A consagração a Virgem Maria é uma verdadeira escola de espiritualidade, testada a aprovada na vida de muitos santos e santas há séculos.

A consagração, ou escravidão de amor, a Jesus por Maria, é uma verdadeira escola espiritual. Graças a Deus, a Igreja Católica tem inúmeras escolas espirituais. Algumas delas são mais conhecidas, como a escola de Santa Teresa d’Ávila e as “Sete Moradas”, a de Santa Teresinha do Menino Jesus e a sua “Pequena Via”, a de São João da Cruz e a sua “Noite Escura”. A escola de espiritualidade mariana é uma dessas escolas consagradas pelos santos, como São Bernardo de Claraval e São Boaventura. Esta escola espiritual, que já havia se desenvolvido durante séculos na Igreja, recebeu com São Luís Maria Grignion de Montfort, uma formulação mais acessível para todas as pessoas, desde as mais simples até aquelas mais letradas. A consagração é um método extraordinário para entrar nesta escola de santidade, sem dúvida, inspirada pelo Espírito Santo.

A consagração a Virgem Maria é uma verdadeira escola de espiritualidade, testada a aprovada na vida de muitos santos e santas na Igreja Católica há séculos.

Nossa Senhora e São João Paulo II, o Papa Todo de Maria

Os ensinamentos de São Luís Maria a respeito da consagração a Virgem Santíssima estão presentes em todos os seus principais escritos: “O Amor da Sabedoria Encarnada”, “O Segredo de Maria”, “Carta aos Amigos da Cruz”, especialmente no “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem”. Montfort deu à tradicional escola mariana de espiritualidade uma formulação que respondia a três tendências na Igreja do o século XVII: a espiritualidade barroca, bastante tradicional; a exaltação da razão, por causa das influências filosóficas do Racionalismo e do Iluminismo1; e a espiritualidade popular, mais simples e devocional. Esta característica profundamente católica deste método fez do Tratado um verdadeiro tesouro de espiritualidade mariana para a Igreja. Durante esses últimos trezentos anos a consagração difundiu-se pelo mundo inteiro. Mas, foi no século XX que a consagração ganhou uma visibilidade sem precedentes em toda a Igreja, especialmente por causa do Papa João Paulo II, grande propagador desta devoção, que tinha como lema do seu pontificado a expressão em latim: “Totus Tuus”, que significa “Todo Teu”, ou “Todo de Maria”. Continue lendo…

Saiba por que o Ano Mariano é um tempo muito oportuno para fazer a nossa consagração a Jesus por Maria.

Ao perguntar-nos por que fazer a consagração neste Ano Nacional Mariano, nós temos que ter em conta que todo o tempo dedicado a Virgem Maria é um tempo de graça. Tanto que o Verbo Eterno de Deus não quis vir ao mundo na idade de homem perfeito, independente de qualquer pessoa, mas veio como uma pobre e pequenina criança, dependente dos cuidados e do sustento de sua Mãe Santíssima. Poderíamos pensar que sua vida oculta foi um tempo perdido, que Jesus Cristo poderia ter aproveitado melhor seu tempo aqui na Terra, para pregar e consequentemente converter mais pessoas, realizar mais milagres, curar mais enfermos, libertar mais possessos.

Saiba por que o Ano Mariano é um tempo muito oportuno para fazer a nossa consagração a Jesus por Maria.

Papa São João Paulo II em sua primeira visita ao Santuário Nacional de Aparecida (1980).

No entanto, o Filho, “esta Sabedoria Infinita, que tinha um desejo imenso de glorificar a Deus, seu Pai, e de salvar os homens, não achou meio mais perfeito nem mais rápido para o fazer do que submeter-se à Santíssima Virgem”[1]. A submissão de Jesus a Maria era em todas as coisas, e não somente durante os oito, dez ou quinze primeiros anos, como as outras crianças, mas durante os trinta anos de sua vida escondida. Sendo assim, sigamos o Seu exemplo, sejamos também submissos e consagremos toda a nossa vida terrena a Nossa Senhora, pela salvação dos homens e para a maior glória da Santíssima Trindade. Continue lendo…

Conheça o rito da consagração a Virgem Maria e duas fórmulas para a bênção e a imposição das cadeias.

