caminho seguro para sua santificação e salvação. Continue lendo…

Conheça as origens e as razões do devido respeito ao santíssimo nome de Jesus Cristo.

A festa do Santíssimo Nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, celebrada oito dias depois do Natal, nos recorda a reverência e o profundo respeito que devemos ter para com o nome do Filho de Deus encarnado. Desde a antiguidade, o nome de Jesus Cristo era venerado pelos cristãos, como nos atesta a Palavra: “Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos”1. Este respeito para com o nome de Jesus tem suas raízes mais antigas na tradição judaica. Os judeus obedecem rigorosamente a Lei dada por Deus a Moisés: “Não pronunciarás o nome de Javé [YHWH], teu Deus, em prova de falsidade, porque o Senhor não deixa impune aquele que pronuncia o seu nome em favor do erro”2. Em algumas traduções da Bíblia se usa, ainda hoje, o tetragrama sagrado YHWH, que não é pronunciado pelos judeus por temor de transgredir o mandamento de Deus. Em vista disso, em outras traduções, no lugar do tetragrama, passou-se a usavar vários outros nomes, sendo os mais usados em hebraico: Adonai (Senhor), Elohim (Deus). Nesta Lei dada a Moisés está também a origem do segundo mandamento da Igreja Católica, que “proíbe o abuso do nome de Deus, isto é, todo o uso inconveniente do nome de Deus, de Jesus Cristo, da Virgem Maria e de todos os santos”3. O respeito para com o nome é tão importante para os cristãos que é estendido a Santíssima Virgem e a todos os outros santos. Por outro lado, se devemos respeitar o nome dos santos, muito mais o devemos fazer em relação ao santíssimo nome do Senhor. Pois, “Deus confia o seu nome aos que creem n’Ele; revela-se-lhes no seu mistério pessoal. O dom do nome é da ordem da confidência e da intimidade”4. O nome do Senhor é Santo, por isso, não podemos abusar dele. Devemos guardá-lo na memória, num silêncio de adoração amorosa, e não devemos dizê-lo a não ser para invocar, bendizer, louvar e glorificar Deus.

Conheça as origens e as razões do devido respeito ao santíssimo nome de Jesus Cristo.

No oitavo dia, foi dado ao menino o nome de Jesus (cf. Lc 2, 21).

Continue lendo…