Neste artigo, apresentamos, de forma simples e resumida, o rito da consagração a Santíssima Virgem Maria e duas fórmulas possíveis para a bênção própria das cadeias ou correntes e a para a sua imposição.

Conheça o rito da consagração a Virgem Maria e duas fórmulas para a bênção e a imposição das cadeias.

Detalhe das correntes de Nossa Senhora de La Salette, que eram raios de glória de grande brilho.

São Luís Maria Grignion de Montfort nos ensina – no final do seu clássico e precioso livro “Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem Maria” – quando e como deve ser o rito de consagração[1]. O Apóstolo da Virgem também recomenda que usemos as cadeias ou correntes como sinal da amorosa escravidão a Jesus Cristo e a Nossa Senhora[2]. Continue lendo…

Leia homilia do Padre Paulo Ricardo dirigida especialmente aos consagrados a Virgem Maria, na festa de Nossa Senhora de Guadalupe.

Em 12 de Dezembro, Padre Paulo Ricardo presidiu a Santa Missa no grande dia do Consagra-te 2016 e, na homilia, nos levou a conhecer e a meditar sobre a mensagem da Virgem de Guadalupe aos consagrados. A celebração aconteceu na Paróquia Cristo Rei, em Várzea Grande-MT, e contou com a presença de centenas de pessoas que se consagraram ou renovaram sua consagração. Na celebração, Padre Paulo rezou também por todas as pessoas que participaram da 7ª Campanha Nacional de Consagrações a Santíssima Virgem Maria:

Leia homilia do Padre Paulo Ricardo dirigida especialmente aos consagrados a Virgem Maria, na festa de Nossa Senhora de Guadalupe.

Nossa Senhora de Guadalupe

Meus queridos irmãos e irmãs, com grande alegria, celebramos esta festa, desta aparição extraordinária, de Nossa Senhora de Guadalupe. Uma aparição tão extraordinária que fez com que a Igreja dissesse que Deus não fez isso com todas as nações. Ele fez isso com a América. Somente para nós Deus providenciou uma aparição mariana onde deixou gravado no manto do índio São Juan Diego uma imagem dessa aparição. Continue lendo…

Saiba o que são as três vindas de Jesus Cristo e qual a importância da Virgem Maria em cada uma delas.

No Tempo do Advento, aprofundamos o tema das três vindas de Jesus Cristo, que está intimamente ligado a Santíssima Virgem Maria. No entanto, antes de tratar desta ligação, é importante sabermos com clareza o que são essas três vindas de Jesus. Duas delas são realizações de promessas de Deus. Mas, uma dessas vindas ainda está por se cumprir e nela, como nas outras, Nossa Senhora tem uma missão fundamental.

Saiba o que são as três vindas de Jesus Cristo e qual a importância da Virgem Maria em cada uma delas.

Nossa Senhora da Anunciação

A primeira promessa nos foi dada pelo profeta Isaías: “uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7, 14); e se cumpriu no mistério da Encarnação do Verbo de Deus, no ventre da Virgem de Nazaré (cf. Lc 1, 26-38). A segunda nos foi dada pelo próprio Cristo, quando disse: “Estai, pois, preparados, porque, à hora em que não pensais, virá o Filho do Homem” (Lc 12, 40; cf. Mt 24, 44). Há dois mil anos, a Igreja vive na expectativa da segunda vinda de Cristo. Podemos até pensar que foi perda de tempo viver nessa expectativa, mas não foi, pois o Senhor também prometeu: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 20). Esta é a terceira vinda: Jesus está conosco e nos visita de modo particular, às vezes nos momentos em que menos esperamos. Continue lendo…

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com